“High Hitler”, de Norman Ohler

Conhecer história! E evitar a repetição de determinadas situações. “High Hitler”, de Norman Ohler, é um livro fundamental para refletir sobre os dias em que vivemos. O subtítulo na tradução brasileira, trabalho de Silvia Bittencourt, é instigante: Como o uso de drogas pelo Führer e pelos nazistas ditou o ritmo do Terceiro Reich.

O melhor jornalismo é o investigativo, que pode partir de um dado aparentemente aleatório. Segundo consta, um amigo contou a Norman Ohler que Hitler e seus comandados usavam drogas. Ponto de partida para a pesquisa que resultou no livro que narra a dependência do führer, que consumiu 74 drogas diferentes. O autor também revela documentos que mostram que os soldados alemães recebiam doses de estimulantes em ações que resultaram nas invasões da Polônia e da França.

Silvia Bittencourt, a escritora e jornalista convidada do próximo Trem das Lives, mora na Alemanha. Investigou e publicou “A Cozinha Venenosa”, livro a respeito do “Münchener Post”, jornal de resistência ao nazismo. Assina a tradução de “High Hitler” com o respaldo de quem domina o tema e a forma, o livro reportagem.

O Trem das Lives desse próximo domingo, dia 1, será mais cedo, às 17:00. Um momento para, via bom papo, refletir sobre esses dois livros que abordam temas consideráveis para nosso presente. Temos indivíduos no poder com posturas que lembram o infeliz líder alemão, assim como precisamos valorizar a imprensa que, tal como o “Münchener Post”, denuncia as irregularidades de nossos governantes.

Serviço:

Trem das Lives com Silvia Bittencourt e Fernando Brengel.

Domingo, 01/11, 17h

instagram.com/tremdaslives

A cozinha venenosa: um jornal contra Hitler

Silvia Bittencourt, nossa convidada do próximo domingo no Trem das Lives, é a autora do livro que destacamos neste post. O texto é do catálogo da editora Três Estrelas:

A cozinha venenosa é a história da corajosa guerra de um pequeno jornal de Munique contra Hitler.

Durante mais de dez anos, o Münchener Post empreendeu uma batalha sem tréguas contra o líder nazista e seus fanáticos, denunciando os perigos de sua ideologia, noticiando seus crimes e alertando, já em 1932, sobre a monstruosa “solução final” que eles reservavam aos judeus.

Os combates não se limitaram às páginas do jornal e aos tribunais. Os nazistas chegaram a atacar os redatores nas ruas e depredaram duas vezes a redação do Post, a última delas em 1933, quando Hitler chegou ao poder e ordenou a destruição total do detestado diário.

A cozinha venenosa é o primeiro livro inteiramente dedicado à história ainda pouco conhecida do Post. A jornalista brasileira Silvia Bittencourt – radicada na Alemanha – reconstitui, a partir de cuidadosa pesquisa e por meio de uma emocionante narrativa, todos os momentos de uma das lutas mais importantes de resistência ao nazismo antes da Segunda Guerra e uma das mais audaciosas campanhas da imprensa no século XX.

Confira um trecho do livro acessando AQUI!

Silvia Bittencourt

Silvia Bittencourt (1965) é jornalista. Entre 1985 e 1990, foi coordenadora de artigos, repórter e correspondente da Folha de S. Paulo em Frankfurt. Vive desde 1991 na Alemanha, onde trabalhou, nos primeiros anos, para a Deutsche Welle e a Rádio França Internacional. Atualmente, é colaboradora da Folha, tradutora e docente do Laboratório de Línguas da Universidade de Heidelberg.