Outros Personagens da Próxima Tarde

20160117_171704
José de Arimateia recolocou o Filho no colo da Mãe. (Pietá. Artesanato Mineiro)

Noite de lembranças sombrias. Véspera de uma sexta-feira fatal. Muitos, por aí, deverão recordar nem que seja por alguns minutos da aflição daquele alguém que, ante a eminência de uma prisão e uma provável condenação, passou a noite em oração. Passada a Última Ceia resta a longa tortura da espera pelo fato já sabido, prestes a ser consumado. Houve uma traição, uma troca por trinta moedas. Há o ser que tudo sabe e há o homem, pobre homem, prestes a experimentar dores terríveis.

Quando criança esta era uma noite silenciosa. Temerosa, pois afirmavam haver castigos horríveis caso não guardássemos devidamente a Quaresma. Nada de carne, nada de festas. O período de recolhimento atingia seu pico na semana santa. Não me recordo e não me fez falta a presença de chocolate nesse período. Havia cerimônias religiosas com textos profundos, tristes. A Via Sacra fazia lembrar e memorizar cada momento dessa última noite do Deus humano entre nós.

A tarde da sexta-feira, então, era a mais sagrada de todas. Nada de rádio, nada de TV, revista, gibi, nada! Às quinze horas estava tudo absolutamente parado, silencioso. A lembrança da profecia cumprida; nós, humanos, responsáveis por uma crucificação. Havia os teatros, o canto triste de Verônica, o desespero de Maria e um último pedido de Filho para Pai: Perdoai-os!

A Paixão de Cristo é algo tenebroso. A morte de um inocente, vítima dos interesses de muitos poderosos; resignado ante a falta de percepção da maioria da população. Fico pensando nas torturas de então – chicotadas, coroas, pregos – e penso que o sofrimento é o mesmo se há choques elétricos, paus-de-arara, solitárias escuras. Coroando tudo a execração pública. Consigo pensar, consigo imaginar, mas não consigo dimensionar exatamente o sofrimento em tal situação.

Foi lá, no passado, quando velávamos esta noite, que passamos noites inteiras em oração, reflexão, em nome da fé e da necessidade de estar ciente do que o Filho fez para nos salvar. Paróquia de Nossa Senhora das Graças. Uberaba. Onde aprendi a respeitar e reverenciar todos os personagens da Paixão e, desde então, sempre refletindo sobre dois deles.

Simão de Cirene, que ninguém sabe ao certo quem foi, teria ajudado de bom grado ou o fez por ter sido constrangido? Ali, pelas ruas da cidade segue um homem coroado de espinhos, sangrando e arrastando uma cruz. Cai. Parece que não conseguirá seguir. Os soldados obrigam um espectador a carregar a cruz com o Condenado. O que teria passado pela cabeça de tal espectador, momentaneamente encarando as feições do inocente? Entre tanta gente… O que teria acontecido ao ajudante inesperado depois de terminado aqueles momentos de horror?

Outro momento. Um corpo inerte. A mãe, o discípulo, algumas outras mulheres ao pé da cruz. O sangue demorou a estancar? E a dor da mãe, vendo o filho ali, dilacerado? E é aí que aparece José de Arimateia. O homem que tirou o Cristo da cruz. Onde estavam todos os outros discípulos? Quem irá julgá-los? O que importa é que alguém foi até Pilatos e obteve a autorização para descer o corpo da cruz, minimizar o sofrimento da mãe e, por fim, dar um túmulo digno para o Mestre.

São passagens pequenas, mas essenciais. Esses dois personagens nunca me saem da cabeça. Simão de Cirene, o inesperado ajudante e José de Arimateia, que desceu o Cristo da Cruz possibilitando à mãe um último abraço, um derradeiro acalanto. Mediante o inevitável, colaboraram para minimizar e dar um fim aos acontecimentos tenebrosos daquela sexta-feira.

A noite avança neste 2016. Neste momento, lá fora há os bares palpitantes, com sua gente sempre barulhenta.

Boa Páscoa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s