Hipótese

drummond

E se Deus é canhoto

e criou com a mão esquerda?

Isso explica, talvez, as coisas deste mundo.

(Carlos Drummond de Andrade)

-.-.-.-.-.-.-.-

Em tempos de verborragia, eu decidi seguir de haicai.

Até mais!

Desde Drummond!

E o poema poderia ser apenas um eco do passado…

“Lira Itabirana”, Carlos Drummond de Andrade, 1984

I

O Rio? É doce.

A Vale? Amarga.

Ai, antes fosse

Mais leve a carga.

II

Entre estatais

E multinacionais,

Quantos ais!

III

A dívida interna.

A dívida externa

A dívida eterna.

IV

Quantas toneladas exportamos

De ferro?

Quantas lágrimas disfarçamos

Sem berro?

ELIPSE (Abecedário do Vava)

Αcalanto para o mundo,

Coro à capela, 59 velas acesas.

Graças, bom Deus, pela minha vida.

 Boa Vista, Bela Vista.

Nasci no Boa, na Bela moro.

Vista. Nem bela, nem boa: uso óculos.

Confiança e carinho

Meus pais, meus irmãos…

Afeto pouco é bobagem.

 Desafio: Desvelem-me!

Nem sei quem sou.

Faço-me em palavras e constato:

São só palavras.

Entreatos alegres,

Entreatos dolorosos

E a vida segue seu curso,

Feiticeiros nada transformam.

Cartas escondem causas, motivos.

E as mãos, calejadas, emitem sinais obscenos.

gemeos

 – Help!

E os Beatles repetiam: – Heeeeeelp!

Não entendia patavina.

Sabe-se lá de onde vem – e fica – a paixão.

“When I was Young…”

Íntimo; o ser com quem falo.

Uma voz jamais exteriorizada

Muitas, muitas intenções!

Tai o porquê de infernos.

Jaculatória para Aurora,

Joãozim, Bino e Donei…

Por todos os que se foram!

Pelo-sinal, guarde-os. Amém.

Kitchenette

Onde ganhei um joanete

Enquanto mascava chiclete…

Liberdade,

Minha quimera desfeita

Neste abecedário de carcereiros.

Mineiro, basta-me um queijo

A voz de Milton, os fantasmas de Ouro Preto

Os versos de Drummond, o céu de Uberaba

Os sertões de Rosa… muitos doces.

Tudinho dentro de casa, em São Paulo.

Nonato, São Raimundo.

Sol escaldante queima mágoas

Espinhos dispersos no pó da caatinga.

Ofício meu, depende da época.

Aos 59, não sei o que serei

Quando crescer.

Perdão!

Quem você levaria para uma ilha deserta?

– Parceiro de pipoca, poesia

E música!

Querelle, quo vadis?

Ao quarup? Fazer o que?

Quintuplicar quiosques com “q”?

Leve quibes e quiabos!

Ranzinza precoce, ranheta.

Tem cura? O humor compensa?

Também, guardo lembrança de radionovelas…

Sonho sempre; tenho saudade.

Manga no pé, uma sabiá

“Sei que ainda vou voltar…”

Titular, na nossa casa

É banana no prato

Fritinha da silva.

Uberaba dos casarões da praça

Córregos a céu aberto, charretes na Mogiana

Reinações no Boa Vista.

Tempo e espaço perdidos

Sonhos guardados.

Vadio, Vadinho, vagabundo

Vagar no mundo sem W. Vava!

Qual nada! Trabalho feito uma besta.

Xereta, xexelento, até xucro!

Um tanto xenófobo

Raramente xambregado.

Autorretrato xixilado…

Yang quando não yin

Prefiro yellows em Van Gogh

Digerindo Yakisoba.

Zabumba na cartilha

Bino feito a giz na calçada.

Minhas primeiras escritas.

D. Zilda: “A” na lousa

Abençoada seja!

.

Antes do baile

.

Venho brincando de poesia e estou longe do “Pessoa”

Desenho histórias a léguas de “Amado”

Pardal vagabundo que aspira “Tinhorão”

Palpiteiro da esquina onde não há “Eco”

.

Artesão da pedra que “entranha a alma”

Escrevo como quem explora “vasto mundo”

Sonhando com “Pasárgada”

Sobrevivendo na “pauliceia desvairada”

.

Fernando Cabral, Jorge Drummond;

José Ramos Bandeira e Umberto de Andrade Bilac:

 Personagens da festa em que penso bailar

Convidando todo aquele que for

“Capaz de ouvir e de entender estrelas.”

.

.

Este blog está prestes a completar dois anos!

Quem topa uma festa virtual?

Aguardo confirmações!

Beijos.

.

Em Paraty, um Brasil de outras festas

Alguns acontecimentos são sinais evidentes de que há um Brasil diferente daquele que povoa o senso comum. A FLIP, Festa Literária Internacional de Paraty, é um sinal radiante.

Paraty em tempos de FLIP

Converse com comerciantes e, é comum, dirão que livro não dá dinheiro. Por acreditarem em tal premissa muitos empresários sonham com algum shopping enquanto lotam a Rua 25 de Março a cata de cacarecos. Os organizadores da FLIP pensam o contrário e, neste 2012, celebram 10 anos de um evento que é puro êxito.

Bienais de livros, feiras e encontros, como este que ocorre em Paraty, comprovam que uma parte considerável da população brasileira mostra profundo interesse por publicações literárias, escritores e demais elementos desse universo.

Paraty é cidade turística, litorânea. Uma das mais antigas do país e antigo porto principal do Estado do Rio de Janeiro.  Nos tempos do Brasil colônia a Estrada Real era o caminho que levava o ouro de Minas para Paraty e, de lá, para Portugal. Hoje, durante a FLIP, a cidade é frequentada por jovens em número tal que quebra mais um preconceito: aquele que sugere que são poucos os jovens que curtem literatura.

Drummond, o homenageado.

Neste ano, comemorando 10 anos, a FLIP presta homenagem ao mineiro Carlos Drummond de Andrade. O poeta completaria 110 anos e os organizadores do evento encontraram a dezena comum a Drummond e à FLIP. Para quem nunca foi ainda há tempo para planejar e organizar o passeio. A festa ocorre de 4 de julho, uma quarta-feira, até domingo, dia 8 de julho. Saiba detalhes da programação em http://www.flip.org.br/ .

É fato que muita gente irá para lugares tipo Miami, Disneyworld, Cancun e, aqui dentro, as belas e quentes praias do nordeste. Alguns escolherão Paraty. Caminharão pela cidade centenária, por ruas estreitas, ladeadas pelo casario colonial. Portarão livros, conversarão com escritores, lembrarão Carlos Drummond de Andrade. Este Brasil, que gosta de festas assim, deve ser destacado. Compartilhado. Espalhem a notícia.

.

Até mais.

.

Porto incerto para filme com Glória Pires

Miranda Otto, Glória Pires e Tracy Middendorf. As atrizes de “Flores Raras”

Visto pela poetisa Elizabeth Bishop, o Brasil era colonizado, atrasado. Um paraíso de natureza exuberante e gente provinciana. Bishop faleceu em 1979. Morou por aqui por mais de 20 anos, com passagens pelo Rio de Janeiro, Petrópolis e Ouro Preto. Viveu um intenso romance com a arquiteta Lota de Macedo Soares. A história de ambas estará no filme “Flores Raras” que corre o risco de não ser concluído por falta de patrocínio.

É inacreditável pensar que um filme estrelado por Glória Pires não consiga patrocínio. O diretor Bruno Barreto e membros da família de produtores já denunciaram que as empresas recusam patrocínio. O projeto não é recente; já foi chamado “A Arte de Perder”, sempre com Glória Pires encabeçando o elenco. Segundo os produtores, o patrocínio não sai porque as empresas não querem associar a própria imagem com homossexualismo. É praticamente autocensura, já que a imposição não vem de fora. É o encarregado de decidir para onde vai a verba da empresa que julga impróprio a história de amor entre duas mulheres.

Regina Braga, dirigida por José Possi Neto, no texto de Marta Góes

Foi no teatro que tomei conhecimento da história dessas mulheres, através do monólogo  “Um porto para Elizabeth Bishop”, escrito por Marta Góes. Fui ver Regina Braga no Teatro Anchieta com certo temor. Monólogo é sempre um risco. Se a gente não gostar nos primeiros dez minutos, tudo fica pior, pois há a certeza de que ninguém entrará em cena para mudar o jogo, quebrar a monotonia, salvar a noite. Fui surpreendido pelo texto maravilhoso de Marta Goés, a interpretação soberba da grande Regina Braga e sai do teatro apaixonado pela poesia de Bishop.

A poetisa America amava Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto e Clarice Lispector. Foi amiga de Manuel Bandeira. Traduziu esses e outros para o inglês – ela nasceu em Worcester, Massachusetts – divulgando nossos autores em textos para revistas especializadas, em cartas onde, por exemplo, afirma o grande clássico que é Machado de Assis. Como autora recebeu vários prêmios, entre eles o Pulitzer e o National Book Award. Mulher, foi alcoólatra, frágil, passou a vida lidando com perdas.

Glória caracterizada como Lota Macedo

Bishop chegou por aqui em 1951 e conheceu Lota de Macedo Soares. Esta foi amiga de Carlos Lacerda e foi responsável pela construção do parque no Aterro do Flamengo. Lota era uma mulher aparentemente forte, decidida, intensa. Todavia, essa mulher passa por um colapso nervoso; depois tem um diagnóstico de arteriosclerose.  Falece em New York, após ingerir grande quantidade de barbitúricos. Fico imaginando Glória Pires interpretando tudo isso e em inglês. As duas conversavam na língua de Bishop e o filme será quase todo em inglês. Glória Pires irá, mais uma vez, arrebentar.

“Flores Raras” pode não sair por falta de patrocínio. Orçado em 11 milhões, faltam R$ 2 mi para concluir as filmagens. Fico imaginando se o empresário, metido a censor, já leu algo de Elizabeth Bishop. Sei de três livros da poetisa publicados no Brasil. A peça de Marta Góes – será que o tal empresário viu? – é sucesso de público e crítica. A visibilidade do filme será internacional, já que a americana Miranda Otto interpretará Bishop, além do que, a comunidade literária internacional estará atenta para o resultado cinematográfico da biografia de Elizabeth Bishop.

A família Barreto já comprovou, mais de uma vez, a capacidade para fazer sucessos e, com Glória Pires, chegaram ao Oscar em “O Quatrilho”. Nesse Brasil de doidos – ou preconceituosos – troca de casais, pode; casal de mulheres não? Vamos ver no que dá e torcer para, mais uma vez, sair de casa para admirar o trabalho primoroso da atriz Glória Pires que, só por ser quem é, não merece ter um filme truncado por gente preconceituosa.

 .

Bom final de semana.

.

Notas: “Uma arte” e “Esforços de afeto” são livros de Elizabeth Bishop publicados no Brasil. Além desses, com um estudo introdutório muito bom, há uma seleção de Paulo Henriques Britto: “Elizabeth Bishop – Poemas do Brasil”. Todas essas publicações são da Companhia das Letras.

.