Virada Cultural, o congestionamento de shows

Capa do disco que Wanderléa reproduzirá no Palco do Municipal
Capa do disco que Wanderléa reproduzirá no Palco do Municipal

Revitalizar o centro velho de São Paulo é tarefa para gigantes. Hoje, no começo da tarde, passando pela Avenida Senador Queiroz tive a impressão de que a região estava sendo tomada pela triste turba dos viciados em crack. Ocorre que recentemente presenciei outros grupos similares na Praça Clóvis, bem ao lado da Praça da Sé, e também nas imediações da Praça Júlio Prestes, onde ficará o palco principal da Virada Cultural.

Durante 24 horas ocorrerão mais de mil shows na Virada Cultural 2013. Mil! Nos demais 364 dias do ano tudo fica como sempre e a maioria das pessoas fogem da região. Obviamente que não seria viável ter shows todos os dias; mas se os shows ocorressem semanalmente, seriam mais de cinqüenta; mensalmente, seriam mais de 80 shows. Todavia, haveria real interesse em revitalizar a região? Poderiam, por exemplo, melhorar a limpeza das ruas durante todo o ano; para aqueles que, como eu, passam diariamente por lá, já seria uma ação admirável.

A Virada Cultural, nos atuais moldes, faz um grande alarde. A ideia veio de Paris e, lógico, como continuamos colonizados, não há o que discutir. Os franceses sabem tudo…  Assim, temos um evento que é quantitativamente impressionante. Mais de mil shows em dezenas de palcos espalhados por vários pontos do centro velho. Para dar uma ideia aos que não moram em Sampa optei por montar uma listinha do que eu gostaria de ver:

No Palco da Praça Júlio Prestes:

18h (sábado) – Daniela Mercury e Zimbo Trio
21h (sábado) – Gal Costa
6h (domingo) – Elza Soares e Gaby Amarantos

No Palco do Theatro Municipal, onde os shows reproduzirão discos completos:

21h (sábado) – Fagner: “Manera Fru-Fru Manera” (1973)
3h (domingo) – Ângela Rô Rô: “Ângela Rô Rô” (1979)
6h (domingo) – Walter Franco: “Revólver” (1975)
9h (domingo) – Wanderléa: “Wanderléa… Maravilhosa” (1972)
12h (domingo) – Jorge Mautner: “Jorge Mautner” (1974)
15h (domingo) – Eumir Deodato: “Deodato 2” (1973)

No Palco do Largo do Arouche:

17h (domingo) – Fafá de Belém

Observando a pequena relação só tenho de optar entre Gal Costa e Fagner. No mais seria necessário apenas ter saúde para uma maratona de vinte e quatro horas de shows. E antes que alguém me chame de velho devo afirmar que a Virada Cultural é ótima para quem consome quantidade. Acontece que gosto de música; prefiro ouvir e não gosto de cantar enquanto meus artistas queridos estão cantando. Adoro ouvi-los e a possibilidade de dormir, por exemplo, durante o show de Jorge Mautner é, no mínimo, constrangedora.

Há tantos outros que gostaria de ver! Ano passado passei por vários lugares. Sempre lamentando, como agora, o que não teria condições de ver e me perguntando, como hoje, porque não podemos ter 50 shows por semana. Com cinco dezenas de shows semanais haveria a possibilidade de um mesmo tanto de estilos, de formas expressivas. A Virada Cultural repete, infelizmente, o que nos faz sofrer durante todo o tempo: é só mais um dia de congestionamento em São Paulo. Um imenso congestionamento de shows.

.

Boa diversão e bom final de semana para todos!

.

Vai que é bom!

Quando Sônia Kavantan convidou-me para escrever uma peça de teatro, para cumprir temporada em cidades do interior do Pará e do Maranhão, aceitei imediatamente. Saí da nossa primeira reunião com mil idéias na cabeça, ansioso para começar a pesquisar e escrever. Minha primeira intenção envolveu o grupo MAWACA.

Jabuti sabe lê, não sabe escrevê

Trepa no pau, não sabe descê…

As meninas do MAWACA cantam o tema acima, das danças maranhenses, denominadas Cacuriá. No disco do MAWACA, elas cantam com TIÃO CARVALHO, que aprendeu em São Luís, a capital do Maranhão, os cantos e danças dessa festa, que acontece após a procissão do Divino. 

Também pensei em FAFÁ DE BELÉM e nos seus carimbós. Nas melodias das canções que remontam às origens da cantora. Cogitei a BANDA CALYPSO e outros grupos similares, assim como, ao pensar no Maranhão, meu primeiro nome foi ALCIONE, com sua voz potente e afinada, lembrando os cantos de seus conterrâneos.

Levanta, boi e vai

Que é pro amo ver

Que boi também chora,

Também sente dor…

 Depois veio ZECA BALEIRO, mas aí, eu já não queria mais FAFÁ, nem ALCIONE, nem ninguém. Primeiro porque, após reuniões, o foco do texto foi para o interior, nas várias cidades onde ocorrerão as apresentações. Segundo, porque fui descobrindo que, apesar da grandeza desses artistas, cosmopolitas, Pará e Maranhão são muito mais.

Fiz um “curso intensivo” revendo tudo o que já tinha visto sobre os dois estados brasileiros. Aprendi outras tantas novidades, ao pesquisar as cidades interioranas.

As danças regionais, parte do folclore abordado pela peça.

VAI QUE É BOM! É o título da peça, com o subtítulo “O casamento do Pará com o Maranhão”. A montagem está em andamento e a estréia prevista para o início de novembro. A equipe de profissionais, atores e técnicos de lá, já está trabalhando. Logo apresentarei todos eles aqui, para o pessoal do blog.

A peça é uma comédia onde, através de um casamento, os hábitos e costumes regionais são celebrados. A música, o folclore, a culinária, a mata nativa e, principalmente suas figuras humanas ganham destaque. Outras questões são abordadas: a preservação das riquezas arqueológicas, os problemas do desmatamento irregular e a diversidade cultural advinda da formação recente dos aglomerados urbanos.

Castanhal, no Pará, está no roteiro da peça.

Começo, assim, uma viagem inicialmente virtual, para mostrar alguma coisa dessa grande região; do trabalho teatral que faremos e, depois, irei lá para algumas reuniões e ensaios. De quebra, verei o CÍRIO DE NAZARÉ, em Belém. Trarei todas as informações aqui, no Blog do Vavá.

Quanto às músicas da peça, fiz sugestões, preferindo que a direção escolha o que há de mais representativo para ilustrar as cenas. Isso significará para nós, que estamos longe, além de um senhor aprendizado, diversão garantida, genuinamente brasileira. Enquanto não temos a trilha da peça, em breve falarei sobre essas duas maravilhosas cantoras e outras expressões da região.

 

Até!

 

Publicado originalmente em http://www.papolog.com/valdoresende