Condomínio eterno

Soube na rua, precisamente na avenida. Manhã ensolarada, céu lindíssimo e o movimento raro para o horário, milhares de pessoas de ambos os lados esperando o féretro do Rei Pelé. Celulares armados aguardando o caminhão dos bombeiros, entre selfies e fotos esparsas havia o jornalismo amador: “Ainda não chegou”. “Fiquei três horas e meia na fila”. “Já saiu há algum tempo”. “Dizem que irá parar no Gonzaga”.

Poderia realizar uma intensa e variada lista de pessoas, suas características, a forma com que aguardavam o célebre defunto. Gente triste, gente alegre, outras apáticas, indiferentes. Ciclistas inescrupulosos em alta velocidade, cuidadores com seus animaizinhos e as inevitáveis sacolinhas com cocô, e barulho, muito barulho. Vou me deter em um sujeito, tipo avô, sentado com o neto ao lado de uma senhora que, mediante um alarme de aproximação do cortejo, saiu dando-me a chance de sentar um pouco.

Pedi licença e o sujeito me pareceu babaca: “Pode sentar, desde que não seja para ficar de mãos dadas”. Brincadeira inapropriada para o momento, a espera da última passagem de Pelé pela orla de Santos, o sujeito esclareceu estar lembrando da brincadeira infantil, as crianças sentadas, de mãos dadas, balançando as perninhas. Minimizei a bobagem e comentei com meu companheiro sobre o movimento dos helicópteros indicando a localização do cortejo. Não demorariam para chegar ao Embaré, passar pela Basílica de Santo Antônio e chegar ao ponto em que nos encontrávamos. O sujeito entrou no assunto.

“Quero distância de São Paulo. Desde que fizeram o rodoanel evito entrar na cidade. Prefiro ficar o mais longe possível”. Falávamos sobre segurança nos cemitérios onde, infelizmente, há registros de roubos frequentes. Citei a visível qualidade da urna do maior jogador de todos os tempos. “Tomara que não profanem o túmulo de Pelé. Mais que o valor material da urna haveria algum louco em querer para si o corpo do jogador?”. Foi quando ouvi a grande conquista do cidadão:

“O que é isso? Nem pensar! Lá é absolutamente seguro. É um condomínio! Comprei um jazigo para a família. Tenho direito a quatro lugares. Pago 800,00 reais do condomínio, que é bimestral. A segurança é reforçada, há jardineiros, faxineiros. Não é um cemitério qualquer, é um condomínio!”.  Operário aposentado, minha pergunta revelou meu lugar no universo social: “E depois que o senhor morrer, se deixarem de pagar o condomínio, o que acontece?” O homem me olhou contrariado: “Passam para outro. É um condomínio! Não pagando, desocupam o espaço e vendem para quem pode pagar”.

Interrompi a conversa e busquei outro lugar. Não quis saber por quanto tempo e como o sujeito garantiria verba para si e os seus terem o próprio túmulo. Percebi em seguida, e os telejornais me ajudaram a compreender, que a presença de Pelé agrega valor ao local. O nome, a história e a fama universal do nosso Rei deve garantir até mesmo a não cobrança de um condomínio.

O féretro passou em direção à casa de D. Celeste, a centenária mãe do jogador. Havia pessoas chorando acompanhando o corpo, muitas! Após uma hora e pouco a comitiva voltou, rumo ao Memorial Necrópole Ecumênica, o cemitério vertical de Santos que ainda não conheço e onde espero não ter por última morada. Mesmo bimestral, um condomínio eterno é caro demais.