“Desfaze-te da vaidade triste de falar”

“Desfaze-te da vaidade triste de falar”, diz Cecília Meireles em “Não digas onde acaba o dia”; e a poetisa conclui: Pensa, completamente silencioso, Até a glória de ficar silencioso, Sem pensar.      

Aceito a minha idade

(No poema de Carlos Nejar encontro as palavras que gostaria de dizer para esse momento em que a poesia é o exercício agradável para continuar). Aceito a minha idade e a que me completa a face padecida e conquistada as derrotas caladas no meu sangue os amores poentos e chovidos e este amor que me…

Do poema para vozes

(Excerto do Auto do Frade, de João Cabral de Melo Neto, que um dia dirigi e sonho voltar a montar). Acordo fora de mim como há tempos não fazia Acordo claro, de todo, acordo com toda a vida, com todos cinco sentidos e sobretudo com a vista que dentro desta prisão para mim não existia….

Desejo de Regresso

(Entre vidas e sonhos, a ilusão do renascer, o desejo de reviver. E a vida que penso e quero é a que expressa o verso alheio tomado emprestado nesse exercício para retornar). Deixai-me nascer de novo, nunca mais em terra estranha, mas no meio do meu povo, com meu céu, minha montanha, meu mar e…

Poema

(Manhãs nubladas sob infinito céu azul. Irreversível, inesquecível. Entre cimento e asfalto, mantenho a poesia alheia nesse exercício para retornar). Oh! aquele menininho que dizia “Fessora, eu posso ir lá fora?” Mas apenas ficava um momento Bebendo o vento azul… Agora não preciso pedir licença a ninguém. Mesmo porque não existe paisagem lá fora: Somente…

Tempo de trégua

Por todos os cantos há a sensação de finitude Acentuando-se conforme antevemos o novo ano Um fim em que, por tempo restrito, prevalece a alegria. . Acordo tácito para imensa trégua Nenhuma notícia ruim abala, interfere Estamos felizes. É tempo de ser feliz. . Certa lei, implícita, determina que tudo valeu a pena Ganhos, aprendizados,…