A devastação dos velhos

devastação da velhice

Parte de um vídeo de Lima Duarte após a morte de Flávio Migliaccio, o título “a devastação dos velhos” poderia ser encarado como força de expressão em momento altamente emocional. No entanto, o ator exterioriza e torna-se porta-voz dos mais velhos, milhares, assombrados pelo avanço da pandemia e pelos critérios que devem ser levados em consideração na escolha por pacientes em filas de UTIs. A primeira versão do documento, de abril passado, levava em conta a idade do paciente. Aos mais novos seriam destinados os leitos vagos.

Após o impacto negativo da versão inicial, vieram a público nesta semana novos critérios elaborados pela Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e pela Abramede (Associação Brasileira de Medicina de Emergência). O discurso do ator, infelizmente, continua válido, pois a idade permanece entre os critérios vigentes, enfeitada em meio a palavras técnicas, sofismas que, ao final, deixam a impressão de estar tudo na mesma.

Conforme noticia o UOL: Gravidade, maior grau de sobrevida e capacidade do paciente são a base dos critérios sugeridos no documento elaborado pelas duas associações. Atenção para a palavra SUGERIDOS. Para deixar claro o que pesa sobre a cabeça dos mais velhos, transcrevo parte da matéria do site:

OS TRÊS CRITÉRIOS

1) Salvar mais vidas

Como é feito? Usando o escore Sofa (Sequential Organ Failure Assessment) (?1), que avalia uma série de parâmetros de dados vitais (?2). Quanto maior essa pontuação, menor a chance de sobreviver (vai de 1 a 4 pontos).

2) Salvar mais anos de vida

Como é feito? Avaliando a presença de comorbidade (?3) grave com probabilidade de sobrevida (?4) inferior a um ano (caso isso ocorra, soma-se 3 pontos à conta).

3- Capacidade do paciente

Como é feito? Por meio da escala de performance funcional Ecog (Eastern Cooperative Oncologic Group). Nesse caso, o paciente é avaliado em uma escala que vai de “completamente ativo” até “completamente incapaz de realizar autocuidados básicos” (?5) (vai de 0 a 4 pontos).

Em caso de empate de pontos, diz o protocolo proposto, deve ser usada a seguinte ordem de escolha:

1. Menor pontuação do Sofa

2. Julgamento clínico da equipe de triagem

Atenção: os pontos de interrogação são meus. Proponho algumas reflexões sobre os mesmos. Vejamos:

?1 – O Sofa avalia gravidade de morbidade e predição de mortalidade. Morbidade, em medicina, é o conjunto de causas capazes de produzir uma doença. Pergunta de leigo: idade avançada está entre causa de produção de doença? Sim, parece óbvio. Mas, gente jovem também adoece. E aí?

?2 – Espero que dados vitais seja o mesmo que sinais vitais, ou seja: o documento fala de Pressão arterial; Pulso; Respiração; Temperatura. Algo me diz que pessoas da terceira idade saem perdendo no quesito…

?3Comorbidade, no texto, refere a presença de duas ou mais doenças relacionadas no mesmo paciente e ao mesmo tempo. Por exemplo, um sinal da Covid somada a depressão, comum em pessoas mais velhas, aliada ao pânico por ter mais idade e consequente aumento de falta de ar, aumento da pressão arterial e sabe-se lá Deus o que mais…

?4Sobrevida. Quanto tempo viveremos, ou sobreviveremos? E o que faremos durante o tempo que nos resta? João XXIII, um dos mais notáveis papas do século passado, viveu 82 anos. Nos últimos cinco anos de vida revolucionou a Igreja Católica conclamando o Concílio Vaticano II, causando uma das maiores revoluções na instituição.

?5Deve morrer o indivíduo “completamente incapaz de realizar autocuidados básico”?

A pandemia provocada pelo Corona Vírus deixou exposta o que antes permanecia num limbo socialmente aceito: a incapacidade da sociedade de cuidar com eficácia de todos os seus componentes e, pior, a desvalorização dos idosos, o descaso para com a situação desses beirando ao desprezo.

Os critérios mascaram uma pretensa “escolha de Sofia”, posto que o idoso já entra perdendo na competição por um leito de UTI. Todavia, os tempos mudaram e temos pessoas idosas altamente atuantes, sem que seja necessário muito esforço para nomear tais pessoas. Dona Luiza Erundina está com 85 anos. Lima Duarte está com 90. Dona Laura Cardoso está com 92 anos; Dona Nicette Bruno com 87, Dona Fernanda Montenegro, 90 anos, Tarcísio Meira está com 84 e, o mais jovem da turma que me vem à lembrança, Eduardo Suplicy, com 78 anos. Para quem curte “valores estrangeiros” Elizabeth II, da Inglaterra, está com 94 anos, e dos EUA, a estrela Jane Fonda, 82 anos… a lista é imensa.

Os tempos mudaram. As formas e procedimentos médicos evoluíram e não é isolado o exemplo de D. Canô Veloso, que viveu lúcida e saudável até completar 105 anos. Ou seja, mantendo-se cuidados e assistência necessária, a turma acima pode vir a ter 15, 20 anos mais de vida (Espero mais!). Isso implica em que essas, e muitos outros, tem muito a contribuir ao mundo. Nada justifica terem que passar pelo pavor da falta de tratamento adequado. Não se trata, em hipótese alguma, de escolher entre alguém mais jovem ou alguém mais velho para uma vaga de UTI. É fundamental que a sociedade garanta iguais possibilidades de tratamento para todas as faixas etárias dos diferentes grupos sociais. Alguém pode dizer que a pandemia é uma exceção, no entanto cabe lembrar que desde o final da II Grande Guerra que, durante a chamada Guerra Fria, vivíamos sob a ameaça de uma devastação advinda das consequências de um ataque com bomba atômica. Nunca foi feito nada para garantir a saúde dos cidadãos sobreviventes.

O vídeo de Lima Duarte nos mostra alguém desolado, deprimido, receoso para dizer o mínimo das sensações perceptíveis. Há milhares de outros seres em condições similares e até piores, se pensarmos naqueles que não detêm poder aquisitivo sequer para garantir alimentação adequada, quanto mais um tratamento digno. Precisamos lutar, precisamos mudar as perspectivas para os mais idosos. “Os que lavam as mãos o fazem numa bacia de sangue”, finalizou Lima Duarte citando Brecht. Até quando atuaremos como Pilatos?

Até mais!

Obs: veja a matéria completa do UOL clicando aqui.

Siga este blog. Curta a luta por uma vida digna para o idoso e compartilhe essa ideia!

Não matarás!

o_enterro lasar segal

Colocar idosos em confinamento é a ideia ignóbil que precisa ser combatida antes que cresça. Feito o vírus que se espalha, traiçoeiro, é a inicial sugestão de isolamento vertical proposta pelo indivíduo que ocupa a presidência. Sem respaldo científico nenhum, mas com interesse em agradar setores da economia, opina-se para o isolamento de pessoas com mais de 60 anos. Isto significa confinar 13% da população brasileira. Dito assim, não esclarece que tal ação isolaria 28 milhões de indivíduos. VINTE E OITO MILHÕES DE INDIVÍDUOS!

O pensamento rasteiro do presidente já encontra eco. Campo de concentração, sugere um tal Marcão do Povo, que deve ter nascido sem pai e mãe. Trancafiar os velhinhos é a solução para Rodrigo Constantino, também sem mencionar se tem ou não filiação. E a ideia pode vir a ser considerada comum, viável, normal, se não for devidamente combatida. Onde estarão os campos de concentração? Como os idosos serão trancafiados? O presidente, acima dos 60, será encaminhado ao confinamento? Junto com ele, os Juízes do Supremo, os Senadores e demais representantes públicos sexagenários? Ou os canalhas, autores dessa monstruosidade, pretendem categorizar quais os “tipos de velhos” que ocuparão o cativeiro?

Não matarás, diz o Mandamento recebido por Moisés. No entanto, o protocolo médico internacional orienta que em caso de ter que escolher entre um idoso e um jovem, o remédio irá para quem tem maior possibilidade de sobrevida. Os perigos desse procedimento ético colaboram na difícil decisão de médicos, mas pode sugerir outras atrocidades para detentores do poder. No caso do Brasil, por exemplo, seriam 28 milhões de doses de vacina a menos, já que “velho pode morrer”. 28 milhões de doses de remédio a menos, 28 milhões de leitos a menos. 28 milhões de beneficiados à menos na conta da Previdência. Basta fechar os velhos em campos já com as valas destinadas aos corpos, ou o crematório permanentemente aceso, já que 28 milhões de corpos ocuparão espaços valiosos para o mercado imobiliário.

O quarto Mandamento determina que devemos honrar pai e mãe. E todos nós, pais e mães acima dos 60, devemos ter errado feio ao transmitir o mandamento que, em si, dispensa preceito religioso. É natural o reconhecimento por aqueles que nos prestaram benefícios. É humano ajudar a caminhar aqueles que necessitam e que, um dia, nos seguraram para os primeiros passos. É natural dar comida para quem nos alimentou com o próprio leite, com a força do próprio trabalho. É bem provável que alguns, com pouca afinidade com pai e mãe, acharão piegas, sentimentais, inúteis as ideias de dever, de troca, de gratidão. Por isso, e por existir gente que pensa em confinar idosos, que o discurso deve ser outro:

– Conclamo todos os sexagenários e acima, meus irmãos, parentes e amigos à luta!

Uma luta que começa por boicotar o SBT – Sistema Brasileiro de Televisão, por permitir que alguém use o canal para sugerir campos de concentração para idosos. Mesmo boicote à Jovem Pan, por ideias similares se difundirem via microfones da emissora. Lembrar na hora de votar do nome de cada político, sexagenário ou não, que aceita a ideia de confinar quem quer que seja, sem que este tenha cometido o mínimo crime.

Aprendi com meus falecidos pais, avós, tios, que deveria trabalhar muito na juventude para ter uma velhice tranquila. Hoje, aos 64 anos, sou oficialmente idoso e vejo a tranquilidade enquanto quimera. Décadas de trabalho não garantem direitos à aposentadoria digna. Aposentados, ainda precisamos de continuar a trabalhar para complementar renda visando obter além do estritamente necessário. Precisamos trabalhar para conseguir pagar um convênio médico, pois, repito, décadas de desconto na folha de pagamento não garantem um tratamento digno na rede pública de saúde. E na pandemia, a solução política é confinar o velho, prendê-lo em casa ou em campo de concentração.

Não vou odiar aqueles que estão mais jovens. Nem tratá-los como inimigos. E por desejar que esses jovens tenham longa e feliz vida é que não admito ser tratado como estorvo. Da luta conclamada acima, podemos lembrar a importância do nosso salário na economia familiar, da nossa experiência e conhecimento volta e meia desperdiçados por preconceitos imbecis. Quem somos nós, pobres velhos, para lutar contra a OMS e seus protocolos em tempos de pandemia. Mas podemos exigir que os governos de todos os países se preparem para a próxima doença, o próximo desastre. Podemos insistir para que todos deem mais voz aos cientistas para que digam aos quatro cantos que o confinamento de quem quer que seja não resolve o problema, mas joga esse para baixo do tapete.

O isolamento continua. É necessário. Todavia, isolamento vertical NÃO!

Até mais!

A imagem acima é reprodução de “o enterro” de Lasar Segall.

Siga este blog. Curta e compartilhe.

O momento de parar

Aposentadoria de sonho, ao lado de Drummond, ou em Minas, nas imediações de Uberaba.
Aposentadoria de sonho, ao lado de Drummond, ou em Minas, nas imediações de Uberaba.

Há alguém que não sonhe com férias? Há alguém que ultrapassando os cinqüenta, sessenta anos não comece a pensar em “descansar”? Surpreendendo o mundo todo, o Papa anunciou a própria aposentadoria. Aos 85 anos (completa 86 em abril), Bento XVI já ultrapassou um ano, em idade, seu antecessor. João Paulo II faleceu com 84 anos. A imprensa cria caso, exagera daqui e dali. Ficam falando em conspirações, cogitando pressões sobre o velhinho que resolveu parar.

Li em vários lugares uma indagação “crucial”: como deveremos chamá-lo após sua saída do Vaticano? Santa Mãe de Deus! De Bentinho é que não é. Nem de Papa Pai (lembram da Rainha Mãe, da Inglaterra?). Continuará sendo Bento XVI, vivo ou morto. Na verdade, o incômodo é outro; o Papa tem poder, muito poder. Ele pode usar todos os recursos materiais que o cargo possibilita; tem os holofotes do mundo sobre si bastando, para isso, aparecer em uma janela. No entanto, Bento XVI resolveu parar. Como pode ser isso?

Aqui, no Brasil, conhecemos pessoas que, agarradas ao poder, lembram um esfomeado vira-lata guardando o osso. Lá fora, temos a situação delicada de uma Rainha, a Elizabeth II com 86 anos, que vive ao lado do príncipe herdeiro, um velhusco Charles que, parece, nunca será rei. A avó de Charles, a Rainha Mãe, morreu com 101 anos. Se Elizabeth for por aí, o Príncipe pode entrar para a história como Porcina inglesa, que “foi sem nunca ter sido”.

Adoraríamos viver eternamente. Não gostamos nem de cogitar sobre o fato de que iremos morrer. Parar, em certos casos, induz-nos a pensar na dita cuja. A ideia de aposentar-se, de parar, para muitos é defrontar-se com o nada, com o fim, com a morte. Ao evitar até o conversar sobre o assunto somos levados, penso eu, a pensar que certas pessoas não “merecem” aposentadoria; o Papa, a Rainha Elizabeth da Inglaterra, as nossas mães e demais donas de casa… Sim, parece doido, mas o princípio é o mesmo. Quem vai cuidar da Igreja, da Inglaterra, da nossa casa?

A sociedade – é bom salientar que essa senhora é um tipinho duvidoso – não gosta de gente doente. A tal senhora não costuma admitir que as pessoas envelheçam, ou que fiquem doentes. Só essa ideia idiota explica esconderem a operação que levou o Papa a usar marca-passo; jornalistas cogitam se há algum escândalo por trás dessa renúncia, mas não especulam se ele usa fraldas, essa incômoda situação provocada por problemas de próstata, que também  estaria afetando o sumo pontífice.

A principal ideia sobre a velhice, a nossa principalmente, é sempre deixada para depois. Temos receio de encarar a própria finitude. No entanto, admitimos sonhar com uma velhice tranquila  ao lado de pessoas amadas, passeando em praças, praias, jardins. Desejamos tempos serenos sem preocupação com salários, contas para pagar… Mas, isso é para depois. Bem depois! O Papa Bento XVI nos faz lembrar que esse momento chegará. Com poder ou sem ele, com dinheiro no bolso ou sem esse, teremos que parar; ou seremos parados por doença, pelo corpo alquebrado não conseguindo responder ao nosso comando.

Ao lado do irmão, bispo Georg Ratzinger. Alguém pode privar o Papa de uma velhice tranquila?
Ao lado do irmão, bispo Georg Ratzinger. Alguém pode privar o Papa de uma velhice tranquila?

Gostei de ver pela TV o Papa caminhando sem bengala. Desejo que ele possa levantar-se sozinho na madrugada para ir ao banheiro; que não precise de ninguém para trocar de roupa e que consiga fazer uma sopinha, caso necessário. Tomara que disponha sempre de um jardim onde passar as tardes ouvindo pássaros, deliciando-se com a bela paisagem italiana. E se for sonho voltar para onde nasceu, que tudo isso possa ocorrer na Alemanha. Que em todos os momentos ele possa falar com alguém, receber um gesto de carinho, alguns minutos de atenção. Afinal, não é isso que sonhamos para nós mesmos? Poderia até continuar escrevendo sobre como isso poderá ocorrer; todavia, como quase todo mundo, quando o assunto é velhice, não me é incômodo deixar pra depois.

.

Até mais!

.