Informações Precárias

Os trens da linha 7 são velhos e com funcionamento precário.
Os trens da linha 7 são velhos e com funcionamento precário.

Segundo a Folha de São Paulo, em matéria publicada quarta-feira “A volta pra casa do Paulistano é complicada após a chuva que provocou transtornos durante a tarde e a noite…”.  Se chuva provoca transtornos o jeito é rezar pra seca total. Nossos problemas terminarão…

O mesmo jornal, em matéria online (veja link abaixo), na última quarta-feira, dia 25, segundo a assessoria do metrô (O JORNAL SÓ FALA COM A ASSESSORIA!) o tumulto na Estação Barra Funda começou quando “alguns passageiros atiraram objetos contra as bilheterias e houve alguns bate-bocas e empurrões”. O jornal completa, ainda segundo tal assessoria, que “a polícia e os seguranças do metrô foram ao local”.

Nenhuma menção a tiros de borracha contra passageiros inocentes. Nenhuma menção a gás de pimenta atirado contra a população na plataforma lotada. Nenhum comentário sobre o descaso da CPTM para com os usuários do trem da linha 7.

Um jornal que se diz sério, que alardeia “credibilidade” deveria no mínimo ouvir os dois lados. Obviamente a assessoria do Metrô nem a CPTM informaram da forma absurda de tratamento para com os passageiros, chegando mesmo a desligar o ar de vagões lotados.

Vai aqui um pequeno relato que somado ao de outras pessoas daria uma versão completa da situação:

Entrei na Estação da Luz por volta das 18h. Os alto-falantes anunciavam insistentemente a suspensão de trens da linha 7. Em nenhum momento foi informado alguma previsão de retorno ou o acionamento de ônibus para os passageiros, ou qualquer outra solução. A circulação de trens está suspensa; dane-se! É o que dá a entender as mensagens da CPTM.

Por volta das 18h50min chegou o trem na plataforma um e aí sim, foi informado que a composição iria apenas até a Estação Barra Funda. O trem estava caindo aos pedaços, como a maioria das composições que transitam pela linha 7, e o sistema de som interno não funcionava. Lotado, a viagem seguiu lentamente até a Barra Funda que já estava também lotada.

Na medida em que o trem foi entrando na Barra Funda não foi avisado aos milhares que lá estavam que o mesmo não seguiria em frente. Resultado óbvio: milhares tentando entrar à força em vagões lotados de gente que queria e precisava sair, pois o condutor do trem DESLIGOU O VENTILADOR (ar condicionado só em composições novas).

Coloquem-se no lugar de milhares de pessoas espremidas dentro de um trem, sendo empurradas brutalmente por outro tanto do lado de fora. Não há som, não há avisos de que o trem não prosseguirá. Alguns indivíduos passam mal, outros entram em desespero, outros se revoltam e estes, com o passar do tempo, começam a xingar e a dar pancadas nas paredes.

O jornal FOLHA DE SÃO PAULO, que se diz sério, informa que a polícia militar e a segurança do Metrô foram ao local. Foram! Foram sim! Com balas de borracha e tiros de gás de pimenta contra passageiros que só queriam chegar ao trabalho ou voltar para casa. Três adolescentes, vândalos, entraram no mesmo vagão em que eu estava, gritando e batendo em bancos e janelas. Estavam desarmados! Atrás deles entrou a tropa de choque, armada até os dentes. Os tiros de borracha estavam direcionados corretamente, mas o gás atingia a todos, assim como o pavor de estar encurralado dentro de um vagão.

Não me cabe julgar a ação da polícia que foi chamada para conter ações de vandalismo. Com certeza absoluta temos direito a informação correta e é o que se espera de um dos principais jornais deste país. Quais as intenções desse jornal em escamotear os fatos e informar unilateralmente? O que é preciso discutir é a incapacidade da CPTM de lidar com situações, no mínimo, corriqueiras, já que este é um país tropical e chuvas são uma constante.

A CPTM informa precariamente seus passageiros. Não é padrão disponibilizar transporte alternativo em caso de impedimento na circulação de trens? Quanto tempo leva para o escoamento das linhas do ramal 7? Porque os trens para Osasco são novos, circulam bem e continuamente e os trens para Jundiaí são tão precários e param por qualquer coisa? Para esta questão a desculpa, esfarrapada, é de que os trens novos são velozes e não conseguem manter tal velocidade com o excesso de curvas do ramal 7. Esses trens novos não podem andar na velocidade dos atuais e com isso garantir mais conforto para os usuários?

A Estação Barra Funda, na última quarta-feira, tornou-se um campo de guerra. A sensação é de que Metrô e CPTM prestam favores, quando deveriam prestar um serviço garantido pela Constituição Brasileira. Dotada de um sistema de som que poderia ser usado para orientar todos os presentes, inclusive quanto à ação repressiva necessária, omite-se e sobra então o sentimento de que os policiais não estão presentes para garantir a segurança dos cidadãos, mas apenas os interesses e a precariedade de duas empresas em lidar com algo tão natural e constante: uma chuva.

Senhores da Folha de São Paulo, que tal ouvir os dois lados de uma questão? Senhores da CPTM e do METRÔ, que tal treinar seus funcionários para lidar com problemas, informando rapidamente as possíveis soluções para seus usuários?

Até mais!

(Clique aqui para ler a publicação da Folha de São Paulo)

De volta ao trem

trem metropolitano

Sou daqueles mineiros que adoram um trem. Gostamos tanto de trem que incorporamos a palavra ao nosso cotidiano. Trem é quase tudo, inclusive meio de locomoção. Depois de anos de congestionamentos, decidi voltar a utilizar o transporte público. Cansei de ficar parado em congestionamentos e de praguejar contra outros motoristas. Agora sou pedestre e usuário de trem, metrô, ônibus e táxi. Vou bem, obrigado.

Às vezes nos esquecemos de que nascemos sem carro e que é muito bom não ter preocupação com essa geringonça. Voltar ao antigo estado, de pedestre, tem sido gratificante.  E de usuário de trem, melhor ainda. O metrô, dizem, é mais rápido, mas incomoda-me demais caminhar nesses buracos, feito tatu. Do trem fico olhando os grafites sensacionais que há ao longo de muros, paredes de edifícios. Também vejo o céu; quase sempre nublado, mas sempre é o céu. E há as pessoas, meus companheiros de viagem.

Trem - Valdo Resende

Andei quase que exclusivamente de carro por mais de duas décadas. Considerando a atenção necessária para quem dirige em uma cidade como São Paulo penso que olhei muito, mas quase não vi a cidade; menos ainda as pessoas. A cidade continua rica em possibilidades e com milhares de facetas e nuances propiciando divagações insuficientes para uma única vida. E as pessoas… Bem, muita coisa mudou nesses anos todos; todavia, o ser humano continua sendo o que há de mais interessante sobre a face da terra.

Os trens dão bem a vasta dimensão da diversidade humana. Cheios de gente de todas as raças, todos os credos, de diferentes classes e origens. Gosto de gente; de observar com discrição as pessoas, já que sendo mineiro não sou “entrão”. E silenciosamente adivinho histórias, intuo outras, percebo alguma realidade. Vejo amores, ódios e indiferenças; grandes amigos, companheirismo e, sobretudo o isolamento. Parece que a maioria das pessoas não gosta do trem. Entram rapidamente, saem mais rápido ainda. Também, o trem não é o que deveria ser em conforto e comodidade.

tremblog3

Gostaria de indicar o trem metropolitano para todo mundo. Todavia, lamento, essa condução é para poucos. Nossos governos, em todas as esferas (municipal, estadual e federal) não investem tanto quanto deveriam, pois têm o rabo preso com a indústria automobilística. É tão óbvio que a melhoria do sistema de transporte público melhoraria todo o tráfego da cidade e, fundamentalmente, a vida das pessoas! Se político representasse povo os meios de transporte seriam de primeira!

Da janela do trem vejo avenidas lotadas de veículos parados, ou trafegando lentamente. Sinto-me então bastante feliz e satisfeito dentro do vagão, mesmo quando este está cheio.  Não estou em total conforto, mas chego ao meu trabalho após poucos minutos e posso caminhar tranquilamente, com muita serenidade pela Rua Santa Marina, na Água Branca. Sou apenas um cidadão e posso afirmar que há menos um carro nas ruas da cidade. Absolutamente insignificante, mas enquanto caminho, insisto em sonhar com trens melhores, em maior número, para conforto de todos, tornando São Paulo uma cidade melhor.

.

Bom final de semana!

.

Trem grande, trem pequeno… O tamanho das coisas

Estamos próximos do dia 21 de abril, quando terminará a exposição “Guerra e Paz”. E antes que os dois grandes murais de Candido Portinari deixem São Paulo, cabe um último estímulo para quem ainda não esteve no Memorial da América Latina: uma reflexão sobre o real tamanho das coisas.

Por mais que sejam precisas as imagens são do tamanho do suporte que usamos para vê-las. Grande, médio ou pequeno, é só um suporte: o papelão, o vídeo, a tela do computador… É comum ouvirmos a expressão “imagem perfeita”, mas até mesmo as imagens em 3D perdem em dimensão para a realidade. O exemplo “da hora” pode ser a obra de Portinari, bastante divulgada com esta foto:

Qual é mesmo o tamanho das coisas?

Os murais “Guerra e Paz” (14 x 10m) foram pintados entre 1952 e 1956. Foi um presente encomendado pelo governo brasileiro para presentear a sede da ONU, em Nova York.  É legal perceber que as medidas – 14 x10m – são meras referências numéricas. Vista a reprodução acima, faria pouca diferença aumentar ou diminuir esses números. Na real, perante uma fotografia sempre carecemos de algo com o qual possamos estabelecer uma relação de escala com o objeto retratado. O padrão que mais nos facilita a compreensão do real tamanho das coisas é o próprio ser humano, já que temos uma idéia bem clara do que seja o tamanho de um adulto.

No painel central, imagem menor, o próprio pintor diante dos murais.

Pedi ao meu amigo Octavio Cariello que fizesse a foto acima com a intenção mesmo de fixar a verdadeira dimensão do trabalho de Portinari. Como está para o mundo. Como realmente é. E as pessoas todas no ambiente tornam-se pequenas em relação aos dois murais. É bom frisar que certamente, para aqueles que não forem até ao Memorial (O prazo está acabando!) as chances de conhecer de perto essa obra serão bem menores.

De São Paulo a exposição irá para Belo Horizonte (Qual é o real tamanho da Igreja da Pampulha, também esta com pinturas de Portinari?) e depois, para outros lugares. Quando voltar em definitivo para os EUA, se for mantido o esquema anterior, os murais ficarão em área reservada. Nem aquele turista visitante da sede da ONU terá chance de ver, ou rever “Guerra e Paz”. Restarão fotos, vídeos e outros materiais visuais com suas limitações.

Com todo o meu respeito aos grandes fotógrafos – que com um olhar bastante específico oferecem-nos imenso prazer estético – nada supera o contato direto; a experiência de estar em meio ao “trem”. (“Trem” é tudo – coisas, situações e pessoas – reduzidas pelo mineiro nessa simpática expressão. Para um mineiro há “trem bão”, “trem doido”, “trem chato”, “trem esquisito” e, o máximo, é quando escapa uma fala tipo “essa coisa é um trem esquisito, sô”.)

Mineiro que sou, recorro às expressões da minha terra, que me são comuns e, assim, possibilitar ao outro o entendimento do que vai pela minha alma. Só posso recorrer ao “mineirês” para que entendam o que é estar diante, por exemplo, do mar: “- Eita, trem grande, sô!” E foi exatamente o “Eita, trem grande, sô!” que exclamei, bem baixinho, diante da obra de Portinari.

“Eita, trem grande, sô!”

Sei lá o que cada visitante pensa diante da obra do grande pintor. Muito menos o que dirá aquele que ainda não foi. Só sei que é um momento raro, imperdível, para ver “esse baita trem que Portinari pintou”.

.

Bom final de semana.

.

%d blogueiros gostam disto: