Vamos em frente

E o dono do bosque nem viu!

(Valdo, Lisa, Marta e Suzana)

– “Bora sentar que tô cansado”, informou o ancião da turma, todos testemunhas do primeiro show de Daniela Mercury na Paulista e do início e ocaso do Orkut. O tronco de madeira, em um delicado bosque da Lapa, aqui em São Paulo, remeteu aos bancos do jardim do convento, onde estudamos. Sim, convento! Ah, não somos religiosos (na acepção da função de quem se filia à uma ordem ou congregação).

O IAP – Instituto de Artes do Planalto, da UNESP, usava antigas dependências de um convento lá no Ipiranga, perto de – onde dizem – D. Pedro gritou. A construção segue padrões antigos, com formato quadrado e um jardim interno que, se falasse, ainda hoje causaria insônia e desgosto às tradicionais famílias. Sentados nesses bancos, foi possível ver dois queridos professores – com mestrado e doutorado – em briga homérica, tapas contidos pela então diretora que, sem pestanejar ordenou:  – Quieta, veados! (hoje ela seria processada?!).

Também desses bancos foi vista outra cena, trágica e hilária. Trabalho de final de ano, um aluno fez uma performance, lembrando antigos happenings, caminhando e dançando seminu pelos corredores da escola, aludindo à antigas manifestações de coros gregos. A tarefa – era uma avaliação de final de ano – deveria ser filmada. O encarregado do registro se esqueceu de colocar fita na máquina e… nada gravado. O aluno correndo pelado tentando bater no encarregado da filmagem foi o melhor evento daquele ano.

Temos dentes!

Tempo, tempo, tempo… (pra cada “tempo” conte 10 anos!) e assim chegamos ao final de 2021. Um encontro tão complicado quanto acertar a economia mundial. A primeira tentativa foi de estarmos todos às 9h00 no tal bosque, lá na Lapa. – Quem acorda cedo? Dá licença.

– Mas, a exposição da Suzanita termina às 13h!

– A gente pode chegar 12h30?

– Poderíamos fazer um piquenique!

– Tenho que sair às 14h.

Após negociações e pequenas sutilezas por faltas anteriores (- Lisa sarou da gripe?) nos encontramos, felizes, serenados, com a confiança e certeza dos grandes afetos. Somos quatro amigos. Estamos juntos há mais de trinta anos. E, para carregar na poesia que é viver uma grande amizade, devo registrar que “vivemos em acordo íntimo, como a mão esquerda e a direita”.

Suzana, a anfitriã do dia: – Queria ter balançado com vocês. A Martinha é muito vaidosa. Amo😍. E o Valdo? Meu amor até a última vista. Lisa, nossa gueixa maravilhosa.  Ficaria ao seu lado o tempo todo.

No evento, uma exposição com os trabalhos recentes de Suzana (vejam aqui). Uma incrível combinação de delicadeza e força. Após usar o balanço, citado acima, fomos conversar, sentadinhos e tranquilos, como sempre. “– Quem ficar na beirada pode ser cortado depois!” Risada geral.

Há pessoas que precisam de iates, castelos. Outras carecem de prataria e cristais nas refeições. Um número considerável precisa de um copo de qualquer coisa alcoolizada, um cigarrinho do capeta para segurar a onda. E é por isso que preciso registrar nosso banquinho, lembrando bancos de outrora. Estando juntos já é o bastante. “– Cara, a gente agora conversa de dores… aqui, ali!”, mais gargalhadas. E somos amigos! E somos felizes. Esse tipo de amizade, de encontro, de convivência que desejo para todos, com meus votos de FELIZ NATAL! ÓTIMO 2022!

Fim da coisa: Lisa, delicada, nos deu confeitos com recheio de goiaba. Feitos por ela. Suzana nos presenteou pequenos vasos, com diferentes tipos de flores, sobre uma base rústica, preparada por Darli, único marido presente no recinto. Marta e eu agradecemos os presentes (- Que falta de gentileza! Rsrsrsrsr). Em uma grande demonstração de força de vontade cheguei na Bela Vista com todos os docinhos intactos.

E vou repetir: simples assim. Um banquinho, quatro amigos, obras de arte feitas por um deles e, certamente, um dos melhores encontros do ano. Desejo mais uma vez o mesmo para todos, durante todo o ano que se avizinha.

Boas festas!

Nota: sutis referências. No título, Chico Buarque, e na citação de Fernando Pessoa, sobre acordos íntimos…

Surpreendentes descrições

Por Nando Cury*

Impossível não entrar dentro de cada história autobiográfica descrita por Valdo Resende, em seu livro “O vai e vem da memória”.

No vai, navega o passado com sua privilegiada memória. E no vem, volta ao cotidiano de sua cidade natal, para completar surpreendentes descrições das passagens marcantes de sua infância e adolescência.

Tem Uberaba, MG, como grande cenário dos incríveis personagens, personalidades, prédios, lugares, eventos e fatos retratados nesta obra. Das brincadeiras nos quintais aos momentos de reflexão sobre os telhados. Dos parques de diversões ao recinto de exposições de gado. Da linha do trem da Mogiana ao pátio do colégio. Das belas canções ouvidas na Rádio PRE-5 aos cobiçados vinis nas lojas de disco. Dos bailinhos com Bee Gees aos cults nas sessões das salas de cinema. Da religiosidade e fé, nos encontros litúrgicos de jovens, aos primórdios das suas criações autorais para o teatro.

Nando Cury e Valdo Resende

Serviço:

O vai e vem da memória – Ed. Elipse, 312 páginas. Para adquirir, entre na loja pelo link https://valdoresende.com/livros

* Nando Cury é publicitário, escritor, compositor e cantor. Publica semanalmente no podcast Semônica.

Quase todos e + memórias

Um registro visual da maioria dos presentes nos eventos de lançamento de “O vai e vem da memória”. Até onde me recordo estão quase todos. Lamentavelmente faltam, além de alguns amigos, o pessoal do Barroco Arte Café, em Uberaba, e o pessoal do Portella Bar, aqui em São Paulo.

Foi uma novidade, na minha carreira e na de alguns amigos, fazer lançamento de livro em locais que não livraria. Deu tudo certo e foi muito bom. Em Uberaba desfrutamos do conforto de um antigo casarão com pé-direito alto e janelas, muitas janelas. Aqui em São Paulo ficamos prioritariamente no passeio, o que facilitou o distanciamento nesses tempos tão difíceis.

Agradeço profundamente aos colaboradores de última hora – Agostinho Ermes, Adryana Gabriela e Andréia Rezende, em Uberaba; e Neusa de Souza, aqui em Sampa -, e também aos parceiros neste trabalho: Sonia Kavantan, João Eurípedes Sabino, Simone Gonzalez, Fernando Brengel e um, especialíssimo, ao meu companheiro Flávio Monteiro.

O lançamento, em Uberaba, só foi possível com o apoio de Walcenis, minha irmã, e Carmen Veludo, fundamentais para que a logística pensada se tornasse realidade. Na terrinha, tivemos o apoio de Kiko Pessoa, do Barroco Arte Café, e aqui em São Paulo, Sérgio “Bahia”, no Portella, ambos nos acolhendo e facilitando-nos as ações pensadas.

A0s meus familiares, amigos, colegas, ex-alunos, conhecidos, meu muitíssimo obrigado. Um monte de coisas para mais memórias!

Agora é seguir em frente. A exposição, em Uberaba, permanece até dia 22. Os livros já estão disponíveis para venda neste blog e, em breve, anunciaremos os eventos previstos para prosseguimento deste trabalho.

Muito obrigado!

Valdo Resende / Dezembro de 2021

Livro transita entre Uberaba e São Paulo

Link do original: Jornal de Uberaba – Cultura

Meu agradecimento ao Luiz Hozumi, do Jornal de Uberaba, autor da publicação acima.

Uma senhora rua, no Bixiga!

Nossa rua, esse movimentado “sanduíche de vento”

Quem diria! Vou lançar meu livro “O vai e vem da memória” na rua onde nasci, em Uberaba, e na rua onde moro, no Bixiga. Este é conhecido oficialmente como Bela Vista, um antigo bairro da capital, São Paulo. É representativo e impossível não mexer com minhas emoções. Neste momento olho para a janela e vejo toda a minha rua. Toda! Um pequeno quarteirão, com um edifício de cada lado fazendo o popular sanduíche de vento.

Começando na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, onde os dois citados edifícios fazem esquina, a Rua Professor Sebastião Soares de Faria termina na confluência das Ruas Monsenhor Passaláqua e Artur Prado. Uma rua pequena, mas intensa! Sinta o lance, caro leitor: Nesse pequenino quarteirão estão 4 bares, 3 restaurantes, 2 cafés, 1 armarinho, 1 doceria e 1 cabeleireiro. E entre os moradores, “euzinho”!

Da janela do quarto, ou da sala, já vi incontáveis situações ao longo desses vinte e tantos anos. Ensimesmado olhei para o céu, tentando recuperar o céu azul de Uberaba, e pelas mesmas janelas observei o nada, já que o pensamento estava povoado de memórias. Como diriam meus avós, conversa não enche barriga, daí, ao bater a fome é descer e escolher uma bela variedade de sandubas, comida japonesa, árabe ou… nordestina!

“O vai e vem da memória” é o livro de um migrante que, em São Paulo, recorda a própria origem enquanto caminha no espaço e no tempo dentro da grande cidade. O autor mora em frente ao bar especializado em comidas do nordeste. Pronto! Um encontro de migrantes com o povo de São Paulo no lançamento de um livro. O bar é o Portella!

Fundado em 1969, o Portella bar é referência em boa comida: petiscos que estão entre os melhores da capital, torresmo, baião de dois, feijoada aos sábados e, dessas coisas que só acontecem em São Paulo: popularmente, aqui na rua, a gente diz que o Portella é restaurante baiano. Neste, sempre que há jogos do Atlético Mineiro, uma grande quantidade de torcedores do clube exerce o ofício de torcer com a mesma paixão daqueles que estão dentro dos estádios. Independendo do resultado dos jogos, o bom humor é garantido pela boa comida e bebida gelada.

E assim, somarei dois momentos especiais na minha trajetória. Primeiro, em Uberaba, quando o livro será lançado no Barroco Arte Café, que fica na Rua João Pinheiro, por onde entrei no planeta. Depois, volto para casa, para o Bixiga, minha Bela Vista. Em dado momento, descer, atravessar a rua e receber os amigos no Portella para o lançamento do livro na “minha rua”. É ou não é um privilégio raro!?

Espero dividir esses momentos com todos os familiares, amigos e conhecidos. Vejam as datas:

Nos encontraremos!

Si se calla el cantor

Para a cantora Marília Mendonça, prematuramente falecida, através de outros grandes, Mercedes Sosa e Horacio Guarany. Meus sentimentos aos familiares e fãs.

Si se calla el cantor
Calla la vida
Porque la vida, la vida misma es todo un canto

Si se calla el cantor
Muere de espanto
La esperanza, la luz y la alegría

Si se calla el cantor
Se quedan solos
Los humildes gorriones de los diarios
Los obreros del puerto se persignan
¿Quién habrá de luchar por sus salarios?

¿Qué ha de ser de la vida, si el que canta
No levanta su voz en las tribunas
Por el que sufre, por el que no hay ninguna
Razón que lo condene a andar si manta?

Si se calla el cantor
Muere la rosa
¿De qué sirve las rosas sin el canto?

Debe, el canto, ser luz
Sobre los campos
Iluminando siempre a los de abajo

Que no calle el cantor
Porque el silencio
Cobarde, apaña la maldad que oprime
No saben los cantores de agachadas
No callarán jamás
De frente al crimen¡

Que se levanten todas las banderas
Cuando el cantor se plante con su grito!
¡Que mil guitarras desangren en la noche
Una inmortal canción al infinito!

Si se calla el cantor
Calla la vida

Compositore: Horacio Guarini

%d blogueiros gostam disto: