Marcela Godoy, Escritora e Roteirista

Mais um território em que autoras se destacam, as Graphic Novels são romances ilustrados, em que se faz comum a união entre desenhistas e escritores. Tendência que vem ganhando força no mercado editorial, para falar dessa especialidade, convidamos a premiada Marcela Godoy.

Autora e roteirista referencial do segmento. Entre seus trabalhos destacam-se “Romeu e Julieta”, “Macbeth”, “A Dama do Martinelli” e “Fractal”.

“Papa-Capim: Noite Branca”

O primoroso texto de Marcela Godoy e o belo traço de Renato Guedes uniram-se para nos presentear com o volume “Papa-Capim, Noite Branca”.

Papa-Capim, personagem de Maurício de Souza, investe-se da missão de acabar com uma ameaça sobrenatural capaz de pôr fim à sua aldeia, Noite Branca. Daí para a frente, a Graphic Novel da dupla nos levará a uma trama surpreendente.

Para falar dessa e de outras obras, mais o universo das Graphic Novels, o Trem das Lives recebe a autora nesse domingo:

Trem das Lives

Domingo, 04.07.21, 18h00

Instagram

Esperamos você.

Romeu e Julieta

Conheci Shakespeare via Romeu e Julieta. A tragédia foi filmada por Franco Zeffirelli em 1968 teve um brutal sucesso. Meu tio Ulysses levou toda a sobrinhada ao cinema, mês de dezembro, para ver o filme que fazia sucesso. Criança, não sabia de tragédia, de Verona, de Shakespeare. O filme é digno da peça e é de uma beleza arrebatadora. Pouco tempo depois tinha, na cabeceira da minha cama, um imenso pôster de Olivia Hussey.

Minha geração foi privilegiada por muitas coisas. Entre elas por conhecer o teatro de Shakespeare via Zeffirelli. Segue um pequeno trecho da cena V, com fotos do filme em questão, quando Romeu encontra Julieta e tem ali o início do grande amor e da tragédia que encanta multidões.

Romeu e Julieta, Cena V

.

Romeu e Julieta, Encontro dos dois amantes

.

Romeu e Julieta, diálogo das mãos

.

Romeu e Julieta, de Franco Zeffirelli

.

Romeu e Julieta, de Shakespeare

.

Romeu e Julieta, 1968

.

Leonard Whiting e Olivia Hussey

Boa semana!

Nota:

Ao longo do mês de março publicarei alguns textos ou parte de textos de poetas, escritores e dramaturgos que foram essenciais na minha formação. Quero dividir com os leitores deste blog trechos preciosos que, bom enfatizar, nunca é demais divulgar.

O primeiro contato

Em algum momento, quase sempre imperceptível, duas pessoas estabelecem “o” contato. Algo além do desejo físico, da mera atração ou dos interesses materiais de qualquer ordem.

O contato referido não precisa ser no primeiro encontro; pode ocorrer bem depois desse e, para um grande número de pessoas pode ser o único. Quando esse contato acontece nos damos conta que o tipo físico é secundário. Que as características descritas pelos astrólogos não contam e, para aqueles que acreditam em ciganas e similares, ninguém recorda as previsões nas cartas, nos búzios, nas linhas das mãos.

Quando estabelecemos contato, sentimo-nos diante do total desconhecido e, com segurança ou com receio, nos entregamos, pois a única coisa que intuímos é que aquele momento, aquele encontro, é irreversível. Parece que foi pré-estabelecido, predestinado. É, para muitos, manifestação do destino; para outros, resgate de outras vidas onde, em lugar indeterminado, dois seres marcaram encontro para esta existência.

Sendo dia dos namorados, fica estabelecido que penso em grandes afetos, paixões ternas, amores profundos, sensações arrebatadoras. E depois de um dia cheio de tantas coisas, muitas delas de preparativos para comemorações e reafirmações de afetos entre pessoas apaixonadas, minha sugestão é essa: buscar e tentar reviver a magia do primeiro contato.

Não o instante do esbarrão, da apresentação desinteressada por alguém, do encontro inesperado ante a condução perdida, mas o instante do primeiro olhar, daquela faísca que conduziu uma sensação indefinida até ao coração e, chegando lá, explodiu em euforia e certeza, fazendo-nos admitir: estou apaixonado! Que todos possam reviver esse instante, abraçadinhos nessa noite fria de junho, ou no calor de algum outro lugar desse nosso Brasil.

.

Até mais!

.

Nota:

As imagens acima são do filme Romeu e Julieta, dirigido por Franco Zefirelli.

%d blogueiros gostam disto: