Tags

, , , , , , , ,

Dany, personagem de Michael Quoist, dá algumas cenouras de presente para a irmã, no domingo de páscoa. Li o livro na adolescência (faz tempo!) e achei o presente estranhíssimo. O cenário do livro é o Havre, a cidade portuária francesa; o autor pouco escreve sobre as reações da garota ao ganhar o presente do irmão.

Temos por ai uma montanha de ovos de páscoa; disponíveis, de todos os tipos, por diferentes preços. É comum ouvir gente lamentando pelos preços, ou reclamando dos quilos que virão com o consumo de chocolate. Pensei nisso logo depois de receber um presente. Eu ganhei um pote com catalonha. Prontinha, temperadinha e com uns “tecos” de bacon, deixando a receita mais deliciosa.

Recebi a catalonha (da família do almeirão, conhecida por alguns como radicchio!) feliz da vida, como o meu primeiro presente de páscoa. De quebra, veio um delicioso doce de banana caseiro que nem esperei voltar para casa e iniciei o “ataque”.

Catalonha e doce caseiro de banana! E recordei a história de Dany e da irmã. Quem me presenteou, o fez com a consciência de estar me oferecendo algo de que realmente gosto. E é bom refletir que catalonha não é algo fácil de ser feito; tem que ser folha fresquinha, muito bem lavada. Depois tem que ferver a verdura para tirar o amargo e então, só ai, fazer a receita. Ou seja, alguém dispensou parte do precioso tempo para preparar uma salada e, desta, reservou um bocado para me presentear.

Estamos próximos da páscoa. É um absurdo o que o comércio faz com os preços das coisas. De um lado tem a publicidade reforçando o hábito, lembrando o costume e fazendo a boca de muita gente ficar cheia de água, com as imagens do delicioso chocolate. Há aqueles que não têm problemas financeiros e adquirem caixas e mais caixas de ovos de todos os tamanhos. Há outros, que aguardam o preço baixo com a proximidade do domingo. E há pessoas que, graças a Deus, presenteiam os amigos com algo que eles gostam muito, pouco se preocupando com o “costume”, a obrigação do presente de ocasião. Acelga,almeirão, alface, couve, agrião… Catalonha para a Páscoa! Ninguém é obrigado a seguir o que a propaganda sugere.

Bom, resta contar o “destino” da catalonha: moro no Bixiga e embora noite avançada, ainda encontrei pão fresquinho na padaria (Vantagens da Bela Vista!). Em casa, despejei o conteúdo do pote em um prato, aqueci e comi com pão. E enquanto comia, deliciado, fiquei pensando na Páscoa, nos amigos, na possibilidade de, ao invés de presentear com o óbvio, buscar fazer o outro feliz. Depois da catalonha, “matei” o doce de banana, pensando sempre que a melhor idéia é fazer o outro feliz.

.

Até!

.

Obs. Quem me presenteou é muito discreta. Respeito isso.