Quase todos e + memórias

Um registro visual da maioria dos presentes nos eventos de lançamento de “O vai e vem da memória”. Até onde me recordo estão quase todos. Lamentavelmente faltam, além de alguns amigos, o pessoal do Barroco Arte Café, em Uberaba, e o pessoal do Portella Bar, aqui em São Paulo.

Foi uma novidade, na minha carreira e na de alguns amigos, fazer lançamento de livro em locais que não livraria. Deu tudo certo e foi muito bom. Em Uberaba desfrutamos do conforto de um antigo casarão com pé-direito alto e janelas, muitas janelas. Aqui em São Paulo ficamos prioritariamente no passeio, o que facilitou o distanciamento nesses tempos tão difíceis.

Agradeço profundamente aos colaboradores de última hora – Agostinho Ermes, Adryana Gabriela e Andréia Rezende, em Uberaba; e Neusa de Souza, aqui em Sampa -, e também aos parceiros neste trabalho: Sonia Kavantan, João Eurípedes Sabino, Simone Gonzalez, Fernando Brengel e um, especialíssimo, ao meu companheiro Flávio Monteiro.

O lançamento, em Uberaba, só foi possível com o apoio de Walcenis, minha irmã, e Carmen Veludo, fundamentais para que a logística pensada se tornasse realidade. Na terrinha, tivemos o apoio de Kiko Pessoa, do Barroco Arte Café, e aqui em São Paulo, Sérgio “Bahia”, no Portella, ambos nos acolhendo e facilitando-nos as ações pensadas.

A0s meus familiares, amigos, colegas, ex-alunos, conhecidos, meu muitíssimo obrigado. Um monte de coisas para mais memórias!

Agora é seguir em frente. A exposição, em Uberaba, permanece até dia 22. Os livros já estão disponíveis para venda neste blog e, em breve, anunciaremos os eventos previstos para prosseguimento deste trabalho.

Muito obrigado!

Valdo Resende / Dezembro de 2021

O vai e vem da memória – São Paulo!

Hoje, 4 de dezembro de 2021, lançaremos em São Paulo o meu novo livro, O vai e vem da memória. O evento começará às 15h00 no Portella Bar, na Rua Professor Sebastião Soares de Faria, 61, aqui na Bela Vista.

Comigo, Valdo Resende, estarão o diagramador Flávio Monteiro, a revisora Simone Gonzalez e, mais tarde, teremos a presença de Fernando Brengel, meu parceiro na divulgação do livro. Também teremos Sonia Kavantan, que me honrou com um belo texto de apresentação e, infelizmente, sentirei falta de João Eurípedes Sabino, autor do prefácio, que mora em Uberaba, onde o evento de lançamento do livro ocorreu em 27 de novembro passado.

Esta pequena equipe, somada aos funcionários do Portella Bar, irá receber os amigos e interessados nesse trabalho. Aguardamos todos vocês!

O livro

Entrelaçando fatos que se complementam, “O vai e vem da memória” reúne crônicas, contos e poesias contando a história de uma cidade – Uberaba, MG – sob a perspectiva de alguém que nasceu em um bairro, o Boa Vista e mora longe, na Bela Vista, em São Paulo. Vivendo como tantos brasileiros, viaja no tempo, reconstrói espaços e cria um mosaico em um vai e vem aonde cada texto vale por si, referenciando retirantes e migrantes.

Serviço:

O vai e vem da memória – Valdo Resende

Elipse, Arte e Afins Ltda – 312 páginas – R$ 65,00

Um combo!

“Seus livros chegaram em casa. Emoção grande reencontrar você*”.

Uma semana após o lançamento do livro “O vai e vem da memória” em Uberaba, Minas Gerais, faremos um novo evento, aqui em São Paulo, no Portella Bar, aqui no Bixiga

Sábado, dia 04 de dezembro, dia de Santa Bárbara, a Iansã a quem devo exaltar: Eparrei!

Dia 4, quem é de teatro sabe, lembramos João do Burro, o encantador personagem de O Pagador de Promessas criado por Dias Gomes. O homem simples que não vê problemas em pedir para Santa Bárbara em Terreiro de Candomblé onde se cultua Iansã. Evoé!

Vamos para o “Segundo Ato” desse livro, aqui em São Paulo. O Portella Bar preparou um simpático combo, detalhado na imagem abaixo.

Aguardo todos vocês! Até sábado!

*Essa imagem, enviada por Simone Gonzalez, me deixou muito, mas muito feliz.

O Vai e Vem da Memória, de Valdo Resende, é convite para uma viagem de descobertas: se corajoso o suficiente para embarcar, o leitor se surpreende e se transforma.

Por Simone Gonzalez

“Esse ir e vir também alude aos trens nos trilhos da Mogiana”

Em As Cidades Invisíveis, de Ítalo Calvino, o imperador mongol Kublai Khan exige que o aventureiro Marco Polo descreva as diversas cidades pelas quais ele supostamente teria passado. Visto que negar algo a Kublai Khan provavelmente lhe custaria a vida, Marco Polo esmera-se em narrativas que criam cidades, alimentando o imaginário do imperador. Em As Mil e Uma Noites, Sherazade também teve de fazer o mesmo: contar histórias de reinos distantes para envolver o rei em suas narrativas e preservar a própria sobrevivência.

ValdoResende, autor de O Vai e Vem da Memória, não compõe sua obra subjugado aos desígnios de um tirano, mas por meio dela certamente imortaliza a sua história e a da cidade de Uberaba, em Minas Gerais. O livro apresenta uma tessitura de contos que compõem, aos poucos e sensivelmente, a história de uma vida: a vida de um brasileiro migrante, contexto que nos é tão familiar, mas sobre o qual raramente refletimos. A obra nos traz, portanto, a oportunidade de reflexão e de reencontro com nossas origens.

Valdo Resende toma o leitor pela mão e a viagem pela cidade de Uberaba começa. Sem compromisso temporal, somos envolvidos pelas memórias do autor que acabam se misturando com nossas próprias narrativas.

A acuidade descritiva de Valdo ressalta a delicadeza do seu olhar para cada detalhe: de um poste de luz ao igualmente iluminado olhar da professora de infância; da intimidade dos quintais à popularidade nacional dos compositores e artistas uberabenses; do prato de família, à gastronomia e festas internacionalmente apreciadas.

O vai e vem não diz respeito apenas à memória de Valdo Resende. Esse ir e vir também alude aos trens nos trilhos da Mogiana, ao circo que chegava e partia da cidade, às idas e vindas dos turistas em busca das palavras de esperança de Chico Xavier. São movimentos que embalam o leitor por meio de uma linguagem peculiarmente bairrista, extraordinariamente universal. É a habilidade de expressão do autor que propicia uma relação afetiva do leitor com os espaços e personagens de Uberaba e com os laços e nós das cidades que remontam nossas próprias histórias e memórias, pois quase todo brasileiro é migrante e tem, em terras alhures, rastros de seu sangue.

A obra de Valdo Resende é, pois, uma celebração à vida de quem não teme caminhar porque faz de seus percursos e memórias a construção de sua identidade.

Serviço:

O vai e vem da memória – Valdo Resende
ISBN 978-65-00-00287-4
Elipse – 312 páginas – R$ 65,00

Evento de lançamentos:
27 de novembro/2021 – 16h00 às 18h00
Barroco Arte Café – Rua João Pinheiro, 213
Uberaba – MG

04 de dezembro/2021 – 15h00 às 18h00
Portella Bar
Rua Professor Sebastião Soares de Faria, 61 –
Bela Vista – São Paulo – SP

Um álbum do Papolog

Foi no Papolog que surgiu a personagem Vanilda, a Tatuada, do e-book A Sensitiva da Vila Mariana. Para refrescar a memória, para acalentar lembranças, algumas imagens do site Papolog que, por bem, achei melhor começar com meu cartão de visitas.

Muitos testes e mudanças de layout foram constantes, mantendo o site atualizado, como no exemplo abaixo.

Fase clara, acima, antecedeu uma mais escura, abaixo.

Era possível brincar e fiquei uns dois, três dias com os olhos azuis…

Os artistas apareciam por lá, como a Família Lima, recebidos pelo pessoal da casa .

Um ranking, atualizado semanalmente, dava uma ideia do que ia acontecendo.

Em datas especiais eram criadas templates, como este para o Natal, com toda a equipe.

E como ninguém vive sem rango, esse foi registrado pelo Arley Ramos, eu e Rafael Mendes mandando ver na Rota do Acarajé.

Nesta quinta, 21h, A Sensitiva da Vila Mariana, será tema do Trem das Lives. Fernando Brengel vai ancorar a live que terá como convidados Simone Gonzalez, Rafael Mendes e Walcenis Rezende.

Todos convidados!

Um trio para A Sensitiva

Tempos bicudos de economia fragilizada, conseguir três clientes de uma só vez é bom demais, pensaria A Sensitiva da Vila Mariana. Só que não! São convidados, não clientes. Três convidados que dividirão comigo, Valdo Resende, e Fernando Brengel o Trem das Lives, excepcionalmente nesta quinta-feira, 21h, no instagram.com/tremdaslives.

Lançado no dia 16 de outubro, a coletânea de contos A Sensitiva da Vila Mariana tem uma história que começa há 12 anos, em 2008, quando o rapaz aí acima, Rafael Mendes, criou o Papolog, um site composto por blogs direcionados ao mercado musical. Empreendedor porreta, uniu-se a sócios e investidores no então nascente mercado virtual. É bom lembrar aqui que o Orkut – um dos fatores de popularização da rede – surgiu em 2004 e, no Brasil, o Facebook foi lançado em 2007.

Fui convidado e contratado como diretor de conteúdo do Papolog, atuando junto a uma equipe jovem, feita basicamente por “ratos de computador”, daqueles que manjam tudo dessa maquininha infernal. Eu, escrevia textos, sugeria temas, direcionava alguns outros. Em um site de blogs era óbvio ter o meu e, neste, surgiu Vanilda, a Tatuada, personagem que permeiam os contos do livro agora lançado.

Vanilda nasceu timidamente; uma personagem que me facilitou contar fatos, narrar histórias, dar notícias, divulgar shows e artistas. Cresceu de tal forma que ganhou vida própria . Volta e meia me inspirava em uma pessoa concreta – Vânia Maria Lourenço Sanches – para contar as loucuras da Vanilda que estavam na minha cabeça. Pra divulgar tudo isso foi fundamental a participação de Walcenis, a moça de verde aí da foto.

Walcenis Vinagreiro de Rezende foi minha principal incentivadora e divulgadora naquele momento. É minha irmã! E eu tenho a sorte de ter três irmãs, Waldênia e Walderez completam o trio, que valorizam e me dão força naquilo que faço. Circunstâncias dessas que popularmente a gente usa para dizer que “o universo conspira”, fizeram com que Walcenis assumisse o papel de divulgadora do meu trabalho (o Brengel, chic, diz que é “influencer”). Invariavelmente, os primeiros comentários vinham dela e, não satisfeita em comentar, imprimia – vou repetir – IMPRIMIA À CORES todos os meus posts, mostrando-os aos demais familiares, vizinhos, amigos. Isso em 2008, certo, sem whattsap. Tinha mensagens via orkut, as páginas, os depoimentos…

Vânia e Walcenis, com o tempo, assumiram pra si as personagens. Vânia comentava meus posts como se fosse a própria Vanilda e, Walcenis, brincava de ser Méri e também a Maria Aparecida. As duas protagonizaram embates enormes, outras pessoas entrando no meio, à favor de uma ou de outra, alimentando polêmicas divertidas, algumas surreais.

A terceira convidada desse Trem das Lives é nossa parceira Simone Gonzalez, toda sorridente aí acima, de vermelho. Simone foi chamada para acentuar, com suas análises, os aspectos literários em A Sensitiva da Vila Mariana. Ela já escreveu sobre o livro (leia clicando aqui), e agora vai abordar pontos específicos em papo com o Fernando Brengel.

Então é isso! Mais que isso, só no Trem das Lives. Todos estão convidados e eu, que estarei lá, já vou adiantar: Mesmo triste pela ausência de Vânia que, desta vez não poderá entrar na live, estou muito feliz e grato aos quatro amigos, Fernando, Simone, Rafael e Walcenis por esse encontro onde, como poderia ser dito pela Sensitiva, “tudo será revelado”.

Até lá!

O QUE NOS SALVA, AMIGOS E LIVROS

É com alegria que recebi e registro aqui, com profundo sentimento de gratidão, o texto que me foi enviado por Simone Gonzalez, sobre meu livro de contos, A Sensitiva da Vila Mariana. Mestra em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, atualmente atua como coordenadora auxiliar do Curso de Letras e da Pós-Graduação em Língua Inglesa e Literatura da UNIP.

Leiam o texto de Simone que, neste domingo, dia 25, 18h00, conversa com Fernando Brengel no Trem das Lives.

O QUE NOS SALVA, AMIGOS E LIVROS

“A Sensitiva da Vila Mariana” chega na nossa caixa de e-mail despretensiosa e até quieta demais para uma sensitiva. O autor, Valdo Resende, lembra que em tempos complicados rir um pouco nos fará bem, já que está difícil ir pra Paris. Só que o e-book nos leva bem mais longe e acaba arrebatando os leitores ingênuos que, como eu, acreditaram que eram contos só para rir.

Há expressiva e necessária crítica que vai se construindo ao longo dos contos em duas camadas narrativas: a história que se lê e outra que vai claramente se desenhando nas entrelinhas.

Vadico, Vanilda e Maria Aparecida são os fios condutores dessas duas camadas. Amigos inseparáveis, eles são a própria resistência: gostam de arte, primam pela amizade, se ajudam e cometem o maior dos pecados capitais: fazem o que gostam. Mas, claro, isso tem um preço.

Há muitos pontos na obra que nos tiram o sossego. Por exemplo, Vanilda é professora e tem uma Kombi. Dirigir uma Kombi pode ser libertador. Mas pode ser, também, o único veículo que Vanilda pode ter, resultado de um sistema opressor que relega a educação e os educadores.

Mas é claro que o carro não é importante. Como diria Vanilda: “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.

E, quando as coisas não vão bem, só mesmo a sensitiva para dar um jeito! O que também é, no mínimo, para se pensar.

Fundamental mesmo é perceber que em um país onde temos que nos (re)construir o tempo todo com tetos caindo em nossas cabeças e sem piso firme, entre croquetes, machismos explícitos e fascismo velado, o que nos salva são os amigos. E livros como este.

Ah, sim! As risadas estão garantidas.

(Simone Gonzalez)

%d blogueiros gostam disto: