Palpite

Slide1

Esta data, 13 de dezembro, que anda rondando o blog, e minha página no Facebook, está relacionada com outras datas, de anos bem distantes… 1997 está entre eles. 2002, 1998, 1963… De repente, pensando em 1997, veio “Palpite”, uma boa lembrança. Não se trata de palpite de jogo do bicho e, sim, de uma música suave, bonita, grande sucesso na voz de Vanessa Rangel.

Tô com saudade de você
Debaixo do meu cobertor
E te arrancar suspiros
Fazer amor…

O sucesso é estranho; volta e meia percorre caminhos não convencionais, desmentindo alguns marqueteiros e publicitários que pensam que são deuses. Palpite, a música, teve uma divulgação extra através de novela da Rede Globo tornando-se uma das músicas mais populares de 1997, entrando com a novela também pelo ano de 1998.

Vanessa Rangel tornou-se, desde então, artista marcada por um único grande êxito: de vendas, de execução nos meios. Certo tipo de imprensa, cúmplice da fome capitalista, cobra sucessos, discos na parada, grandes vendagens, como se artista fosse telefone celular: com um novo adereço, um novo modelo por semana. A moça não repetiu o mesmo sucesso do primeiro disco e hoje atua em outra área.

A indústria precisa vender. O artista precisa produzir. Grande cilada contemporânea! Em outra área de criação, por exemplo, na pintura, não seria estúpido cobrar de Pablo Picasso um Guérnica por ano? Um Les Demoiselles d’Avignon por temporada? Nem por isso ele deixa de ser cultuado como um dos maiores artistas do século XX.

Eu sinto a falta de você
Me sinto só
E aí!
Será que você volta?

Penso que um PIXINGUINHA mais um CARINHOSO tá de bom tamanho. Para o ROBERTO CARLOS, junto com ERASMO, a posteridade já foi garantida com DETALHES e para quem tem bons ouvidos basta um COMO NOSSOS PAIS para perceber a grandiosidade da intérprete ELIS REGINA.

E aí! Será que você volta?
Tudo à minha volta
É triste
E aí!

Que artistas tenham outros sucessos, outros êxitos, uma grande carreira, tudo bem; agora, cobrar uma nova A BANDA, uma outra CONSTRUÇÃO ou outra grande criação de CHICO BUARQUE, é estupidez! Ele poderia ter parado lá em RODA VIVA ejá seria um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos.

A pressão sobre um artista é grande, constante. Quando o cara deixa de vender conforme as metas estabelecidas pela indústria é bastante comum ouvir que tal artista está “acabado”.

Tô com saudade de você
Do nosso banho de chuva
Do calor na minha pele
Da língua tua…

A grande produção artística humana passa pela pré-história, Grécia, Egito, Roma, até nossos dias, com nomes e obras que aí estão e permanecerão para a posteridade. É raro, na história humana, um SHAKESPEARE ou um MICHELANGELO. É dessa tal grande arte humana que veio o conceito de “obra prima”; essa sintetiza o que o artista foi, sua estética, seu processo criativo.

Tô com saudade de você
Debaixo do meu cobertor
E te arrancar suspiros
Fazer amor

“Palpite” é uma música popular e como tal está circunscrita no tempo, no espaço. Passa longe de Beethoven, mas permanece na lembrança de muita gente. No meu caso, de vez em quando, voltará por mero acaso ou pelos tais “detalhes” citados na canção de Roberto e Erasmo Carlos. Então continuarei cantarolando VANESSA RANGEL.

Não importa se foi apenas um grande sucesso. Vou respeitar a compositora, a cantora agradável, pelos momentos de prazer que me propiciou e continuará me propiciando com esse eterno e delicioso PALPITE. Quanto ao dia 13, sobre o que vai rolar nesse 13 de dezembro, vou segurar um pouquinho; todavia, que tal um palpite?

Até!

A volta de “Florilégio Musical II, Nas Ondas do Rádio”

Florilégio II

Eu gosto de rádio. De um rádio que é difícil encontrar. Rádio com música brasileira de qualidade, sem imposição de gravadoras para artistas de ocasião. Incomoda-me, bastante, alguns locutores e locutoras da atualidade que falam como se estivessem narrando uma corrida de cavalos, confundindo ritmo com velocidade. Um programa de rádio “ao vivo”, daquele dos bons, volta aos palcos, agora no Teatro Eva Herz.

Carlos Moreno, Mira Haar e Patrícia Gasppar são estrelas de um show que poderia estar na Rádio Nacional, na Mairink Veiga, na Rádio Record ou em outra qualquer, entre tantas emissoras que reinaram nos anos de 1930, 1940 e 1950. Os atores-cantores brincam com um repertório vasto, passando pela nata dos nossos compositores (Pixinguinha, Noel Rosa, Joubert de Carvalho, Ary Barroso), com ênfase em intérpretes como Marlene, Emilinha Borba, Nelson Gonçalves e muitos outros.

Vi este trabalho em dezembro, quando em cartaz no Museu da Casa Brasileira. O espetáculo é envolvente não só para quem gosta e conhece um pouco da história do período, mas para quem aprecia a música brasileira, boa o suficiente para atravessar qualquer barreira temporal.

Há formas de ver e maneiras de perceber esse Florilégio Musical. Parece saudosista com o vestuário que remete aos reis e rainhas do rádio; pode ser visto como um espetáculo conservador, somando-se as boas interpretações aos arranjos e direção musical de Jonatan Harold. O diretor geral, Elias Andreato, realizou um espetáculo com leveza que, em dado momento, brinca com o momento em que vivemos. E é aqui que percebo outro espetáculo: aquele que deixa evidente o quanto estamos distantes – nas emissoras de rádio e TV – dos bons musicais que tornaram populares nossos grandes cantores e compositores e fizeram da música brasileira uma das mais importantes no mundo.

Vejam! Vale a pena.

Florilégio Musical II: Nas Ondas do Rádio, está no Teatro Eva Herz, começa nesta sexta-feira, 31 de janeiro, às 21h. Fica em cartaz até 30 de março. Informações sobre horários e valores dos ingressos pela bilheteria do teatro: 3170 4059.

Até!

.

Canta Brasil!

Esperar destaque para a música brasileira de um programa denominado The Voice é chover no molhado. Somos colonizados e há muitos, entre nós, que pensam que “gritar” em inglês faz do sujeito um grande cantor. O certo é que há um número considerável de brasileiros que entendem parcamente o que diz – canta – cada candidato; assim, pouco importa se o indivíduo pronuncia parcamente ou porcamente.

Nossa música é sofisticada; muito sofisticada! O suficiente para avaliar qualquer cantor, qualquer tipo em qualquer região vocal e sob diferentes aspectos. Por exemplo: quantos concorrentes do The Voice cantariam bem o “Brasileirinho” (Waldir Azevedo – Pereira da Costa) ou o “Tico-tico no fubá” (Zequinha de Abreu – Eurico Barreiros)? Sem firulas, sem exageros, pois não há necessidade disso. Precisa ter folego, dicção privilegiada, capacidade de interpretação acima do comum para interpretar tais canções.

Os concorrentes, dizem, gostam de mostrar extensão vocal. Bom, para esses, há ótimas possibilidades: “Na baixa do sapateiro” (Ary Barroso), “Carinhoso” (Pixinguinha – João de Barro) e “Rebento” (Gilberto Gil) são apenas algumas possibilidades. Entre as mais difíceis considero “Rosa-dos-Ventos”(Chico Buarque), “Sabiá” (Tom Jobim – Chico Buarque), “Eu te amo” (Caetano Veloso) e entre muitas canções de Milton Nascimento, gostaria de ver alguém encarando “Saudade dos aviões da Panair”. (Dele, Milton, com Fernando Brant, também conhecida como “Conversando no bar”).

 

Estou comemorando antecipadamente o “dia do samba” (dia 2 próximo) e quero mais samba, mais chorinho, samba-canção, enfim, de mais música brasileira. Em se tratando de samba, por exemplo, os candidatos de concursos vocais – se querem mostrar que realmente cantam – deveriam arriscar um “Cai dentro” (Baden Powell e Paulo César Pinheiro) que, por sinal, só ficou excelente na voz de Elis Regina.

Sinto que esta é uma batalha perdida (apenas uma batalha!). O tempo costuma vencer todos os candidatos que, com suas músicas estrangeiras, caem no esquecimento. Sempre lembraremos Ney Matogrosso, Elza Soares (Hoje lembrada no The Voice pela excelente Cristal), Vicente Celestino, Gal Costa, Maria Bethânia, Nelson Gonçalves, Tom Zé, Maysa e, é claro, João Gilberto. Estou lembrando alguns grandes interpretes brasileiros que, com toda a certeza, em um ou outro momento cantaram música estrangeira. Todavia, gente como Maria Bethânia não será lembrada por “What is new”; esses intérpretes formidáveis (e podem aumentar a lista!) serão lembrados por sussurros afinados cantando Bossa Nova ou pela voz colocada com perfeição na personalíssima cadência do samba.

Há muito tempo um grande cantor, tão grande que foi chamado de “Rei da Voz”, gravou “Canta Brasil”. O nome desse cantor é Francisco Alves. Depois, veio a gravação de Ângela Maria e, bem depois, Gal Costa regravou a mesma canção, que é de Alcyr Pires Vermelho e David Nasser. Vou concluir este post com a letra deste samba exaltação, pois sinto muita falta dessas canções na nossa televisão; quem sabe, em algum programa, o nosso Brasil musical possa ser prioridade!

As selvas te deram nas noites teus ritmos bárbaros E os negros trouxeram de longe reservas de pranto Os brancos falaram de amor em suas canções E dessa mistura de vozes nasceu o teu canto

 

Brasil, minha voz enternecida Já dourou os teus brasões Na expressão mais comovida Das mais ardentes canções

 

Também, na beleza deste céu Onde o azul é mais azul Na aquarela do Brasil Eu cantei de norte a sul

 

Mas agora o teu cantar Meu Brasil quero escutar Nas preces da sertaneja Nas ondas do rio-mar

 

Oh! Este rio turbilhão Entre selvas e rojão Continente a caminhar No céu, no mar, na terra! Canta Brasil!!

 

Bom final de semana para todos!

Sambas pra cantar e manter na história

bandeiras das escolas

O carnaval é uma festa, ok! O desfile das escolas de samba vai além, é expressão de comunidades inteiras. Um exemplo:Quem já teve a oportunidade de conhecer a baixada fluminense pode entender a importância da vitória na avenida para uma escola como a Beija-Flor. Milhares de pessoas saem do subúrbio afirmando-se perante a metrópole, e toda a nação brasileira. O maior orgulho do povo de Nilópolis é a sua escola de samba. Sentimento similar ocorre nas demais comunidades do samba.

Os sambas-enredo sofrem transformações ao longo do tempo. Tomados como expressões de determinados grupos, tornam-se referências de um momento histórico preciso. Nos anos de repressão, buscava-se um país melhor, livre das opressões de grupos minoritários. Ao mesmo tempo, refletia-se, na avenida, o sonho do “país do futuro”. Foi com um samba assim que a Imperatriz Leopoldinense marcou uma época.

Vem cá, Brasil
Deixa eu ler a sua mão, menino
Que grande destino reservaram pra você
Fala Martin Cererê… (1)

Anos depois, a mesma Imperatriz entrava no Sambódromo carioca pedindo liberdade. Um samba extraordinário que, além de tudo, servia de emblema para uma situação daquele momento carnavalesco; no ano de1989, enquanto a escola de samba pedia por liberdade, lembrando a República e a escravidão, acontecia no Sambódromo um exemplo concreto da intolerância e da coerção social:

Joãozinho Trinta havia sido censurado ao tentar entrar com um Cristo Redentor na avenida; o carro alegórico proibido entrou com a imagem encoberta. Era a denúncia concreta do veto sofrido pela escola. O enredo da Beija-Flor entrou para a história: “Ratos e Urubus,Larguem a minha Fantasia” E Joãozinho, discutindo o enredo, soltou a frase que ficou famosa: “ – Quem gosta de pobreza é intelectual; pobre gosta é de luxo!”A Beija-Flor censurada, quem levou o campeonato foi a Imperatriz Leopoldinense, paradoxalmente, cantando a liberdade.

Liberdade, liberdade!
Abre as asas sobre nós
E que a voz da liberdade
Seja sempre a nossa voz… (2)

Das ditas grandes escolas de samba do Rio de Janeiro, a Portela é sempre mencionada, com “o manto azul da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida”, como bem diz a música de Paulo César Pinheiro.

Falar em Portela é lembrar Clara Nunes, Paulinho da Viola e alguns sambas-enredo muito especiais. Em “Ilu Ayê, Terra da Vida”, de 1972, a escola contava uma história de amor simbolizando tudo o que o negro perdeu ao ser trazido da África como escravo. Após sofrer na senzala atinge uma liberdade simbolizada através do carnaval.

É samba, é batuque, é reza
É dança, é ladainha
Negro joga capoeira
E faz louvação à rainha… (3)

Contando romances ficcionais ou histórias verdadeiras, a Portela deu-nos alguns momentos memoráveis. Quando contou a história do Mestre Pixinguinha fez todo o país cantar e reverenciar o grande compositor.

“Menino bom” na sua língua natal
Menino bom, que se tornou imortal
A roseira dá rosa em botão
Pixinguinha dá rosa canção…(4)

Se prestarmos atenção nos compositores de samba-enredo encontraremos alguns nomes familiares. Artistas que se tornaram grandes também fora do ciclo do carnaval. Certamente um dos mais queridos é Martinho da Vila, que traz no nome a escola, Vila Isabel. Martinho ganhou notoriedade em 1969, com a linda história da “Yayá do Cais Dourado”.

No cais dourado da velha Bahia
Onde estava o Capoeira
A Yayá também se via
Juntos na feira ou na romaria… (5)

Martinho colecionou sucessos ao longo de sua carreira. Nenhum me encanta tanto quanto o samba-enredo de 1972. A Vila Isabel veio com um tema que era mais que um confronto com a ditadura reinante. Veio ensinar, via história, o caminho para a liberdade ressaltando, acima de tudo, a importância das manifestações culturais brasileiras. Esse enredo, que fala por si, merece ser lembrado sempre:

Aprendeu-se a liberdade
Combatendo em Guararapes…

…E lá vem maracatu
Bumba-meu-boi, vaquejada
Cantorias e fandangos
Maculelê, marujada
Cirandeiro, cirandeiro
Sua hora é chegada
Vem cantar esta ciranda
Pois a roda está formada… (6)

E, como diz o velho e bom Stanislaw Ponte Preta, “assim se conta essa história”, com graça, poesia e beleza. Interesses comerciais, visando atender aos mandos e desmandos das transmissões televisivas, alteraram em muito o carnaval carioca. Todavia o samba-enredo está aí e, logo, veremos mais uma rodada de desfiles grandiosos. O que nos reserva o futuro, pra onde irá o nosso carnaval?

Certamente o carnaval irá se transformar, como tem ocorrido ao longo dos anos. Sendo festa do povo segue como o povo quer. E por mais que interfiram, por mais que as ações de marqueteiros e publicitários enfiem regras, deformando o estabelecido, as escolas de samba sobreviverão e, com elas, os alimentadores da alma de todas elas, o sambista compositor. E nós, que amamos o samba e o carnaval, continuaremos cantando essas canções.

Um compositor, João Sérgio, criou um belo samba-enredo para a União Da Ilha, em 1978, que brinca com o futuro. Pra onde irá o carnaval? No que se transformarão nossos sambas-enredo? Que tal entrar no espírito da letra da União Da Ilha e deixar correr…

Como será o amanhã
Responda quem puder
O que irá me acontecer
O meu destino será como Deus quiser

A cigana leu o meu destino… (7)

.

Até!

.

Notas Musicais:

(1) Martin Cererê (Zé Catimba e Gibi)Imperatriz Leopoldinense, 1972.
(2)Liberdade, Liberdade (Niltinho Tristeza, Preto Jóia, Vicentinho e Jurandir) Imperatriz Leopoldinense, 1989
(3)Ilu Ayê, Terra da Vida (Cabana e Norival Reis) Portela, 1972
(4) O Mundo Melhor de Pixinguinha (Evaldo Gouveia, Jair Amorim, Velho) Portela, 1974
(5) Yayá do Cais Dourado (Martinho da Vila) Vila Isabel, 1969, que está no disco de comemoração dos 20 anos de samba de Martinho.
(6) Onde o Brasil Aprendeu a Liberdade (Martinho da Vila, Rodolpho, Graúna) Vila Isabel,1972.
(7) O amanhã (João Sérgio) União da Ilhado Governador, 1978. Simone  gravou esse samba-enredo em 1983, tornando-o um imenso sucesso.

Valdo Resende. Publicado originalmente no Papolog.

O que seria da música brasileira sem eles?

Seríamos mais tristes, e nossa música seria infinitamente mais pobre. Na galeria abaixo falta gente, muita gente. Não pretendi, nem pretendo que seja completa. O post recuperado (estava no extinto Papolog) é para manifestar carinho e afeto por todos, neste Dia da Consciência Negra.

LUIZ GONZAGA, CLEMENTINA DE JESUS, PIXINGUINHA, MILTON NASCIMENTO, ZEZÉ MOTTA e PAULINHO DA VIOLA

.

PENA BRANCA e XAVANTINHO, JAIR RODRIGUES, ZÉ KETTI, ROSA MARIA, LECY BRANDÃO, MARTINÁLIA

.

DJAVAN, JOÃO NOGUEIRA ELIZETE CARDOSO, DONA IVONE LARA, CHICO CÉSAR e CARLINHOS BROWN

.

.

ATAULFO ALVES, DUDU NOBRE, ISMAEL SILVA, ALAÍDE COSTA, JORGE BENJOR e JOÃO DO VALE

.

LUIZ MELODIA, GILBERTO GIL, MARTINHO DA VILA, TONY GARRIDO, ZÉ KETTI e PAULA LIMA.

.

Poderia escrever um pouco sobre cada um. Optei para que a lembrança do artista seja de cada um, na medida em que olhe a foto. A minha lista, bastante pessoal, é afetiva.  Se eu começar a escrever sobre toda essa gente que gosto tanto, um feriado seria pouco.

Já li críticas sobre as comemorações deste dia.  Tudo bem; acho que há razões para discutir o assunto. De qualquer forma, acredito ser um bom momento para lembrar toda essa gente maravilhosa que faz a música do nosso país.

.

Bom feriado.

.

Alguns detalhes sobre Altamiro Carrilho

Antes dos primeiros versos de “Detalhes” é o inesquecível som de uma flauta que faz com que identifiquemos a canção. Altamiro Carrilho faz uma abertura brilhante para aquela que está entre as maiores canções da dupla Roberto e Erasmo Carlos. Nem sempre nos damos conta do quanto um instrumentista importa em nossas vidas; mas não dá para imaginar “Detalhes” sem aquele som simples, tão característico, evocando toda uma situação mágica e encantadora, precedendo a interpretação impecável de Roberto Carlos (Clique para ouvir).

Em 1971 Altamiro Carrilho participou da gravação de “Detalhes”. No mesmo ano, no VI Festival Internacional da Canção, a banda de Altamiro dá um maravilhoso suporte para Wanderléa. Cantando “Lourinha”, de Fred Falcão e Arnoldo Medeiros, Wanderléia deixava evidente que já estava longe da Jovem Guarda, interpretando este gracioso chorinho com o acompanhamento preciso e virtuoso de Carrilho.

Com Roberto Carlos e Wanderléa conheci o flautista genial que foi Altamiro Carrilho. Tão genial que me levou a fantasiar que a flauta foi um instrumento criado para solo de chorinhos, maxixes, marchinhas… Altamiro Aquino Carrilho (21/12/1924) começou a carreira em 1949, gravando com Moreira da Silva. “Brasileirinho” (Waldir Azevedo e Pereira Costa) e “Espinha de Bacalhau” (Severino Araújo) são gravações antológicas, tanto quanto “Tico-tico no fubá” (Zequinha de Abreu), só para citar alguns registros instrumentais.

Certamente a música “Detalhes” está entre as mais executadas nas emissoras de rádio e tv do Brasil. Não é só; Altamiro Carrilho está presente também em outros grandes sucessos; é difícil imaginar “Meu caro amigo” (Chico Buarque e Francis Hime) sem o flautista; e na gravação original da trilha do seriado Gabriela, é ele a dar um colorido especial, enriquecendo a interpretação de Gal Costa

O que e o quanto mais temos de Altamiro Carrilho em nossas vidas, na música brasileira? Se acontecer uma pesquisa aprofundada é certo que encontraremos muito mais do músico que faleceu, aos 87 anos, nesse 15 de agosto. Será um encontro com gente do nível de Pixinguinha, Vicente Celestino, Caetano Veloso, Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Jacó do Bandolim, Clara Nunes e mais, de outro universo onde estão Bach, Beethoven, Chopin… Muito, muito grande esse Altamiro Carrilho.

.

Até!

.

Nota: o falecimento de Altamiro Carrilho foi destaque em toda a imprensa. O G1 apresentou uma seleção de entrevistas que valem uma visita; clique aqui para acesso aos vídeos.

.

Bethânia, oásis da música brasileira

O lançamento do 50º álbum de Maria Bethânia celebra a carreira de uma das mais importantes cantoras da nossa história. “Oásis de Bethânia” é o título do novo trabalho, que tem na capa uma imagem do semi-árido brasileiro, em pleno sertão nordestino. Para a imprensa justificou a capa: “- Preciso lembrar que existe esse lugar no meu país. Isso me coloca do tamanho que eu sou”. Essa é a Bethânia, a mulher admirável, a mulher brasileira.

Ouvindo as dez faixas do cd,  reforço a certeza de que a discografia de Maria Bethânia sintetiza toda a música do país. Não é exagero afirmar que conhecer Bethânia é conhecer nossa música. Nos discos da cantora todos os ritmos, todas as regiões, todos os maiores compositores de nossa história. De Noel Rosa a Chico Buarque, Bethânia, que lançou em disco o irmão Caetano Veloso, canta Pixinguinha, Dorival Caymmi, Ari Barroso, Herivelto Martins, Lupicínio Rodrigues, D. Ivone Lara, Joyce, Edu Lobo, Alceu Valença…

Poxa, são 50 álbuns. A lista desse Oásis de qualidade que é a carreira de Maria Bethânia cabe muito mais nomes. De Luiz Gonzaga a Gonzaguinha, tem também Djavan, Gilberto Gil, João Bosco e Aldir Blanc, Milton Nascimento, Roberto Mendes, Roberto Carlos e Erasmo Carlos, Haroldo Barbosa, Moraes Moreira, Dominguinhos e, que me perdoem todos os outros, vou encerrar essa lista primária com Vinícius de Moraes e Tom Jobim.

Além dos maiores compositores brasileiros, Maria Bethânia celebrou, em seus discos, as grandes cantoras do país, sempre respeitosamente reverenciadas por ela. As duas cantoras mais presentes em seus discos são Gal Costa e Dalva de Oliveira. Com a amiga Gal, muitas gravações em dupla, com sucessos memoráveis, como “Sonho Meu”. De Dalva, Bethânia resgatou boa parte do repertório da mais notável cantora da era do rádio; inclusive no presente álbum, Dalva de Oliveira é lembrada através de “Calúnia” (Marino Pinto e Paulo Soledade).

Muitas outras cantoras estão nos discos, álbuns ou DVDs de Maria Bethânia. Nara Leão, Alcione, Miúcha, Sandra de Sá, Wanderléa, a cubana Omara Portuondo, a francesa Jeanne Moreau, Dona Ivone Lara e, entre muitas outras, Ângela Maria e a divina Elizeth Cardoso. Como fez com Dalva de Oliveira, Maria Bethânia relembrou em outros discos as canções de Aracy de Almeida, Carmen Miranda, Maysa, Isaura Garcia, Elis Regina…

Minha cantora preferida é incansável. Além dos próprios discos, Bethânia produziu outras cantoras, como D. Edith do Prato e a jovem Martinália e prepara, para breve, um Songbook com oito CDs dedicados à obra de Chico Buarque. Este sempre esteve nos discos da cantora. No atual, ela gravou “O Velho Francisco” com Lenine, um dos grandes momentos do álbum. Apesar de tudo o que já gravou de Chico Buarque, Maria Bethânia quer mais. Pretende abordar todas as diferentes faces do grande compositor brasileiro.

O trabalho constante de Maria Bethânia é o que faz da “Senhora do Engenho” a menina baiana que roda a saia pelos palcos do mundo todo, com uma graça e presença inconfundíveis. Estou, propositalmente, falando pouco sobre o atual disco, pois o lançamento do 50º álbum de Maria Bethânia é fato para lembrar aspectos de uma carreira brilhante, única.

Oásis é onde o caminhante do deserto mata a sede. Oásis é o lugar agradável, paradisíaco, pleno de água e sombra e conforto. O “Oásis de Bethânia” é a caatinga nordestina, o pampa gaúcho, a chapada mineira, a mata e o sertão brasileiro. A obra de Bethânia é o oásis de qualidade das nossas canções.

Maria Bethânia incomoda muita gente. Quando todo mundo engole, economiza palavras, Bethânia nos brinda com a poesia de Fernando Pessoa, Castro Alves e torna populares os densos temas de Clarice Lispector. Incomoda, porque enquanto incontáveis artistas se rendem as leis de consumo, Bethânia grava Villa Lobos, revive Catulo da Paixão Cearense, e torna populares os pontos de Oxossi, Iansã.

Enfim, se milhares de brasileiros entregam-se a uma aposentadoria precoce, vivendo apaticamente em função de um copo de cerveja, um jogo de futebol ou um ordinário programa de televisão, de outro lado, uma jovem senhora baiana,  de 65 anos, nos dá claros sinais de que está longe de parar. Gravou o 50º e prepara oito novos álbuns para o próximo ano. Depois; bom, depois virão outros e mais outros e, tomara, muitos outros!

Que bom poder beber no seu Oásis, Maria Bethânia!

Bom final de semana!

%d blogueiros gostam disto: