Nem pastor, nem jogador de futebol

Eu era “pititim”. lá em Minas, e cresci sonhando com um grande futuro. Papai, que sempre desejou o melhor pra todos nós, logo cedo sonhou alto: “- Fiote (quando bem humorado, era assim que me chamava), seja jogador de futebol. Você ficará rico, e terá o mundo todo te admirando”. Menino obediente, fui para os descampados, no que chamávamos “campinho de futebol”. Meu pai logo percebeu que meu futuro, quanto ao futebol, estava selado: eu ficaria sentado em um confortável sofá assistindo jogo pela tv. De vez em quando, iria ao estádio pra assistir alguma partida. E só.

Papai era do tipo “brasileiro não desiste nunca!”. E já tinha um plano de contingência, aprimorado mediante meus progressivos fracassos futebolísticos. É que eu fazia o tipo garoto bonzinho, logo me tornando acólito. Nome chic pra coroinha. Com os padres aprendi a jogar xadrez. Fui e sou abaixo de medíocre nessa coisa, já que não tenho paciência para esperar o adversário pensar. Sempre fui rápido no xadrez, o que significava derrotas em tempo recorde. Papai, de olho, aguardando os acontecimentos, insistindo em sonhar com meu futuro grandioso.

Jovem, descobri que queria ser padre. Papai sabia que eu não tinha condições de chegar a ser bispo, nem cardeal e, papa, nem pensar. No máximo eu chegaria a vigário de alguma paróquia do interior. Eu vivia ideais franciscanos, para desespero do meu pai. Para os desavisados, ideais franciscanos é sinônimo de voto de pobreza. Como o pai do querido santo, papai me achava insano. Acho que ele sabia que eu viveria na simplicidade que o Santo de Assis prega, mas, padre…

Lá pelas tantas, eu ainda no seminário, papai iniciou a campanha para que eu fosse pastor. “Veja só, meu filho, padre ganha pouco e ainda tem que deixar tudo com a igreja. Agora, pastor não; pastor é dono da própria igreja. Você pode ficar rico, milionário. Você leva jeito!”.  Cheio daqueles ideais que só jovem tem, ficava irritado com as brincadeiras do meu velho. Eu insistia em que era brincadeira, mas ele bem que sonhava um futuro grande, grandioso.

Segue abaixo um pequeno exemplo do tamanho do meu futuro, que já se fez presente:

Manipulei a foto, na inútil tentativa de deixá-la bonita rsrsrs

Pensar que um chute bem dado garante a vida de um Adriano. E que um blá-blá-blá articulado resulta em ser proprietário de rede de televisão.

Ah, meu pai, jogador de futebol não daria mesmo; mas, pastor! Vai saber, não é mesmo? Bem, como os meninos do farol, ou de dentro do buzão, eu não estou chorando, não estou reclamando, não estou roubando, não estou matando, nem mesmo estou pedindo! Só estou é me divertindo com as ironias dessa vida. E paro por aqui; antes que as pilhas acabem chegarão outras e mais outras e mais outras e mais outras…

Após essa pausa, vou corrigir mais um pouco. Tchau!

Sobre valdoresende

As formas de expressão dominam minha vida. E aqui, neste blog, pretendo escrever sobre elas, sobre meu cotidiano, as coisas e pessoas que curto. Sou professor, escritor, diretor teatral, mestre em artes visuais pela UNESP e um pouco mais. Frutos de uma vida, graças à Deus, intensa.

Publicado em 21/11/2011, em Cotidiano e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 16 Comentários.

  1. Ei, estou vendo o trabalho do meu grupo nesta pilha, srsrsr!
    Abraços, Valdo!

  2. Ainda bem que desisti,pensei tanto em ser professora.Boa sorte(rs).

  3. karina Correia

    Quando estou escrevendo as estratégias de MKt, lembro das coisas que nos ensina em sala de aula, então corrija os trabalhos com bastante carinho!!!!

  4. samuel carvalho

    ahhhh PQP Valdo! mais que delícia de leitura!!!

  5. Irmão, a minha pilha era menor, pelo menos até ontem. Lindo texto, lindas, na verdade, as tuas escolhas. Bjs.

  6. Paulo Sergio

    Professor trabalha pouco e tem os melhores salários e as melhores condições profissionais kkkkkkkkkkkkkk

  7. O pior é que esta pilha não tem fim, quando imaginamos que está terminando, logo vem mais!!!!

  8. Valdo,
    é que naquela época ainda não existia um Adriano… Um Ronaldo…
    Se existisse, nosso pai faria você tomar um chá de chuteiras, que de uma forma ou de outra, daria certo: Se não desse para ser um bom jogador de futebol, pelo menos “GORDO” você seria estando assimj, livre dessa quinquilharia no sofá.

  9. Também, com toda essa vocação para Assis, sempre será escravo.

  10. Só me resta plagear a nossa criativa Marta: “relaxa e goza”. rsrsrsrsrsrsrsrsr…..

  11. Karina Forni

    Precisando de uma mãozinha? rs

  12. Como vc escreve muito bem, que tal fazer uma parceria?.Ai, a gente is ficar rico.

    Vc escreve, e eu ,como falo muito faria o sermão.

    Edir Macedo i ficar de longe assistndo e babando.

  13. Ai ai, olha o meu futuro (já não tão distante) aí…

    Beijos!
    Adorei o texto!

  14. LERELERELERELERELEREEEEEEE…..KKKKKKKKKKKKKKK

  15. Vavá,
    Nunca tente voltar para sua Minas Gerais, pois aqui estamos vivendo um regime de “eu falei e ponto final” ao qual se trabalha tanto quanto você, mas o salário é ao contrário.

  16. Você est´[a mais feliz que eu. Estou com tantos trabalhos e provas pra serem corrigidas, que quando entro em casa, quase que ouço todas dizerem pra que eu volte para que o ambiente não fique tão apertado.Mas em outra vida… Eu quero nascer “VADIA”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 53 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: