Tags

, , , , , ,

O querido e respeitado senador

O querido e respeitado senador

É o fim da picada. Tentem imaginar a cena do “Assalto ao Senador”: um bando de jovens chega para um “guenta” no respeitável cidadão e leva carteira, relógio, corrente, aliança e… Só. Senadores não andam de tênis e as roupas, meio caretas para a moçada, são deixadas com o proprietário.

A cena poderia ser diferente: Dois ou três rapazes taciturnos, semblante carregado aproximam-se com voz forte e decidida, encostando canivete ou revólver no cidadão. “– Vai entregando a grana ai, tio! Rápido e calado.” O Senador ameaça apresentar-se; leva um safanão, sentindo o metal forçando as costelas. “- Não embroma, tio! Entrega o baguio”. Pronto. O senador virou tio. Indignado tio.

Os mais apressados com a notícia repetirão o velho ditado, com a notícia do roubo ao político: “- Quem rouba ladrão tem cem anos de perdão.” Incabível ditado quando o político é o senador Eduardo Suplicy. A honra, a dignidade e a honestidade são características de um cidadão cujo comportamento é digno do maior respeito. Mas não é que roubaram o senador? A notícia, que li aqui (clique para ler) veio confirmada através da televisão; Suplicy, de mãos dadas com Daniela Mercury, pedindo seus pertences de volta. Consta, segundo a televisão, que apenas a carteira foi devolvida.

É fato que assaltante, normalmente mamado, cheirado ou imbuído em outra droga qualquer, não iria reconhecer o semblante simpático e bonachão do Suplicy. E esses indivíduos, cujos valores são precários, respeitariam o bom homem que é o Senador? Ou aproveitariam para um sequestro relâmpago? A conta bancária do Senador deve conter uns bons trocados.

O complicado da situação é ler que a Virada Cultural, agora sob uma prefeitura petista, estaria sendo boicotada pela polícia, que é estadual. O estado, sabemos todos, é de outra facção política. Então, imaginem-se no lugar do cidadão assaltado, aproximando-se do policial que, de braços cruzados indica uma delegacia para o infeliz que, ao chegar, é informado de que deve fazer o boletim de ocorrência via internet.

Suplicy não é nada bobo. E  sugiro para quem duvidar da inteligência desse cidadão honesto, político impoluto, pensar em outra possibilidade: ao entrar no palco durante a abertura da Virada Cultural (Daniela Mercury abriu oficialmente o evento) para pedir de volta seus pertences, o Senador fez uma senhora denúncia de como estava a segurança do evento, já com assaltos na primeira hora.

Passamos pelas imediações de alguns palcos da Virada Cultural. Após o aniversário de uma amiga, que ofereceu-nos um simpático jantar, fomos até a Praça Roosevelt, depois até a Praça da República e Avenida São Luís. Muita gente! Uma multidão imensa de gente alegre, disposta a divertir-se. Natural que com tão grande multidão tenha ocorrido conflitos, problemas. A prova mais contundente de que o evento foi democrático foi que além da gente comum, que sofreu violência, sobrou até um assalto para o Senador. Portanto, diria a ministra, ex-esposa do Senador: “- Relaxa e goza. “. Afinal, sem ironias, um acontecimento envolvendo milhões não pode ser avaliado por poucas centenas de problemas.

.

Boa semana para todas!

.