Tags

, , , , , , ,

Slide1

Esta data, 13 de dezembro, que anda rondando o blog, e minha página no Facebook, está relacionada com outras datas, de anos bem distantes… 1997 está entre eles. 2002, 1998, 1963… De repente, pensando em 1997, veio “Palpite”, uma boa lembrança. Não se trata de palpite de jogo do bicho e, sim, de uma música suave, bonita, grande sucesso na voz de Vanessa Rangel.

Tô com saudade de você
Debaixo do meu cobertor
E te arrancar suspiros
Fazer amor…

O sucesso é estranho; volta e meia percorre caminhos não convencionais, desmentindo alguns marqueteiros e publicitários que pensam que são deuses. Palpite, a música, teve uma divulgação extra através de novela da Rede Globo tornando-se uma das músicas mais populares de 1997, entrando com a novela também pelo ano de 1998.

Vanessa Rangel tornou-se, desde então, artista marcada por um único grande êxito: de vendas, de execução nos meios. Certo tipo de imprensa, cúmplice da fome capitalista, cobra sucessos, discos na parada, grandes vendagens, como se artista fosse telefone celular: com um novo adereço, um novo modelo por semana. A moça não repetiu o mesmo sucesso do primeiro disco e hoje atua em outra área.

A indústria precisa vender. O artista precisa produzir. Grande cilada contemporânea! Em outra área de criação, por exemplo, na pintura, não seria estúpido cobrar de Pablo Picasso um Guérnica por ano? Um Les Demoiselles d’Avignon por temporada? Nem por isso ele deixa de ser cultuado como um dos maiores artistas do século XX.

Eu sinto a falta de você
Me sinto só
E aí!
Será que você volta?

Penso que um PIXINGUINHA mais um CARINHOSO tá de bom tamanho. Para o ROBERTO CARLOS, junto com ERASMO, a posteridade já foi garantida com DETALHES e para quem tem bons ouvidos basta um COMO NOSSOS PAIS para perceber a grandiosidade da intérprete ELIS REGINA.

E aí! Será que você volta?
Tudo à minha volta
É triste
E aí!

Que artistas tenham outros sucessos, outros êxitos, uma grande carreira, tudo bem; agora, cobrar uma nova A BANDA, uma outra CONSTRUÇÃO ou outra grande criação de CHICO BUARQUE, é estupidez! Ele poderia ter parado lá em RODA VIVA ejá seria um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos.

A pressão sobre um artista é grande, constante. Quando o cara deixa de vender conforme as metas estabelecidas pela indústria é bastante comum ouvir que tal artista está “acabado”.

Tô com saudade de você
Do nosso banho de chuva
Do calor na minha pele
Da língua tua…

A grande produção artística humana passa pela pré-história, Grécia, Egito, Roma, até nossos dias, com nomes e obras que aí estão e permanecerão para a posteridade. É raro, na história humana, um SHAKESPEARE ou um MICHELANGELO. É dessa tal grande arte humana que veio o conceito de “obra prima”; essa sintetiza o que o artista foi, sua estética, seu processo criativo.

Tô com saudade de você
Debaixo do meu cobertor
E te arrancar suspiros
Fazer amor

“Palpite” é uma música popular e como tal está circunscrita no tempo, no espaço. Passa longe de Beethoven, mas permanece na lembrança de muita gente. No meu caso, de vez em quando, voltará por mero acaso ou pelos tais “detalhes” citados na canção de Roberto e Erasmo Carlos. Então continuarei cantarolando VANESSA RANGEL.

Não importa se foi apenas um grande sucesso. Vou respeitar a compositora, a cantora agradável, pelos momentos de prazer que me propiciou e continuará me propiciando com esse eterno e delicioso PALPITE. Quanto ao dia 13, sobre o que vai rolar nesse 13 de dezembro, vou segurar um pouquinho; todavia, que tal um palpite?

Até!