Ressaca

Ontem, sábado, a praia santista, normalmente tranquila e singela em sua beleza, estava suja e cheia de lixo. Resultante da ação criminosa e irresponsável de nós, seres humanos. Lixo devolvido pelo mar via ressaca brava, forte. Pude distinguir uma sandália, um esqueleto de celular, muitas embalagens plásticas de diferentes tamanhos, latas de cerveja, refrigerante e pedaços de madeiras diversas…

Tudo presenciado em apenas um pequeno trecho da praia. Atravessando a avenida já se via a espuma amarelada que havia invadido partes mais baixas do jardim e algumas vias paralelas aos canais. Essa espuma, normalmente resultante de material orgânico apresentava inequívocos sinais do óleo, combustível de barcos e navios.

Admirando a força e o tamanho de algumas ondas, as incríveis variações de cinza, um e outro navio atravessando o horizonte com aparente tranquilidade, fiquei dividido entre a admiração pelo momento que a natureza estava me presenteando e o desalento pelos rastros deixados por algum semelhante.

O movimento era intenso. Coletores de latas – vi cinco ou seis – caminhavam rapidamente com suas sacolas cheias, as embalagens já enegrecidas pela ação do sal ou outro material marinho. Um casal de idosos observavam com cuidado os resíduos disponíveis e só recolhiam coisas que me pareceram tacos de madeira. Gente passeando cachorros, e atletas correndo, impassíveis, buscando um corpo temporário.

“O mar está vomitando o lixo que jogam nele”, tragando um cigarro me disse um sujeito desconhecido, desses que não se aguentam e precisam verbalizar o caos. Quando comentei com o amigo, funcionário do quiosque, a acusação foi clara: “o lixo vem dos navios. Tem coisa que não é daqui, não se compra por aqui em lugar nenhum. Vem dos navios!”. Uma colega do rapaz também foi enfática: “Sujeira é coisa de turista. Quem mora por aqui e vive do mar respeita, cuida.”

O mar vomita! Essa expressão me fez refletir sobre o que via, toda a gama de materiais manipulados pelo homem sendo expulsos por ondas agressivas, nervosas. Diferente de dias amenos quando, desmanchando na areia outras ondas nos acariciam os pés. No vômito marinho há nítida violência, aviso agressivo, impaciente. Saco cheio!

As águas turvas, a areia revirada e trazida pelas ondas… O mar esconde tanta coisa! Animais e plantas visíveis em tamanhos diversos e outros, minúsculos, microscópicos, vivendo em suas profundezas. O mar também guarda muitas coisas! Lembrança de vidas que se perderam em tentativas de travessia, sinais de corpos despejados de navios com gente escravizada, de migrantes que buscaram oportunidades de sobrevida, também os próprios navios e barcos que, por razões diversas naufragaram.

Água, aprendi muito jovem, a gente não domina. O ciclo que a natureza estabelece a gente conhece: mar, vapor, nuvem, chuva, riacho, córrego, rio, mar, vapor, nuvem, chuva… E vi que há muito veneno, os tóxicos e agrotóxicos, muito óleo, muito garimpo ilegal enchendo rios de mercúrio e por aí vai, uma enorme gama de coisas envenenando e tornando corriqueira a placa “Imprópria” em lagos, rios, mar.

Ressaca é momento para perceber o que estamos fazendo com o mar, assim como enchentes denunciam o que fazemos com córregos, rios, e pragas revelam o que estamos fazendo com o campo, nossas florestas… Os avisos estão aí! Os alertas sendo dados. Hora cobrar de todo e qualquer candidato das próximas eleições um compromisso adulto e um plano responsável para a sobrevivência do planeta, nossa sobrevivência!

Até mais!