Meu romance, nosso livro!

Com Marise De Chirico
Marise De Chirico

Não faz muito tempo que Fátima Borges elogiou o texto que Vânia Maria Lourenço Sanches escreveu após ler os originais do meu romance, “dois meninos – limbo”. “Fátima comentou: – Você sabe escolher as pessoas. Lindo texto!”. Agradeço a Deus por isso. A publicação do romance foi, sem dúvida, a reunião de um grupo especialíssimo de profissionais que, com muito orgulho, chamo de amigos.

La atrás, quando redigi os capítulos iniciais tive primeiros leitores bem atentos: Marise de Chirico, Fernando Brengel, Octavio Cariello e a já citada Fátima Borges. Leram os originais, contribuíram com discussões e foram os primeiros revisores ainda na ortografia antiga. Na nova ortografia a revisão, já impressa, é de Fátima Borges. Cariello é o autor do prefácio que me deixou bastante emocionado e que, creio, fará o mesmo com muitos leitores. Brengel, além de contribuir com uma leitura apurada foi um dos principais divulgadores do evento de lançamento tendo escrito uma resenha e um depoimento maravilhoso sobre todo o projeto.

Flávio Monteiro, Fernando Brengel e Fátima Borges
Flávio Monteiro, Fernando Brengel e Fátima Borges

Conheci Marise de Chirico na UNESP quando ela concluía graduação em Artes Plásticas e posteriormente fizemos pós-graduação em Artes Visuais. Nesta, foi de Marise o projeto gráfico da minha dissertação (lindo!) e agora, depois de muito tempo, tenho a honra de ter um livro com a concepção gráfica de Marise e a participação dos funcionários do Estação Design, para quem só tenho a agradecer. Além do projeto do livro, todas as peças de divulgação do lançamento são assinadas pelo Estação Design.

Ao longo do processo de transformar um projeto em realidade foram surgindo outros profissionais e, graças aos céus, sempre entre amigos.  A impressão de convites e marcadores de livro foi gentileza de Adriana Aguiar Rangel e o belo banner criado pelo Estação foi impresso por Andrea Rezende. Alguns encontros com Marta Blanco direcionaram o processo e foram fundamentais para a decisão de publicar “dois meninos – limbo”. Com os conselhos de Victor Olszenski e de Flávio Henrique Monteiro Gomes tomei decisões mais acertadas e, completando esse time de leitores pré-livro, Nina Borges Amaral que contribuiu com uma resenha que me deixou muito feliz.

Nina Borges Amaral (acima), Andrea Rezende e Adriana Aguiar Rangel
Nina Borges Amaral (acima), Andrea Rezende e Adriana Aguiar Rangel

Sem dúvidas, o romance é meu, mas o livro é nosso. Devo dividi-lo com todas essas pessoas queridas mais uma, Claudia Regina Bouman, para quem quero deixar registrada minha mais profunda gratidão. Literalmente, todas as etapas de produção do livro tiveram a participação de Claudia. Em um país como o nosso, onde a burocracia ameaça afogar todas as iniciativas, carecemos de profissionais que enfrentem com delicada frieza todos os entraves que ameaçam minar o trabalho de muitos. É o caso dessa moça! Com competência e suavidade, Claudia foi fundamental para que eu chegasse ao final dessa etapa com saúde.

Com Claudia Regina Bouman e Victor Olszenski
Claudia Regina Bouman e Victor Olszenski

Com certeza, Fátima Borges acertou em cheio. Sei escolher pessoas. “Dois meninos – limbo” é um romance que saiu para o mundo “na mais fina companhia”. Essas pessoas são profissionais extraordinários, comprometidos e dedicados que me proporcionaram um lançamento de sucesso e, certamente, continuarão colaborando e torcendo pelo êxito do nosso livro que, agora, inicia seus primeiros passos por esse mundão de Deus.

Até mais!

Um 2012 com a “filosofia” de Ascenso Ferreira

Acredita-se que Darma é recompensa por boas ações. Eu acredito. Por exemplo, fiz alguma coisa legal e por isso só aparece pernambucano gente fina na minha vida. Tem o Octavio Cariello, a Zulina de Lira, o Renato Menezes, a Andrea Rezende… o Alceu Valença, sua música fantástica e o Ascenso Ferreira.

O poeta em escultura do piauiense Demétrio Albuquerque Silva Filho

Alceu e Ascenso combinam bem, embora o segundo tenha falecido em 1965.  Quem conhece a música de Alceu sabe da poesia de Ascenso:

Zabumba de bombos,
Estouro de bombas,
Batuques de ingonos,
Cantigas de banzo,
Rangir de ganzás…

          — Luanda, Luanda, onde estás?
          Luanda, Luanda, onde estás?

Quem cantou “Maracatu”, com o ritmo contagiante de Alceu, celebrou a poesia do modernista pernambucano. Poemas marcantes, em ritmos e vozes marcantes, como a da baiana Maria Bethânia que somou Ascenso Ferreira + Ferreira Gullar + Heitor Villa Lobos resultando em um irresistível “Trenzinho Caipira”:

Vou danado pra Catende

Vou danado pra Catende

Vou danado pra Catende

Com vontade de chegar

Lá vai o trem com o menino

Lá vai a vida a rodar

Lá vai ciranda e destino

Cidade noite a girar…

Eu, que busco melhorar sempre, resolvi escolher a poesia de Ascenso Ferreira para nortear meu 2012. O poeta escreveu um poema, “Filosofia”, que resume tudo o que eu quero para este novo ano:

Hora de comer — comer!
Hora de dormir — dormir!
Hora de vadiar — vadiar!

Hora de trabalhar?
— Pernas pro ar que ninguém é de ferro! 

E porque amo demais todos os meus familiares e amigos, estendo a estes essa simples e maravilhosa “Filosofia”. Vamos celebrar um ano com essa filosofia do pernambucano que não conheci pessoalmente, mas que curto tanto quanto os conterrâneos do poeta de Palmares, acima citados.

Feliz 2012 para todo mundo!