Elis Regina no Carnaval de São Paulo

O carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro já tornou público o resultado dos desfiles. Vai-Vai e Beija-Flor são as escolas de samba campeãs do carnaval de 2015. Trabalhando no sambódromo paulistano, pouco vi dos desfiles no Rio, exceto alguns momentos e, entre esses, tive o privilégio de assistir a apresentação da comissão de frente da Salgueiro. Algo para guardar “no lado esquerdo do peito”.

A citação de “Canção da América”, acima, não é por acaso. O ápice do samba de enredo da Vai-Vai, campeã paulista, é um vocalise de “Maria, Maria” cantada de forma emocionante pela plateia presente. As duas canções são de Milton Nascimento e Fernando Brant. Elis Regina, mais uma vez, foi devidamente homenageada pelo povo de São Paulo.

O embate no Sambódromo paulistano foi duro. Dragões da Real, Acadêmicos do Tucuruvi e Gaviões da Fiel estão entre as escolas memoráveis deste carnaval. O embate maior foi entre a Vai-Vai, com enredo homenageando Elis Regina e a Mocidade Alegre que levou Marília Pêra para receber merecidos aplausos pela longa e brilhante carreira.

Vou ficar nas duas mulheres. Duas grandes estrelas. Levarei por todo o sempre a lembrança de Marília Pêra, soberba, acenando e agradecendo ao público. Estava linda, majestosa, buscando dirigir-se para todas as direções, saudando toda a plateia. Uma mulher e tanto! Uma atriz cujos trabalhos e personagens identificavam carros alegóricos e alas inteiras.

Lá pelas tantas da madrugada anunciaram a entrada da Vai-Vai. A voz de Elis Regina tomou conta do ambiente e só depois entrou o samba de enredo. Não mostraram toda a cena na TV. A televisão busca “famosos” e “desnudos”, irritando muito ao colocar um espectador qualquer ou uma agressiva e desrespeitosa mensagem comercial enquanto passa uma escola. Gravei, mesmo que precariamente, para presentear uma amiga e pude registrar os momentos iniciais quando, mesmo com a passarela vazia, reviveu-se o mito e Elis Regina tomou conta do Sambódromo.

Creio que Marília Pera, sábia como é, deve estar feliz com a disputa, ponto a ponto, com Elis Regina. Penso que a cantora Marília reverencie a cantora Elis e a memória de tudo o que ela representa para o Brasil. Espero que passadas as emoções do resultado permaneça o reconhecimento de toda São Paulo para com a grande cantora brasileira.

O vídeo acima registra o momento em que os portões do Sambódromo foram abertos e a Vai-Vai cantou, com todo o povo, “Simplesmente Elis – A fábula de uma voz na transversal do tempo”.  O próximo, para terminar este post, registra a passagem de Elis, ao lado de Adoniran Barbosa, pelas ruas da Bela Vista, o nosso adorado Bexiga.

E agora sim, passado o carnaval, Feliz Ano Novo!

Até mais.

Marília Pêra Canta

Marília Pera em Elas Cantam Roberto

Atrizes e cantoras, atrizes ou cantoras; duas funções distintas e frequentemente associadas a uma pessoa: Barbra Streisand, Madonna e, no Brasil, Marília Pêra.

Por conta do sucesso momentâneo há cantoras que, ocasionalmente tornam-se atrizes. Maria Bethânia contracenou com Chico Buarque e Nara Leão em “Quando o Carnaval Chegar”, filme dirigido por Cacá Diegues. Whitney Houston soltou a voz, protegida por Kevin Costner em “O Guarda Costas”.

Beyoncé está no caminho do cinema e não se sabe onde irá parar. Madonna acaba de estrear como diretora do filme “W.E.”, sob uma chuva de críticas e Barbra Streisand reina; como atriz, como cantora, como diretora.

Algumas atrizes brasileiras soltam o gogó, sem nenhuma pretensão à carreira de cantoras. Fernanda Montenegro e Marieta Severo, por exemplo, estão entre as atrizes que fizeram participações especiais em disco. Outra grande atriz, Bibi Ferreira, tem feito mais discos e shows que peças teatrais. Entretanto, nos shows, Bibi prioriza repertório de canções já interpretadas em memoráveis montagens como “My Fair Lady”, “O Homem de La Mancha”, “Gota D’água”, “Piaf” (sobre a cantora francesa Edith Piaf) e, entre outras, “Bibi Vive Amália”, onde lembrou a cantora portuguesa Amália Rodrigues.

Marília Pêra é aclamada como a mais completa entre nossas atrizes. Ela interpreta, dança, canta e é premiada diretora. A atriz tem uma carreira marcante em se tratando de musicais. Pessoalmente destaco “Roda Viva” (1968), “A Vida Escrachada de Joana Martini e Baby Stompanato” (1970) e “A Estrela Dalva” onde Marília interpretou Dalva de Oliveira. E aqui é bom notar que a atriz encarou interpretar aquela que é considerada uma das maiores cantoras brasileiras.

Música, propriamente dita, foi conteúdo de espetáculos extraordinários da atriz. Em “Elas por Ela” (primeira montagem em 1989 com uma remontagem em 1992) Marília Pêra mostrou versatilidade musical lembrando grandes cantoras brasileiras; entre essas, a paulistana Isaura Garcia, a baiana Gal Costa e a mineira Wanderléa. No show Marília somou ao canto, os trejeitos vocais e gestuais de todas as homenageadas. Especificamente musical também foram dois espetáculos: “Marília Canta Ary Barroso” (2003) e “Marília Canta Carmen Miranda” (2005).

Capa do disco que lançou Marília com cantora

Com tanta música no currículo, Marília Pêra deveria configurar-se entre as grandes cantoras brasileiras. Tanto é que em 1975 lançou-se como cantora, com um show, “Feiticeira”, roteirizado por Fauzi Arap e Nelson Motta. Tornado disco, não obteve sucesso. Marília gravou temas de novelas, fez participações especiais em diversos discos e shows. A mais recente, em disco e DVD, foi uma participação no show “Elas Cantam Roberto”.

A boa notícia é que o disco de Marília será editado em formato digital, pela gravadora Joia Moderna, do DJ Zé Pedro. Veja no final deste todos os nomes envolvidos em cada uma das faixas do álbum e tenha uma visão do que é o disco.

Penso que é um equivoco mercadológico não ter dado o devido tratamento aos trabalhos musicais de Marília Pêra. Não tenho a menor simpatia por esse tipo de comparação com a qual termino este, mas devo admitir que é verdadeira: Se fosse nos EUA, Marília Pêra seria, além de atriz consagrada, grande vendedora de discos. Resta o consolo de saber que as principais criações da cantora Marília Pêra estão registradas e garantidas para a memória do cancioneiro nacional.

Bom final de Semana!

Nota: As faixas do disco.

1. Dança da Feiticeira (Guto Graça Melo e Nelson Motta)
2. Bem-te-vi (Luhli e Lucina) – Participação de Luhli e Lucina
3. Samba dos Animais (Jorge Mautner)
4. Coelho Branco (Guto Graça Melo e Nelson Motta)
5. A Natureza (Zé Vicente da Paraíba e Passarinho do Norte em adaptação de Geraldo Azevedo)
6. Alô Alô Brasil (Eduardo Dussek)
7. Canção Pra Inglês Ver (Lamartine Babo)
8. Não Digas Nada (João Ricardo e Fernando Pessoa)
9. A Cara do Espelho (Guto Graça Melo e Nelson Motta)
10. O Medo (Alceu Valença)
11. Avô do Jabor (Nelson Motta) – Participação do grupo Vímana
12. Sem Essa (Duda e Jards Macalé)
13. Estado de Choque (Guto Graça Melo e Nelson Motta)

%d blogueiros gostam disto: