Criatividade! Cuidado com autocrítica e julgamentos.

criaçao michelangelo
Detalhe de A criação de Adão – Michelangelo: talento, dom, técnica, conhecimento…

Algumas palavras aparecem frequentemente quando o tema é o indivíduo criativo. Talento, dom, inspiração e vocação costumam compor as características de tal pessoa que, no mais das vezes, são coroadas com o adjetivo inato, ou seja, pertencentes ao mesmo desde o nascimento.

São palavras bonitas, cuja sonoridade nos alegra pelo significado comum que costumam carregar. Quem não gosta de ser identificado como talentoso? Como refutar a afirmação que tal atividade veio através de um dom único, intransferível, divino? Também é delicado duvidar de um indivíduo que se diz vocacionado e que resolveu ou criou algo via inspiração – também divina!

Não se trata aqui de negar tais acontecimentos na vida das pessoas. O cuidado fundamental do jovem estudante ou do profissional iniciante é com excessos de autocrítica ou com julgamento inadequado, mesmo que de pessoas bem-intencionadas. Sempre peço aos jovens que reflitam sobre essas questões, posto que em dado momento podem sofrer as consequências de uma autocrítica que, ao invés de propiciar reconhecimento e clareza da situação, passa a ser elemento inibidor. De outro lado, sem parâmetros e critérios precisos de avaliadores, podem sofrer julgamentos inapropriados.

O que um jovem principiante pode fazer diante do profissional criativo experimentado, reconhecido e aclamado socialmente que o sentencia, afirmando que ele não tem talento, não tem o dom, faltou inspiração? Prefiro alertar para a necessidade de critérios técnicos, referências previamente adotadas e, entre outros, a precisão da competência necessária, do conhecimento esperado na hora da avaliação. Ninguém ajuda ou torna melhor a trajetória do outro determinando falta de talento, dom, vocação…

Biógrafos costumam alardear o talento precoce de artistas como Mozart, por exemplo, como se tivesse pouca importância o fato de o pai do compositor ter sido músico da corte austríaca ou, outro dado, do Mozart menino ter presenciado a irmã estudando cravo. Nem de longe pretendo questionar a qualidade do grande compositor, mas penso ser importantíssimo fazer notar ao jovem que o ambiente era musical e o primeiro talento (sim, aquele talento da parábola evangélica) já estava dentro de casa: o cravo. A família musical, o ambiente austríaco foram o “dom” recebido pelo compositor que, com inspiração, entregou-se prazerosamente ao ato de compor.

Questões de fé são complexas e, previamente, merecem respeito. Se alguém acredita ser beneficiado com um dom deve, no mínimo, agradecer a quem deu e trabalhar, muito, com responsabilidade para ser digno de tal graça. E é esse trabalho árduo e profundo o primeiro passo da chamada inspiração; ou seja, estudar e preparar-se adequadamente para uma atividade é o ato de inspirar para, no processo em andamento, chegar na solução desejada. Sem conhecimento da técnica, sem exercícios primários fundamentais, Mozart tocaria cravo, órgão, violino, piano? Não há inspiração que resolva a falta de conhecimento.

O autoconhecimento é fundamental para que um indivíduo siga em frente conforme seus desejos. Sentir-se chamado para determinada profissão, a tal vocação comum aos meios religiosos, pressupõe o reconhecimento de uma disposição natural para a atividade sonhada. Além das disposições, há que se reconhecer as aptidões, as necessidades, as competências exigidas para seguir em frente evitando frustrações.

Trabalhei com o grande diretor teatral Antunes Filho com quem aprendi que “muitas pessoas são de teatro, poucas serão atores ou atrizes”. Tendo em vista a verdadeira dimensão de uma atividade, de um setor, de uma categoria profissional como o teatro, por exemplo, podemos perceber em que parte de todo esse universo estaremos nos realizando pessoal e profissionalmente. Não ter talento para aspectos criativos de um determinado setor não implica em abdicar da criatividade para atuar em áreas técnicas administrativas. Por essas e outras questões que é fundamental o cuidado com a autocrítica e o julgamento alheio.

Edward de Bono nos ensina que “fora da ciência e da avaliação objetiva, o julgamento é sempre subjetivo”.  Assim, peçamos de quem nos julga e avalia o conhecimento para tanto, a objetividade que nos ajude a identificar como seguir em frente, retomar caminhos, orientar novos rumos. Que outros reconheçam em nós talento, dom, inspiração… Nós mesmos, precisamos do autoconhecimento, da vontade que nos impede de recear custos materiais e imateriais na realização dos nossos sonhos. E ser criativo, como qualquer outro aspecto da atividade humana, pressupõe estudo e trabalho. Vamos nessa?

Até mais.

.

ATENÇÃO: O texto acima permeia o conteúdo do curso CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO que será realizado no dia 19 de outubro de 2019 no Hotel Matsubara, em São Paulo. As inscrições estão abertas e os detalhes sobre o curso está no site www.competency.com.br

A reprodução de partes ou de todo o texto deve obrigatoriamente mencionar a fonte e o autor.

Siga este blog. Curta e compartilhe!

A avaliação do MEC é correta?

calvin

.

O MEC (Ministério da Educação) divulgou hoje a avaliação do nível dos cursos e instituições de ensino superior. Ficamos conhecendo aquelas que receberam conceito máximo e soubemos de outras que estão com problemas. Um ex-aluno lançou a questão: “- A avaliação do MEC é feita da forma correta? A metodologia aplicada faz com que eles realmente possam atestar que uma escola ou faculdade é boa?”

Não sou especialista nessa questão, mas recordei o grande Millôr Fernandes, “livre pensar é só pensar”; então, meu caro aluno, vamos pensar e levar alguns fatos para a apreciação de todos e, assim, caminharmos para possíveis esclarecimentos sobre o tema.

Primeiro grande fato: nessa avaliação estão envolvidas altíssimas forças políticas (instituições públicas) e imensas forças financeiras (Rede Privada – sem demagogias, a educação aqui é negócio).  Ministros e secretários da educação respondem pela qualidade da educação pública e caso o MEC cometa erros eles chiarão e usarão da própria força política para mudar os parâmetros do Ministério. Os magnatas da educação, por seu lado, teriam total apoio da imprensa caso houvesse algo errado; afinal, nenhuma empresa de comunicação pode desprezar as verbas de publicidade oriundas das universidades privadas. Assim, creio que o MEC não esteja fazendo nada de errado, mas, sem dúvidas, há o que discutir…

A avaliação do MEC estabelece um índice e, para estabelecer este, considera o desempenho dos estudantes no ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), o grau de formação do corpo docente e a avaliação da infraestrutura das faculdades.

Nos dois primeiros itens (ENADE e Formação do corpo docente) o MEC avalia resultados e não os processos. O fato de um professor apresentar titulação adequada indica que ele seja realmente um bom profissional? Ao ministério interessa que sejam mestres, doutores, mas como desempenham a profissão é outra história. Fica implícito que o resultado do aluno no ENADE qualifica a instituição e também o quadro de professores.

Nesse triênio foram avaliados vários cursos; ciências sociais, geografia, história, letras, música, biologia, etc. Não é difícil imaginar a importância das peculiaridades regionais como fatores que atuam no processo de alguns cursos. A prova do ENADE é única por área. Mais uma questão para considerar: o MEC dispõe de especialistas formados em cada uma das regiões do país? O aluno que estudou ciências sociais na Amazônia tem a mesma experiência que o colega que concluiu o curso no Rio Grande do Sul?

Bastam os títulos para a qualificação de um professor? (Caricatura de Fernando Paes)
Títulos qualificam professores? (Ilustração: Fernando Paes)

O critério que avalia a Universidade pela formação dos professores é, no mínimo, capcioso. É de conhecimento geral que o ingresso de profissionais na rede pública é feito via concurso. Para ingressar, a titulação mínima exigida é a de mestre ou doutor.  Nos últimos anos o MEC aceitou a contratação de profissionais sem essas titulações para atuação na rede privada. Agora, avalia ambas as redes com o critério da formação dos professores! Ora essa, como assim?

Sabemos que diplomas de mestres e doutores são registrados em Brasília; logo, o MEC tem todas as condições de saber a quantidade de profissionais habilitados para atuação nas universidades. Quem autoriza o funcionamento de um curso é o próprio MEC; quando isso ocorreu, o ministério não viu a formação dos profissionais envolvidos? Uma Universidade Federal, a de Viçosa, Minas Gerais, está com problemas no corpo docente. Como será que foram os concursos para a contratação desses professores?

Falta uma breve reflexão sobre a questão da infraestrutura das faculdades. Aqui entram, por exemplo, bibliotecas e laboratórios. Resta saber se os fiscais do MEC verificam se todos os computadores funcionam, se há máquinas em quantidade suficiente para a quantidade de vagas oferecidas e se essas (câmeras, microscópios, instrumentos musicais) também estão em pleno funcionamento. Por outro lado, há aquecedores nas salas de aulas do sul? Há aparelhos de ar condicionado funcionando em todas as salas de aula do norte do país?

Meu caro aluno, isto é um post para um blog, não um tratado sobre as condições da educação no país. Todavia cabe semear, iniciar uma discussão, alimentar o debate. Conhecimento – a facilitação deste – é poder e presenciamos, na realidade brasileira, esse poder dividido, sem deixar de ser disputado, entre duas forças básicas: a pública e a privada.

Entre as 27 instituições que receberam a nota máxima estão quinze universidades públicas e doze instituições privadas. Quase um empate. Não afirmo que é justo.  Sei que não corresponde à realidade; afinal, a USP (Universidade de São Paulo), não é avaliada. A isto se denomina poder; a Universidade mantida pela União não se submete aos parâmetros estabelecidos pelo Ministério da Educação. Por qual razão as demais aceitam tal situação?

A avaliação do MEC é correta? É justa?  Corresponde à realidade das nossas salas de aula? Reflete a atuação dos nossos professores? Retrata com fidelidade, através do ENADE, o estudante brasileiro? Vamos pensar e refletir nessas férias; “livre pensar é só pensar”; pensar para colaborar em possíveis soluções; quando falamos de educação, falamos de nós mesmos.

.

Até mais!

.