Pichadores e grafiteiros

Expressão artística no caos urbano

Em aulas recentes, ocorreram acaloradas discussões sobre manifestações visuais – pichadores e grafiteiros – nas ruas de São Paulo. Arte urbana para uns, falta de respeito para outros. O debate é intenso. Ocorreu-me a necessidade de voltar ao assunto agora, tempos depois da lei municipal que proibiu a publicidade no espaço urbano.

Arte de rua e publicidade em São Paulo é passado

Como o assunto é longo, vamos por partes. Escolhi dois vídeos, pequenos documentários sobre essas manifestações. Serve para introduzir o assunto. Recebi de minha aluna, Sarah Granelli, a indicação do vídeo sobre os pichadores (é, a grafia correta é “ch” e não com “x”; a utilização deste certamente decorre do uso popular).

Manifestação que ignora a propriedade alheia

Vale à pena ver a ousadia, o underground exposto no documentário de João Weiner e Roberto Oliveira. As cenas dos garotos escalando o edifício são imperdíveis.

Outro documentário, este feito por alunos da Universidade Metodista, é bem didático, abrangendo os fatos históricos e fazendo a distinção entre as diferentes manifestações, dando ênfase aos grafiteiros.

Pretendo voltar ao assunto. A idéia é sair e registrar algumas imagens do que há pela cidade. Refletir sobre essas manifestações agora sem a “competição” com as placas publicitárias. Vê-las em relação com a arte pública instituída – os grandes e pequenos monumentos – e em convivência com a arquitetura urbana. Sobretudo ver o que aproxima, gratifica e une a população da cidade,

Uma boa semana para todos