Vila Maria é Emoção no Carnaval

VILA MARIA BAIANAS ESTA.jpg
Ala das Baianas da Vila Maria. União do sagrado e do profano.

A história comprova: O que fica de um bom carnaval é a velha e intensa emoção diante da musa, da alegoria, da fantasia engraçada… Para uma escola de samba vencer o campeonato é exigido muito mais.  Tudo começa com um belo e bom enredo a soma de todas as alas, todos os quesitos, todos os detalhes atingindo o coração do público leva à vitória, independendo de resultados oficiais. Assim, sem receios, sem titubear: vou guardar o carnaval de 2017 como aquele em que, pela primeira vez, fiquei intensamente emocionado por uma escola, a Unidos de Vila Maria.

“Aparecida – A Rainha do Brasil; 300 anos de amor e fé no coração do povo brasileiro” foi o enredo que uniu com rara competência o sagrado e o profano. O carnavalesco Sidney França estreou celebrando o jubileu dos 300 anos da aparição da imagem nas águas do Rio Paraíba do Sul. Os pescadores encontrando a santa foi mote para subir imensa escultura na abertura do desfile que, ainda, teve como destaque a ala das baianas vestidas tal qual a Santa e terminando com chave de ouro ao colocar réplica da basílica transformada em alegoria.

Aos teus pés vou me curvar

Senhora de Aparecida

A prece de amor que nos uniu

Salve a Rainha do Brasil

O samba de Leandro Rato, Zé Paulo Sierra, Almir Mendonça, Vinicius Ferreira, Zé Boy e Silas Augusto contou linearmente o enredo proposto. Saltando da história para os hábitos atuais, a Vila Maria mostrou que é possível tratar de temas aparentemente impensáveis dentro da tradição carnavalesca.

A primeira noite do carnaval de São Paulo teve Elba Ramalho na abertura. A cantora foi  carregada feito santa por um grupo de rapazes da Tom Maior, o que conota lembranças nada agradáveis de senhorias incapazes de andar com as próprias pernas… A Mocidade Alegre veio correta, sem conseguir empolgar a plateia. Depois da Vila Maria, a emoção continuou com o desfile da Acadêmicos do Tatuapé que, com o enredo “Mãe-África conta a sua história: do berço sagrada da humanidade à terra abençoada do grande Zimbabwe” fez um carnaval para vencer o campeonato no grupo especial.

Que me perdoem as outras, já vou para o segundo dia, direto para a Unidos do Peruche. A segunda escola que passou pelo sambódromo, no sábado, cantou Salvador “Cidade da Bahia, Caldeirão de Raças, Cultura, Fé e Alegria”. A comissão de frente lembrou grandes ícones da cidade: atores representando Maria Bethânia, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil e, entre outros, Jorge Amado e Raul Seixas, abriram o desfile da escola, dançando com leveza e graça.

A riqueza de detalhes é o maior trunfo da Império da Casa Verde. A campeã de 2016 veio íntegra, luxuosa, com alas inteiras fantasiadas com o maior capricho e, notável, a maquiagem dos foliões. É comum ver gente desfilando com cara amarelada, piorada pela iluminação exagerada. Ao fazer da maquiagem complemento da fantasia, Jorge Freitas garante bons pontos para a escola.

De repente a lembrança de Gonzagão emociona até corações endurecidos. A emoção volta a imperar com a escola Dragões da Real que homenageou “Asa Branca”, a música de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Triste por si, Asa Branca conta a história, infelizmente atual, dos problemas decorrentes da seca, mas a história aposta na esperança, em “samba em forma de oração”… “Que eu voltarei, viu, pro meu sertão”.

Fonte inesgotável para bons sambas, o nordeste e, especificamente a Bahia, propicia mais emoção no carnaval. É a Vai-Vai com “No Xirê do Anhembi, A oxum mais bonita surgiu – Menininha, Mãe da Bahia – Ialorixá do Brasil”.  Há muito que a Vai-Vai não fazia um desfile tão intenso, com fantasias de rara beleza, da primeira à última ala. Se for a campeã, será título merecido para a escola da Bela Vista.

Outras agremiações passaram pelo Anhembi mostrando sua força. A Rosas de Ouro provou publicamente seu carisma, mantendo a plateia cativa, aguardando essa que foi a última escola a desfilar no grupo especial para um “banquete de alegria”.  O enredo da roseira diz, em determinado momento, “não importa a religião, Salve Cosme e Damião”. Salve! Quem irá negar saudação aos santos, a Nossa Senhora Aparecida, à Mãe Menininha do Gantois? O melhor do carnaval continua sendo a capacidade de fazer sorrir e, tocados profundamente, até mesmo chorar.

VILA MARIA CARNAVAL.jpg
A Basílica na Avenida. O inusitado que emociona.

A Liga das Escolas de Samba de São Paulo buscou neste 2017 uma formação diferenciada para os jurados. Todos os apaixonados por carnaval estão ansiosos, aguardando os resultados para saber o que se passou na cabeça do grupo de juízes formado por gente de fora da cidade, que foi para a cabine via sorteio, após concurso acirrado. Que venha a campeã! A vitória importa para todos os que lutaram para fazer a grande festa. Para quem ama o carnaval, importa que a festa continue grande e bela.

Eu aposto e desejo que a campeã seja a Vila Maria. Ficarei contente se for a Vai-Vai, a Tatuapé, a Peruche… O júri pode decidir por outra, sem problemas. Como todo júri é soberano, fazer o que? Júri nenhum manda no coração da gente. O meu coração, em 2017, é todinho da Vila Maria.

Até mais.

Elis Regina no Carnaval de São Paulo

O carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro já tornou público o resultado dos desfiles. Vai-Vai e Beija-Flor são as escolas de samba campeãs do carnaval de 2015. Trabalhando no sambódromo paulistano, pouco vi dos desfiles no Rio, exceto alguns momentos e, entre esses, tive o privilégio de assistir a apresentação da comissão de frente da Salgueiro. Algo para guardar “no lado esquerdo do peito”.

A citação de “Canção da América”, acima, não é por acaso. O ápice do samba de enredo da Vai-Vai, campeã paulista, é um vocalise de “Maria, Maria” cantada de forma emocionante pela plateia presente. As duas canções são de Milton Nascimento e Fernando Brant. Elis Regina, mais uma vez, foi devidamente homenageada pelo povo de São Paulo.

O embate no Sambódromo paulistano foi duro. Dragões da Real, Acadêmicos do Tucuruvi e Gaviões da Fiel estão entre as escolas memoráveis deste carnaval. O embate maior foi entre a Vai-Vai, com enredo homenageando Elis Regina e a Mocidade Alegre que levou Marília Pêra para receber merecidos aplausos pela longa e brilhante carreira.

Vou ficar nas duas mulheres. Duas grandes estrelas. Levarei por todo o sempre a lembrança de Marília Pêra, soberba, acenando e agradecendo ao público. Estava linda, majestosa, buscando dirigir-se para todas as direções, saudando toda a plateia. Uma mulher e tanto! Uma atriz cujos trabalhos e personagens identificavam carros alegóricos e alas inteiras.

Lá pelas tantas da madrugada anunciaram a entrada da Vai-Vai. A voz de Elis Regina tomou conta do ambiente e só depois entrou o samba de enredo. Não mostraram toda a cena na TV. A televisão busca “famosos” e “desnudos”, irritando muito ao colocar um espectador qualquer ou uma agressiva e desrespeitosa mensagem comercial enquanto passa uma escola. Gravei, mesmo que precariamente, para presentear uma amiga e pude registrar os momentos iniciais quando, mesmo com a passarela vazia, reviveu-se o mito e Elis Regina tomou conta do Sambódromo.

Creio que Marília Pera, sábia como é, deve estar feliz com a disputa, ponto a ponto, com Elis Regina. Penso que a cantora Marília reverencie a cantora Elis e a memória de tudo o que ela representa para o Brasil. Espero que passadas as emoções do resultado permaneça o reconhecimento de toda São Paulo para com a grande cantora brasileira.

O vídeo acima registra o momento em que os portões do Sambódromo foram abertos e a Vai-Vai cantou, com todo o povo, “Simplesmente Elis – A fábula de uma voz na transversal do tempo”.  O próximo, para terminar este post, registra a passagem de Elis, ao lado de Adoniran Barbosa, pelas ruas da Bela Vista, o nosso adorado Bexiga.

E agora sim, passado o carnaval, Feliz Ano Novo!

Até mais.

Alegoria para a Rosas de Ouro

O Diário de São Paulo desta terça-feira publicou a relação de premiados com o Troféu Nota 10 do carnaval de 2013. A Mocidade Alegre foi a escola a receber o maior número de prêmios. O prêmio de melhor Alegoria, quesito pelo qual fui responsável, foi para a Rosas de Ouro.

Detalhe do Diário de São Paulo
Vejam, no jornal, a matéria completa com todas os quesitos do Troféu Nota 10

No detalhe, a justificativa:

hoje2

Também foram agraciadas com o Troféu Nota 10, edição de 2013, as escolas Nenê de Vila Matilde, X-9 Paulistana, Vila Maria, Gaviões da Fiel  e Vai-Vai. Todos os detalhes da premiação estão na edição do jornal, nas bancas. A festa da entrega será quinta-feira, no Bar Brahma Aeroclube.

Ano passado o prêmio de melhor alegoria foi para a Mocidade Alegre. Aproveito este post para homenagear a escola, registrando aqui o material publicado pelo jornal, em 2012.

hoje5

Assim justifiquei, em 2012, o prêmio para a Mocidade Alegre.

Mocidade Alegre
Melhor Alegoria de 2012 foi para a Mocidade Alegre

Quero parabenizar todas as escolas premiadas neste ano e, através deste post, homenagear os componentes de todos os setores, de todas as alas, que propiciaram momentos inesquecíveis para todos nós. Também agradecer ao Diário de São Paulo, especialmente aos organizadores do Troféu Nota 10 pela carinhosa atenção durante todas as etapas deste trabalho.

.

Bom final de carnaval para todos.

.

Mocidade Alegre é a campeã

Salve Jorge Amado! Parabéns, Mocidade Alegre

É fundamental não esquecer que carnaval é uma brincadeira. Perdendo esse caráter o carnaval torna-se algo, no mínimo, chato. Gostaria de refletir, começando por esclarecer que o concurso do Diário de São Paulo não tem nenhuma relação com o outro, promovido pela Liga Independente das Escolas de Samba. Na manhã de terça, muito antes da apuração do concurso oficial, o prêmio dado pelo jornal já apontava como campeã a Mocidade Alegre.

Sobre os fatos ocorridos na tarde dessa terça-feira, no Sambódromo, desejo que os culpados pela baderna e pela desordem sejam processados e que a justiça determine o que fazer com eles. Mas, acima de tudo, desejo que a Liga Independente das Escolas de Samba reveja seus métodos e critérios. E que cada sambista faça uma profunda e honesta reflexão sobre a própria postura dentro do carnaval.

Um aspecto: O que significa nota mínima oito? Todo estudante passa anos estudando para prestar um vestibular e nem por isso chega ao concurso com a nota mínima oito. Não seria justo que todo abnegado trabalhador brasileiro chegasse aos concursos municipais, estaduais ou federais com esse mesmo patamar? Oitenta por cento! Que psicólogos e estudiosos do ser humano esclareçam o que me parece ser incapacidade de submeter-se a julgamento público.

Como professor, verifico com frequência aquele comportamento paternalista que não aceita a nota baixa do filho, espelho e reflexo do próprio umbigo. Normalmente, o sambista – “pai” da comunidade – vem com o discurso de que o povo sofre e dá um duro danado para fazer o carnaval, que o esforço merece ser recompensado, como se as comunidades não entrassem no carnaval por vontade própria. Reconhecer esforço é uma coisa, dar nota para resultado insatisfatório é outra.

Há sempre alguém pronto para discutir a nota baixa, e nenhuma escola – até onde eu saiba – questionou algum dez recebido. Seria interessante ver alguém de dedo em riste, com toda a raiva do mundo, indagando: – Dê-me um motivo para esta nota dez, seu filho da mãe? A razão passa distante desses emocionados questionadores.

Muitas pessoas ficam irritadas quando contrariadas. Outras ficam violentas. A maioria é levada por uma emoção irracional. Todos nós temos justificativas para os próprios erros, mas nem por isso deixamos de sofrer as consequências das nossas ações, das nossas escolhas. Com uma ação coletiva – o trabalho de uma escola de samba – não é diferente. Vi todas as escolas e lamentei tudo o que me levou a excluir uma por uma. Com uma escola foi diferente. Justifiquei minha escolha, assinei e assim está publicado no Diário de São Paulo:

“A Mocidade Alegre apresentou um conjunto de alegorias que ilustram, complementam, esclarecem e enriquecem o enredo. O acabamento foi impecável e a utilização de materiais diversos transformou os carros em pequenas obras de arte. A coerência com o afro e a Bahia é o principal trunfo da escola, fazendo-a merecer o prêmio”.

A Mocidade Alegre avança para levar o campeonato

Meu afeto daria prêmios para as escolas onde amigos desfilaram. Adoro a Bela Vista, mas, sobretudo adoro o samba, adoro o carnaval, e reafirmando meu respeito e admiração por todas as agremiações que desfilaram no sambódromo, neste ano, as melhores alegorias estiveram na Mocidade Alegre. Junto com essas, toda uma série de outros fatores que me deram a certeza de ter tido o prazer de presenciar o desfile da melhor escola deste ano.

Mocidade Alegre, a melhor do carnaval de 2012!

Até mais.

O carnaval paulistano é animal

De pinguim a pelicano, tem quase de tudo no sambódromo. Tem animais fofinhos, tipo os ursinhos e também os mitológicos dragões. Vi muitas andorinhas, que os “teóricos” me matarão ao escrever isso, que é imagem sacra que lembra as festas do Divino Pai Eterno. Cobra, pavão, cavalo, boi… Eu não acho, tenho certeza que não vi um gatinho; nem mesmo o cachorro, reconhecido melhor amigo do homem. Há ferozes tigres e pássaros, muitos pássaros, para contrabalancear a festa.

Impressionaram os tigres da escola Império da Casa Verde; tinham movimento, mas não foram além do que já tenha sido mostrado no sambódromo. Gostei mais dos peixes da Pérola Negra. Embora “fora d’água”, mostraram o trabalho primoroso do artesão da escola.

Há imagens completamente inusitadas. Isso é bom, surpreende. Quando os ratinhos de laboratório, engaiolados, passaram por nós, fiquei admirando a ousadia do carnavalesco e o incrível domínio técnico do artesão que esculpe com precisão todo tipo de pássaro, mamíferos e outros animais, tornados mitológicos, como o cavalo de São Jorge matando o dragão; esta foi uma das melhores esculturas que passaram no sambódromo neste ano; a casinha, no topo do carro, identifica o Império da Casa Verde.

Uma escola deu um show à parte: a Águia de Ouro surpreendeu e consegui, não com a qualidade que gostaria, montar uma “fotonovela” com o show que a escola nos proporcionou na avenida:

.

.

O sambódromo é um local onde o público paga o ingresso inteiro e vê o show pela metade, já que as escolas fazem uma coisa em cada setor da avenida. Nós, que estávamos no começo, vimos quando a águia raptou o integrante da passarela. O que a ave fez com o cidadão, saberemos depois, em casa, rezando para que a televisão mostre alguma coisa; se é que irão reprisar as apresentações das escolas de samba paulistanas.

Finalmente, terminando o “mundo animal do carnaval 2012”, o carro alegórico sobre o dorso da tartaruga; ou seria cágado? Brincadeiras à parte, a Mocidade Alegre fez um grande carnaval neste ano. Uma apresentação digna da obra e do homenageado Jorge Amado e, por isso, minhas homenagens aos integrantes da escola.

É ou não é animal o nosso delicioso carnaval paulistano?

Boa terça para todos!

.