Mudanças são apelos persuasivos

Um aluno pediu-me para escrever sobre Fátima Bernardes, Roberto Carlos e duas campanhas que estão no ar. Vai aqui um mote para posteriores reflexões com esse aluno e todos os demais:

Imagens de divulgação das campanhas
Imagens de divulgação das campanhas

Uma mesma empresa, a JBS, lançou duas campanhas publicitárias. Uma com Fátima Bernardes e outra, com Roberto Carlos. A campanha estrelada pela apresentadora e jornalista é da agência WMcCann; a do cantor é da agência Lew Lara\TBWA. Um motivo comum justifica a escolha dessas personalidades: a mudança. Fátima Bernardes mudou de vida ao deixar o Jornal Nacional pelo programa matinal que apresenta na Rede Globo e Roberto Carlos, dizem, mudou hábitos alimentares. Não é mais vegetariano!

As críticas ao comercial com o cantor são pesadas e, até onde percebo, não há nenhuma manifestação contrária pela escolha de Fátima Bernardes. Roberto Carlos vem de uma polêmica participação quanto a direitos autorais onde grana tende a pender mais que intimidade; além disso, é cantor de versos contra a matança de baleias, constituindo-se motivo para vegetarianos manifestarem-se furiosos pelo cantor voltar a comer carne.

Fátima Bernardes carrega um título até aqui pouco divulgado: Em 2013, na 12ª edição da Pesquisa Marcas de Confiança, foi apontada como a apresentadora mais confiável do Brasil (Desbancou Silvio Santos!). Tem, então, a responsabilidade de corresponder ao público (74% de acordo com a pesquisa) divulgando produtos de qualidade. O que se espera é que a mãe de trigêmeos (ela sempre fala de si no programa) coloque os produtos que divulga para alimentar os próprios filhos.

As vendas de carne empacotada e com logotipo aumentaram com Tony Ramos, que agora é narrador do comercial de Roberto Carlos. Resta saber se o cantor irá influenciar os hábitos de compras de seus fãs e qual o impacto que o comercial terá nos milhões de vegetarianos que há no país (9%, dados do IBOPE). Um resultado que os números, no final das campanhas, serão os reais avaliadores. Sim, os números! Mudanças são apenas temas transformados em apelos persuasivos pela publicidade. Afinal, a gente sabe, campanhas comerciais implicam basicamente uma coisa: faturar!

Até mais!

.

Cinquenta anos do “felizes para sempre”

novelas
Glória Pires, Carlos Alberto e Yoná Magalhães, Fernanda Montenegro e Gianfrancesco Guarnieri, Tarcísio Meira e Glória Menezes, Francisco Cuoco e Regina Duarte, Ewa Vilma, Tony Ramos, Paulo Goulart e Nicette Bruno.

Dia 22 de julho de 1963, na extinta TV Excelsior, estreou a primeira telenovela brasileira: o seriado “2-5499 Ocupado” foi estrelado por Tarcísio Meira, que hoje está literalmente enraizado em “Saramandaia”, e Glória Menezes, a simpática avozinha do seriado “Louco por elas”.

Há cinquenta anos que um casal se conhece; após um nhém-nhém-nhém meloso algo ou alguém atrapalha o romance; após lágrimas, desavenças e muitas peripécias dão um belo beijo de “felizes para sempre’”. Assim fica mais do que evidente que interessa o processo, como o enredo é contado, interpretado, em que cenário de tempo e espaço está inserido. Isto é a telenovela brasileira.

Tenho lido críticas ao atual autor da novela das 9, Walcyr Carrasco, que estaria plagiando outros folhetins. Balela. O que interessa ao público é deleitar-se com o sofrimento do casal principal vitimado pela maldade do irmão da moça. O público diverte-se com as ações da médica inescrupulosa, da secretária vadia, enquanto dá boas gargalhadas com outra vagabundinha, atrás de um marido rico, estimulado pela mãe brega, bailarina decadente que brilhou nos programas do Chacrinha.

Novela é produto – dizem até aqueles que fazem – de uma indústria que faz exatamente o que é necessário para agradar seus consumidores. Mudam as embalagens, tiram alguns ingredientes, substituem outros por mais novos e assim, a novela segue em frente, assumindo ações de responsabilidade social, esbanjando sofisticação técnica, mas nunca indo além daquilo que agrada. Mercadoria é para ser vendida e o público escolhe aquilo que lhe convém.

Nossos profissionais de novelas merecem todo o respeito, também merecem homenagens. Há cinquenta anos embalam nossas tardes e noites com aventuras de “Europa, França e Bahia”; tudo com inegável domínio técnico. A novela brasileira tem excelência no fazer e por isso, quando atinge tal nível merece ser denominada arte. É uma das expressões de nosso tempo e, como tal, deve ser examinada sem preconceitos.

É hilário perceber que aqueles que criticam o senhor Walcyr Carrasco fingem ignorar que já sabem o final do folhetim. Ficam apontando aqui e ali alguns aspectos, esquecendo-se que quase todos os outros já estiveram em alguma novela ou filme. Os tempos são outros, a forma, o cenário, tudo é diferente, mas quando a personagem de Tatá Werneck procura um marido rico, nada mais faz do que viver situação similar por inúmeras outras personagens (Ocorre-me agora a sedutora Marilyn Monroe, por exemplo, em “Como agarrar um milionário”).

O público, ao que indica a longevidade das novelas, incomoda-se pouco com repetições; quer mesmo é um produto bem feito. Nosso público é educado para novelas e, nelas, reconhece a magnitude de uma Fernanda Montenegro, o texto ímpar de Dias Gomes, a produção requintada das produções de época da Rede Globo. Quando o público não gosta a novela, o autor e tudo o mais fica esquecido. E, é só prestar atenção para constatar que tem mais gente esquecida que medalhão reverenciado!

Em 1963, o enredo da primeira novela foi sobre uma presidiária que trabalha como telefonista. Ao ouvir a voz da moça o mocinho, sem saber que é uma detenta, apaixona-se. Nos dias de hoje, quando recebemos telefonemas de golpistas diretamente dos presídios, não seria de se estranhar se alguma garota, presa, resolvesse tentar um romance com algum, entre os tantos solitários dos nossos dias. Nada mal como enredo para a próxima novela; ou alguém duvida?

.

Boa semana!

.

%d blogueiros gostam disto: