Ramiro! Um garoto na contramão.

 

Foto Joao Caldas Fº_19836press.jpg
Neusa de Souza, Roberto Arduin, Conrado Sardinha, Rogério Barsan e Isadora Petrin. Foto: João Caldas

Gente de teatro é meio louca, dizem. Vai ver têm razão, já que é preciso uma boa dose de insanidade para estrear uma peça infantil anticonsumo no Dia da Criança. Faz um ano que Ramiro iniciou sua trajetória por palcos da capital paulista tendo realizado temporadas também em Maringá, no Paraná e em Campina Grande, na Paraíba. Faz um ano que estreamos oficialmente no bairro Sapopemba, no dia da criança, em um projeto de educação financeira visando ensinar crianças e seus responsáveis a administrar o suado dinheirinho que entra com dificuldade e sai feito água no ralo.

Ramiro, o garoto que criei, quer o mundo em forma de brinquedos. E a peça gira em torno do fato de que a vida não é bem assim. Um ano depois e Ramiro continua nos palcos paulistanos. Certamente transformado via uma mudança aqui, um corte ali, sem contar o próprio amadurecimento de cada ator no domínio do ofício que burila e descobre nuances em personagens e cenas. Mas é dia de aniversário de Ramiro, o menino quer presentes – o que leva a personagem a ter identificação com o público infantil – e as demais personagens vão brincar e tentar ensinar ao garoto a necessidade de economizar, investir, planejar…

Pensar que o Dia da Criança surgiu por vontade de um político, por volta de 1920, me faz pensar em apelação ordinária, em busca de votos via sentimentalismo barato. A data adquiriu sua sina consumista pela ação de duas empresas, uma indústria de brinquedos e outra com forte linha de produtos infantis. Vamos vender muito em todos os 12 de outubro e deixar para novembro, dia 20 para ser preciso, a reflexão sobre a Declaração Universal dos Direitos da Criança, data que lembra o dia em que a Unicef proclamou os tais direitos infantis.

Ramiro tem direitos e alguns deveres também. O mais difícil provavelmente é aprender a conter a ambição em ter tudo, redescobrir o lado bom de brinquedos simples, valorizar as relações de amizade e parentesco. As reações são diversas e normalmente a plateia infantil se mostra inquieta. Coloque-se no lugar de quem quer o máximo do que o mercado oferece e assiste um trabalho que prega contenção de gastos… Trabalho difícil, mas que nosso pessoal vem defendendo com raça e brilho.

Neusa de Souza, Roberto Arduin e Rogério Barsan trazem o lúdico para a cena, jogando com elementos simples que transformam ambientes e situações. Suas personagens conduzem a ação e são responsáveis pelo desenvolvimento da peça. Isadora Petrim faz afetivo contraponto ao primo, brincando de ser a prima mais amadurecida, companheira no crescimento do primo. Conrado Sardinha é o garoto Ramiro, fazendo este de tal maneira que encanta e ganha a cumplicidade da plateia.

Nossa Produtora Sonia Kavantan nos propiciou a música de Flávio Monteiro, os cenários de Djair Guilherme, os figurinos e adereços de Márcio Araújo, as fotos de João Caldas, a identidade visual criada por Fernando Moser com  ilustrações de Octavio Cariello, a assistência de Milka Master e Lilian Takara. Companheiros do elenco em toda a jornada, Tiago Barizon administra, William Gutierrez opera som e André Persant faz a luz, criada por Ricardo Bueno. Realização da Kavantan Projetos e Eventos Culturais, com patrocínio da VISA e da Lei de Incentivo à Cultura.

Hoje não há bolo de aniversário, nem salgadinhos, docinhos, refrigerantes. Há meu carinho, imenso, por toda essa gente que vem trabalhando nessa montagem. E muita gratidão. A mensagem de “Um Presente Para Ramiro” é uma minúscula gota na contramão do consumo desejado pelo mundo capitalista. Mas somos gente de teatro e por isso insistimos. E não desistiremos nunca!

Até mais!

VANDRÉ, PRA NÃO ESQUECER QUE TIVEMOS DITADURA.

geraldo vandré

Vim de longe, vou mais longe
Quem tem fé vai me esperar
Escrevendo numa conta pra junto a gente cobrar
No dia que já vem vindo que esse mundo vai virar…(1)

Há muita coisa por ser revelada desse triste período da nossa história… 1964! E quem está interessado em dizer que a “ditadura foi boa para o país” só pode querer minimizar culpas, receando cobranças sobre responsabilidades ou… demonstrar imensa ignorância e desconhecimento da história.

Recordo-me vagamente desse distante 1964. Depois soube de conhecidos presos, um tio de outro vizinho desaparecido e a irmã de uma grande amiga, escondida dentro de casa. Mas eu era criança e certamente aproveitei bem aqueles dias.

Eu vou levando a minha vida enfim
Cantando, e canto sim
E não cantava se não fosse assim
Levando pra quem me ouvir
Certezas e esperanças pra trocar
Por dores e tristezas que bem sei
Um dia ainda vão findar… (2)

Seria bom perguntar para milhares de famílias cujos parentes, filhos, foram torturados, mortos, o que eles acham dessa tal “ditabranda”.

Prepare o seu coração
Pras coisas que eu vou contar
Eu venho lá do sertão,
Eu venho lá do sertão,
Eu venho lá do sertão
E posso não lhe agradar…(3)

A vida de Geraldo Vandré, após a ditadura, já virou folclore. É certo que foi exilado e saiu daqui para o Chile, e de lá também teve que sair, indo para a Argélia, a República Federal da Alemanha, Grécia, Áustria, Bulgária, Itália, França… Mas Geraldo Vandré também foi intérprete, grande intérprete.

Eu sem você não tenho porquê
Porque sem você não sei nem chorar
Sou chama sem luz, jardim sem luar
Luar sem amor, amor sem se dar… (4)

O compositor, enquanto porta-voz de sua gente, cabra-macho da Paraíba, não teve medo de chamar para a briga quando sentiu necessidade.

Há soldados armados, amados ou não
Quase todos perdidos, de armas nas mãos
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição
De morrer pela pátria e viver sem razão… (5)

Deixando-nos um convite irrecusável:

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer… (6)

Geraldo Vandré, provocando, fazendo acender a luz da incerteza, da desconfiança, abriu caminho para o conhecimento do que estava realmente ocorrendo.

Vida que não tem valor
Homem que não sabe dar
Deus que se descuide dele
Jeito a gente ajeita
Dele se acabar.
Fica mal com Deus… (7)

História pra ser vivida, pra ser lembrada. Tivemos uma ditadura. Conheçamos as consequências disto para que possamos tomar todas as medidas necessárias para que não se repita.

Até!

Nota – As músicas citadas acima são:
1 – Arueira –Geraldo Vandré
2 – Porta Estandarte – Geraldo Vandré e Fernando Lona
3 – Disparada– Geraldo Vandré e Théo de Barros
4 – Samba em Prelúdio – Baden Powell e Vinícius de Moraes
5 e 6 – Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores – Geraldo Vandré
7 – Fica Mal Com Deus – Geraldo Vandré

Viva São João!

Entendo o fascínio de milhões de brasileiros pelo nordeste, com suas praias inesquecíveis e suas cidades paradisíacas. Todavia, penso que o melhor dessa imensa região seja a permanência de um Brasil meio perdido por aqui. É lá, no nordeste, que o carnaval é do povo, diz CAETANO VELOSO: “como o céu é do avião” e os Santos de junho, Santo Antonio, São Pedro e São João, dominam a paisagem, soberanos, em suas bandeiras multicoloridas.

santo antonio

Antônio querido

Preciso do teu carinho

Se ando perdido

Mostre-me novo caminho

Nas tuas pegadas claras

Trilho o meu destino

Estou nos seus braços

Como se fosse deus menino.

Ah, se eu tivesse um quintal! Certamente, no dia de hoje, teria já tudo preparado, esperando o dia 24 de Junho para hastear a bandeira em louvor ao Santo. É com o olhar de criança que recordo as bandeiras que, por eu ser menino, eram altíssimas. Cheias de fitas coloridas, soltas ao vento, e todo o entorno do tecido, com a imagem do Santo, recoberto com flores de cores vibrantes. Em algumas situações, deixavam-se gravetos, pequenos brotos nos imensos bambus, nesses fincando-se laranjas que, com seu amarelo-ouro, tornavam o mastro mais festivo.

Capelinha de melão

É de São João

É de cravo, é de rosa, é de manjericão.

São João está dormindo

Não acorda não!

Acordai, acordai, acordai João!

Na minha infância era assim. Dia 24 era o aniversário de tio João Batista. Isso significava uma grande festa que começava com o terço, seguia com o hasteamento da bandeira e acendendo-se então, a fogueira. Nesta, aconteciam os batismos, tão sagrados quanto aquele primeiro, feito quando ainda somos bebê. Eula, uma grande amiga de minha família, foi madrinha de meu irmão, Valdonei. Seguiu, pelo resto da vida, abençoando meu irmão e tratando mamãe por comadre.

Tio João era uma grande figura da nossa família. Com meu irmão frequentava os jogos de futebol do Uberaba Sport Clube, indo com freqüência ao estádio do Independente, do Nacional. Iam pelo prazer que o futebol propicia, ou pra ver meu primo, Poy, que foi goleiro do glorioso Uberaba Sport. Meu irmão era companheiro de Tio João. Este, senhor do chope em festas, sempre beneficiava meu irmão com alguns copos a mais. Nas mesas de truco, aprendi a vê-lo com malícia, tentando adivinhar quando ele blefava e, às vezes, assustando-me com os grandes murros e gritos inerentes ao jogo: – Truco! Seguido sempre de grandes gargalhadas, vantagens alardeadas. Uma figura assim, alegre e festiva, tinha o respeito e o carinho de todos. Sempre associei São João ao meu Tio João.

São João

Ah! São João, Xangô Menino

Da fogueira de São João

Quero ser sempre o menino, Xangô

Da fogueira de São João…

Nosso bairro, o Boa Vista, era todo festivo no mês de junho. No clube dos Ferroviários dançavam-se quadrilhas no mais puro espírito das festas juninas. “Seu” Escoura era o marcador, aquele que conduz o grupo, e tornou-se célebre, marcador sem igual. A quadrilha era precedida pelo casamento caipira. Longos desfiles com charretes enfeitadas percorriam as ruas do bairro, chamando todo mundo para os folguedos. Lembro-me de um caminhão, cheio de moças com seus vestidos de chita, coloridos, os cabelos cobertos com chapéus floridos. Em meio a tudo isso, alegre e feliz, minha prima, Maria, filha do Tio João, cantando e acenando pra toda gente.

Com a filha de João

Antonio ia se casar

Mas Pedro fugiu com a noiva

Na hora de ir pro altar

A fogueira está queimando…

Com o tempo, essas festas familiares foram acabando. Ficou, ainda por um tempo, a festa de Santo Antônio, lá em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, feita pela minha tia Olinda. Hoje não tem mais fogueira e, nas casas de meus parentes, de certo, é só o terço, rezado em lembrança ao Tio e em devoção ao Santo. Meu povo, ou mora em apartamentos, como eu, ou têm seus quintais impermeabilizados, com cimento que “deixa limpo”, mas que acaba com metade da poesia da vida.

Por lá, no meu bairro, e por aqui, onde moro, festa junina virou atividade de escola, festa de igreja ou de associação de bairro para arrecadação de fundos. No Nordeste, a festa é do povo. E é por isso que é grandiosa. Toda Campina Grande, na Paraíba, vive a festa, o mês; assim, e com a mesma grandiosidade, a festa ocorre em Caruaru, no Pernambuco. Isso sem contar as grandes festas do Boi que, do Maranhão, chegaram ao Amazonas, fazendo a grande festa de Parintins.

são pedro

A cor do meu batuque

Tem o toque, tem o som

Da minha voz

Vermelho, vermelhaço

Vermelhusco, vermelhante

Vermelhão…

De Açailândia, no Maranhão, guardo um presente com muito carinho. Um vídeo com as apresentações do BUMBA BOI DA MAIOBA, uma das maiores manifestações da festa do Boi, que reúne milhares de pessoas só em ensaios e chega à casa do milhão, nos arraiais da ilha de São Luís.

Passando por Imperatriz, também no Maranhão, vi admirado que quase todas as lojas do centro da cidade oferecem trajes das festas juninas: Vestidos, chapéus, camisas, calças… E nunca tinha visto tanta chita, milhares de metros de chita com seu colorido pra lá de tropical, aguardando compradores.

O Nordeste está em festa. O Norte também. É tempo de MARINÊS, de DOMINGUINHOSALCEU VALENÇA, ELBA RAMALHO e muitos outros, todos reverenciando o sanfoneiro maior, o grande LUA, LUIZ GONZAGA. Milhões de pessoas festejando, homenageando com muita fé e alegria esses simpáticos santos de junho.

Fagulhas, pontas de agulhas

Brilham estrelas de São João

Babados, xotes e xaxados,

Segura as pontas, meu coração…

Da janela deste apartamento, na minha amada São Paulo, e por onde passo, na paisagem da grande cidade, não há bandeira de São Pedro, nem Santo Antônio ou São João. Fogueira, só a de mendigos que em noites tenebrosas tentam vencer o frio. Por aqui, permanece a mania de soltar balões. Um grande perigo! Seria melhor que as pessoas levantassem bandeiras, dançassem quadrilhas, soltassem fogos de artifício. Que o forró dominasse praças e ruas; essa nossa São Paulo seria mais alegre e feliz.

Se Deus quiser vou-me embora pro sertão

Pois a saudade me aconselha o coração

Manda que eu vá convidar Dona Chiquinha

Para ser minha madrinha na fogueira de São João…

.

Até!

.

Notas Musicais:

Santo Antônio – J. Velloso

Capelinha de Melão – folclore infantil

São João, Xangô Menino – Caetano Veloso e Gilberto Gil

Pedro, Antônio e João – Benedito Lacerda e Oswaldo Santiago

Vermelho – Chico da Silva

Festa do Interior – Moraes Moreira e Abel Silva

Pedido a São João – Luiz Gonzaga

(Valdo Resende/Publicado originalmente no Papolog)