A Era do “Tempo Real”

“Se me perguntarem o que é a minha pátria direi:
Não sei. De fato, não sei
Como, por que e quando a minha pátria
Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água
Que elaboram e liquefazem a minha mágoa
Em longas lágrimas amargas.” (*)

minha casa
“A minha pátria tem uma quentura, um querer bem…”como se fosse meu lar, minha igreja, minha rua

É tão nova, tão recente essa pátria do “tempo real”! Sou, como milhões de outros brasileiros, de um tempo em que a notícia chegava sob a ótica das grandes empresas jornalísticas – as maiores sempre comprometidas com o poder em exercício ou querendo derrubar este – ou então os fatos vinham em canções, poemas, artigos de “Pasquins” e similares. Em nossa casa, entre o fato e o receptor cultivava-se a salutar desconfiança mineira.

Mineiros amavam Juscelino Kubistchek, trabalhadores reverenciavam Getúlio Vargas e Jânio Quadros era folclórico com seu falar rebuscado, propício a piadas e chistes. Vieram os militares e o brasileiro, apesar do medo, aprendeu a pedir um chope “Castelo Branco”, referindo-se ao diminuto pescoço do finado Marechal.

Antes do final da ditadura, em 1985, o mundo já vivenciava o surgimento da Internet, uma das maiores de todas as revoluções do planeta; e a história determinará exatamente quanto tempo durará essa transição. Sim, vivemos uma transição complexa, perturbadora, que ouso chamar de “Era do tempo real”. Um tempo em que a figura do porta-voz vai sumindo, pois interessa a fala do dirigente, do responsável que mostra a cara para o mundo tentando esconder as reais sensações, o que está por trás da fala.

O Brasil ficou atento aos olhos de Dilma Roussef encarando publicamente a denúncia de impeachment, tanto quanto aos olhos e gestos de quem aceitou tal pedido, Eduardo Cunha, o presidente da Câmara.  Dilma não escondeu a tensão; Cunha não escondeu o cinismo e, talvez, a prova mais contundente desse cinismo é a escassez de defesa quanto à classificação do ato do presidente da Câmara como chantagem.

Acabo de ver o pronunciamento do Governador de São Paulo anunciando retroceder na decisão da reorganização escolar. O Governador disse ter ouvido a população… Ouvidos lentos demais para uma situação iniciada em setembro e, é bom enfatizar, compartilhamos reações também em “tempo real”. Sobram insinuações de que o dirigente retrocedeu após ver despencar sua popularidade. Boa parte da população continuará discutindo a truculência policial exercida sob o comando de Alckmin.

Transição complexa essa que vivemos em tempos de Internet. A crença popular da corrupção de nossos políticos muda de esfera, concretizando-se na visão da fala trôpega, dentes trincados, olhos tensos que chispam ódio e interesses particulares. Visto que há gente boa nesse mar de personalidades duvidosas, outras palavras deverão voltar ao cotidiano para classificar os líderes necessários; estão esquecidas, pouco usadas, mas são palavras preciosas, tais como impoluto, hombridade, caráter…

Impoluto é antonímia de corrupto. Próprio de gente digna, honesta, virtuosa. Hombridade – essa tem sido cada vez mais rara – é própria de quem tem retidão de caráter, honradez; o que levaria, por exemplo, o atual vice-presidente a posicionar-se publicamente a respeito da atual situação em que foi colocada a Presidenta. – São tempos de Internet, senhor Temer! Sua postura de rato aguardando o andamento da tempestade é visível para todo o planeta!

Caráter, já nos deixou o filósofo Heráclito, é “o conjunto definido de traços comportamentais e afetivos de um indivíduo, persistentes o bastante para determinar o seu destino”.  É isso que a “Era do tempo real“ evidencia. As ações e reações de nossos dirigentes fotografadas, filmadas, testemunhadas por todos os que acessam a rede, desvendando o sujeito e dando rumo ao futuro do mesmo.

Citei Vinícius na epígrafe e penso nele enquanto tento refletir. Vejo noticiários e fico triste com o país que não é aquele que vivi na infância, nas carteiras escolares; meu país, o poeta já anunciava e eu resistia, teimava em não perceber:

Pátria minha… A minha pátria não é florão, nem ostenta
Lábaro não; a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta… (*)

Essa pátria da “era do tempo real” ficará melhor. Aprenderemos e teremos a visão instantânea de quem pretender nos dirigir. Estamos vivendo tempos de adeus aos “Rodrigues”, “Civitas”, “Mesquitas” e “Marinhos” que agora perdem para o celular do jovem estudante que mostra a violência policial, assim como são meros transmissores do assassino que joga uma pedra de dois quilos assassinando o morador de rua. As famílias que nortearam e forjaram opiniões via jornal, rádio e TV, ficarão na história, incapazes de manipular a expressão do homem das ruas.

Eu sonho e acredito nas boas perspectivas que a “Era do tempo real” nos propicia. E poderei a despeito de tudo o que há por aí, continuar repetindo o poeta que amo tanto:

Mais do que a mais garrida a minha pátria tem
Uma quentura, um querer bem, um bem
Um libertas quae sera tamem
Que um dia traduzi num exame escrito:
“Liberta que serás também”…

… Pátria minha, saudades de quem te ama… (*)

Até mais!

(*) (Vinícius de Moraes – Pátria Minha)

4 comentários Adicione o seu

  1. StressBandido disse:

    Caramba Mestre, sensacional!

    A Política vive o pouco que resta de caráter, discursos carregados de pleonasmo que limitam a resposta à 0.

    Mas a Pátria ainda vive e aos poucos algumas guerras impostas por um sistema se enfraquece, houve a vitória dos estudantes.

    Saudades

    1. valdoresende disse:

      Obrigado, Clayton. Abração

  2. valdoresende disse:

    Obrigado, Clayton. Abração.

  3. Walcenis disse:

    Vivi toda essa evolução sempre com a esperança de um mundo melhor. Hoje… Impera.a desesperença. Não consigo me iludir com uma dose que seja, de otimismo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s