Um Sábado com Domingo no Parque

Pura emoção: junto à Orquestra de Câmara da ECA/USP, com arranjos e regência do Maestro Gil Jardim, Gilberto Gil canta Domingo no Parque. Suavemente os sons invadem a Sala São Paulo e dou-me conta de ser esta a primeira vez que ouço ao vivo a música, originalmente apresentada no Festival da Record de 1967. O choro vem fácil e sinto o apoio que vem da amiga que me propiciou tal evento. Careço de outra canção pra sintetizar esse momento: “Tudo ainda é tal e qual e, no entanto, nada é igual” diz a letra de Caetano Veloso em “Os mais doces bárbaros”.

Tal e qual é a beleza de Domingo no Parque na voz madura e segura de seu criador. João, José e Juliana estão em um parque, onde o triangulo amoroso será desfeito tragicamente. As frases melódicas são precisas e realçam a história ocorrida em algum domingo, no parque de diversões onde a roda gigante gira, feito a roda do destino. Os versos evocam imagens com a precisão da poesia. O fim é, infelizmente, comum ainda hoje: resolvido com a lâmina de uma faca.

Gil e os mutantes
Gilberto Gil e Os Mutantes, em 1967

Nada igual! Não estavam lá Os Mutantes fazendo coro com Gilberto Gil. E o novo arranjo, embora belíssimo, continua fazendo lembrar e reverenciar o original de Rogério Duprat. Um encontro impossível com a morte de Duprat, em 2006, e com os rumos sem retorno dos irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Batista, cada vez mais distantes de Rita Lee. No entanto… Criador e criatura! Gilberto Gil é um dos máximos compositores que somam letra e música com beleza e emoção. E há mais: o cantor! Dono de um timbre inequívoco, a voz conhecida de décadas está ali, fazendo a emoção atingir altíssimos graus.

Gilberto Gil brilhou em noite que estiveram presentes a cantora Vanessa Moreno com Fi Maróstica, e a fadista Carminho, duas mulheres extraordinárias. O Concerto Letras de Luz, no Dia Internacional da Língua Portuguesa comemorou o 10º aniversário do Instituto EDP, encarregado de ações socioculturais do Grupo EDP, que tem origem em Portugal.

Gil e os demais artistas
Gilberto Gil, Carminho, Vanessa Moreno e Fi Maróstica, e o maestro Gil Jardim, os artistas do Concerto Letras de Luz

A voz de Vanessa Moreno surpreendeu ao cantar Expresso 2222 e Carminho, lembrando Amália Rodrigues com Saudades do Brasil em Portugal, de Vinícius de Moraes, segue a tradição das grandes cantoras portuguesas. A Orquestra de Câmara da ECA/USP fez um memorável O Trenzinho Caipira, de Villa-Lobos. O final do show reuniu todos os artistas presentes que fizeram o bis com Panis et Circenses e, novamente emocionaram, em interpretação que lembrou Os Mutantes e a Tropicália.

Foi um sábado feliz. Com Vinho do Porto, Pastel de Belém, alguns amigos e a companhia pra lá de especial da Sonia Kavantan (Obrigado, Sonia! Obrigado EDP!). Tudo muito bom!

Já na Bela Vista quando desci do carro da minha amiga, enquanto caminhava solitário na rua deserta, madrugada de domingo, pensei em Gil, na Ribeira que vi de passagem, lá em Salvador, no parque de diversões do meu pai e da canção, que tive o privilégio de ouvir…

Olha o sangue na mão (ê, José)

Juliana no chão (ê, José)

Outro corpo caído (ê, José)

Seu amigo João (ê, José)

Amanhã não tem feira (ê, José)

Não tem mais construção (ê, João)

Não tem mais brincadeira (ê, José)

Não tem mais confusão (ê, João).

Boa semana para todos!

Ah! Para rever Domingo no Parque no Festival da Record:

 

Até!

De alma leve com “O Rio de Lágrimas”

Neymar Dias pode ser ouvido nos CDS "Capim" e "Intervalo"
Neymar Dias pode ser ouvido nos CDS “Capim” e “Intervalo”

Quando prestamos atenção percebemos que a vida está sempre nos sinalizando, lembrando-nos nosso verdadeiro tamanho, o papel que temos perante o mundo e, mais raro, até nos lembrando do que nos trouxe até aqui, nesse velho e bom planeta terra. Se falharmos na atenção, é freqüente, o aviso soa mais contundente e os problemas aparecerão. O melhor é que o remédio para tais problemas são tão conhecidos! Dormir bem, tomar refeições saudáveis e, além do corpo, alimentar a alma.

Carecendo de afago na alma atendi, com prazer, convite de amigos para ver o Concerto de Verão que abriu a temporada de 2013 da Orquestra Sinfônica de Santo André. A regência foi de Carlos Eduardo Moreno e o repertório prestou uma homenagem à música brasileira de concerto com obras de Camargo Guarnieri, Lorenzo Fernandes, Villa-Lobos, Cyro Pereira e Neymar Dias.

Auditório lotado, com lugares extras para acomodar tanta gente interessada. Mais uma vez confirmo o que já sei: basta um programa interessante para que as pessoas abandonem a mesmice televisiva. O problema é que poucas cidades brasileiras possuem boas salas de espetáculo e é muito menor o número dos municípios que mantêm uma orquestra sinfônica.

Nada melhor para apurar o ouvido do que uma bela orquestra; discernir, na harmonia de cada peça musical os instrumentos participantes; cada músico como pequena, mas vital parte do todo. Habituados a violinos, flautas, fagotes, clarinetas, harpas; de repente, aparece uma viola caipira. Entre os consagrados Camargo Guarnieri e Villa-Lobos, a Orquestra Sinfônica de Santo André apresentou o jovem Neymar Dias, um virtuose da viola caipira e compositor de talento.  No programa da noite, a orquestra apresentou o Concertino em 3 movimentos para viola  caipira, com o próprio compositor como solista.

Nada mais brasileiro que uma viola caipira; o som limpo, suave e denso, remete à pureza, simplicidade. A platéia ficou hipnotizada sob o som da música de Neymar Dias. Técnica impecável, interpretação segura, o jovem músico foi efusivamente aplaudido e brindou a platéia com um bis onde lembrou Tião Carreiro, Piraci e Lourival Santos, tocando “Rio de Lágrimas”. Essa música é popularmente lembrada como “Rio Piracicaba”, presente nos versos da canção:

O rio de Piracicaba

Vai jogar água pra fora

Quando chegar as águas

Dos olhos de alguém que chora…

A viola de Neymar Dias lavou minha alma, tornando-a leve. Os acordes extraordinariamente executados, na mais pura e perfeita tradição do violeiro que foi Tião Carreiro soaram trazendo de volta um Brasil da minha infância, lembrando-me Uberaba, meu pai, toda a minha família. Tudo indica que, pela forma como foi aplaudido, o músico alcançou a platéia tanto quanto me senti atingido. A viola caipira de Neymar Dias quebrou todas as distinções entre o erudito e o popular, exaltando o que interessa: a boa música.

Domingo em casa, ainda sob os efeitos da boa música. Fica fácil dispensar as desgraças televisas ou a inutilidade de outros programas. Se é mesmo fundamental dormir bem, tomar refeições saudáveis e alimentar a alma, a digestão espiritual pede silêncio, recolhimento. A vida fica mais fácil, melhor, calma com o som de viola caipira, de harpa, oboé, tímpanos, contrabaixos… Bem que outras cidades seguissem Santo André e também propiciassem aos seus munícipes uma boa orquestra. Seríamos um Brasil melhor.

 .

Boa semana para todos.

.

 

Veja aqui um vídeo onde Neymar Dias lembra canções de Tião Carreiro.

.

Adriana boa de chifres!

A novela Avenida Brasil entra na reta final com a revelação do grande chifre que Carminha, a personagem interpretada por Adriana Esteves, impôs ao apalermado Tufão de Murilo Benício. Chifres dão audiência; muita audiência. Na minissérie Gabriela há galhos por todos os núcleos, mas nenhum se compara ao que Carminha impõe ao jogador de futebol: dentro da casa do fulano, com o marido da cunhada e trazendo para o seio familiar os dois filhos do “outro”.

Não faz tanto tempo que D. Hillary Clinton entrou para a história como a traída da Casa Branca. Deu a volta por cima e tornou-se Secretária de Estado dos EUA. O nhém-nhém-nhém do presidente americano com a estagiária ficou no tempo e D. Hillary segue, impávida, fazendo novas histórias em cargo que lhe confere lugar de destaque entre as mulheres do planeta.

Dalva de Oliveira e Adriana Esteves.

Adriana Esteves, na pele da “traíra” do momento, vem de um histórico recente, também na telinha, que merece lembrança. Ao viver Dalva de Oliveira, a atriz global fez um belo aprendizado de chifres. A cantora Dalva foi traída e traiu Herivelto Martins. Este foi um grande trabalho de Adriana e, penso, melhor para a atriz enquanto possibilidade de crescimento profissional.

Interpretar Dalva de Oliveira deu a Adriana Esteves a possibilidade de elaborar uma personagem com bases históricas. Quem assistiu a minissérie viu Adriana cantar os grandes sucessos de Dalva de Oliveira. Sem ser cantora, o trabalho da atriz foi primoroso porque além dos aspectos humanos da turbulenta vida de Dalva, soube ser estrela e reviveu com competência a aura de uma mulher especial.

Villa Lobos considerava Dalva de Oliveira a maior cantora do Brasil. Herivelto Martins traiu publicamente a cantora, criando um pano de fundo verídico para as interpretações arrebatadas de Dalva que cantou dramas desesperados.

A minha dor é enorme

Mas eu sei que não dorme

Quem vela por nós.

Há um Deus, sim

Há um Deus!

E este Deus lá do céu

Há de ouvir minha voz

Se eles estão me traindo…

(Há um Deus – Lupicínio Rodrigues)

DALVA DE OLIVEIRA, para usar uma expressão da época, pouca usada ultimamente, era a fossa em pessoa. Sem receio de expor paixões, DALVA cantava a própria vida. Escorada em grandes composições, imprimia verdade às mesmas. Adriana Esteves “se jogou” nos dramas, nas canções, em toda a vida da cantora, com uma rara capacidade de entrega. E fez o Brasil lembrar o quanto Dalva foi bonita; tão bonita quanto é Adriana Esteves. A minissérie lembrou os barracos entre a cantora e o compositor que, em nada, perdem para as desavenças da família do jogador Tufão.

Estamos vendo o ápice da carreira de uma atriz que começou menina, na já distante Top Model. O sistema televisivo brasileiro impõe ao público atores jovens, sem experiência e formação adequadas. Beleza, charme, graciosidade e muita simpatia levaram Adriana Esteves ao estrelato. Há por aí registros de críticas severas ao trabalho da atriz. Ela continuou fazendo drama, humor, mocinhas, personagens históricas para chegar, em Avenida Brasil, na primeira grande vilã de sua carreira.

Carminha e as velhas artimanhas femininas sobre bobos e trouxas.

Vilãs de novela das nove são do porte de Fernanda Montenegro (Chica Newman e Bia Falcão), Beatriz Segall (Odete Roitman), Glória Pires (Maria de Fátima) e Renata Sorrah (Nazaré Tedesco), só para lembrar algumas “feras”. Adriana Esteves entra para esse time em uma das novelas mais comentadas dos últimos tempos. Quando Avenida Brasil sair do ar levará consigo a mocinha vingativa e o chifrudo tonto, que serão colocados no limbo para serem lembrados em função de terem sido escada para um grande trabalho de Adriana Esteves, a Carminha.

Levando chifres em Dalva, colocando chifres em Avenida Brasil. Dois momentos intensos do trabalho de uma atriz que atingiu notável domínio de seu ofício. Palmas para a mulher Adriana Esteves e muitos bofetões para Carminha que agora, na fase final, apanhará bastante, na velha e boa catarse, lavando a alma do público noveleiro da Brasil.

.

Bom final de semana!

.

André Rieu contra os guardiões eruditos

O maestro popstar

Amigos de Uberaba virão a São Paulo para um show que André Rieu fará na cidade. Fiquei intrigado em saber quem estava com “essa bola toda” para trazer minhas amigas para uma noite no ginásio do Ibirapuera.  Sim, não conhecia nada sobre o cidadão. Conversando com um e outro, recordei que já vi uma cantora, parte do elenco, no programa do Jô Soares. Ainda achando estranho, soube que o maestro fará 18 shows (DEZOITO!) no Ginásio do Ibirapuera; o tamanho deste local é bem conhecido de quem assiste aos shows do programa Criança Esperança.

Descobri que André Rieu é holandês, nascido em 1949. Dirige uma orquestra com cerca de 60 integrantes – denominada Johann Strauss – criada em 1989. O primeiro CD foi lançado em 1994 (Strauss & Co.), alcançando sucesso mundial. Olhando para aspectos da biografia do artista – filho de maestro, começou estudando violino aos cinco anos – parece algo comum; e o grande sucesso de público, dizem, deve-se aos concertos com cenários luxuosos, figurinos de época e muita descontração do maestro juntamente com seus músicos. O repertório – basicamente assentado nas populares valsas de Johann Strauss e de outros compositores vienenses.

Outras descobertas: o maestro é bastante odiado por alguns críticos e o adjetivo mais suave que dão ao holandês é “picareta”. Não vou citar nominalmente esses críticos, principalmente porque em textos muito nervosos deixam transparecer um fato perturbador: André Rieu não faz o que eles querem que o maestro faça. Simples assim.

Pessoas do universo da chamada “música erudita”, ou “música clássica”, costumam ser muito rígidos. Tomam a música quase que como religião e com frequência – já tive várias oportunidades de presenciar – vão a concertos não para apreciar, mas para ver se o músico está “fazendo direito”. Isso implica em seguir as partituras originais com maior seriedade do que religiosos seguem a Bíblia. Concertos, como certos atos religiosos, acontecem no mais absoluto silêncio, em atitude reverente de ambas as partes, artistas e platéia.

Carmen Monarcha, de Belém do Pará, é solista na orquestra de Rieu

É bom que saibam que aprecio concertos. Gosto de ouvir instrumentos sendo afinados; aprecio profundamente o respeito com que se reverencia o maestro, os solistas e estou entre aqueles que não toleram ruídos desagradáveis durante uma apresentação de música erudita. Nem tudo precisa ser “na palma da mão” e algumas árias merecem absoluto silêncio até o último acorde. Aliás, também tenho a mesma postura ao ouvir certos intérpretes como Milton Nascimento, por exemplo. Não quero ouvir quem quer que seja berrando na mesa ao lado; quero a voz límpida e emocionante do grande cantor e compositor.

Gente como André Rieu dispensa a sisudez do músico erudito para deitar e rolar no universo pop. O maestro se diz popstar, gosta da idéia e alimenta seu público com atitudes simpáticas; por exemplo, sempre canta uma canção do país onde se apresenta e a grande dúvida de alguns amigos, ingresso garantido para as apresentações brasileiras é se ele irá cantar Villa-Lobos ou Tom Jobim. Pode ser Carlos Gomes, afirma animada uma grande amiga.

O maestro é irreverente, brinca com seu público e, este, dança e canta com emocionada e esfuziante participação. André Rieu diz que “O importante é você deixar falar seu coração”; isso, a gente sabe, é um risco danado, porque coração exagera, derrama, exaspera; tomadas pelo coração as pessoas desatinam. Para desespero dos críticos eruditos, essas apaixonadas platéias desafinam, perdem compasso, atravessam, erram tudo e… são felizes! E quem pode impedir alguém de ser feliz?

As pessoas são felizes e alguns críticos estão falando mal delas, do público de André Rieu, com cada adjetivo! Aí, não dá! O pior crítico é aquele que determina o que o artista deve fazer. Se os artistas seguissem tais críticos, teríamos ido além das pinturas rupestres? Artista faz o quer; se o crítico ainda não aprendeu isso, vai ficar rosnando sozinho no canto, no máximo com o apoio de “artistas” que não vão além de um concerto, quanto mais de dezoito! E até onde os registros permitem confirmação, esses críticos não são guardiões da obra de compositores que não criaram para deuses, mas para seres humanos. Todavia, irão chiar muito; enquanto isso, amigos de Uberaba, de Santo André, de Goiânia e milhares de outras pessoas que não conheço lotarão o Ibirapuera. Que tenham um bom espetáculo!

.

Bom final de semana.

.

Bethânia, oásis da música brasileira

O lançamento do 50º álbum de Maria Bethânia celebra a carreira de uma das mais importantes cantoras da nossa história. “Oásis de Bethânia” é o título do novo trabalho, que tem na capa uma imagem do semi-árido brasileiro, em pleno sertão nordestino. Para a imprensa justificou a capa: “- Preciso lembrar que existe esse lugar no meu país. Isso me coloca do tamanho que eu sou”. Essa é a Bethânia, a mulher admirável, a mulher brasileira.

Ouvindo as dez faixas do cd,  reforço a certeza de que a discografia de Maria Bethânia sintetiza toda a música do país. Não é exagero afirmar que conhecer Bethânia é conhecer nossa música. Nos discos da cantora todos os ritmos, todas as regiões, todos os maiores compositores de nossa história. De Noel Rosa a Chico Buarque, Bethânia, que lançou em disco o irmão Caetano Veloso, canta Pixinguinha, Dorival Caymmi, Ari Barroso, Herivelto Martins, Lupicínio Rodrigues, D. Ivone Lara, Joyce, Edu Lobo, Alceu Valença…

Poxa, são 50 álbuns. A lista desse Oásis de qualidade que é a carreira de Maria Bethânia cabe muito mais nomes. De Luiz Gonzaga a Gonzaguinha, tem também Djavan, Gilberto Gil, João Bosco e Aldir Blanc, Milton Nascimento, Roberto Mendes, Roberto Carlos e Erasmo Carlos, Haroldo Barbosa, Moraes Moreira, Dominguinhos e, que me perdoem todos os outros, vou encerrar essa lista primária com Vinícius de Moraes e Tom Jobim.

Além dos maiores compositores brasileiros, Maria Bethânia celebrou, em seus discos, as grandes cantoras do país, sempre respeitosamente reverenciadas por ela. As duas cantoras mais presentes em seus discos são Gal Costa e Dalva de Oliveira. Com a amiga Gal, muitas gravações em dupla, com sucessos memoráveis, como “Sonho Meu”. De Dalva, Bethânia resgatou boa parte do repertório da mais notável cantora da era do rádio; inclusive no presente álbum, Dalva de Oliveira é lembrada através de “Calúnia” (Marino Pinto e Paulo Soledade).

Muitas outras cantoras estão nos discos, álbuns ou DVDs de Maria Bethânia. Nara Leão, Alcione, Miúcha, Sandra de Sá, Wanderléa, a cubana Omara Portuondo, a francesa Jeanne Moreau, Dona Ivone Lara e, entre muitas outras, Ângela Maria e a divina Elizeth Cardoso. Como fez com Dalva de Oliveira, Maria Bethânia relembrou em outros discos as canções de Aracy de Almeida, Carmen Miranda, Maysa, Isaura Garcia, Elis Regina…

Minha cantora preferida é incansável. Além dos próprios discos, Bethânia produziu outras cantoras, como D. Edith do Prato e a jovem Martinália e prepara, para breve, um Songbook com oito CDs dedicados à obra de Chico Buarque. Este sempre esteve nos discos da cantora. No atual, ela gravou “O Velho Francisco” com Lenine, um dos grandes momentos do álbum. Apesar de tudo o que já gravou de Chico Buarque, Maria Bethânia quer mais. Pretende abordar todas as diferentes faces do grande compositor brasileiro.

O trabalho constante de Maria Bethânia é o que faz da “Senhora do Engenho” a menina baiana que roda a saia pelos palcos do mundo todo, com uma graça e presença inconfundíveis. Estou, propositalmente, falando pouco sobre o atual disco, pois o lançamento do 50º álbum de Maria Bethânia é fato para lembrar aspectos de uma carreira brilhante, única.

Oásis é onde o caminhante do deserto mata a sede. Oásis é o lugar agradável, paradisíaco, pleno de água e sombra e conforto. O “Oásis de Bethânia” é a caatinga nordestina, o pampa gaúcho, a chapada mineira, a mata e o sertão brasileiro. A obra de Bethânia é o oásis de qualidade das nossas canções.

Maria Bethânia incomoda muita gente. Quando todo mundo engole, economiza palavras, Bethânia nos brinda com a poesia de Fernando Pessoa, Castro Alves e torna populares os densos temas de Clarice Lispector. Incomoda, porque enquanto incontáveis artistas se rendem as leis de consumo, Bethânia grava Villa Lobos, revive Catulo da Paixão Cearense, e torna populares os pontos de Oxossi, Iansã.

Enfim, se milhares de brasileiros entregam-se a uma aposentadoria precoce, vivendo apaticamente em função de um copo de cerveja, um jogo de futebol ou um ordinário programa de televisão, de outro lado, uma jovem senhora baiana,  de 65 anos, nos dá claros sinais de que está longe de parar. Gravou o 50º e prepara oito novos álbuns para o próximo ano. Depois; bom, depois virão outros e mais outros e, tomara, muitos outros!

Que bom poder beber no seu Oásis, Maria Bethânia!

Bom final de semana!

%d blogueiros gostam disto: