Eu, esse mesmo eu que já foi criança

IMG_20141101_184855~2
O ciclo que permanecerá

Tenho sonhado muito com meus pais, meus avós, tios, meu irmão e outros parentes que já não estão neste plano. Também sonho com outros que continuam por aqui comigo, principalmente minhas irmãs. Sensação é a de que a família diminuiu, embora seja provável que tenha aumentado bastante. Na medida em que o tempo passa vou me sentindo mais isolado e, com isso, tenho percebido que as ondas familiares são formadas na relação de irmãos.

Minha avó, Maria, tinha como irmãs as queridas tias Aurora, Amélia, Palmira e os tios Antônio e Manuel. Todos casados e com filhos, os nossos primos. Bem verdade que vovó e seus irmãos tinham primos e tios, além dos nossos bisavós; mas, o ciclo do qual tenho maiores lembranças é desse, ligado diretamente à minha mãe. Eu, no meio desse povo todo, era o caçula da Laura. Entre os tios minha preferência era por Tia Aurora. Uma ligação filial, carinhosa, que permanece mesmo após o falecimento dela, já que ela aparece sempre em meus sonhos.

As irmãs de Laura, minha mãe, foram Olinda e Isaura. Albino e José os irmãos. Esses dois não tiveram filhos e tia Isaura teve uma filha já na maturidade. Tia Olinda teve cinco filhos, meus primo-irmãos. Os outros primos, aos montes, são frutos dos primos de minha mãe. Aqui entra a geografia, colaborando em proximidades e distanciamentos. Uberaba, São Joaquim da Barra, Ribeirão Preto, Orlândia, Campinas… lugares onde estavam todos os parentes. Para todos eles eu permaneci menino, o filho menor da Laura, que só reapareceu com o advento da internet, o Orkut, o Facebook.

Tanta gente querida! Tento resgatar as risadas gostosas das tias Amélia e Palmira, a delicadeza e o carinho da tia Aurora, o jeito brincalhão do tio Manoel contrapondo com a formalidade do Tio Antônio. Vejo-me criança observando a todos, ouvindo todo mundo. Raramente falando, pois naquela época criança entrava pouco em assunto de gente grande. Com os outros tios, irmãos de minha mãe, já foi diferente. Tia Olinda, por exemplo, tratava-nos, antes de qualquer laço, como amigos. Trocava impressões, confiava sentimentos. Tio Nino, o Albino, brincava feito moleque com meus irmãos. Minha primeira recordação dele é de estar em seu colo enquanto ele pulava corda.

O outro lado, da família de papai, ficou mais distante; lá pelos serrados de Minas e Goiás. Mesmo mantendo relações afetivas, nunca fomos próximos. A família, vejo agora, fechava-se nos laços estabelecidos pelas mulheres. Gravitávamos nas famílias das tias, muito mais do que nas famílias dos tios, maridos delas.

grande familia.jpg
Eu, a criança com cabelo claro entre meus avós.

Tempo, tempo, tempo… muita gente crescendo e tomando seu rumo. Os mais velhos indo embora de vez, permanecendo em fotos, em lembranças e sonhos. Cada ramo da nossa imensa família foi criando outros ramos, novos laços, outras famílias. Recentemente reencontrei Maria, a filha mais velha da Tia Amélia. A emoção maior foi rever nela o semblante de minha avó e, pelo que sei, ela viu em mim os traços de minha mãe. A afeição é imediatamente restabelecida. Somos família! E assim somos, mesmo que os encontros sejam raros e, mais frequentemente virtuais. – Modernidade! criticariam os mais velhos.

Com meus irmãos sinto o continuar desse eterno ciclo familiar. Vou chegando na outra ponta, a dos mais velhos, olhando para alguns sobrinhos-neto como um dia me olharam. São crianças, filhos dos meus sobrinhos, distanciando-se na ausência da convivência. Essa mesma convivência que, embora truncada, é o que faz com que a família formada por minha mãe permaneça como tal. Fico feliz vendo as relações entre meus sobrinhos, irmãos que prosseguem dando sentido a esse mundo.

Entre o eu que fui para todos os que já se foram, o eu que vive entre os vivos e o eu, quase desconhecido para os mais novos está um eu “universal”, aquele pelo qual me denomino, que pode ser o menino conduzido pelo avô no passeio vespertino, ou o filho caçula cuidado pelo pai, acariciado pela mãe. O mesmo eu que recebeu proteção da tia avó e dos irmãos mais velhos, que teve primos como companheiros e primeiros grandes amigos.

Gosto dos meus cabelos brancos, tão brancos quanto foram os cabelos de meu avô e da Tia Aurora. Gosto de sorrir com a mesma calma que a Tia Olinda e adoro contar histórias, herança de todos os tios que me antecederam. E no meio de tudo isso, entre todas as lembranças que emergem a cada palavra que escrevo, vejo-me menino, entre essa gente toda, tornando a ser criança agora, quando percebo nada saber e pouco entender dessa vida que, volta e meia, completa-se nos sonhos onde caminho novamente com todos aqueles que me auxiliaram nos primeiros passos.

Feliz dia das crianças para todos!

Até mais!

Presépios, para um Natal feliz

 

Presépio com Daniel.jpg

Ronaldo, Inimar, Marquito são os anjos. Anivaldo e Terezinha, os pais. Daniel, o menino Jesus.

Neste, como em muitos anos repete-se o ritual. O natal se torna visível nas diversas manifestações imateriais como folias, cantatas, missas ou através de elementos materiais: guirlandas,  árvores, ou um presépio… Eu gosto de presépio tanto quanto gosto de quem o criou, São Francisco de Assis; o Santo queria representar as condições do nascimento do menino Jesus.

O presépio mais encantador da minha infância foi, sem dúvida, um que foi construído pelo “Senhor Fumaça”, um artesão de mão cheia que, durante o dia, trabalhando em uma cerâmica, lá mesmo, aproveitando-se de sobras de materiais e do forno local, criou toda uma representação de Belém.  A sala na casa de D. Castorina era toda ocupada pelo presépio criado pelo marido (Essa casa, antes ocupada por meus pais, foi onde nasci!).

Presépio bem tradicional, aquele era composto por imensa gruta e, dentro desta, cabanas, palacetes, casas de diferentes tipos, todas em cerâmica. Estrelas, luzes coloridas. Animais domésticos, selvagens. Grupos de viajantes, caravanas e, entre essas, aquela que conduzia os magos para visitar o Salvador prometido. Das pequenas traquitanas criadas pelo “Senhor Fumaça” é nítida a lembrança de um monjolo que, abastecido por pingos de água exercia sua função de moagem de grãos. Crianças, entre uma brincadeira e outra, corríamos céleres em intervalos de tempo precisos para ver o objeto em movimento.

Jovem, atuante na mesma paróquia do Bairro Boa Vista, e já envolvido com teatro, chegou a minha vez de conduzir uma representação; um presépio vivo de lembrança muito especial. Na foto acima meu irmão caçula, Daniel, com cerca de nove meses de vida, foi o menino Jesus sobre a manjedoura. José e Maria (Anivaldo e Terezinha) cuidam da criança, protegidos por três jovens anjos (Ronaldo, Inimar e Marquito).  Nada de excepcional, exceto a lembrança de um momento nosso; feito com seriedade, reverência e, certamente, fé.

Presépio 2016.jpg

Não sei há quanto tempo monto o presépio em minha casa. Gosto de realizar pequenas mudanças, alterar a composição da montagem e assim, em cada ano, fica diferente e sempre igual. Meu presépio tem, fundamentalmente, a função de me conduzir aos primeiros natais com minha família, ou na casa da Tia Olinda, em Ribeirão Preto, ou ainda na casa de meus avós, em Campinas. Ato familiar, as comemorações de natal reforçam minha fé no novo, naquilo que devo percorrer mesmo com perdas dolorosas pelo caminho. Meu lastro são as lembranças, reforçadas e reconstruídas em cada dezembro.

Feliz Natal pra todos!

Mulheres fortes e determinadas

mamae
D. Laura: pequenas ações que levaram outras mulheres para batalhas maiores

Sou parte de um grupo formado por homens que têm a própria mãe como parâmetro perante todas as outras mulheres. Em múltiplas situações penso quais seriam as consequências na vida de D. Laura, a minha mãe… Melhor que um perfil, há as histórias que nunca serão esquecidas.

Houve época em que era difícil viver no bairro Boa Vista, em Uberaba. A Avenida Elias Cruvinel, antigo corredor de boiadeiros, era também saída da cidade para Belo Horizonte.  Forasteiros, aventureiros e retirantes, além de mendigos e malfeitores estavam entre os que passavam por lá. A polícia aparecia em casos extremos.

Papai Bino ensinou mamãe a atirar. Simples assim. Uma lata plantada no meio do quintal e meus pais brincando de tiro ao alvo mandando que eu, bem criança, ficasse longe. Como desobedecer? Não vou saber a marca, o modelo; todavia, era uma arma capaz de dar dez tiros seguidos. Não demorou para que mamãe usasse tal aprendizado em defesa de nós, seus filhos.

Papai viajando. Durante o dia, brincando no quintal, quebramos o vidro da janela da copa e, até a volta de meu pai foi colocado um pedaço de folha de zinco, presa com um arame, fechando o buraco deixado pelo vidro quebrado. Não deu outra! Tarde da noite, mamãe e minhas irmãs foram acordadas por barulho de um possível assaltante tentando tirar a folha de zinco e, consequentemente, buscando invadir nossa casa.

Mamãe apontava a arma bem em frente à folha de zinco, ameaçando estourar a cara do intruso. Tensão total. Do outro lado, o sujeito mostrava dificuldade em tirar a proteção da janela. Para evitar um tiro no rosto do indivíduo mamãe foi até a janela da sala ao lado e, abrindo-a parcialmente atirou uma, duas, três vezes! Do outro lado ouviu-se a voz de um vizinho que, alcoólatra, devia pensar estar na própria casa. Saiu dizendo “-Não sou ladrão, não atirem!” e, resultado positivo, consta que o sujeito nunca mais bebeu.

Outra história. Volta das férias na casa dos avós, em Campinas. Mamãe com todos nós mais a irmã, nossa Tia Olinda, com os filhos. Duas mulheres e nove crianças viajando de trem, na extinta Companhia Mogiana. Em Ribeirão Preto, destino da tia e primos, despedida acalorada, foi o momento para que dois gatunos roubassem a carteira de minha mãe. Um passou e abriu a bolsa, o segundo tirou a carteira. Avisada a tempo, minha mãe partiu para cima dos dois assaltantes que, impedidos de sair por passageiros que entravam no vagão, foram retidos por mamãe exigindo e conseguindo a devolução do que nos pertencia.

Mamãe; uma mulher forte e corajosa.  Enfrentou batalhas maiores, cotidianas, para educar os filhos; trabalhou incessantemente para que os mesmos tivessem a possibilidade de frequentar boas escolas e fossem além da alfabetização, completando a formação escolar. Ela veio de um mundo onde às mulheres cabia obedecer, seguir o que era determinado por pais, maridos. Foi na contramão e impôs perante meu pai o desejo de que fossemos para o colégio. Mamãe batalhou bastante. Em alguns momentos a saúde faltou, mas logo depois ela já estava na labuta. O que somos hoje devemos à determinação de minha mãe.

Foram pequenas ações de mulheres lutando por sonhos e ideais que levaram outras mulheres a espaços mais amplos, para batalhas infinitamente maiores. Telma de Souza, Benedita da Silva, Luisa Erundina e, entre várias outras, Dilma Rousseff são exemplos de mulheres fortes e determinadas, lutando em arenas tradicionalmente masculinas. Além das lutas pelas propostas que as levaram à política percebe-se, frequentemente, a batalha maior perante uma sociedade machista. E elas seguem em frente.

Este texto não é político. É humano. Minha admiração por essas mulheres cresce a cada vez que as percebo enfrentando com dignidade e galhardia as atitudes machistas dentro e fora da arena política. Recordo as lutas cotidianas de minha mãe e de outras mulheres com as quais convivi. Lutas pequenas se comparadas às batalhas contra os desvarios interesseiros de políticos corruptos. Todavia, certamente como com minha mãe, as primeiras lutas dessas mulheres ocorreram dentro de casa, enfrentando pais, irmãos homens, maridos. Revejo o brilho do olhar de minha mãe no olhar dessas grandes mulheres; ouço palavras e constato a determinação de ferro.

Profundo respeito e gratidão eterna; o mínimo diante de gente assim. Para elas desejo momentos de puro carinho. Momentos, porque não terão trégua. Momentos, pois é certo que elas logo continuarão a lutar.

Feliz dia das mães!

Até mais.

 

Um bonde de lembranças

Em Santos, o bonde que me trouxe lembranças.
Em Santos, o bonde que me trouxe lembranças.

A Rua Ari Barroso, no bairro Taquaral, em Campinas, me é bastante cara. Nela moravam meus avós. A casa ficava em esquina com a Rua Antonio Bonavita. A linha da Companhia Mogiana corria paralela à Rua Ari Barroso e do alpendre da minha avó avistávamos as pessoas chegando ou saindo da cidade. O trem passava sempre rápido, e a imagem da minha avó, de pé, acenando, continua presente. Era aceno feliz saudando os parentes que chegavam; era aceno triste, cheio de lágrimas quando as filhas e netos voltavam para Uberaba ou Ribeirão Preto.

Um pouco abaixo da linha de trem havia outra linha, do bonde que ia para o “furazóio”, na época, o fim da cidade. Ambas as linhas ficavam entre a Ari Barroso e o Ribeirão das Anhumas, que naqueles tempos era um triste córrego, esgoto a céu aberto. Quem estava no trem, de longe, sabia o ponto exato da casa de meus avós porque havia duas árvores, rentes à linha, quase em frente à Rua Antonio Bonavita. Às vezes, ficávamos aguardando o trem ao lado dessas árvores e era possível ouvir com clareza as palavras de despedidas ditas pelos passageiros. De lá, também, avistávamos o bonde, com o barulho do motor propulsor, mais a haste arrastando-se na rede elétrica, fazendo som peculiar. Eu adorava bondes.

Os bondes de Campinas tinham as laterais abertas e os bancos eram sem divisões, indo de uma lateral à outra. Sobre os estribos o trocador cobrava as passagens e o motorneiro seguia tranquilamente para seu destino. Quando muito frio, ou com chuva, havia uma espécie de cortinas que fechavam as laterais, protegendo as pessoas das intempéries do tempo.

José e Maria, meus inesquecíveis avós.
José e Maria, meus inesquecíveis avós.

Eram tempos felizes porque éramos dez netos aboletados na casa dos avós, brincando, lendo revistas, assistindo televisão que, pra nós, era grande novidade. Falava-se muito! Uma pequena pinimba entre meu padrinho Nino e meu tio Manoel questionava qual seria a maior cidade: Ribeirão Preto ou Campinas. Tio Manoel, de Ribeirão, afirmava ser esta maior que Campinas. Pra tirar a teima o tio Nino resolveu nos levar até ao mirante do castelo, para lá de cima constatar o quanto Campinas era maior que Ribeirão Preto. Hoje, infelizmente, o Google resolveria a questão em segundos; graças a Deus, sem a web, ganhamos um belo passeio no domingo seguinte, pela manhã. De bonde!

Dito e feito, no domingo seguinte dez netos saíram da cama e foram constatar o tamanho de Campinas nos anos de 1960. Voltando pra casa, era mês de janeiro, viemos em outro bonde, uma linha que terminava na Avenida Nossa Senhora de Fátima. Uma tempestade imensa caiu sobre a cidade e, já quase molhados no bonde, descemos sob a chuva para a casa da avó, ensopados e felizes. Não recordo nada ruim desse dia. Estávamos encharcados e famintos, doidos pra chegar e almoçar as delícias feitas por nossas mães, nossa avó.

Depois, já crescido, habituei-me com velha piada do mineiro que compra bondes. Eu compraria bondes; muitos! Em um país tropical, como o nosso, ter meios de transporte arejados seria sinal de inteligência. Evitaríamos todas as mazelas do ar condicionado, da lataria quente dos meios atuais. No final desta semana, em Santos, em frente ao hotel estava o bonde que me fez escrever esta história, lembrar o porquê de gostar tanto desse meio de transporte. Bonde me traz a Campinas dos meus avós, de toda a minha família, de reuniões de férias sempre alegres e cheias de brincadeiras.

Bendita internet. A rua, a esquina e o espaço onde estavam as linhas.
Bendita internet. A rua, a esquina e o espaço onde estavam as linhas.

Bendita internet. A casa ainda está lá. Vejo alterações, fico ressentido e não me permito divulgar imagem de uma casa que já não é mais nossa. Mas, o outro lado… Das linhas, raros sinais. Nem trem, nem bonde. Sem acenos, sem poesia.  Pelo menos há árvores e, me parece, pássaros, espaços para lazer. Todavia, eu adoraria ouvir aquele barulhinho do bonde, passando tranquilo, arejado, indo e vindo, incansável e, na minha lembrança, cheio de pessoas felizes.

Até mais.

Nosso Deus, o celular

nosso deus, o celular

Nesta manhã li que uma mãe atirou o filho na parede porque ficou nervosa ao ver a criança mexer no celular. O garoto, de dois anos, faleceu. Ela escondeu o menino de dois anos no interior de um sofá e, depois, acionou a polícia denunciando o desaparecimento da criança. O fato nos dá a medida extrema do lugar ocupado pelo poderoso aparelho em nosso cotidiano.

Tenho a impressão de que o menor uso do celular, na atualidade, está no objeto como meio de comunicação em si, indispensável. O que é realmente necessário dizer ao nosso interlocutor? Se alguém diz que vai para algum lugar, quando nos comprometemos a comparecer a tal encontro, qual a real necessidade de ligações do tipo “estou saindo”, “estou no trânsito” “já estou aqui”? Ontem presenciei quatro ligações “importantíssimas” de uma companheira de viagem. Na rodoviária: “- já estou dentro do ônibus”; após a partida: “-Acabamos de sair”; uma hora e pouco depois: “- Onde você estava, porque não atendeu? Fiquei ligando, ligando… já passamos Ribeirão Preto”. Mais tarde: “- Já passamos Jundiaí” e, poucos minutos depois: “-Entramos na Marginal”. Não me cabe julgar o que cada um classifica como importante para ser comunicado. Casos como o que presenciei ontem, penso, são para psicólogos.

O celular comporta um monte de joguinhos. Também li que esses passatempos são ótimos e atendem diferentes tipos de necessidades. Aqui, acredito que é só estabelecer o que é passatempo e distinguir isso de vício que tá tudo bem. Vício, é bom lembrar, instala-se sorrateiramente em nossas vidas. Afirmamos que bebemos socialmente, fumamos só um pouquinho e todos nós sabemos como, sem controle, onde isso vai parar.

Quando dizem que o celular é instrumento de trabalho, parceiro para alguns, ele não deixa seu caráter fundamental de meio de comunicação. Acessamos nossas contas bancárias, participamos de reuniões estando do outro lado do planeta, vendemos e compramos tanto o necessário quanto o cacareco inútil e por aí vai. O celular, e todo avançado derivado desse, é o grande e poderoso meio de comunicação do século XXI.

O ser humano nunca se contentou em ser um minúsculo ponto diante da grandiosidade do planeta. Na atual fase da nossa civilização extrapolamos os limites físicos e criamos um mundo virtual. Estamos neste através da informática, com infinitas possibilidades, limitada para um considerável contingente que se contenta em usufruir tão somente das redes sociais. Tenho a impressão de que é aqui que reencontro a mãe do garoto assassinado em Minas Gerais.

Pessoas que residem em cidades praieiras convivem com a falsa igualdade propiciada pelo traje de banho. Seminus, bronzeados, alegres ao sol, parecemos todos iguais perante um belo verão. Temos essa possibilidade “melhorada” no mundo virtual. Tiramos as manchas da pele, as rugas e somos amigos de personalidades importantes, de artistas. Nas redes sociais esbanjamos felicidade; a comida é farta, a bebida é abundante. Ampliamos nosso mundinho para milhares de amigos e, suprassumo da rede, somos seguidos por outros. Nas redes, conta mais quem tem maior número de seguidores. Quando isso não ocorre, contentamo-nos em seguir, em fazer parte da vida de quem admiramos. Nas redes sociais podemos simular o mundo que queremos.

O telefone de antigamente era pra falar com o parente distante, chamar o médico, a polícia, os bombeiros. Usávamos o dito cujo até para conversar com amigos, mas tínhamos o limite da conta telefônica – sempre caríssima! – e a restrição da família, já que era raro mais que um aparelho por residência. Hoje, quase todo mundo tem telefone. Smartphone é o termo adequado. Isso é muito bom; um inquietante receio é o de que algumas pessoas, como a tal mãe, tenha só o tal smartphone. Um aparelho que subverte a realidade da pessoa colocando-a em um mundo por essa idealizado. Quando esse mundo é ameaçado a reação é brutal e, horror dos horrores, uma mãe joga o pequeno filho na parede.

Seria estúpido condenar à fogueira tanto o celular quanto seus usuários. A história já teve sua cota de fogueiras que só fizeram retardar, por pouco tempo, o avanço propiciado por novos objetos, novas tecnologias. Longe de proibir, de impedir, cabe educar. Esse triste fato volta a fazer com que se bata na mesma tecla da educação, da formação adequada que é direito de todo e qualquer cidadão. O processo educacional é algo demorado e grandes transformações  levam tempo. Mas não custa insistir na reflexão. Todas as instituições que buscam o bem comum podem discutir e orientar as pessoas para o uso adequado do celular, da internet e similares. O assassinato do garoto mineiro é um ápice, a ponta de um iceberg que tende a crescer.

 

Até mais!

Maio, gado zebu e os cavaleiros do céu em Uberaba

Expozebu by valdoresende.com

 

Com sete, oito anos, o maior evento da minha terra era sinônimo de mexericas. Lembro-me de caixas e mais caixas de poncãs postas à venda nas imediações e dentro do PARQUE FERNANDO COSTA, em Uberaba, MG. Desde então, maio é sinônimo de mexericas com suas cores vivas, o cheiro delicioso, o sabor de infância. Para alguns uberabenses pode ser um acinte, mas é a pura verdade. Minhas primeiras recordações da Exposição de Gado Zebu – EXPOZEBU – são de mexericas. Junto com elas, a voz de CARLOS GONZAGA, cantando “Cavaleiros do Céu”.

.

Vaqueiro do Arizona, desordeiro e beberrão

Seguia em seu cavalo pela noite do sertão

No céu, porém, a noite ficou rubra num clarão

E viu passar num fogaréu, um rebanho no céu

Y-pi-a-ê, y-pi-a-ô, correndo pelo céu…

.

É difícil expressar o quanto uma música reaviva nossos sentimentos, nossas lembranças. Nos finais de tarde, dos primeiros dias de maio, o rodeio era a atração final das atividades da Exposição Agropecuária. No colo, ou sobre os ombros de meu pai, eu ganhava altura para ver os poucos segundos em que um cavaleiro conseguia manter-se sobre a cela de cavalos muito bravos. Torcia para que conseguissem; ao mesmo tempo, ria muito com os tombos homéricos que levavam. A música de GONZAGA indicava o fim da festa.

Y-pi-a-ê, y-pi-a-ô, correndo pelo céu…

.

Zebu, Nelore, Guzerá… Os galpões cheios com as cabeças de gado mais valiosas do país. Desfiles intermináveis dos animais e, hoje em dia, recordes anuais nos diversos leilões durante a EXPOZEBU.  É muito difícil encontrar alguém que não saiba o que é, onde fica Uberaba. Há décadas o evento vem dando notoriedade para a cidade, sempre prestigiado por governadores de estado e presidentes da república. Essas autoridades, frequentando a cidade, contribuíram para torná-la conhecida por meio mundo.

.

As rubras ferraduras punham brasas pelo ar
E os touros como fogo galopavam sem cessar
E atrás vinham vaqueiros como loucos a gritar
Vermelhos a queimar também, galopando para o além
Y-pi-a-ê, y-pi-a-ô, seguindo para o além

.

Nunca fui ao Baile do Governador, ou do Presidente, ou qualquer outro. Eu era criança. Esses bailes foram parar na literatura brasileira como, por exemplo, no romance “O Encontro Marcado”, de Fernando Sabino; também ficou nacionalmente conhecido um caso amoroso de Juscelino Kubitschek, iniciado nos salões de Uberaba, através da minissérie global. Na trilha sonora da época, CARLOS GONZAGA imperava.

.

Sem saudosismos, mas em outros tempos, a festa no Parque me parecia maior. Havia desfile de fanfarras dos Colégios Cristo Rei, Diocesano e, lembro-me bem de um ano, quando por lá foram os Maristas, de Ribeirão Preto. Eram verdadeiras batalhas daqueles grupos musicais, formados basicamente por percussão e instrumentos de sopro, com seus uniformes de gala. Acho que hoje a expressão “uniforme de gala” virou coisa de museu…

.

Centelhas nos seus olhos e o suor a escorrer
Sentindo o desespero da boiada se perder
Chorando a maldição de condenados a viver
A perseguir, correndo ao léu, um rebanho no céu
Y-pi-a-ê, y-pi-a-ô, correndo pelo céu

.

Guardo também com nitidez a lembrança dos desfiles das rainhas da exposição; moças da cidade, cada uma representando um clube local. Desfilavam em carros alegóricos, vestidas com trajes típicos representativos do clube ou do evento. Ah! A memória… Lembro-me bem de Dilma Jacinto Xavier, uma loira linda, com olhos muito verdes, irmã de uma colega que estudou comigo no Cristo Rei, e de Mara Lúcia Fontoura, uma moça belíssima, representante do Jockey Club.

.

A EXPOZEBU permitiu-me ver de perto, durante todo o tempo em que morei em Uberaba, Governadores e Presidentes. Até fui parar nas páginas da revista Veja, em foto que me tornou popular perante os colegas, em reportagem sobre o evento (na foto eu estava de “bicão”, é claro!). Anos depois, meu irmão caçula foi parar no colo do então governador Aureliano Chaves. A criança e meu pai, ambos sorridentes, sem considerar o ato populista do político. Era apenas festa.

Sempre estive mais perto dos bifes...

Hoje, me parece, a festa agropecuária voltou-se mais para os negócios, os leilões, a feira propriamente dita. Em outros tempos o Parque Fernando Costa apresentava grandes astros, como Roberto Carlos. Atualmente parece que os eventos que marcam os mais jovens são as grandes festas com DJs e um atrativo open bar: Whisky, vodca, cerveja, caipiroska, água, refrigerantes e frutas! (Será que tem mexericas?).

.

Faz tempo, talvez nove anos e, mais uma vez, ocorreu um acontecimento, uma experiência divertida que marcou minha vida e a de meus irmãos. Um parque de diversões instalado no recinto da EXPOZEBU estava com uma tentadora “montanha-russa”. Fomos, eu e todos os meus irmãos, para a grande aventura. Cheios de uma coragem, vinda sabe-se lá de onde, os seis filhos de D. Laura e Seu Bino, mais próximos da terceira que da primeira idade, subiram na geringonça para sair do outro lado, trôpegos, pernas bambas, corações acelerados, rindo como crianças travessas.

.

Um dos vaqueiros, ao passar, gritou dizendo assim

Cuidado, companheiro, ou tu virás pra onde eu vim

Se não mudas de vida tu terás o mesmo fim

Querer pegar num fogaréu, um rebanho no céu

Y-pi-a-ê, y-pi-a-ô, correndo pelo céu.

.

Hoje somos cinco irmãos. Tudo muda, é inevitável; mas, graças a Deus, há ótimas recordações. Somo a essas boas lembranças, o sincero desejo de que minha cidade faça todo o sucesso do mundo, nesses primeiros dez dias de maio, com sua grande festa que, espero sinceramente, venha com muita grana para os criadores de gado, tenha muitas mexericas para o deleite de todos e, quem sabe, até passe por lá um cavaleiro do céu.

.

Y-pi-a-ê, y-pi-a-ô, correndo pelo céu.

 .

Até!

 .

Notas:

A primeira versão deste texto foi publicada em 2009, no Papolog. Os versos acima são da canção Cavaleiros do Céu (Ghost Riders in the Sky, Stan Jones); versão feita por Haroldo Barbosa, com gravação mais recente de Milton Nascimento, como podemos ouvir abaixo:

 

 

 

 

 

O que haverá por trás da fábrica emperrada?

Fábrica?
Fábrica? Onde?

A construção de uma fábrica de planta de amônia, da Petrobrás, em Uberaba, Minas Gerais, está parada. O empreendimento que deve gerar 3.500 empregos foi interrompido há mais de um ano; o principal impedimento para a continuidade do projeto, publicamente alegado, é no mínimo absurdo: um parecer da AGU – Advocacia Geral da União diz que o local não poderia ser abastecido por um gasoduto proveniente da cidade de Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo.

A manchete de hoje, 16 de Julho, do Jornal O Tempo, é: “Burocracia ameaça tirar fábrica de R$ 1,2 bi de Minas”. Como assim, burocracia? Quais são as tramoias políticas a serviço de jogo escuso que impedem a continuidade do projeto? Minas Gerais e São Paulo estão em guerra? Não pode haver acordo entre as duas cidades? Estão sobrando empregos em Uberaba?

Tudo começou em março de 2011, quando D. Dilma Rousseff assinou protocolo de intenções para implantação da fábrica. Em outubro seguinte a Advocacia Geral da União (AGU) deu parecer contrário ao gasoduto de distribuição. Agora, em 2013, a secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Dorothea Werneck, exige uma solução, “mesmo que o resultado seja desfavorável a nós”.  Como assim, D. Dorothea? O que a senhora perderá com isso, já que seu emprego está garantido?

Gostaria muito de saber o que há realmente por trás de tudo isso. D. Dilma, que é PT, favoreceria tal empreendimento ao estado governado por Antonio Anastasia, que é do PSDB? Como fica nesse imbróglio a prefeitura de Uberaba, que é do PMDB? Os senhores da Advocacia Geral da União que certamente não recebem salário mínimo agiram pelo singelo desejo de preservar… O que mesmo?

Assim continua a história do país. Por uma suposta burocracia (quem acredita nisto?) está emperrado um empreendimento já iniciado – portanto, gastos já foram feitos – e que deve gerar 3.500 empregos. O mais irritante é que alguém atrás de uma sigla, no caso a AGU, impede o andamento de um projeto que deve beneficiar milhares de pessoas. Quem é esse sujeito? Para qual “União” ele trabalha?

Também hoje, li um artigo de Leonardo Boff sobre as recentes idas do povo às ruas que, entre outras coisas diz: “Ninguém se sente representado pelos poderes instituídos que geraram um mundo político palaciano, de costas para o povo ou manipulando diretamente os cidadãos.”  Sem acreditar nas instituições, resta gritar nas ruas pelos nossos direitos. Uberaba precisa de mais empregos. Tai uma causa que merece passeata.

.

Até mais!

.