Tags

, , , , ,

Estou feliz. Nos últimos meses, com o Projeto Arte Na Comunidade 3, nosso trabalho atingiu 22.200 alunos das escolas municipais de Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Santos e São Vicente. Foram 262 apresentações realizadas pelos nossos atores, além das dez apresentações abertas ao público no início e encerramento do projeto. 22.200 alunos! Eita!

Fabíola Moraes com algumas das crianças de Praia Grande. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Fabíola Moraes com algumas das crianças de Praia Grande. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Quando Fabíola Moraes entrou em cena no dia 8 de agosto, abrindo o projeto em Praia Grande, já foi possível constatar o estabelecimento de uma relação entre a atriz e as crianças da cidade. A música do Flávio Monteiro correndo solta e Juju, a personagem de Fabíola, conquistando a criançada da cidade; inesquecível! O mesmo ocorreu nos dias seguintes com Ernani Sequinel em São Vicente, repetindo-se em Santos, com Bruno Fracchia.  No Guarujá, ocorreu o mesmo com Rogério Barsan, assim como Gigi Fernandes, em Cubatão.

Ernani Sequinel brinca com as crianças de São Vicente. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Ernani Sequinel brinca com as crianças de São Vicente. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Ver crianças atentas ao que é dito pelos atores, cantando junto, subindo ao palco para brincar, participar de jogos e brincadeiras ganha uma conotação diferenciada quando se é o autor da coisa. Muito além da vaidade boba está a alegria em atingir o coração das crianças com algo tão antigo, desprovido de alta tecnologia e efeitos especiais: em cena, velhos e queridos palhaços com brincadeiras singelas, cenas simples cujas intenções básicas pretendem o entretenimento e um pouquinho de conhecimento.

Bruno Fracchia encenando com as crianças de Santos.Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Bruno Fracchia encenando com as crianças de Santos.Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Vieram as apresentações escolares. Temos vídeos, fotos, os relatos de nossos atores e, melhor de tudo, os trabalhos feitos pelas crianças. São cartas, poesias, poemas visuais, redações, crônicas… Uma imensa quantidade de textos repercutindo as ideias e o propósito do Arte na Comunidade: valorizar a cultura local, resgatar e preservar os valores, as características, a história de cada cidade.

Os trabalhos dos alunods das cinco cidades foram expostos durante a Mostra Teatral. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Os trabalhos dos alunods das cinco cidades foram expostos durante a Mostra Teatral. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Pouco antes do fim da nossa passagem pela Baixada Santista revi o Padre Américo Veccia, um amigo desde quando eu pensava ser padre; padre Somasco. A Ordem dos Religiosos de Somasca, pequena cidade italiana, foi oficializada pelo Papa Pio V em 1568. Foi criada por São Jerônimo Emiliani, um nobre de Veneza que assumiu como missão cuidar de órfãos e jovens desamparados. Seus seguidores, os Padres Somascos, estão no Brasil desde os anos de 1960 quando chegaram ao Rio de Janeiro e, de lá, para Uberaba.

Gigi Fernandes brinca de quiromante com as crianças de Cubatão. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Gigi Fernandes brinca de quiromante com as crianças de Cubatão. Foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Aos dezessete anos, pensando em mudar o mundo, decidi ser padre. Durante muito tempo pensei que dedicaria minha vida aos órfãos, ou aos mais pobres, pois São Francisco entrou em cena e ser franciscano passou a ser uma segunda opção. Lá pelas tantas já fazia teatro com um grupo de jovens da Paróquia de Nossa Senhora das Graças e, seminarista em Santo André, no ABC Paulista, fiz teatro com os jovens da paróquia de Nossa Senhora do Rosário, em Vila Luzita. Um dia concluí uma conversa com o Padre Enzo Campagna, meu superior no seminário, dizendo a ele que se continuasse fazendo teatro sairia do seminário. Pe. Enzo, correto e honesto, respondeu-me: – Se é assim, você tem que fazer teatro.

Rogério Barsan comanda a brincadeira no Guarujá. foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Rogério Barsan comanda a brincadeira no Guarujá. foto: Bruna Quevedo (Just Design).

Bom, o final da história está aí. Comemoro meus quarenta anos de teatro neste ano. Lá em Uberaba, conversando com o Américo, percebi o quanto de Somasco carrego comigo e que o Arte na Comunidade, idealizado por Sonia Kavantan, me propiciou realizar no Pará, Maranhão, Pontal de Minas Gerais e agora, na Baixada Santista. Não me tornei padre. São Jerônimo também não. Estou longe de ser santo, mas agradeço aos Padres Somascos muito do que sou.  E ao Santo, que com certeza abençoa a todos nós, envolvidos  neste trabalho com milhares de crianças participantes do nosso projeto.

Até mais!