A devastação dos velhos

devastação da velhice

Parte de um vídeo de Lima Duarte após a morte de Flávio Migliaccio, o título “a devastação dos velhos” poderia ser encarado como força de expressão em momento altamente emocional. No entanto, o ator exterioriza e torna-se porta-voz dos mais velhos, milhares, assombrados pelo avanço da pandemia e pelos critérios que devem ser levados em consideração na escolha por pacientes em filas de UTIs. A primeira versão do documento, de abril passado, levava em conta a idade do paciente. Aos mais novos seriam destinados os leitos vagos.

Após o impacto negativo da versão inicial, vieram a público nesta semana novos critérios elaborados pela Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e pela Abramede (Associação Brasileira de Medicina de Emergência). O discurso do ator, infelizmente, continua válido, pois a idade permanece entre os critérios vigentes, enfeitada em meio a palavras técnicas, sofismas que, ao final, deixam a impressão de estar tudo na mesma.

Conforme noticia o UOL: Gravidade, maior grau de sobrevida e capacidade do paciente são a base dos critérios sugeridos no documento elaborado pelas duas associações. Atenção para a palavra SUGERIDOS. Para deixar claro o que pesa sobre a cabeça dos mais velhos, transcrevo parte da matéria do site:

OS TRÊS CRITÉRIOS

1) Salvar mais vidas

Como é feito? Usando o escore Sofa (Sequential Organ Failure Assessment) (?1), que avalia uma série de parâmetros de dados vitais (?2). Quanto maior essa pontuação, menor a chance de sobreviver (vai de 1 a 4 pontos).

2) Salvar mais anos de vida

Como é feito? Avaliando a presença de comorbidade (?3) grave com probabilidade de sobrevida (?4) inferior a um ano (caso isso ocorra, soma-se 3 pontos à conta).

3- Capacidade do paciente

Como é feito? Por meio da escala de performance funcional Ecog (Eastern Cooperative Oncologic Group). Nesse caso, o paciente é avaliado em uma escala que vai de “completamente ativo” até “completamente incapaz de realizar autocuidados básicos” (?5) (vai de 0 a 4 pontos).

Em caso de empate de pontos, diz o protocolo proposto, deve ser usada a seguinte ordem de escolha:

1. Menor pontuação do Sofa

2. Julgamento clínico da equipe de triagem

Atenção: os pontos de interrogação são meus. Proponho algumas reflexões sobre os mesmos. Vejamos:

?1 – O Sofa avalia gravidade de morbidade e predição de mortalidade. Morbidade, em medicina, é o conjunto de causas capazes de produzir uma doença. Pergunta de leigo: idade avançada está entre causa de produção de doença? Sim, parece óbvio. Mas, gente jovem também adoece. E aí?

?2 – Espero que dados vitais seja o mesmo que sinais vitais, ou seja: o documento fala de Pressão arterial; Pulso; Respiração; Temperatura. Algo me diz que pessoas da terceira idade saem perdendo no quesito…

?3Comorbidade, no texto, refere a presença de duas ou mais doenças relacionadas no mesmo paciente e ao mesmo tempo. Por exemplo, um sinal da Covid somada a depressão, comum em pessoas mais velhas, aliada ao pânico por ter mais idade e consequente aumento de falta de ar, aumento da pressão arterial e sabe-se lá Deus o que mais…

?4Sobrevida. Quanto tempo viveremos, ou sobreviveremos? E o que faremos durante o tempo que nos resta? João XXIII, um dos mais notáveis papas do século passado, viveu 82 anos. Nos últimos cinco anos de vida revolucionou a Igreja Católica conclamando o Concílio Vaticano II, causando uma das maiores revoluções na instituição.

?5Deve morrer o indivíduo “completamente incapaz de realizar autocuidados básico”?

A pandemia provocada pelo Corona Vírus deixou exposta o que antes permanecia num limbo socialmente aceito: a incapacidade da sociedade de cuidar com eficácia de todos os seus componentes e, pior, a desvalorização dos idosos, o descaso para com a situação desses beirando ao desprezo.

Os critérios mascaram uma pretensa “escolha de Sofia”, posto que o idoso já entra perdendo na competição por um leito de UTI. Todavia, os tempos mudaram e temos pessoas idosas altamente atuantes, sem que seja necessário muito esforço para nomear tais pessoas. Dona Luiza Erundina está com 85 anos. Lima Duarte está com 90. Dona Laura Cardoso está com 92 anos; Dona Nicette Bruno com 87, Dona Fernanda Montenegro, 90 anos, Tarcísio Meira está com 84 e, o mais jovem da turma que me vem à lembrança, Eduardo Suplicy, com 78 anos. Para quem curte “valores estrangeiros” Elizabeth II, da Inglaterra, está com 94 anos, e dos EUA, a estrela Jane Fonda, 82 anos… a lista é imensa.

Os tempos mudaram. As formas e procedimentos médicos evoluíram e não é isolado o exemplo de D. Canô Veloso, que viveu lúcida e saudável até completar 105 anos. Ou seja, mantendo-se cuidados e assistência necessária, a turma acima pode vir a ter 15, 20 anos mais de vida (Espero mais!). Isso implica em que essas, e muitos outros, tem muito a contribuir ao mundo. Nada justifica terem que passar pelo pavor da falta de tratamento adequado. Não se trata, em hipótese alguma, de escolher entre alguém mais jovem ou alguém mais velho para uma vaga de UTI. É fundamental que a sociedade garanta iguais possibilidades de tratamento para todas as faixas etárias dos diferentes grupos sociais. Alguém pode dizer que a pandemia é uma exceção, no entanto cabe lembrar que desde o final da II Grande Guerra que, durante a chamada Guerra Fria, vivíamos sob a ameaça de uma devastação advinda das consequências de um ataque com bomba atômica. Nunca foi feito nada para garantir a saúde dos cidadãos sobreviventes.

O vídeo de Lima Duarte nos mostra alguém desolado, deprimido, receoso para dizer o mínimo das sensações perceptíveis. Há milhares de outros seres em condições similares e até piores, se pensarmos naqueles que não detêm poder aquisitivo sequer para garantir alimentação adequada, quanto mais um tratamento digno. Precisamos lutar, precisamos mudar as perspectivas para os mais idosos. “Os que lavam as mãos o fazem numa bacia de sangue”, finalizou Lima Duarte citando Brecht. Até quando atuaremos como Pilatos?

Até mais!

Obs: veja a matéria completa do UOL clicando aqui.

Siga este blog. Curta a luta por uma vida digna para o idoso e compartilhe essa ideia!

Roubaram o Senador!

O querido e respeitado senador
O querido e respeitado senador

É o fim da picada. Tentem imaginar a cena do “Assalto ao Senador”: um bando de jovens chega para um “guenta” no respeitável cidadão e leva carteira, relógio, corrente, aliança e… Só. Senadores não andam de tênis e as roupas, meio caretas para a moçada, são deixadas com o proprietário.

A cena poderia ser diferente: Dois ou três rapazes taciturnos, semblante carregado aproximam-se com voz forte e decidida, encostando canivete ou revólver no cidadão. “– Vai entregando a grana ai, tio! Rápido e calado.” O Senador ameaça apresentar-se; leva um safanão, sentindo o metal forçando as costelas. “- Não embroma, tio! Entrega o baguio”. Pronto. O senador virou tio. Indignado tio.

Os mais apressados com a notícia repetirão o velho ditado, com a notícia do roubo ao político: “- Quem rouba ladrão tem cem anos de perdão.” Incabível ditado quando o político é o senador Eduardo Suplicy. A honra, a dignidade e a honestidade são características de um cidadão cujo comportamento é digno do maior respeito. Mas não é que roubaram o senador? A notícia, que li aqui (clique para ler) veio confirmada através da televisão; Suplicy, de mãos dadas com Daniela Mercury, pedindo seus pertences de volta. Consta, segundo a televisão, que apenas a carteira foi devolvida.

É fato que assaltante, normalmente mamado, cheirado ou imbuído em outra droga qualquer, não iria reconhecer o semblante simpático e bonachão do Suplicy. E esses indivíduos, cujos valores são precários, respeitariam o bom homem que é o Senador? Ou aproveitariam para um sequestro relâmpago? A conta bancária do Senador deve conter uns bons trocados.

O complicado da situação é ler que a Virada Cultural, agora sob uma prefeitura petista, estaria sendo boicotada pela polícia, que é estadual. O estado, sabemos todos, é de outra facção política. Então, imaginem-se no lugar do cidadão assaltado, aproximando-se do policial que, de braços cruzados indica uma delegacia para o infeliz que, ao chegar, é informado de que deve fazer o boletim de ocorrência via internet.

Suplicy não é nada bobo. E  sugiro para quem duvidar da inteligência desse cidadão honesto, político impoluto, pensar em outra possibilidade: ao entrar no palco durante a abertura da Virada Cultural (Daniela Mercury abriu oficialmente o evento) para pedir de volta seus pertences, o Senador fez uma senhora denúncia de como estava a segurança do evento, já com assaltos na primeira hora.

Passamos pelas imediações de alguns palcos da Virada Cultural. Após o aniversário de uma amiga, que ofereceu-nos um simpático jantar, fomos até a Praça Roosevelt, depois até a Praça da República e Avenida São Luís. Muita gente! Uma multidão imensa de gente alegre, disposta a divertir-se. Natural que com tão grande multidão tenha ocorrido conflitos, problemas. A prova mais contundente de que o evento foi democrático foi que além da gente comum, que sofreu violência, sobrou até um assalto para o Senador. Portanto, diria a ministra, ex-esposa do Senador: “- Relaxa e goza. “. Afinal, sem ironias, um acontecimento envolvendo milhões não pode ser avaliado por poucas centenas de problemas.

.

Boa semana para todas!

.