O que causa é algo que faz parte de nós

Eco, Santiago, Dirceu, Nina/Rita, o Juiz, tudo com muito sexo em tons de cinza… Que história!

Volta e meia usamos a expressão “melhor ouvir besteira que ser surdo”. Por dentro guardamos um não revelado desejo de que o autor da besteira fique mudo. Ou uma indignação: porque ele não nasceu mudo? Problema maior é quando o autor da besteira está assentado na experiência cotidiana, contemporânea, também conhecida como realidade…

Escrever é tarefa difícil. Fazer um livro de sucesso parece fácil. A receita pede muita ação, o mesmo tanto de sexo. Esse, com variações apimentadas como adultério, sodomia, probabilidade de incesto. Homicídios e vinganças também estão na ordem do dia, com a novela global matando um por dia. A morte em si, não basta para o sucesso; há que se ter muita pancadaria. Parece que bofetões provocam orgasmos.

A “besteira” que ouvi, chamava a atenção para o interesse menor de determinados produtos (livros, filmes, documentários, programas de tv, shows) sobre outros. Aqueles de maior sucesso contam escândalos políticos, crimes, roubos, enfim as polêmicas todas que param a sociedade, atenta no desenrolar de tais fatos. Dramas familiares também provocam interesse. Um estranho deleite. Assim, para fazer sucesso, obter mais audiência, vender mais, o caminho parece claro.

O final do mundo, que está próximo, é um bom tema. Vende muito mais, provoca mais interesse que livro religioso. Escárnio também interessa, principalmente se um adversário informar ao torcedor do time rival a receita de sobrevivência na segunda divisão. Brincar de revelar grandes conspirações vale se o autor conseguir fazer com que acreditem na coisa; nesse aspecto, iria causar furor as revelações de como a televisão – agente de um poder ligado à Igreja medieval – atua no controle da massa, conspirando para o resultado das eleições através das lágrimas de Nina e dos ataques histéricos de Carminha.

Escrever é difícil, fazer sucesso é fácil. Desde que saibamos fazer a coisa, foi o que me disseram. Assim, fiquei pensando em Pirandello, na peça “Seis Personagens à procura de um autor”, sentindo-me não personagem, mas autor procurando um escândalo, uma história bem cabeluda, uma conspiração mais que perversa. Alguém pode me dar uma idéia? Uma sugestão de sacanagem não publicada, escândalo brasileiro não registrado?

O título acima foi manipulado (oh!). A frase, original de Umberto Eco, publicada pela Revista Época diz: “O que causa repulsa no inimigo é algo que faz parte de nós”. Por isso, diz Eco, que o “o inimigo sempre figura como uma espécie de monstro: tem de ser repugnante, feio e malcheiroso”.  Assim, parece que faz parte de nós todas aquelas tramóias de Santiago (Juca de Oliveira é magistral!); também há em nós os juízes e os ladrões no Mensalão, as verdades e as mentiras do jogo político. Ficamos indignados com um simples empurrão na mocinha e nos deleitamos com os tabefes dados na vilã.

Colocar sexo, bofetões, roubos, intrigas, conspirações… Isso em uma história razoavelmente bem escrita e – Bomba! – teremos muito mais que “Cinquenta tons de cinza”. Teremos um retrato estranho daquilo que socialmente repudiamos, mas que, reafirmando Eco, faz parte de nós.

.

Até mais!

.

Opções para noites frias

O feriado acabando, o frio pegando pesado e ao dependermos da televisão as opções são, no máximo, morninhas. Teremos os filmes “B” na Globo, o humor baseado nas situações de sempre do CQC, as “profundas situações vivenciais” em A Fazenda e por aí vai. Não dói nada desligar a televisão e, mesmo em casa, há sempre a possibilidade de ver e fazer coisas interessantes. As sugestões abaixo também entram na categoria “férias”; se não for hoje, há possibilidade de programar uma terça-feira melhor.

Sugestão 1

Calvin e Haroldo para boas gargalhadas.

Ganhei dois livros do Calvin no meu recente natalício. Um veio do Cadu Blanco; o outro, do casal Olszenski (que nome chic esse!) Claudia e Victor. É lamentável saber que há pessoas que desconhecem Calvin e seu urso Haroldo (Calvin and Hobbes), criação do genial Bill Watterson. Para evitar lamentações, vamos apresentar a dupla:

Calvin tem seis anos de idade. É um garoto inteligente e solitário, que brinca com um urso de pelúcia. Para Calvin, o urso Haroldo tem vida e com ele o menino trava diálogos engraçados, apronta brincadeiras e peraltices enlouquecendo os pais, a professora, a vizinha. Para toda e qualquer situação Calvin tem tiradas ácidas, críticas, com um humor inteligente e sagaz.

Bill Watterson criou Calvin e Haroldo em 1985 e durante exatos dez anos publicou tirinhas em mais de 2000 jornais de todo o mundo com as aventuras do menino com seu brinquedo. Vencedor de prêmios pela qualidade de seu trabalho, Watterson tem uma visão de mundo bem clara e definida, exposta através das relações entre Calvin e os pais, a escola, os amigos e o mundo. As posições do autor aparecem nas ações das personagens; ele não permite a comercialização da imagem de Calvin, impedindo o lançamento de produtos que tenham relação com a personagem. Nem mesmo em vídeo Calvin será visto (como ocorreu com Mafalda, por exemplo). Os últimos lançamentos originais sobre Calvin ocorreram em dezembro de 1995.

Sugestão 2

Noites românticas ao som da voz quente de Maysa

Nem todo mundo tem um grande amor, mas há sempre algo para lembrar, algo para reviver. Quem está com o seu “benzinho” aí ao lado, cheio de calor para trocar, nessas noites de inverno, deve aproveitar o momento e embalar muitos carinhos com a voz e a beleza da inesquecível Maysa.

“Intensa Emoção” é o nome dado ao DVD da cantora, falecida prematuramente em 1977. Maysa deixou uma obra repleta de romance, amores profundos, relações pungentes em músicas inesquecíveis. Ouvir Maysa já é muito bom; melhor ainda rever os olhos belíssimos, o sorriso encantador, a bela e fina estampa de uma das maiores cantoras e compositoras brasileiras.

O DVD é registro de um programa exibido pela TV Cultura em 1975. Maysa fala e canta, na gravação que está nos moldes do programa Ensaio. Há os grandes êxitos da compositora, as interpretações inesquecíveis (só por Ne Me Quitte Pas, de Jacques Brel vale comprar o DVD), cobrindo todas as fases da carreira da cantora.

Sugestão 3

“Shame” Um filme denso para adultos

“Shame” (Vergonha) é um filme perturbador. Um homem vive em função de sexo. Todos os momentos da vida do cidadão são comandados por ações ou interesses sexuais. Ele é bonitão, profissional bem sucedido e o que poderia ser visto como “a vida que pedi a Deus” é, na realidade, um grande drama. Insatisfeito, sem amar ninguém, sem conseguir estabelecer uma relação saudável, o rapaz é refém de seus desejos, suas vontades. Sexo é algo além do ato físico e quando este algo mais não ocorre, o jeito é sair atrás de outra relação para complementar o que não se teve na primeira. E assim inicia-se uma onda que gera vício.

Michael Fassbender interpreta o publicitário obcecado por sexo. Com ele vive a irmã, com uma interpretação impecável de Carey Mulligan. Carente, a moça é aquele tipo que denominamos pegajosa, o que se traduz em atitudes possessivas. Os telefonemas que a moça, uma cantora noturna, dão são constantes, insistentes e de tão desesperadores chegam ao engraçado.

“Shame” foi dirigido por Steve McQueen e é opção para ver as consequências da vida nesse nosso mundo moderno.  O título foi mantido no Brasil. As personagens de Shame parecem condenadas a não encontrarem saída, solução. São centradas em si, em suas necessidades e não enxergam o outro. O embate entre os dois irmãos é explosivo. Um momento imperdível e que entra para a galeria de cenas inesquecíveis é quando Carey Mulligan canta New York, New York. A atriz reduz a grandiosidade da canção através da emissão de um fio de voz, tênue, tímido, sonhador, possibilitando outra visão da canção famosa e manjada.

As aventuras de Calvin, o som de Maysa, a reflexão e diversão profunda em “Shame”. Há sempre algo acessível, bem melhor que telas quentes e afins.

.

Até mais!

.

%d blogueiros gostam disto: