Tags

, , , , ,

O que dizer da ação conjunta do governo e da prefeitura de São Paulo, no último domingo, em ação devastadora na “cracolândia”? Balas, bombas, cassetetes e gritos, empurrões…

Sumiram as palavras e expressões adequadas perante tanta barbárie. E os versos do poeta, falando de escravos, para assinalar outra escravidão:

.

Senhor Deus dos desgraçados!  
Dizei-me vós, Senhor Deus!  
Se é loucura… se é verdade  
Tanto horror perante os céus?…

.

Quem são estes desgraçados  
Que não encontram em vós  
Mais que o rir calmo da turba  
Que excita a fúria do algoz?  
Quem são?…

.

Existe um povo que a bandeira empresta  
P’ra cobrir tanta infâmia e cobardia!…  

.

Prefeito e Governador alardeiam religião. Rezam pra outro Deus que não esse do verso, esse Deus dos desgraçados.

A TV comenta o fato como triste “lado” da situação. Os moradores da vizinhança reclamam de “zumbis” vagando e colocando-os em perigo. Poucos clamam soluções, poucos choram os infelizes sem teto, sem lar, sem espaço. Só posso entender tanta chuva enquanto lamento do céu.

Existe um povo que a bandeira empresta…

Antes te houvessem roto na batalha,  
Que servires a um povo de mortalha!…

Até mais!

.

Os versos acima estão originalmente em O Navio Negreiro, de Castro Alves.