Elza, para ouvir!

Eu gostaria de morrer em casa, de causas naturais, como Elza Soares. Entre paredes conhecidas, sem a frieza do quarto hospitalar, perto de pessoas da família, com lucidez e visão para identificar quem vier me buscar. Espero merecer tal graça. Quanto à Elza, fui alertado por Flávio Monteiro: “- Merecido. Ela sofreu antes, ao longo da vida, tudo o que tinha que sofrer!” Realmente, não carecia de mais nenhuma dor.

Morte, certeza que costumamos recusar, nos pega de surpresa, nos deixa meio sem rumo. E a gente toca a pensar em quem faleceu. Incomoda um pouco ler tanto sobre Elza Soares sem que citem suas canções, interpretações. Penso que a melhor homenagem é ouvi-la e, por isso, resolvi indicar sugestões de fã.

Gosto de “Boato”, música de João Roberto Kelly, na voz de Elza Soares, gravado em 1960. No final do samba Elza repete o refrão imitando Dalva de Oliveira, Miltinho e Alaíde Costa. Um absurdo potencial de quem fazia o que bem queria com a voz. Tá bom para começar?

Em raros registros – 3 cds – feitos graças ao trabalho de Zuza Homem de Mello, estão gravações de Elza ao vivo, nos anos de 1960. Dois desses momentos no programa Fino da Bossa (Elis Regina e Jair Rodrigues) e um no Corte Rayol Show (Renato Corte Real e Agnaldo Rayol). Quem não ouviu Elza Soares e Elis Regina cantando “Devagar com a louça” (Haroldo Barbosa e Luis Reis) fica nessa mania de “melhor” que citei em post passado. Bobagem! As duas são melhores. Elas cantam como se tivessem ensaiado durante meses, como se formassem dupla com anos de experiência e dão aula de senso rítmico, divisão ímpar. Essa gravação simplesmente precisa ser ouvida:

Na real, voltando por onde poderia ter iniciado, comecei a gostar de samba enredo ouvindo Elza e, na hierarquia dos afetos, minha primeira citação /indicação vai para “Bahia de Todos os Deuses” (Salgueiro, 1969).

“Nega baiana, tabuleiro de quindim

Todo dia ela está na Igreja do Bonfim

Na ladeira tem, tem capoeira…”

Outra referência afetiva é de “Lendas do Abaeté” (Mangueira, 1973) e, inesquecível, “A Festa do Divino” (Mocidade Independente de Padre Miguel, 1974), esse é samba de quando a cantora foi intérprete da Escola na avenida. Atenção, por favor: no quesito samba enredo, Elza Soares sempre manifestando sua predileção pela Mocidade, não deixou de cantar sambas de outras escolas. Música boa é para ser cantada, de preferência, por quem sabe.

Começo dos anos de 1980, no Instituto de Artes da Unesp, Dirce Ceribelli utilizava canções de Caetano Veloso para nos ensinar Jakobson. Entre essas, “Língua”, que o compositor divide interpretação com Elza Soares em momento icônico. E logo depois tive a oportunidade de vê-la, no Centro Cultural Vergueiro. Mulher bonita, gostosa, com pernas colossais, por aqui e ali diziam ser a Tina Turner brasileira. Mania infeliz essa nossa. Tina é ótima, mas Elza não carece de comparações. Foram tempos de mudança, em que Elza, sem deixar o samba, deu ênfase para todo o seu potencial musical.

“Dura na Queda” (Chico Buarque), “A carne” (Marcelo Yuka, Seu Jorge, Wilson Cappellette), “Rio de Janeiro” (Anderson Lugão), “Flores Horizontais” (Zé Miguel Wisnik, Oswald de Andrade)… eleger uma canção é difícil, pois cada uma dessas vai além do universo musical. Elza, definitivamente, assumia seu lugar como voz de um povo, de uma raça, de um gênero, características que acabaram levando-a para o plural, tornando-se cantora de povos, raças, gêneros.

“Flores horizontais

Flores da vida

Flores brancas de papel

Da vida rubra de bordel…”

Quero concluir essas breves indicações do repertório de Elza sugerindo audição de outros duetos além de Língua (todo mundo, me parece, quis cantar com ela). Chico Buarque (Façamos – Cole Porter, versão de Carlos Rennó), Letícia Sabatella (A Cigarra – Elza e Letícia), Luiz Melodia (Fadas – Luiz Melodia) … Mas, entre tantas parcerias, volto no tempo, lá para os anos de 1960 para indicar um trio: Elza, Elis e Jair cantando “Se acaso você chegasse” (F.Martins, Lupicínio de Oliveira), na mesma coletânea citada acima. É ouvir os três e lamentar imensas perdas, três figuras máximas da nossa música.

Certamente deixei alguma grande interpretação. Fatal deixar de lado vários, entre tantos momentos intensos de puro talento de Elza Soares. Espero que este texto estimule a ouvir e ir bem mais além. A cantora está na nossa música e sua história – vasta e forte – permanecerá.

Ave, Elza Soares!

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Nota: Todas as canções estão nas plataformas digitais.-

Três vezes Portinari

Vai começar hoje a exposição “Guerra e Paz, de Portinari” aqui em São Paulo, no Memorial da América Latina; para nós, o tal público comum, a abertura será amanhã, dia 7. Outro dia, 19, Candido Portinari será tema da Mocidade Independente, homenagem da escola de samba carioca ao pintor paulista, nascido em Brodowski. Também lembramos a morte do artista, ocorrida em 6 de fevereiro de 1962. Três motivos mais do que suficientes para reverenciar Portinari.

“Guerra” e “Paz” são dois grandes murais pintados por Portinari, encomendados pelo governo brasileiro para presentear a sede da ONU – Organização das Nações Unidas. Foram feitos entre 1952 e 1956 e têm, aproximadamente,  14m de altura por 10m de largura. A obra ficou exposta em local de acesso restrito e nem com visitas guiadas ela pode ser vista. O sonho de torná-la mais próxima dos brasileiros tornou-se possível quando anunciaram a reforma da sede, em Nova York.

O governo brasileiro resolveu bancar os trabalhos de restauração da obra de Portinari e, com isso, garantiu a permanência da mesma entre nós, enquanto durar os trabalhos na sede da ONU. Assim, a restauração ocorreu de fevereiro a maio de 2011, no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro. Os trabalhos foram abertos ao público, com entrada franca e os painéis foram restaurados por uma equipe de 18 restauradores, sob coordenação do Professor Edson Motta Jr., da Universidade Federal do Rio de Janeiro e de Claudio Valério Teixeira.

Após exposição no Rio de Janeiro, no Theatro Municipal, os painéis de Portinari estarão expostos em São Paulo, de 6 de fevereiro até 21 de abril. Dia 6 para convidados, dia 7 para todo o público paulistano. A entrada é franca e, além dos dois painéis, os interessados poderão conhecer os estudos preparatórios feitos por Portinari para a realização da obra.

“Por ti, Portinari, rompendo a tela, a realidade” 

…VOCÊ QUE DO MORRO FEZ VIDA REAL

PINTOU NOSSOS LARES NUM LINDO MURAL

VOCÊ, RETRATANDO A ALMA, SE FEZ IDEAL

MEU SAMBA CANTA MENSAGENS DE “GUERRA E PAZ”

SEU NOME SERÁ IMORTAL EM NOSSO CARNAVAL

No Rio de Janeiro, ainda neste mês, a Mocidade Independente de Padre Miguel canta a vida de Portinari em verso e samba, muito samba. Os compositores de “Por Ti, Portinari, Rompendo a Tela, a Realidade” são Diego Nicolau, Gabriel Teixeira e Gustavo Soares; o intérprete é Luizinho Andanças.

O carnavalesco Alexandre Louzada pretende levar todas as cores e formas de Portinari para a avenida. É a escola que anuncia: “Através de suas mais importantes obras, mostraremos a trajetória deste artista que acima de tudo retratou em seus quadros e murais, a história, o povo e a vida dos brasileiros, através dos traços fortes e vigorosos carregados de dramaticidade e expressão.”

O Brasil inteiro poderá ver o desfile da Mocidade Independente, no dia 19 próximo. Será a quarta escola a entrar no Sambódromo. Milhares de paulistanos terão a oportunidade de visitar a exposição de Portinari no Memorial da América Latina. Duas vezes Portinari. Uma terceira, da maior importância, é a visita que todos podem fazer AGORA ao site que disponibiliza a vida e obra do artista.

Em http://www.portinari.org.br/ temos a oportunidade de ver milhares de obras do artista, assim como documentos relacionados às mesmas. Devidamente catalogadas e registradas, as obras de Portinari estão acessíveis por temas, técnica, cronologia e, algo muito bom para pais e professores, uma sessão inteira dedicada ao público infantil. Uma galeria especial com obras específicas que poderão interessar ao universo da criança, além de jogos e histórias com “Candinho”, o Portinari menino feito para brincar com os visitantes mirins.

O site, a exposição (terça a domingo, das 9h às 18h) e, no domingo de carnaval, o desfile. Só não tem memória quem não quer. A obra de Portinari está aí, acessível, enriquecendo nossa sensibilidade e ampliando o nosso conhecimento.

 .

Boa semana para todos.

.

%d blogueiros gostam disto: