Versos de mulher para um samba com amor

Menina linda, desde criança tinham-na por musa. Da família, sendo neta primogênita; do colégio, entre as coleguinhas e da Escola de Samba Bambas do Amanhecer. Tina “Nasceu para ser amada, idolatrada, salve! Salve!” dizia o pai. Deste guardava o som de cada palavra, o sorriso sereno, a força ao levantá-la e jogá-la para o alto... Continuar Lendo →

Páginas viradas

Para Fátima Borges, a Fafa. Mesmo planejada, a mudança não deixou de ser brusca. Tinha sido uma vida atribulada, feita de oito, dez horas de trabalho diário mais ações paralelas à atividade profissional. Jantares, teatros, noites de festas, domingos no museu. A vida exigia presença, participação e ela gostava muito de tudo isso. Aos poucos... Continuar Lendo →

O CÃOZINHO ABANDONADO

Gauguin (Tahitian Pastorals, 1892 - Detalhe) Vista ali, maquiada, bem vestida, recostada no parapeito do Viaduto Jacareí, olhando embaixo para a Avenida 9 de Julho, não dava para imaginar seus motivos. Parecia uma senhora comum, uma transeunte distraída com a movimentada avenida vista ali do alto, com seu eterno vai e vem de carros, ônibus... Continuar Lendo →

Influencer

Ele só queria ser amado, admirado, desejado e, ainda mais, faturar uma graninha por ser assim, um sujeito querido e seguido por milhares, quiçá milhões. Trabalho duro, que demandou tempo iniciado por intermináveis sessões de academia. Como é difícil aumentar o peitoral! Pior são as canelas, as coxas cuja definição as peladas semanais colaboravam, mas... Continuar Lendo →

Dreams Island

Era muito pequeno, um menino de calças curtas. Nem se lembra exatamente quando ocorreu, mas ter ido visitar uns tios que moravam no litoral, lá em Vitória, no Espírito Santo, mudou para sempre a sua vida. Tudo por conta daquela prima chata, sabidona, que havia percebido que o menino ficara encantado com a cidade. “–... Continuar Lendo →

Outras faces

Foi simultâneo sentir-se acordado e abrir os olhos. Não reconheceu o cheiro dos lençóis e notou, rapidamente, ser outro o travesseiro onde repousava a cabeça. Olhou para a cama, os aparelhos sustentando frasco de soro, outro com remédio também aplicado na veia. Mexeu os braços, movimentou as pernas, virou a cabeça para um lado e... Continuar Lendo →

Uma caneca de Natal

Chegando de Ribeirão Preto, Tia Olinda sempre levava presentes, constantes mimos de alguém que gostava de agradar. Chegava sorridente, falante, e assim me entregou a caneca – que está aí na foto. Uma caneca agora cinquentenária... ou mais, não sei. Eu nem estava na escola! Ou seja, meu mundo era a família e o quintal,... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: