Cacaso, o letrista

Cacaso
Cacaso

Antonio Carlos Ferreira de Brito, o Cacaso, nasceu em Uberaba em 1944. Suas criações estão imortalizadas nas vozes de Elis Regina, Maria Bethânia, Simone, Lucinha Lins, Fafá de Belém, Nana Caymmi… Lá em Uberaba, quando adolescente, não conheci a obra do poeta e compositor, letrista de primeira. Foi depois, já aqui em São Paulo, que a música de Cacaso entrou na minha vida.

São as trapaças da sorte, são as graças da paixão

Pra se combinar comigo tem que ter opinião

São as desgraças da sorte, são as traças da paixão

Quem quiser casar comigo tem que ter bom coração…

(Face a face – Sueli Costa e Cacaso)

Parceiro de Sueli Costa, Edu Lobo, Tom Jobim, Francis Hime, Djavan e muitos outros, as letras de Cacaso cantam paixões densas, amores desesperados e, paralelamente, revelam os tempos difíceis vividos pelo país sob a ditadura militar. O período conturbado aparece até em canções aparentemente leves, mas que revelam os princípios do cidadão e compositor.

Sou brasileiro de estatura mediana

Gosto muito de fulana, mas sicrana é quem me quer

Porque no amor quem perde quase sempre ganha

Veja só que coisa estranha, saia dessa se puder

Não guardo mágoa, não blasfemo, não pondero

Não tolero lero-lero devo nada pra ninguém

(Lero-lero – Edu Lobo e Cacaso)

Foi através de Maria Bethânia, com seu repertório esplêndido, que prestei atenção no letrista Cacaso, posto que já estava familiarizado com o trabalho de Sueli Costa, a parceira do compositor em “Amor, amor”. Bethânia gravou Cacaso em 1976, no disco “Pássaro Proibido”.

Quando o mar

quando o mar tem mais segredo

não é quando ele se agita

nem é quando é tempestade

nem é quando é ventania

quando o mar tem mais segredo

é quando é calmaria…

(Amor amor – Sueli Costa e Cacaso)

Tempos depois de conhecer a música de Cacaso na voz de Bethânia ouvi Elis Regina cantar “Meio termo” no disco “Transversal do tempo”, de 1978. A interpretação de Elis é avassaladora para a música de Lourenço Baeta com letra de Cacaso. Impossível não transcrever toda a letra dessa belíssima e triste canção.

Ah! como eu tenho me enganado

como tenho me matado

por ter demais confiado

nas evidências do amor

como tenho andado certo

como tenho andado errado

por seu carinho inseguro

por meu caminho deserto

como tenho me encontrado

como tenho descoberto

a sombra leve da morte

passando sempre por perto

o sentimento mais breve

rola no ar e descreve a eterna cicatriz

mais uma vez,

mais de uma vez,

quase que fui feliz!

(Meio termo – Lourenço Baeta e Cacaso)

Cacaso faleceu de enfarte, ainda jovem, em 27 de dezembro de 1987, no Rio de Janeiro, cidade onde viveu desde os 11 anos. Lá estudou filosofia e tornou-se professor de teoria literária. Além da crítica e da paixão exasperada ele soube dosar suas criações com invejável humor.

Quem me vê assim cantando

Não sabe nada de mim

Dentro de mim mora um anjo

Que tem a boca pintada

Que tem as unhas pintadas

Que tem as asas pintadas…

(Dentro de mim – Sueli Costa e Cacaso)

O poeta Cacaso será tema para outro texto, em outro momento. Aqui faço questão de reativar lembranças do letrista e compositor; uma singela homenagem ao conterrâneo que enriqueceu com verve poética a música popular brasileira.

.

Até mais!

.

Francis Hime para maneirar esse frio denso

francis hime

Eu queria ser
Um tipo de compositor
Capaz de cantar nosso amor
Modesto…

Espero um setembro com altíssimo astral. Depois de tanto frio neste agosto, com sua cota de desgosto, quero mais é que este inverno fique para a história e de lá não volte tão cedo. No meio da tarde gelada foi a música de Francis Hime que deixou essa quarta-feira melhor.

Mas Deus quem me dera eu fosse um sábio que cala
E diante da dor e da desilusão não se abala
Mas pobre de mim que não sei nem de mim…

Se há razões para falar sobre o pianista Francis Hime nesta quarta-feira? Há, pois estou cansado de tanta coisa pesada. Assassinatos de um lado, diplomatas escondendo senadores de outro, um desabamento que expõe a corrupção de fiscais que não embargam obras, um apagão deixando bem claro que os investimentos não devem ficar restritos aos estádios… Estou cansado e pedindo que um “caro amigo” fale por mim:

Aqui na terra tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock’n’roll
Uns dias chove, noutros dias bate o sol
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta…

Francis Hime é parceiro de Chico Buarque em músicas memoráveis e o Chico já disse, em vídeo para a posteridade, que aprendeu com o Francis. De ambos, um chorinho como “caros amigos” ou uma canção de amor desesperado, como “atrás da porta” são só dois exemplos de excelência musical.

E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
No teu peito, teu pijama
Nos teus pés ao pé da cama
Sem carinho, sem coberta…

Para quem acha que dois é pouco, três é demais, quatro extrapola, pode contar mais e mais. Com tanta precária mesmice em composições que ganham espaços em rádio e TV, os parceiros Francis e Chico provam desde sempre que qualidade se prova e comprova, mesmo se “trocando em miúdos”…

Aquela esperança de tudo se ajeitar
Pode esquecer
Aquela aliança, você pode empenhar
Ou derreter
Mas devo dizer que não vou lhe dar
O enorme prazer de me ver chorar
Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago…

Há que se ter alguém que faça letras como Chico Buarque; todavia é a melodia e o ritmo criados por Francis Hime que nos permite cantar e dançar sobre os “paralelepípedos” da cidade, nas incontáveis manifestações desses nossos dias.

Vai passar
Nessa avenida um samba
popular
Cada paralelepípedo
Da velha cidade
Essa noite vai
Se arrepiar…

Não vai passar. Está passando. A cidade é viva e nossos meninos carecem de médicos negros, brancos, índios, mulatos… Eita inverno difícil, em que cada saída, cada tentativa de solução vem acompanhada com o gelo da indiferença. A música de Francis continua atual, denunciando desde há muito o que ainda nem sonha ser solucionado.

No sinal fechado
Ele transa chiclete
E se chama pivete
E pinta na janela
Capricha na flanela
Descola uma bereta
Batalha na sarjeta…

Queria escrever mais sobre Francis Hime. As composições dizem por ele, para nós e por todos nós. Comecei a tarde ouvindo canções para amenizar este tempo tão denso, tão conturbado e se eu pensava em maneirar o Francis Hime, em parceria ímpar com o poeta Manuel Bandeira, deu-me uma lição para enfrentar o “desencanto” dessa noite que se anuncia gelada:

Eu faço versos como quem chora
De desalento… de desencanto
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto

Meu caro Francis; há motivos pra risos e prantos. Há o frio sem aquecedores em um apagão que pode chegar aqui; há perguntas que mesmo respondidas não acalmarão aqueles que perderam seus entes… Há muita coisa! Até novela e mais futebol, um pouco de sol prometido para amanhã; logo ali, já vem setembro, para mandar o frio embora e, quem sabe, trazer tempos mais amenos.

.

Até!

.

Notas Musicais: as canções citadas são respectivamente: Amor Barato – Francis Hime e Chico Buarque / Choro Rasgado – Francis Hime e Olivia Hime / Meu caro amigo – Francis Hime e Chico Buarque / Atrás da Porta – Francis Hime e Chico Buarque / Trocando em Miúdos – Francis Hime e Chico Buarque / Vai Passar – Francis Hime e Chico Buarque / Pivete – Francis Hime e Chico Buarque / Desencanto – Francis Hime e Manuel Bandeira.

.

Primeira festa para Vinicius de Moraes

A logomarca oficial do enredo da União da Ilha
A logomarca oficial do enredo da União da Ilha

Será no dia 10 de fevereiro, no sambódromo carioca, com o desfile da União da Ilha. Com o enredo “Vinicius no plural – Paixão, poesia e carnaval”, a escola pretende comemorar o centenário do poeta, escritor e compositor Vinicius de Moraes. Nascido em 19 de outubro de 1913, o “Poetinha” foi, aos noves anos, morar com a família na Ilha do Governador. Este foi o mote que deu origem e motivação para o enredo da escola União da Ilha.

Vinicius de Moraes, sozinho, criou alguns dos mais belos poemas da literatura nacional. Junto aos parceiros Carlos Lyra, Tom Jobim, Edu Lobo, Ary Barroso, Francis Hime, Baden Powell e, entre outros, Chico Buarque, Vinicius revolucionou a música brasileira com a Bossa Nova, afros-sambas e outros grupos de composições notáveis, como a série infantil denominada A Arca de Noé, já em parceria com Toquinho.

O enredo da União da Ilha foi feito por um grupo de compositores (Ginho, Júnior, Vinicius do Cavaco, Eduardo Conti, Professor Hugo e Jair Turra).  Uma colcha de retalhos que pretende lembrar alguns fatos relativos ao poeta. O enredo funciona para quem já conhece tais fatos.

Ó PÁTRIA AMADA, RECEBE ESSE MENESTREL!

VOZ DO MORRO NA FOLIA, ORFEU CHEGOU, RAIOU O DIA!

LEVOU A BOSSA NO “TOM” D’ALEGRIA

SE É CANTO DE OSSANHA MENINA, ENTÃO NÃO VÁ!

UM BERIMBAU VAI ECOAR…

VEM, MEU CAMARÁ!

A União da Ilha enfrenta um imenso desafio. Vinicius de Moraes é patrimônio de todo aquele que ama poesia. Criar uma letra para homenagear o poeta é tarefa difícil. Arquibancada de sambódromo não é lugar para ficar buscando o significado de cada verso. O público quer, quando possível, cantar e sambar. O samba de enredo em questão vai dar muito mote pra comentarista de televisão; tomara que a escola consiga levantar o sambódromo.

Embora estranhando a letra (veja e ouça o samba de enredo clicando aqui) estou torcendo para que a União da Ilha faça um belíssimo carnaval. Pela própria União da Ilha, pelo público brasileiro, mas, sobretudo por Vinicius de Moraes. Em um país de escassos leitores, onde educação é prioridade apenas em discurso político, é muito bom ter um poeta como enredo de carnaval.

Vinicius de Moraes deixou pompas e circunstâncias para subir aos palcos, aproximando a poesia das letras de canções. É um dos principais responsáveis pela condição única da música brasileira em transitar entre o popular e o erudito, unindo em suas composições a expressão das três grandes raças que formam nosso povo. Vinícius soube ser criança e brincar nas  canções feito um menino, assim como foi o religioso que ensinou-nos a respeitar os orixás. Também foi o cantor da beleza feminina, dos encontros e desencontros amorosos. Foi grande entre os maiores porque, entre todos, certamente foi o que mais soube aproximar-se de todos nós.

.

Até mais!

.

Alguns detalhes sobre Altamiro Carrilho

Antes dos primeiros versos de “Detalhes” é o inesquecível som de uma flauta que faz com que identifiquemos a canção. Altamiro Carrilho faz uma abertura brilhante para aquela que está entre as maiores canções da dupla Roberto e Erasmo Carlos. Nem sempre nos damos conta do quanto um instrumentista importa em nossas vidas; mas não dá para imaginar “Detalhes” sem aquele som simples, tão característico, evocando toda uma situação mágica e encantadora, precedendo a interpretação impecável de Roberto Carlos (Clique para ouvir).

Em 1971 Altamiro Carrilho participou da gravação de “Detalhes”. No mesmo ano, no VI Festival Internacional da Canção, a banda de Altamiro dá um maravilhoso suporte para Wanderléa. Cantando “Lourinha”, de Fred Falcão e Arnoldo Medeiros, Wanderléia deixava evidente que já estava longe da Jovem Guarda, interpretando este gracioso chorinho com o acompanhamento preciso e virtuoso de Carrilho.

Com Roberto Carlos e Wanderléa conheci o flautista genial que foi Altamiro Carrilho. Tão genial que me levou a fantasiar que a flauta foi um instrumento criado para solo de chorinhos, maxixes, marchinhas… Altamiro Aquino Carrilho (21/12/1924) começou a carreira em 1949, gravando com Moreira da Silva. “Brasileirinho” (Waldir Azevedo e Pereira Costa) e “Espinha de Bacalhau” (Severino Araújo) são gravações antológicas, tanto quanto “Tico-tico no fubá” (Zequinha de Abreu), só para citar alguns registros instrumentais.

Certamente a música “Detalhes” está entre as mais executadas nas emissoras de rádio e tv do Brasil. Não é só; Altamiro Carrilho está presente também em outros grandes sucessos; é difícil imaginar “Meu caro amigo” (Chico Buarque e Francis Hime) sem o flautista; e na gravação original da trilha do seriado Gabriela, é ele a dar um colorido especial, enriquecendo a interpretação de Gal Costa

O que e o quanto mais temos de Altamiro Carrilho em nossas vidas, na música brasileira? Se acontecer uma pesquisa aprofundada é certo que encontraremos muito mais do músico que faleceu, aos 87 anos, nesse 15 de agosto. Será um encontro com gente do nível de Pixinguinha, Vicente Celestino, Caetano Veloso, Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Jacó do Bandolim, Clara Nunes e mais, de outro universo onde estão Bach, Beethoven, Chopin… Muito, muito grande esse Altamiro Carrilho.

.

Até!

.

Nota: o falecimento de Altamiro Carrilho foi destaque em toda a imprensa. O G1 apresentou uma seleção de entrevistas que valem uma visita; clique aqui para acesso aos vídeos.

.

Para os melhores amigos…

As melhores canções. Não dá pra escolher uma, porque há muitas e todas são emocionantes. Cada um tem a sua preferida e neste post estão aquelas que me ocorrem sempre quando penso nos meus grandes amigos (todos eles são melhores!)…

Para ler este post, seja manhã, tarde ou noite, clique aqui para ouvir Abílio Manoel. A canção é a inspiração básica para entrar no clima e relembrar outras sobre amizade. “Bom dia, amigo” é uma composição interpretada pelo autor, Abílio Manoel. Cantei muitas vezes essa música com grupos de criança e ao pensar esse texto, foi inevitável relembrá-la. Então, clique e deixe o som de fundo para continuar a ler.

Um lugar assim, para conviver com meus amigos.

Algumas canções são tiro e queda quando o tema é amizade. Em qualquer lista aparece, sem delongas, “Canção da América”, de Milton Nascimento e Fernando Brant. Quem pode negar que “Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito”? O mais difícil desta música é escolher entre a interpretação de Elis Regina (clique para ouvir) e a do próprio Milton Nascimento; mas, essa é outra questão.

Outra que não falta em uma provável lista também é figurinha carimbada, presente em todo e qualquer boteco onde cantar ainda é possível: “Amigo é Pra Essas Coisas”, composta por Silvio da Silva Jr. e Aldir Blanc. Um diálogo transformado em sambinha dos bons;  marcou toda uma geração que sabe que “tua amizade basta” e que “o apreço não tem preço”. A interpretação do MPB-4 é imbatível.

Amigo que é amigo escuta, atentamente, todas as nossas agruras amorosas. Quando apaixonados, se o amor está em crise, diante de uma nova paixão, encucados por uma desavença, só mesmo um amigo pra nos ouvir. Para amores complicados Roberto Carlos e Erasmo Carlos criaram uma verdadeira obra-prima: “Amiga”. Originalmente a música foi criada especialmente pelo desejo de Roberto Carlos gravar com Maria Bethânia. Veja-os, em 1982.

Shangrila, para sonhar um lugar ideal para grandes amigos.

Foi nos anos 80 que Djavan criou “Nobreza”. Talvez a mais bela canção para a amizade verdadeira entre dois homens. Os versos são ousados para ouvidos conservadores e, provavelmente por isso, a música não é tão comum em bares e similares. É difícil para a maioria dos rapazes, mesmo diante do melhor amigo, cantar “uma bela amizade é assim: dois homens apaixonados…” Talvez um dia a coisa mude de rumo; mas que é uma belíssima música, é só ouvir e comprovar.

Chico Buarque, o melhor de todos os nossos compositores, criou com Francis Hime “Meu Caro Amigo”. É uma carta em forma de chorinho, para soltar o gogó amaciado por uma boa cerveja. E como amigo verdadeiro assume a família do outro, “a Marieta manda um beijo para os seus, um beijo na família, na Cecília, nas crianças…”

Se você chegou até aqui já leu minhas escolhas para a música preferida sobre amizade. Sinta-se livre para indicar outra fora desta relação, que talvez eu não conheça ou tenha deixado de fora. Caso indique outra, não deixe de mencionar os autores. Eles merecem.

Nosso Lar, para viver todas as vidas com meus amigos

A vida me presenteou com amigos incríveis – muitos! – só entendo uma música para expressar o que sinto por meus amigos; é a canção que escolhi para concluir este, na voz suave e inesquecível de Mercedes Sosa: Los Hermanos, de Atahualpa Yupanqui. Se você é realmente meu amigo, esta canção é pra você.

.

Bom final de semana!

.

Até!