A trajetória de Giacometti em São Paulo

Uma ampla exposição na Pinacoteca do Estado aproxima a obra de Alberto Giacometti do público paulistano. Foi aberta em 24 de março último e irá até 17 de junho deste ano de 2012, o que amplia as possibilidades de que visitantes de outras cidades e estados possam vir até São Paulo para visitar a mostra.

Pinturas e esculturas, com a mesma maestria

Giacometti nasceu na Suíça, em 1901, mas viveu em Paris de 1922 a 1966, ano em que faleceu. A exposição que está na Pinacoteca é da coleção da “Fondation Alberto et Annette Giacometti”, apresentando obras do início da carreira do artista, passando por várias etapas que compreendem obras do Cubismo, Surrealismo, correntes abstratas e o retorno à figuração. Concretamente, são telas, esculturas, xilogravuras e peças de arte decorativa.

A exposição é impressionante. O domínio técnico do artista é a base para todas as viagens, todas as experiências formais. Giacometti trabalha com elementos mínimos e com grandes objetos; domina a representação da realidade assim como se expressa, alterando a realidade, criando novas perspectivas ou abstraindo formas, sugerindo outras, novas e inusitadas.

Nos retratos pintados ou nas esculturas, o fascínio do artista pela cabeça humana fica evidente. Cabeças achatadas, cabeças esculpidas em diferentes escalas, chegando a admiráveis figuras mínimas que parecem esculpidas em um palito de fósforo, todavia guardando graça e elegância. É notável também a criação de figuras esguias, silhuetas femininas que esbanjam leveza e suavidade. Nas paisagens, imagens de seres emergem de montanhas através dos traços do artista.

Esculturas esguias, elegantes e o autor, entre seus trabalhos.

Ao longo da exposição, distribuída por 12 espaços, mais o espaço central da Pinacoteca, o Octógono, alguns estranhamentos:

Na primeira sala, dedicada à primeira fase do artista, a curadora optou por colocar alguns desenhos de nus atrás de uma parede, como se os escondendo em uma censura velada. O que diria o próprio artista sobre essa decisão?

Em outra sala, é lembrado o encontro entre Giacometti e Jean-Paul Sartre, o intelectual que escreveu dois importantes ensaios sobre o artista. Algumas citações de Sartre, escolhidas pela curadora, foram impressas nas paredes da sala. Nessas, optou-se por frases de grande efeito, mas de conteúdo vazio. O problema não é Sartre.

Finalmente, na Pinacoteca sempre foi permitido fazer fotografias fora das salas de exposição. Os corredores têm sido áreas livres para a ação de fotógrafos amadores. A curadora proibiu as fotos. Uma atitude antipática quando somamos à proibição o preço do catálogo: R$ 120,00.

A exposição vale uma ou várias visitas. Os pequenos pormenores são pequenos. E serão esquecidos, enquanto que as obras do artista estarão aí, para o deleite de todos nós.

.

Boa Semana

.

Registre:

Exposição Alberto Giacometti

Pinacoteca do Estado de São Paulo, Praça da Luz, 2

Informações adicionais: 3324 1000

Até 17 de junho de 2012

Autor: valdoresende

As formas de expressão dominam minha vida. E aqui, neste blog, pretendo escrever sobre elas, sobre meu cotidiano, as coisas e pessoas que curto. Sou professor, escritor, diretor teatral, mestre em artes visuais pela UNESP e um pouco mais. Frutos de uma vida, graças a Deus, intensa.

2 comentários em “A trajetória de Giacometti em São Paulo”

  1. Valdo, sempre nos dando dicas interessantes! Quanto as fotos, poderiam pedir que fossem sem flash pois não danificam em nada as obras, né? Enfim…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s