“dois meninos – limbo” na Feira Cultural LGBT

 

dois meninos feira

Próximo dia 15, feriado de Corpus Christi, estarei com o romance “dois meninos – limbo”, na Feira Cultural LGBT, no Vale do Anhangabaú. Organizado pelo também escritor Fabrício Viana, o 2º Bate-papo com Autores/Editoras de Literatura LGBT terá início às 10h da manhã e irá até às 22h.

Na Feira Cultural LGBT estarão presentes Alice Reis, Aline Stivaletti, Fábio Carvalho, Fabrício Viana, Karina Dias, Léa Carvalho, Malu Santos, Manuela Neves, Occello Oliver, Paula Curi, Silvano Sulzart e eu, Valdo Resende. Uma oportunidade para conhecer escritores e a produção dos mesmos.

“Dois Meninos-Limbo”, publicação da Elipse, Arte e Afins Ltda., é sobre um pintor de origem humilde que, mesmo conhecendo a arte vigente, escolhe elaborar uma produção popular, visando fundamentalmente sobreviver com seu trabalho. Ao encontrar um crítico de arte dá-se o conflito pessoal e profissional.

O cenário é a cidade de São Paulo do final do século XX; a vida operária, a agitação de noites tornadas tensas e perigosas com o surgimento da AIDS e, decorrentes dessa realidade, as profundas mudanças e exigências impostas à todos. Revivendo esse momento, “Dois Meninos – Limbo” celebra a amizade e a solidariedade ante a adversidade, tanto quanto celebra a solidão e o amor.

Contamos com a presença de todos.

Até lá!

Serviço:

Literatura LGBT: 2º Bate-papo com Autores/Editoras
Dia 15/06 – Quinta-feira (feriado)
Das 10h as 22h.
Local: Vale do Anhangabaú em São Paulo
Entrada gratuita
Link do evento:
http://paradasp.org.br/literaturalgbt2017

O Museu do Theatro Municipal sintetiza a cultura paulistana

Em tempos de chuva, uma tarde ou manhã no museu é garantia de passeio tranqüilo e divertido. De quebra, aprende-se muito. Sob o Viaduto do Chá há, por enquanto, duas instituições fundamentais para a vida cultural de São Paulo: a Escola Municipal de Bailados e o Museu do Theatro Municipal. Por enquanto, pois logo estarão em outro espaço, em construção, no Vale do Anhangabaú. Uma dica para o final de semana: conhecer ou visitar o Museu do Theatro Municipal.

A atual exposição, “Museu do Theatro Municipal Ícone e Memória”, possibilita uma ampla viagem. Há a lembrança de eventos como a “Semana de 1922” e de grandes montagens e apresentações marcantes de companhias nacionais e estrangeiras. A mostra evidencia, através de painéis e de objetos pertinentes ao universo do espetáculo cênico, a história da cultura paulistana pelos mais de 100 anos da história do principal teatro da cidade.

As visitas ao museu podem ser feitas de terça a domingo, das 10h às 18h e o espaço ainda oferece a oportunidade para pesquisadores, de terça a sexta, das 10h às 17h. Procurei sintetizar em imagens os principais itens da exposição em cartaz. Um estímulo e um convite para este mês de férias.

Começando pela música, forma artística primordial na história do Theatro Municipal. A ópera é reverenciada com fotos dos principais cantores líricos que se apresentaram no palco do Municipal. Também maestros, instrumentistas diversos, orquestras e cantores de jazz estão presentes.

Uma síntese dos principais itens pertinentes à ópera pode ser lida, em pequeno glossário exposto. Há também grandes vitrines com croquis de vestuários feitos especialmente para as montagens da casa; além das próprias peças confeccionadas, há  adereços diversos que evidenciam o trabalho cuidadoso de profissionais que atuam nos bastidores dos grandes espetáculos.

De um espetáculo teatral, uma ópera ou um balé participam iluminadores, engenheiros de som, arquitetos e cenógrafos, além de muitos outros, conforme a necessidade da montagem em questão. Assim, outros grandes expoentes da arte brasileira estão presentes, como exemplo, nas maquetes que estão na exposição: as cores empregadas pelo cenógrafo Carlos Jacchieri, na ópera Werther, de Massenet, contrastam com a obra limpa da pintora Tomie Othake, descrita abaixo.

O balé é outra forma com participação marcante na história do Municipal. A Escola Municipal de bailados surgiu para garantir a presença de bailarinos acompanhando os espetáculos de grandes estrelas. Hoje, o Municipal tem corpo estável de baile, ou seja, companhias com vida própria, trabalho criativo. Pelo palco paulistano passaram as maiores estrelas do balé mundial.

Vitrines com os principais cartazes criados para os eventos produzidos, ou apresentados no Municipal permitem a avaliação dos avanços e das transformações do design nos últimos cem anos. Nestes também a presença de trabalhos realizados por grandes artistas gráficos ou outros, pintores, que deixaram seu talento registrado em produções do Theatro Municipal.

Finalmente, mas não menos importante, o teatro em si. A exposição “Museu do Theatro Municipal Ícone e Memória” reverencia os maiores nomes do teatro brasileiro. Procópio Ferreira, Itália Fausta, Fernanda Montenegro, Paulo Autran e Maria Della Costa estão entre os grandes ícones do teatro brasileiro. Há lembranças da passagem de astros estrangeiros como Vivien Leigh, que prestigiaram o palco da cidade.

A exposição está aí. Visite antes que acabe. O museu tem previsão de ser fechado no final do mês, quando será transferido para uma única sala, segundo informou uma funcionária da instituição: “O prefeito Kassab está acabando com tudo; o museu ficará em um espaço mínimo e certamente não teremos exposições como esta.”

O museu aguarda sua visita!

Bom final de semana.

Nota: As fotos originais tem seus respectivos autores; aqui, realizei montagens fotografando os painéis expostos, além de registrar algumas imagens do local.

O “Sampaio Moreira” já foi rei

O Sampaio Moreira, visto do Vale do Anhangabaú

Olhe bem para esses prédios acima. Esqueça a aparente superioridade das duas construções contemporâneas e preste atenção no “velhinho”, que está no centro. Pois bem, um dia, este que agora passa despercebido pela maioria dos paulistanos foi o primeiro grande edifício de São Paulo. Seu nome de “batismo” é Prédio Sampaio Moreira.

Agora tente imaginar a capital paulista em 1924 e, de repente, a paisagem da Rua Líbero Badaró é transformada por uma construção com doze pavimentos e cinqüenta metros de altura. O mais alto edifício de São Paulo. A construção é primorosa, detalhada, a fachada modificando-se nos diferentes andares.

Arquitetura primorosa, criada na São Paulo de 1924

Sampaio Correia, o edifício, recebeu o nome do proprietário e sabe-se que a família foi dona de muitos terrenos no Tatuapé. O prédio foi desapropriado e já foi noticiada a restauração e até o funcionamento de uma Secretaria Municipal para ocupar o espaço. Por enquanto, o prédio está fechado e nada é perceptível em termos de reformas ou restaurações.

O projeto arquitetônico, atribuído ao escritório Stockler das Neves, é visivelmente requintado. E se a prefeitura cumprir seu papel de manter esse local histórico, a cidade vai poder usufruir daquele que perdeu o posto de edifício mais alto para o Prédio Martinelli.

Vista atual da Rua Líbero Badaró. O velho e o novo em harmonia.

As rápidas transformações do início do século XX coincidiram com o extraordinário crescimento da cidade de São Paulo. A arquitetura européia, em 1924, já era outra e logo chegaria à cidade exemplos das novas referências. O “Sampaio Moreira” perdeu o título, mas o prédio aí está, encantador e, mesmo em estado precário enquanto aguarda cuidados, não perde o charme, quase romântico, garantindo a simpatia dos paulistanos.

Prevista para início em 2012, a restauração será feita em 18 meses

Passando pela Líbero Badaró, preste atenção. O Prédio Sampaio Moreira merece um olhar mais detalhado. É ele o primeiro “Espigão”, o que deu origem à São Paulo vertical, nossa “Selva de Pedra” tão amada.

Até mais!

Enquanto não é possível ir para Inhotim

Eu estava de mala e cuia prontinhas para conhecer Inhotim, mas São Pedro decidiu o contrário, mandando água sem parar sobre Minas Gerais. Já bastam os perrengues do ano inteiro. Recesso é para descansar e não sei nadar… portanto, sem enchentes, por favor! O jeito é apelar para o plano B, no caso, turismo doméstico!

Vêm aí os 458 anos de São Paulo. Vou rever lugares, conhecer outros e dividir com os leitores aqui do blog alguns olhares e sensações sobre nossa cidade. Para começar, vou mostrar aspectos do meu bairro, o Bexiga, como a Igreja Nossa Senhora do Carmo, as escadarias que facilitam o acesso à Rua dos Ingleses e um monte de outros lugares.

Igreja Nossa Sra do Carmo, Bexiga, São Paulo
A agradável arquitetura da Igreja de Nossa Sra. do Carmo, no Bexiga
O Bexiga tem recantos inusitados.

Como o hábito é mostrar os lugares de frente, pretendo mostrar outros lados; para começar, ilustrando a proposta, uma visão lateral da Praça da Sé, os fundos da grande catedral paulistana ou também, um outro lado do Vale do Anhangabaú que não seja aquele do Viaduto do Chá. Vale para quem não conhece e para quem já foi, lembrar e refletir sobre outros aspectos da vida, da paisagem.

A Praça da Sé e os contrastes da cidade.
Vista da Sé, pela Praça João Mendes.
Outros lados do Vale do Anhangabaú

A imensa cidade tem milhares de possibilidades. Por enquanto, estou perto de casa. É cômodo e se ameaça chuva, volto rapidinho. Não faltarão outros aspectos aqui no blog, portanto, não ficarei restrito a essa proposta (sou de Gêmeos, caminho para onde minha vontade manda!).  Se chover demais e não der para ir para lugar nenhum, ficarei brincando de “Mais Você”.

Literalmente, boto fogo na cozinha. Esse medalhão tem história...

Fiquem tranqüilos, não pretendo dar receitas culinárias por aqui. Prefiro indicar o site e o serviço prestado pela minha querida Amanda Salles. O “Na Travessa” é um simpático serviço oferecido por uma moça que não é baiana, mas que sabe mexer um vatapá, um caruru e um monte de outras comidas deliciosas. Conheça  a cidade, o site, se der, vamos pra Inhotim e boas férias!

%d blogueiros gostam disto: