Prêmio Funarte RespirArte: Oportunidade Para Artistas

Lançado edital da Fundação Nacional de Artes, o Prêmio Funarte RespirArte, pretende selecionar atrações online para o público e a promoção da arte de todas as regiões do país.

A Funarte pretende incentivar 1.600 produções artísticas em vídeo, inéditas, realizadas em plataformas digitais, com prêmios de R$ 2,5 mil para cada contemplado (deduzidos os tributos). As áreas alcançadas são: circo, artes visuais, música, dança, teatro e artes integradas. A Fundação concederá 270 prêmios para cada uma das linguagens específicas e 250 para artes integradas.

As inscrições devem ser realizadas por meio do formulário online. O prazo se inicia hoje, dia 17 de junho e termina dia 3 de agosto.

No edital, os interessados encontrarão instruções sobre especificações técnicas e regras detalhadas.

Para conhecer o edital clique aqui.

Boa sorte!

Concurso Literário: Revirar o Mundo

A editora Giostri está realizando um concurso literário de narrativas curtas. O tema do concurso é “Revirar o Mundo – Pandemia e Recomeço”, alusivo à situação atual de crise ocasionada pela covid-19 e as perspectivas de mudança social e cultural nos tempos que virão. O concurso contemplará três autores e também selecionará outros dez contos para menção honrosa.

Veja detalhes no vídeo e logo abaixo o link para o edital do concurso.

 

Veja o edital completo clicando aqui!

https://www.giostricultural.com.br/

CBL Lança Uso de Blockchain

LIVROS

CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO LANÇA NOVOS SERVIÇOS

O registro de Direitos Autorais e de Contratos passam a fazer parte do leque de produtos da CBL

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) lança de outras duas funcionalidades em sua plataforma de serviços: registro de Direitos Autorais e registro de Contratos. E com mais uma novidade: o uso da tecnologia blockchain.

Amanhã, dia 10 de junho, às 17h, uma palestra online e ao vivo na página da CBL no Facebook, reúne um time de peso para falar sobre o blockchain, como a tecnologia se aplica aos novos serviços oferecidos pela instituição, além de abordar a sua importância para o mercado editorial como um todo.

Fernanda Garcia, diretora executiva da CBL fará a apresentação dos serviços, com colaboração de Paulo Perrotti, advogado da LGPDSolution, professor de Cybersecurity e presidente da Câmara de Comércio Brasil-Canadá com a mediação de Bruno Mendes, fundador da consultoria e agência digital Coisa de Livreiro.

Registro de Direito Autoral

O novo serviço da Câmara Brasileira do Livro de registro de direitos autorais em blockchain é uma das formas mais fáceis e descomplicadas de proteger a produção intelectual, certificando a autoria ou a titularidade de uma obra.

Poderão ser registrados textos, músicas, livros, ilustrações, roteiros, entre outras coisas. Confira no site a lista completa do que pode e o que não pode ser registrado.

O valor do registro é de R$69,90, todo processo é feito digitalmente e toda obra registrada recebe um certificado digitalizado e um código hash que identifica o registro.

Registro de Contratos

Todos os tipos de contrato podem ser registrados, incluindo os de edição, cessão de direitos autorais e de prestação de serviços. O processo pode ser feito se uma das partes assim desejar. É importante frisar que embora o registro se torne público, o teor continua 100% confidencial.

O valor unitário para registros de contratos é R$99,90.

Blockchain

O blockchain é como um livro de registros público onde todos conseguem verificar a autenticidade das informações. A tecnologia blockchain é 100% confiável, pois impede troca ou alteração de dados em um sistema, ou seja, total segurança para as informações inseridas na plataforma.

Serviço:

Palestra online: Blockchain – um futuro próximo para o Mercado Editorial

Data: 10 de junho | quarta-feira

Horário: 17h

Transmissão na página da CBL no Facebook – facebook.com/camaradolivro/

Colo, novo livro de Monahyr Campos

monahyr

Conheci Monahyr Campos na universidade onde fui professor. Temporariamente distantes pela atual situação, fico feliz em poder divulgar Colo, novo livro em pré-lançamento, exclusivamente virtual. Formado em Letras e mestre em Linguística, Discurso e Mídia, Monahyr tem intensa atividade cultural. Compositor e intérprete, também atua como colunista da Rádio Baruk, Programa Podcasts Literários.

“Em Colo, Monahyr Campos cria conexões com o público, ora expondo questões sociais, ora refletindo a partir do cotidiano subjetivo de pessoas comuns, tecendo suas tramas com as diferentes linhas que contribuíram para o enraizamento da cultura brasileira”.

colo monahyr (2)

Leia abaixo um dos contos publicados no livro:

Cerimônia da Partilha!

Havia uma colmeia dentro da caverna,

Com abelhas inofensivas.

Precisa paciência para extrair inteira,

mas compensa retirá-las vivas.

Uma roda de ciranda com sete meninos e sete meninas cantava interminavelmente esse mantra segurando firmemente nas mãos uns dos outros. Davam passos firmes e ritmados, em perfeita sincronia, em sentido horário e anti-horário. A cada repetição da estrofe, um garoto e uma garota, cortavam a roda, indo a direções opostas, ocupando o lugar deixado pela pessoa que o havia saudado com reverência, no centro da circunferência.

Às vezes, aparentemente de improviso, o casal interagia entre si com uma dança diferente: imitando as abelhas, ou os mais velhos, ou criando coreografias inusitadas.

Com a chegada dos mais velhos, eu entre eles, imaginei que a dinâmica fosse ser alterada, porém, abriu-se uma segunda roda, em torno da primeira, engrossando o coro e acrescentando o som das palmas ao ritmo dos pés batendo forte no chão. – Eu queria apenas observar, comentei com D. Meninge, mãe venerável daquele povo de felicidade. – É assim que observamos o mundo: participando dele. Vocês, cientistas, param de respirar quando estudam respiração?

Neste momento, uma garota canta mais alto e seu gesto foi imediatamente compreendido como sinal para dar-lhe a palavra. Todos silenciam e sentam-se mantendo a forma circular. Pia inicia sua narrativa cantada lembrando que é tradição milenar de seu povo receber estrangeiros ávidos por conhecimento. Todos a acompanharam no refrão:

A aranha quando tece

A teia do conhecimento

O inseto aceita

É puro arrebatamento

Ela retoma a palavra e me apresenta, em versos, contando fatos de minha vida como se Ney Lopes tivesse composto minha biografia, tamanha a beleza na escolha das palavras. Retornam ao refrão. Após finalizar D. Meninge assume a palavra:

– É uma benção inigualável podermos manter nossa tradição, mesmo com todo retrocesso que vem ocorrendo no mundo dito civilizado. Todo conhecimento que cultivamos, nossas histórias e experiências, justificam sua existência quando temos a honra de fazer acréscimos a nossos irmãos menos abençoados. Quando nossos sábios foram visitar esses povos, tiveram que utilizar nomes populares, falar por parábolas, respeitando suas dificuldades em compreender os fatos mais evidentes, mais triviais. Soltemos um pombo branco em homenagem a estes corajosos que assumiram essa missão suicida, de equilibrar um pouco mais a elevação espiritual dos povos espalhados pelo planeta.

Da mesma forma, devemos dar toda honraria a este destemido cientista por dar sua vida em troca do conhecimento. Sua abnegação em busca de sabedoria é notória, assim como a doação de sua juventude, das horas de sono perdidas, tudo pelo bem maior. Fomos agraciados com sua companhia por 14 dias de generosidade, nos quais este ser humano de grande valor pode subir ao topo mais alto, de onde pode ver com mais lucidez toda a história da vida no planeta.

É chegada a hora da partilha. Todo sacrifício pela ciência, pela consciência e transcendência nos une, nos alimenta o corpo e a água. Eu declaro iniciada a cerimônia da partilha!

Para adquirir o livro acesse aqui o site da editora. O frete é grátis!

Desejo ao Monahyr boa sorte e sucesso nessa nova empreitada.

Até mais!

“Desfaze-te da vaidade triste de falar”

IMG_20170917_134917_387

IMG_20160316_093156

20160714_164133

“Desfaze-te da vaidade triste de falar”, diz Cecília Meireles em “Não digas onde acaba o dia”; e a poetisa conclui:

Pensa, completamente silencioso,

Até a glória de ficar silencioso,

Sem pensar.

 

 

 

Medos

virus

O vírus assombra o planeta,
Assusta, deixando-nos no devido lugar.
Somos frágeis, indefesos,
Meros mortais.

O vírus avança lá,
Recua acolá,
aparece por aqui
O bicho-papão da infância
Volta em forma de realidade.

O medo antecede o vírus
O terror televisionado
Anônimos infectados
Anônimos mortos.

E as bolsas caem!
Feito ratos astutos
Feito baratas treinadas
Investidores preparam o bote
Recuam para melhor lucrar com a morte.

O vírus, tragédia anunciada
Pede serenidade perante o cadafalso
Resignação.
Medo mesmo, vem dos obtusos
Dos contaminados disfarçados
Dos propagadores irresponsáveis.

Medo maior dos donos das coisas
Das bolsas retraídas
Dos investimentos suspensos.
Para que água tratada?
Para que esgoto na periferia?
A hora é de investir em laboratórios
Distribuidores, vendedores de vacinas.

Medo dessa gente
Que lucra com o câncer
Com os tratamentos sofisticados
O dinheiro retraído para o próximo bote

O vírus, silencioso
Não discrimina ricos
O que é vantagem para o pobre.
A vacina, se vier,
Quando vier
Terá que ser para todos.

 

Valdo Resende, Março/2020

Foto: Flávio Monteiro

Ave, Uberaba, em seus duzentos anos!

catedral (2)

A cidade se renova, se expande. Ostenta orgulhosa o que é visível de seu passado e enfrenta o presente com galhardia, com a tranquilidade dos sábios que guardam verdades simples e imutáveis: vamos rumo ao futuro. A despeito de qualquer situação, segue-se em frente. Ave, Uberaba, em seus duzentos anos!.

Os limites da cidade são outros, longe daqueles que percorri quando criança e adolescente. Entendo melhor a expressão “no meu tempo”. Uberaba é outra cidade, diferente e igual àquela em que nasci. Transformada e modificada espacialmente, guarda prédios ainda com a mesma função e permanece altiva sobre suas sete colinas. Sinto falta de muita gente e saúdo os novos habitantes, esses que farão a cidade permanecer e, ao mesmo tempo, continuar.

Ave, Uberaba! Resolva seus problemas, corrija seus passos! Orgulhe-se de sua trajetória, de suas contribuições para com o Estado e o País. Comemore seus duzentos anos! Viva milhares de outros!

Feliz aniversário!

(Trechos de “O Tempo e o Espaço”, um dos textos integrantes do livro “O Vai e Vem da Memória”, coletânea de contos e crônicas dedicados a Uberaba que será lançado por Valdo Resende em abril de 2020)

.

Obs: Embora haja um aparente imbróglio quanto a ser março ou maio o aniversário de Uberaba, pretendo deixar essa questão para os historiadores. Meu desejo é comemorar o ano inteiro. A cidade merece.