Ramiro! Um garoto na contramão.

 

Foto Joao Caldas Fº_19836press.jpg
Neusa de Souza, Roberto Arduin, Conrado Sardinha, Rogério Barsan e Isadora Petrin. Foto: João Caldas

Gente de teatro é meio louca, dizem. Vai ver têm razão, já que é preciso uma boa dose de insanidade para estrear uma peça infantil anticonsumo no Dia da Criança. Faz um ano que Ramiro iniciou sua trajetória por palcos da capital paulista tendo realizado temporadas também em Maringá, no Paraná e em Campina Grande, na Paraíba. Faz um ano que estreamos oficialmente no bairro Sapopemba, no dia da criança, em um projeto de educação financeira visando ensinar crianças e seus responsáveis a administrar o suado dinheirinho que entra com dificuldade e sai feito água no ralo.

Ramiro, o garoto que criei, quer o mundo em forma de brinquedos. E a peça gira em torno do fato de que a vida não é bem assim. Um ano depois e Ramiro continua nos palcos paulistanos. Certamente transformado via uma mudança aqui, um corte ali, sem contar o próprio amadurecimento de cada ator no domínio do ofício que burila e descobre nuances em personagens e cenas. Mas é dia de aniversário de Ramiro, o menino quer presentes – o que leva a personagem a ter identificação com o público infantil – e as demais personagens vão brincar e tentar ensinar ao garoto a necessidade de economizar, investir, planejar…

Pensar que o Dia da Criança surgiu por vontade de um político, por volta de 1920, me faz pensar em apelação ordinária, em busca de votos via sentimentalismo barato. A data adquiriu sua sina consumista pela ação de duas empresas, uma indústria de brinquedos e outra com forte linha de produtos infantis. Vamos vender muito em todos os 12 de outubro e deixar para novembro, dia 20 para ser preciso, a reflexão sobre a Declaração Universal dos Direitos da Criança, data que lembra o dia em que a Unicef proclamou os tais direitos infantis.

Ramiro tem direitos e alguns deveres também. O mais difícil provavelmente é aprender a conter a ambição em ter tudo, redescobrir o lado bom de brinquedos simples, valorizar as relações de amizade e parentesco. As reações são diversas e normalmente a plateia infantil se mostra inquieta. Coloque-se no lugar de quem quer o máximo do que o mercado oferece e assiste um trabalho que prega contenção de gastos… Trabalho difícil, mas que nosso pessoal vem defendendo com raça e brilho.

Neusa de Souza, Roberto Arduin e Rogério Barsan trazem o lúdico para a cena, jogando com elementos simples que transformam ambientes e situações. Suas personagens conduzem a ação e são responsáveis pelo desenvolvimento da peça. Isadora Petrim faz afetivo contraponto ao primo, brincando de ser a prima mais amadurecida, companheira no crescimento do primo. Conrado Sardinha é o garoto Ramiro, fazendo este de tal maneira que encanta e ganha a cumplicidade da plateia.

Nossa Produtora Sonia Kavantan nos propiciou a música de Flávio Monteiro, os cenários de Djair Guilherme, os figurinos e adereços de Márcio Araújo, as fotos de João Caldas, a identidade visual criada por Fernando Moser com  ilustrações de Octavio Cariello, a assistência de Milka Master e Lilian Takara. Companheiros do elenco em toda a jornada, Tiago Barizon administra, William Gutierrez opera som e André Persant faz a luz, criada por Ricardo Bueno. Realização da Kavantan Projetos e Eventos Culturais, com patrocínio da VISA e da Lei de Incentivo à Cultura.

Hoje não há bolo de aniversário, nem salgadinhos, docinhos, refrigerantes. Há meu carinho, imenso, por toda essa gente que vem trabalhando nessa montagem. E muita gratidão. A mensagem de “Um Presente Para Ramiro” é uma minúscula gota na contramão do consumo desejado pelo mundo capitalista. Mas somos gente de teatro e por isso insistimos. E não desistiremos nunca!

Até mais!

Parceiros

sonia e ficha tecnica.jpg

Uma ideia tornada sinopse, que virou um texto, que passou por várias versões, UM PRESENTE PARA RAMIRO chegou ao palco. Enquanto processo ainda sofrerá mudanças, ajustes. Atores e técnicos irão dominando e apropriando-se da montagem, idealizada em salas de ensaio, adaptando-a conforme as condições de cada espaço (Palcos não são espaços padronizados!) e vivenciando-a nas relações com a plateia. Levarão em cada apresentação o trabalho de outros profissionais, a criação de outros artistas que, neste post, pretendo registrar.

Gosto de observar os atores prontinhos, antes de entrarem em cena. O vestuário limpinho, cheiroso, bem passado, será levado para momentos de movimento intenso e, ao final, estarão amarfanhados, carregando o suor, a história e, principalmente, a energia da personagem. É essa energia que nos leva a identificar a roupa como propriedade da personagem e não do ator.

Márcio Araújo, o figurinista de UM PRESENTE PARA RAMIRO, mostrou-se um parceiro e tanto. Fiz proposições iniciais, indiquei uma paleta de cores e o profissional foi muito além, criando o vestuário com presteza, acompanhando cada fase da montagem e mudando, acrescentando detalhes, sugerindo elementos e circunstâncias enriquecendo o trabalho. O estúdio de Márcio parece caixa de mágico. Sai uma saia de não sei onde, um chapéu de não sei quando, uma rosa amarela, todo e qualquer possível adereço de vestuário. Ele, sorriso aberto: – Quer, tenho uma aqui. Espera que vou achar!

Seria muito bom não passar por nenhuma restrição no ato de criar. Imagine uma peça com uma piscina em cena, ou com a personagem principal alçando voo, a mudança abrupta de espaços… Tudo isso é possível. Tudo muito caro! Entretanto, não são só as condições monetárias que pesam na criação e confecção de cenários. UM PRESENTE PARA RAMIRO é montagem itinerante. Estamos em São Paulo, logo estaremos em Maringá, no Paraná, e depois… Depois eu conto.

Em três dias passamos por três palcos. Há que se contabilizar horas de transporte, montagem e desmontagem, o tamanho de cada espaço… Há que se ter um cenário compatível com essa realidade. E aí apareceu Djair Guilherme, também conhecido como “Nicolau dos Brinquedos”. O sujeito tem aquele aspecto de Professor Pardal, sorriso aberto, e a disposição em fazer, refazer, propor, discutir. Assim, nossa peça tem peças cenográficas compostas como brinquedo, reiterando os tantos presentes que Ramiro, nossa personagem aniversariante recebe.

Antunes Filho, meu grande mestre, sempre dizia que o mundo começa quando após a escuridão da plateia entra a luz sobre o palco. Esse intermezzo entre a escuridão e a luz prepara rapidamente a plateia para o que está por vir. O iluminador de UM PRESENTE PARA RAMIRO é Ricardo Bueno. Tranquilo e sereno, consciente da trajetória que a montagem fará, sentou-se a meu lado desenhando esquematicamente cada cena, cada mudança na marcação dos atores. – O que você quer destacar? Onde quer luz e com qual intensidade, de que forma?

Cada profissional dos citados acima conta com uma equipe. Márcio Araújo conta com pesquisadores, aderecistas, costureiras, assim como Djair Guilherme trabalhou conjuntamente com marceneiros na confecção dos cenários e teve adereços de cenário feitos por Renato Ribeiro e sua equipe. A iluminação de Ricardo Bueno é concretizada no trabalho de André Persant que monta e opera a luz de cada apresentação. A operação de som é de Willian Gutierrez, mas som, música, serão temas para outro momento.

Primeiro elemento concreto da produção: recebi via Sonia Kavantan a proposta de Fernando Moser para a identidade visual da peça. Somando esta à ilustração de Octavio Cariello, veio a emoção do projeto tornando-se realidade. Fernando e Octavio responderam com rapidez e eficiência as propostas debatidas em reunião, confirmadas em ensaios, estabelecendo parcerias entre designer, ilustrador e figurinista.

Quem uniu toda essa gente foi Sonia Kavantan (FOTO ACIMA) nossa diretora de produção. Muito bom trabalhar com quem, junto com sua equipe, procura o melhor e torna possível e concreto aquilo que pensamos para nosso trabalho.

Muito obrigado, pessoal! Tomara possamos nos encontrar em outras montagens. A trajetória de UM PRESENTE PARA RAMIRO é de todos nós. Vamos em frente!

Até mais!

.

(Patrocinado pela Visa, “Um Presente Para Ramiro” é uma realização da Kavantan, Projetos e Eventos Culturais, Ministério da Cultura e Governo Federal. Acompanhe por aqui a programação da montagem).

Dema conta Inezita Barroso

Inezita-capa004

São Paulo era uma cidade estranha para a criança que não conhecia a capital, mas que ouvia atentamente a música “Lampião de Gás”, com Inezita Barroso. Lá em Minas a gente pulava corda, brincava de roda e nossos amigos não atendiam pelos nomes Benjamin, Jagunço e Chiquinho; tinham outros nomes e, felizmente, eram muitos.

A gravação de Lampião de Gás que ouvíamos em casa dos avôs era pomposa, Inezita acompanhada por uma grande orquestra. Linda! Acho mesmo que foi ouvindo aquela música triste, melancólica, que passei a gostar da cidade. A composição de Zica Bergami é marcante na carreira de Inezita, tanto quanto outra canção, também triste: Maringá, que era cabocla e virou uma cidade que ainda não conheço. A música fala de separações por conta de uma seca. O autor, Joubert de Carvalho, nasceu em Uberaba. Aprendi a canção com minha professora primária, Maria Ignez Prata. Depois, fiquei mais admirado ouvindo a voz triste de Inezita ao interpretar a música.

Joubert de Carvalho teve outra canção de sucesso gravada pela cantora. “De papo pro ar”, parceria dele com o poeta Olegário Mariano. Já naquela época eu achava ótimo pensar que “se compro na feira, feijão, rapadura, pra que trabalhar?” Mas, também matutava: sem trabalhar, onde o dinheiro para as compras? Talvez “pescando no rio, de jereré…” Sei não. O certo é que ficar “De papo pro ar” nunca foi ruim.

De todas as canções gravadas por Inezita, a preferida de meu pai era a “Moda da Pinga”. A “marvada”, criada Ochelsis Laureano e Raul Torres, recebeu interpretação definitiva de Inezita Barroso. Eu sempre imagino a cena da moça voltando para casa “de braço dado com dois soldados, ai muito obrigado!”. E não consigo pensar em outra intérprete para essa “moda”.

Tenho vivido ouvindo Inezita Barroso. Uma entrevista aqui, uma reportagem ali e fui somando informações sobre a cantora de voz poderosa e personalidade ímpar. Agora chegou a hora de saber um pouco mais sobre a vida dessa grande artista.

dema
Valdemar Jorge, o nosso Dema

Valdemar Jorge, a quem tenho o privilégio de denominar Dema, é daqueles sujeitos donos de uma simpatia imbatível; um profissional competente com quem convivi por mais de uma década e que já me propiciou, entre outras coisas, estar na platéia na festa do aniversário de 30 anos do “Viola, Minha Viola”, o programa comandado por Inezita Barroso.

Dema trabalhou durante muitos anos na TV Cultura, tornando-se colega e amigo da cantora. Fruto saboroso dessa convivência é o livro que será lançado na próxima segunda-feira, 17 de dezembro. Em “Inezita Barroso, com a espada e a viola na mão”, Dema conta a trajetória da cantora. O livro é parte da coleção Aplauso, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Sempre, na universidade onde trabalhamos, tive em Dema o parceiro de “causos” e muitos “papos” sobre as artes no Brasil. O cidadão Valdemar Jorge, querido Dema, vive cultura; é participante da arte que se faz em São Paulo e, por isso, escreve, ou melhor, conta com propriedade; Estou orgulhoso e feliz pela concretização de um projeto sobre o qual conversamos bastante.

Pela certeza da competência do Dema, e pela admiração ao trabalho primoroso de Inezita Barroso, afirmo que este é um dos lançamentos mais importantes do ano. Na carreira profissional de Inezita Barroso temos, entre outros fatos, a vida do caipira paulista, as expressões musicais singelas e puras do cancioneiro regional do Brasil. Ela é parte essencial da nossa história, agora devidamente registrada pelo Dema, o Valdemar Jorge.

.

Até lá!

.

Nota:

O lançamento será no MIS – Museu da Imagem e do Som. Avenida Europa 158, São Paulo – SP, 19h00. Com “Inezita Barroso – Com a espada e a viola na mão”, serão lançados mais 10 outros livros sobre personalidades da cultura brasileira.