Mamãe ajuda a faturar

É muito bom quando instituições preservam a obra de um artista já falecido. Há fundações que atuam no sentido de garantir a integridade da obra deixada pelo artista. Normalmente sem fins lucrativos, atuam divulgando o trabalho e a vida dessas grandes figuras; também são responsáveis por novos trabalhos, autorizando  ou proibindo ações de indivíduos interessados em faturar em cima do legado deixado por outros. Esse trabalho, incipiente no Brasil, já tem exemplos notáveis no que se faz em relação a Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Falta criar algo nesse sentido para preservar a obra e a memória de Elis Regina.

Pedro, Maria Rita, Elis Regina e João Marcelo

Com o pretexto de lembrar os trinta anos da morte de Elis Regina (1945/1982), os filhos da cantora estão fazendo uma série de ações, entre shows, lançamentos de caixas, DVDs e similares. Não há como duvidar do direito ao espólio da artista, mas a sede ao pote é tanta que a fraternidade ficou em segundo plano e os interesses meramente comerciais ficam mais que evidentes.

Quem viu a entrevista com Maria Rita e João Marcelo Bôscoli no programa do Jô Soares deve ter notado que o nome de Pedro Mariano não foi citado. Foi como se apenas os dois primeiros fizessem homenagem à mãe, sem que houvesse o terceiro irmão.  Os interesses profissionais e monetários certamente estão entre as causas que impedem os irmãos em um projeto comum.

Maria Rita irá gravar o show “Redescobrir” no dia 11 de agosto, em São Paulo, no Credicard Hall. O registro será base para CD, DVD e tudo o mais que se lança atualmente. Além do patrocínio de uma empresa de cosméticos, Maria Rita tem apoio da Universal, sua nova gravadora. Dá para perceber porque Pedro Mariano ficou de fora? Ele não é garoto propaganda de cremes nem está nos interesses da Universal.

Longe dos irmãos, em Curitiba, Pedro Mariano fará outro show, no dia 2 de agosto. Com o nome “Elis por eles”, um naipe variado de cantores subirá ao palco do Teatro Positivo para, junto a Pedro Mariano, lembrar Elis Regina.  Do parceiro da cantora, Jair Rodrigues, ao grande ídolo de Elis, Cauby Peixoto, o show ainda contará com Diogo Nogueira, Lenine, Filipe Catto, Seu Jorge e, entre outros, Chitãozinho & Xororó e Rogério Flausino. É um amplo tiroteio, para acertar todos os tipos de públicos.

João Marcelo, que não canta, lança discos e DVDs da mãe famosa. Entre as novidades foi anunciado um DVD com o programa especial que Elis Regina gravou para uma TV alemã, em 1972. Mais que o registro de um momento histórico, de resto já colocado em partes na internet, o lançamento vem bem na estratégia capitalista de criar novos produtos para aumentar lucros.

Se Elis estivesse viva… Não consigo imaginá-la cantando com Rogério Flausino; e penso que ela pediria mais autenticidade para a filha que, para mostrar-se diferente da mãe, fica enfeitando as canções, mostrando razoável capacidade vocal e pouca emoção nas interpretações. Quanto aos lançamentos feitos pelas gravadoras, só à revelia de Elis. É doido saber que a cantora pediu, por exemplo, que o show de Montreux nunca saísse em disco. Foi o primeiro a sair, logo após a morte de Elis, em 1982; recentemente “novo cd” saiu em dose dupla, com as duas apresentações de Elis Regina no famoso festival.

Elis Regina foi, em vida, arrimo familiar. Continua sendo fonte de renda para os filhos. A certeza nesses eventos todos  é a de que a memória de Elis permanecerá. Aqueles que realmente curtem o trabalho da maior cantora brasileira percebem os lançamentos meramente comerciais. Esquecerão esses para manter vivo o que mais interessa: os grandes discos que, em soma, são o verdadeiro legado de Elis para a nossa música.

.

Boa semana para todos.

.

Luiz Gonzaga é retorno garantido

O mercado musical costuma arriscar pouco. A lei que rege o setor é o lucro. Os diferentes lançamentos que envolvem o nome de Luiz Gonzaga são sinais evidentes da força do velho Lua. O mote vem pelo centenário de nascimento do sanfoneiro, cantor e compositor pernambucano. As gravadoras prepararam uma série de lançamentos com discos inteiros dedicados à obra de Gonzaga; há coletâneas e gravações especiais como o CD do grupo Fala Mansa (sobre este escrevi aqui).

Há que se tomar cuidado com alguns lançamentos, como a coletânea “Gilberto Gil Canta Luiz Gonzaga”. Por exemplo, das 14 músicas do disco de Gil, 6 estão no disco “As canções de eu, tu, eles”, lançado em 2000. Pura repetição que nada vai acrescentar para os fãs de Gil; todavia, vale para quem gosta de Luiz Gonzaga e quer ver as canções do mestre na voz do cantor e compositor baiano. Outro disco de Gil, “Fé na festa, ao vivo” (2010), contém várias das músicas do lançamento atual. Tome mais repetição.

Já o produtor Thiago Marques Luiz apostou em 50 gravações inéditas para homenagear Luiz Gonzaga. Nos três CDs do projeto, denominado “100 Anos de Gonzagão” tem gente tão distinta quanto Eliana Pitman e Gaby Amarantos, Ednardo e Filipe Catto. Artistas nordestinos são previsíveis e estão no projeto: Amelinha, Geraldo Azevedo, Zé Ramalho, Elba Ramalho; além desses há velhos parceiros de Gonzaga, como Dominguinhos, Anastácia e o neto do Rei do Baião, Daniel Gonzaga.

Thiago Marques foi fundo na idéia da universalidade de Gonzaga. Os meninos do Vanguart, por exemplo, estão entre Amelinha e Cida Moreira, duas intérpretes consagradas. Angela Ro Ro precede Jussara Silveira e Wanderléa abre o terceiro CD que é fechado pelo Nation Beat.  Há resgates de gente como Maria Creusa e Elke Maravilha (? Pois é…) e ótimas surpresas nas vozes de Rolando Boldrin (Ele canta Açucena Cheirosa) e Zezé Motta ( ela canta A vida do Viajante – veja relação completa de músicas e seus intérpretes abaixo).

Outro cd, ainda sem data para lançamento, é projeto da cantora Marina Elali. Ela é neta de Zé Dantas, um dos principais parceiros de Luiz Gonzaga. Um disco só com canções de Dantas e Gonzaga trará a interpretação de Marina Elali para “Riacho do Navio”, “O Xote das Meninas”, “Cintura Fina” e outras. Dominguinhos e Elba Ramalho estão nos planos da cantora para a concretização do disco.

O mais importante de tudo: A Sony Music pretende reeditar toda a discografia de Luiz Gonzaga. Tomara que não fique só na proposta. Mais que registros de ocasião, carecemos de preservar a obra desse extraordinário compositor. Conforme noticiado, estão previstos 60 CDs, incluindo canções originalmente gravadas em 78 rotações. Vários discos de Luiz Gonzaga, falecido em 1989, nunca saíram em CD, o que justifica e amplia a importância desse projeto.

Bom saber que ha interesse mercadológico na música brasileira. Que grandes empresas, artistas e produtores investem na obra de um artista do porte de Luiz Gonzaga. Não é difícil imaginar o quanto de dinheiro já foi investido e o quanto poderá render para todos os envolvidos. Muito bom. Mas que o essencial não fique de fora: toda a obra de Gonzaga reeditada.

.

Até mais!

.

Conheça as músicas dos CDs da Lua Music:

CD 1 – SERTÃO
Asa Branca – Dominguinhos, Amelinha, Geraldo Azevedo, Ednardo e Anastácia; A Volta da Asa Branca – Fafá de Belém; A Morte do Vaqueiro – Zé Ramalho; No Meu Pé de Serra – Elba Ramalho; Estrada de Canindé – Geraldo Azevedo; Légua Tirana – Amelinha; Assum Preto – Vanguart; Acauã Cida Moreira;  Juazeiro – Daniel Gonzaga; Riacho do Navio – Ayrton Montarroyos; A Vida do Viajante – Zezé Motta; A Feira de Caruaru – Anastácia e Osvaldinho do Acordeon;  Vozes da Seca – Cátia de França; Baião da Garoa – Passoca; Pau de arara – Chico César; Ave Maria Sertaneja – Guadalupe e Liv Moraes; Boiadeiro – André Rio (com participação especial de Mestre Genaro); Noites Brasileiras – Gonzaga Leal

CD 2 – XAMÊGO
A Sorte É Cega – Filipe Catto; Orélia – Ylana Queiroga; Xamêgo – Maria Alcina; O Cheiro da Carolina – Forró in the Dark; Xanduzinha – Karina Buhr; Balance Eu – Thaís Gulin;  Vem Morena – Ednardo; Cintura Fina – Gaby Amarantos; Qui Nem Jiló – Angela Ro Ro; Sabiá – Jussara Silveira; A letra I – Verônica Ferriani e Chorando as Pitangas; Açucena Cheirosa – Rolando Boldrin e Regional Imperial; O Xote das Meninas / Capim Novo – Elke Maravilha e Trio Dona Zefa; Roendo a Unha – Célia; Dúvida – Maria Creuza; Olha pro Céu – Vânia Bastos

CD 3 – BAIÃO
Baião – Wanderléa; Respeita Januário – Zeca Baleiro; Daquele Jeito – Dominguinhos; Imbalança – Paulo Neto; Paraíba – Márcia Castro; Dezessete Légua e Meia – Milena; Forró de Mané Vito – Eliana Pittman; ABC do Sertão – Virgínia Rosa; Forró no Escuro – Simoninha; Baião de Dois – Claudette Soares e B3 Orgão Trio; Dezessete e Setecentos /Calango da Lacraia / O Torrado – Edy Star e Banda Monomotor; Deixa a Tanga Voar – Ela; Lorota Boa – Silvia Machete; Siri Jogando Bola – China; Derramaro o Gai – 5 a Seco;  Mangaratiba – Silvia Maria e Dalua; Madame Baião – Nation Beat