Sambas pra cantar e manter na história

bandeiras das escolas

O carnaval é uma festa, ok! O desfile das escolas de samba vai além, é expressão de comunidades inteiras. Um exemplo:Quem já teve a oportunidade de conhecer a baixada fluminense pode entender a importância da vitória na avenida para uma escola como a Beija-Flor. Milhares de pessoas saem do subúrbio afirmando-se perante a metrópole, e toda a nação brasileira. O maior orgulho do povo de Nilópolis é a sua escola de samba. Sentimento similar ocorre nas demais comunidades do samba.

Os sambas-enredo sofrem transformações ao longo do tempo. Tomados como expressões de determinados grupos, tornam-se referências de um momento histórico preciso. Nos anos de repressão, buscava-se um país melhor, livre das opressões de grupos minoritários. Ao mesmo tempo, refletia-se, na avenida, o sonho do “país do futuro”. Foi com um samba assim que a Imperatriz Leopoldinense marcou uma época.

Vem cá, Brasil
Deixa eu ler a sua mão, menino
Que grande destino reservaram pra você
Fala Martin Cererê… (1)

Anos depois, a mesma Imperatriz entrava no Sambódromo carioca pedindo liberdade. Um samba extraordinário que, além de tudo, servia de emblema para uma situação daquele momento carnavalesco; no ano de1989, enquanto a escola de samba pedia por liberdade, lembrando a República e a escravidão, acontecia no Sambódromo um exemplo concreto da intolerância e da coerção social:

Joãozinho Trinta havia sido censurado ao tentar entrar com um Cristo Redentor na avenida; o carro alegórico proibido entrou com a imagem encoberta. Era a denúncia concreta do veto sofrido pela escola. O enredo da Beija-Flor entrou para a história: “Ratos e Urubus,Larguem a minha Fantasia” E Joãozinho, discutindo o enredo, soltou a frase que ficou famosa: “ – Quem gosta de pobreza é intelectual; pobre gosta é de luxo!”A Beija-Flor censurada, quem levou o campeonato foi a Imperatriz Leopoldinense, paradoxalmente, cantando a liberdade.

Liberdade, liberdade!
Abre as asas sobre nós
E que a voz da liberdade
Seja sempre a nossa voz… (2)

Das ditas grandes escolas de samba do Rio de Janeiro, a Portela é sempre mencionada, com “o manto azul da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida”, como bem diz a música de Paulo César Pinheiro.

Falar em Portela é lembrar Clara Nunes, Paulinho da Viola e alguns sambas-enredo muito especiais. Em “Ilu Ayê, Terra da Vida”, de 1972, a escola contava uma história de amor simbolizando tudo o que o negro perdeu ao ser trazido da África como escravo. Após sofrer na senzala atinge uma liberdade simbolizada através do carnaval.

É samba, é batuque, é reza
É dança, é ladainha
Negro joga capoeira
E faz louvação à rainha… (3)

Contando romances ficcionais ou histórias verdadeiras, a Portela deu-nos alguns momentos memoráveis. Quando contou a história do Mestre Pixinguinha fez todo o país cantar e reverenciar o grande compositor.

“Menino bom” na sua língua natal
Menino bom, que se tornou imortal
A roseira dá rosa em botão
Pixinguinha dá rosa canção…(4)

Se prestarmos atenção nos compositores de samba-enredo encontraremos alguns nomes familiares. Artistas que se tornaram grandes também fora do ciclo do carnaval. Certamente um dos mais queridos é Martinho da Vila, que traz no nome a escola, Vila Isabel. Martinho ganhou notoriedade em 1969, com a linda história da “Yayá do Cais Dourado”.

No cais dourado da velha Bahia
Onde estava o Capoeira
A Yayá também se via
Juntos na feira ou na romaria… (5)

Martinho colecionou sucessos ao longo de sua carreira. Nenhum me encanta tanto quanto o samba-enredo de 1972. A Vila Isabel veio com um tema que era mais que um confronto com a ditadura reinante. Veio ensinar, via história, o caminho para a liberdade ressaltando, acima de tudo, a importância das manifestações culturais brasileiras. Esse enredo, que fala por si, merece ser lembrado sempre:

Aprendeu-se a liberdade
Combatendo em Guararapes…

…E lá vem maracatu
Bumba-meu-boi, vaquejada
Cantorias e fandangos
Maculelê, marujada
Cirandeiro, cirandeiro
Sua hora é chegada
Vem cantar esta ciranda
Pois a roda está formada… (6)

E, como diz o velho e bom Stanislaw Ponte Preta, “assim se conta essa história”, com graça, poesia e beleza. Interesses comerciais, visando atender aos mandos e desmandos das transmissões televisivas, alteraram em muito o carnaval carioca. Todavia o samba-enredo está aí e, logo, veremos mais uma rodada de desfiles grandiosos. O que nos reserva o futuro, pra onde irá o nosso carnaval?

Certamente o carnaval irá se transformar, como tem ocorrido ao longo dos anos. Sendo festa do povo segue como o povo quer. E por mais que interfiram, por mais que as ações de marqueteiros e publicitários enfiem regras, deformando o estabelecido, as escolas de samba sobreviverão e, com elas, os alimentadores da alma de todas elas, o sambista compositor. E nós, que amamos o samba e o carnaval, continuaremos cantando essas canções.

Um compositor, João Sérgio, criou um belo samba-enredo para a União Da Ilha, em 1978, que brinca com o futuro. Pra onde irá o carnaval? No que se transformarão nossos sambas-enredo? Que tal entrar no espírito da letra da União Da Ilha e deixar correr…

Como será o amanhã
Responda quem puder
O que irá me acontecer
O meu destino será como Deus quiser

A cigana leu o meu destino… (7)

.

Até!

.

Notas Musicais:

(1) Martin Cererê (Zé Catimba e Gibi)Imperatriz Leopoldinense, 1972.
(2)Liberdade, Liberdade (Niltinho Tristeza, Preto Jóia, Vicentinho e Jurandir) Imperatriz Leopoldinense, 1989
(3)Ilu Ayê, Terra da Vida (Cabana e Norival Reis) Portela, 1972
(4) O Mundo Melhor de Pixinguinha (Evaldo Gouveia, Jair Amorim, Velho) Portela, 1974
(5) Yayá do Cais Dourado (Martinho da Vila) Vila Isabel, 1969, que está no disco de comemoração dos 20 anos de samba de Martinho.
(6) Onde o Brasil Aprendeu a Liberdade (Martinho da Vila, Rodolpho, Graúna) Vila Isabel,1972.
(7) O amanhã (João Sérgio) União da Ilhado Governador, 1978. Simone  gravou esse samba-enredo em 1983, tornando-o um imenso sucesso.

Valdo Resende. Publicado originalmente no Papolog.

Sérgio, Cesária e Joãozinho

Começo a semana homenageando três grandes figuras, cada uma delas ligada à uma área, das três principais áreas deste blog. O teatro ficou sem Sérgio Britto, a música de Cabo Verde ficou sem Cesária Évora e o carnaval brasileiro perdeu um grande gênio, o artista plástico Joãozinho Trinta.

Sérgio entre Fernanda Montenegro e Ítalo Rossi, na época do Teatro dos Sete

O nome de Sérgio Britto me é familiar deste criança; ele foi diretor da novela A Muralha, exibida pela extinta TV Excelsior, em 1969. Fiquei encantado com a saga dos Bandeirantes e recordo estes bravos primeiros paulistas desbravando o Brasil. Recordo dessa novela um ataque à casa grande, com os homens fora, e a defesa sendo feita por mulheres. Duas atrizes já tinham total domínio do ofício e garantiam grandes cenas: Nathália Thimberg e Fernanda Montenegro. Estas têm suas histórias profissionais ligadas a Sérgio Britto. No TBC, no Teatro de Arena, no Teatro dos Sete. Escreveram a história do teatro brasileiro do século XX e continuam, neste XXI.

Conheci Sérgio Britto nas minhas andanças por São Paulo. Era simpático, falante, educado. Parecia sempre disposto a contar histórias do seu passado, da sua profissão. Uma generosidade em transmitir o que sabia que foi sistematizada na CAL – Casa de Arte das Laranjeiras, a escola da qual foi um dos fundadores e que está entre as nossas principais instituições de ensino de teatro.

Também tive o privilégio de ver um show de Cesária Évora. Convidado pela também cantora Angélica Leutwiller fui conhecer a cantora de Cabo Verde. A apresentação foi inesquecível. Cesária pareceu-me uma mulher vivida, sofrida; nada do glamour que possa sugerir a expressão “Diva dos pés descalços”, como foi chamada em vida. Creio que o vídeo fale por si. A voz límpida, afinada, sobretudo uma voz forte e ao mesmo tempo de uma doçura incrível.

Daquele show de Cesária Évora guardei a lembrança da mulher tranquila que, com um sorriso sincero e simultaneamente gaiato, interrompeu o espetáculo por alguns minutos, anunciando que precisava ir “la fora” fumar. Voltou para concluir o show com voz tranquila, colocando Cabo Verde no mapa musical das minhas preferências.

Assim como Cesária Évora fez seu país ser lembrado por todos os lugares onde passou, Joãozinho Trinta colocou a escola de samba Beija-flor de Nilópolis na história do samba, marcando definitivamente o carnaval do Rio de Janeiro.

O carnaval de Joãozinho Trinta: Irreverência e protesto com humor

Joãozinho Trinta encarna um tipo diferente de artista, ligado às artes plásticas, com um invejável domínio de composição visual. Há que se considerar que um desfile de escola de samba é um monte de coisas: teatro, ópera, dança, enfim é um grande espetáculo com uma única apresentação. Compor dezenas de alas, alguns carros alegóricos, destaques diversos e colocar tudo isto em uma passarela com harmonia, beleza e ritmo contagiante não é coisa para qualquer mortal.

O carnavalesco Joãozinho Trinta será lembrado pelos imensos carros alegóricos com mulheres espetaculares; pela ousadia de, impedido de colocar uma escultura do Cristo Redentor – veja foto acima – responder com elegância e fé ao ato de proibição originado da própria igreja católica. Também será lembrado pela alegria, pelas referências ao seu amado Maranhão, sempre com a alegria que caracteriza sua gente.

Três diferentes grandes artistas. Sérgio Britto, Cesária Évora, Joãozinho Trinta. Os três falecidos no mesmo dia, 17 de dezembro de 2011. Vale lembrar, sobretudo homenagear e agradecer pelos incontáveis momentos de arte que nos proporcionaram.

Vamos em frente! Boa semana para todos.

%d blogueiros gostam disto: