Um “Samba” e as primeiras escolas

samba 3

Por acaso revi cenas de “Samba”, com Sara Montiel, ou Sarita, como também era chamada. Vi esse filme com a atriz e cantora espanhola no Cine Metrópole, em Uberaba, provavelmente em 1965, ano em que o filme foi lançado. A personagem interpretada por Sara desfila pela “Acadêmicos do Salgueiro” e foi assim que vi, pela primeira vez, uma escola de samba carioca.

Além de desfilar pela escola a estrela de “La Violetera” ainda canta várias versões em espanhol de músicas brasileiras: “Na Baixa do Sapateiro” (Ary Barroso), “Sábado em Copacabana” (Dorival Caymmi) e, entre outras, “A noite do meu bem” (Dolores Duran).  “Samba” tem roteiro razoável que dá espaço para a beleza da atriz, além de números musicais “para inglês ver”. Há uma disputa, no filme, para ver quem será o destaque da escola: a Xica da Silva, como se tal coisa fosse a mais importante do desfile (excluem a ideia do concurso, da participação de outras escolas…).

(No trailer, destaque também para a participação dos brasileiros GRANDE OTELO, ZENI PEREIRA e CARLOS ALBERTO)

Na verdade, Xica da Silva foi enredo do Salgueiro em 1963, ano de produção do filme quando, contam, Sara ficou por aqui durante seis meses. Nesse ano Isabel Valença entrou definitivamente para a história do carnaval carioca desfilando como destaque da escola. É também nesse ano, 1963, que a Salgueiro colocou sambistas dançando minueto, iniciando toda uma história de alas marcadas, comuns em todos os carnavais. O carnavalesco Arlindo Rodrigues inovou e obteve o primeiro lugar no desfile carioca.

(SALGUEIRO na  avenida, com Sara Montiel como o destaque que foi, no desfile real, de Isabel Valença)

Antes do filme tenho vagas lembranças de carnaval de rua em Uberaba; pouco tempo depois, já pré-adolescente vi desfiles em Ribeirão Preto (na lembrança ficou a Acadêmicos da Vila Paulista) e em Campinas (Estrela Dalva, a escola que não esqueci). Com quatorze, quinze anos, já assistia os ensaios da escola de samba uberabense, Os Bambas do Fabrício, onde a grande atração era a passista Fátima, que paralisava todos com beleza e samba de primeira qualidade.

Foi em uma TV, ainda em preto e branco, que passei uma noite vendo o desfile do Rio de Janeiro. Em 1974, quando a Acadêmicos do Salgueiro foi novamente campeã, com o enredo “O Rei de França na Ilha de Assombração”. O que ficou realmente inesquecível desse carnaval foi a vice-campeão Portela, com “O mundo melhor de Pixinguinha” (Jair Amorim, Evaldo Gouveia e Velha).

“… A roseira dá rosa em botão

Pixinguinha dá rosa canção

E a canção bonita é como a flor

Que tem perfume e cor…”

É incrível o quanto algumas imagens trazem outras. Quem quiser pode conferir: Sarita Montiel dança samba da mesma forma que dança rumba. É uma mulher belíssima. Todavia, nas imagens do filme, são figurantes cariocas que mostram ao mundo o verdadeiro samba. Há até mesmo passos de gafieira em plena avenida. O filme vale por mostrar faces de um Rio de Janeiro, do carnaval e dá ideia concreta de como eram os desfiles nos anos de 1960. Vejam as cenas e curtam os sambas “abolerados”, a beleza de Sarita, mas, sobretudo os belos momentos da Acadêmicos do Salgueiro imortalizados na película.

Veja outros vídeos disponíveis de cenas do filme:

Para ver a versão de “Aquarela do Brasil” clique aquarela do Brasil

A versão de “Na Baixa do Sapateiro” está aqui.

Em “Fantasia”, de Gregório Garcia Segura e Jesús Maria de Arozamenta duas crianças mostram um gracioso modo de sambar; veja clicando aqui.

Até mais!

A volta de “Florilégio Musical II, Nas Ondas do Rádio”

Florilégio II

Eu gosto de rádio. De um rádio que é difícil encontrar. Rádio com música brasileira de qualidade, sem imposição de gravadoras para artistas de ocasião. Incomoda-me, bastante, alguns locutores e locutoras da atualidade que falam como se estivessem narrando uma corrida de cavalos, confundindo ritmo com velocidade. Um programa de rádio “ao vivo”, daquele dos bons, volta aos palcos, agora no Teatro Eva Herz.

Carlos Moreno, Mira Haar e Patrícia Gasppar são estrelas de um show que poderia estar na Rádio Nacional, na Mairink Veiga, na Rádio Record ou em outra qualquer, entre tantas emissoras que reinaram nos anos de 1930, 1940 e 1950. Os atores-cantores brincam com um repertório vasto, passando pela nata dos nossos compositores (Pixinguinha, Noel Rosa, Joubert de Carvalho, Ary Barroso), com ênfase em intérpretes como Marlene, Emilinha Borba, Nelson Gonçalves e muitos outros.

Vi este trabalho em dezembro, quando em cartaz no Museu da Casa Brasileira. O espetáculo é envolvente não só para quem gosta e conhece um pouco da história do período, mas para quem aprecia a música brasileira, boa o suficiente para atravessar qualquer barreira temporal.

Há formas de ver e maneiras de perceber esse Florilégio Musical. Parece saudosista com o vestuário que remete aos reis e rainhas do rádio; pode ser visto como um espetáculo conservador, somando-se as boas interpretações aos arranjos e direção musical de Jonatan Harold. O diretor geral, Elias Andreato, realizou um espetáculo com leveza que, em dado momento, brinca com o momento em que vivemos. E é aqui que percebo outro espetáculo: aquele que deixa evidente o quanto estamos distantes – nas emissoras de rádio e TV – dos bons musicais que tornaram populares nossos grandes cantores e compositores e fizeram da música brasileira uma das mais importantes no mundo.

Vejam! Vale a pena.

Florilégio Musical II: Nas Ondas do Rádio, está no Teatro Eva Herz, começa nesta sexta-feira, 31 de janeiro, às 21h. Fica em cartaz até 30 de março. Informações sobre horários e valores dos ingressos pela bilheteria do teatro: 3170 4059.

Até!

.

Ary Barroso e o Dia Do Samba

ary barroso

Dizem que o samba nasceu na Bahia e se desenvolveu no terreiro da Tia Ciata, no Rio de Janeiro. Depois ganhou meio mundo! No próximo dia 2, segunda-feira, será comemorado o Dia Nacional do Samba. Dois lugares no Brasil costumam comemorar legal esse dia: a Bahia e o Rio de Janeiro. Nos demais estados a data passa quase esquecida. É engraçado perceber que, por exemplo, o “Dia das Bruxas” faz mais adeptos que o dia do samba. Resolvi lembrar com uma semana de antecedência, para reverenciar o samba dentro dos conformes.

Penso que Minas Gerais, por exemplo, deveria comemorar o Dia do Samba com maior pompa. Pelo menos na cidade de Ubá,onde nasceu ARY BARROSO. Para que não sabe, o Dia Nacional do Samba surgiu para comemorar a data em que, pela primeira vez, ARY BARROSO visitou Salvador. Uma justa homenagem ao grande compositor brasileiro.

Na Baixa do Sapateiro eu encontrei um dia

A morena mais frajola da Bahia

Pedi um beijo, não deu

Um abraço, sorriu

Pedi-lhe a mão não quis dar, fugiu!”

ARY compôs NA BAIXA DO SAPATEIRO sem conhecer Salvador. Eu não sabia desse fato quando, na capital baiana, fiz questão de conhecer o local. Pode ser que, no momento em que a música foi criada, aquele tenha sido um lugar bonito. Quando estive lá era um lugar bem feio, principalmente pelo fato de que outros locais, como a Praia de Itapuã ou o Pelourinho, continuam lindos.

As pessoas encantam-se quando alguém escreve sobre algo que não conhece fisicamente, pessoalmente. Uma das grandes qualidades de qualquer criador é saber colocar-se em situação; um pouco de pesquisa, vivência, experiências similares e imaginação. Bem antes de CHICO BUARQUE, nosso compositor de “alma feminina” por excelência, ARY já havia criado músicas extraordinárias, colocando-se no feminino:

Encontrei o meu pedaço na avenida

De camisa amarela

Cantando a Florisbela, a Florisbela

Convidei-o a voltar pra casa em minha companhia

Exibiu-me um sorriso de ironia

E desapareceu no turbilhão da galeria…”

Em CAMISA AMARELA temos não só a perspectiva feminina, como um retrato de época da mulher brasileira, submissa e passiva ante o comportamento do homem. Os sambas de ARY BARROSO abordam diversas situações; é triste em NA BATUCADA DA VIDA, alegre em COMO VAES VOCÊ e, hoje, seria politicamente incorreto, como em BONECA DE PICHE.

Da cor do azeviche, da jabuticaba

Boneca de Piche, é tu que me acaba…”

ARY é sempre sambista; da melhor qualidade. Sabe brincar, como poucos com nossa língua, quando aborda situações dúbias, carregadas de humor e sugestões subentendidas:

-Eu dei!

-O que foi que você deu, meu bem!

-Eu dei!

-Guarde um pouco para mim também…”

Também, em se tratando de ARY BARROSO, fala-se muito do Ufanismo, o samba exaltação.Uma característica marcante do trabalho do compositor, carregando nos superlativos para falar do país ou, da Bahia. Para os baianos, além de NA BAIXA DO SAPATEIRO, ARY criou outros clássicos: “OS QUINDINS DE IAIÁ” e “NO TABULEIRO DA BAIANA”.

Uma das marcas musicais brasileiras perante o mundo, AQUARELA DO BRASIL é “irmã” do Hino Nacional. É a referência marcante quando nosso país é citado. E que referência! No universo do compositor, o Brasil é “mulato inzoneiro” cheio de “morenas sestrosas”. Para cantar tal país é preciso tirar “a mãe preta do cerrado” e botar “o rei congo no congado”. Um Brasil moreno!

Ah! Ouve essas fontes murmurantes

Onde eu mato a minha sede

E onde a lua vem brincar

Ah, esse Brasil lindo e trigueiro

É o meu Brasil brasileiro

Terra de samba e pandeiro…”

Para terminar essa simples, mas sincera, homenagem ao COMPOSITOR e ao SAMBA, escolhi os seguintes versos:

Foi num samba

De gente bamba

Ô,gente bamba!

Que eu te conheci, faceira…”

Com esses versos recordo sempre dos BAMBAS DO FABRÍCIO, uma escola de samba, lá de Uberaba, que me ensinou a gostar do batuque. Eu era criança e eles ensaiavam bem perto da minha casa. Uma passista, FÁTIMA, era a maior sensação. Que moça faceira!(Por onde andará? Se alguém tiver notícias…) É para essa sambista de minha infância, que vai também minha homenagem. Muito antes de ARY BARROSO, foi FÁTIMA a dona do meu samba.

O Dia do Samba vem aí. Vamos comemorar. Aqui, neste blog, pretendo que seja a semana do samba. Com Ary Barroso e outros grandes sambistas do nosso país.

Isto aqui ô ô
É um pouquinho de Brasil, Iaiá
Deste Brasil que canta e é feliz
Feliz, feliz
É também um pouco de uma raça
Que não tem medo de fumaça ai, ai
E não se entrega não

Olha o jeito nas cadeiras que ela sabe dar
Olha só o remelexo que ela sabe dar
Olha o jeito nas cadeiras que ela sabe dar
Morena boa que me faz penar
Bota a sandália de prata
E vem pro samba sambar

.

Até!

.

Notas Musicais:

Na Baixa do Sapateiro – Ary Barroso

Camisa Amarela – Ary Barroso

Boneca de Piche – Ary Barroso e Luis Iglésias

Eu dei! – Ary Barroso

Aquarela do Brasil – Ary Barroso

Faceira– Ary Barroso

Sandália de Prata – Ary Barroso

As rainhas do ziriguidum e do borogodó

Dalva, Linda, Dircinha, Emilinha e Marlene. As rainhas do rádio.
Dalva, Linda, Dircinha, Emilinha e Marlene. As rainhas do rádio.

Tem um monte de gente que procura justificar a própria ignorância com a expressão “não é do meu tempo”. De quebra o preconceito embutido, como se o tempo presente fosse a maior das maravilhas… Cada época tem a sua beleza e hoje estou interessado em grandes mulheres, para um carnaval do balacobaco. Com muito ziriguidum!

Hoje eu não quero sofrer

Hoje eu não quero chorar

Deixei a tristeza lá fora

Mandei a saudade esperar

Hoje eu não quero sofrer

Quem quiser que sofra em meu lugar…

Balacobaco só sabe o que é quem tem borogodó. E só quem tem borogodó é capaz de dar um ziriguidum. Tudo esclarecido um carnaval com “it” pode começar com versos acima, cantados por LINDA BATISTA. A primeira grande Rainha do Rádio.

O Brasil tem uma queda pela monarquia, adora eleger rainhas da primavera, do carnaval, do rock, do rebolado… Na chamada era de ouro do rádio elegia-se uma rainha por ano.

LINDA BATISTA foi Rainha do Rádio mantendo o título por onze anos (1937/1948) e, contratada da toda poderosa Rádio Nacional colecionou casacos de peles e carros de luxo. Rainha é rainha! E como essas histórias de monarquia são hereditárias, LINDA transferiu a coroa para a irmã caçula, DIRCINHA BATISTA.

Lá vai o meu trolinho

Vai rodando de mansinho

Pela estrada além

Vai levando pro seu ninho

Meu amor, o meu carinho

Que eu não troco por ninguém…

As irmãs Batista eram do balacobaco. Amadas até por Getúlio Vargas, ficaram meio esquecidas na transição do rádio para a televisão. Já na época havia também o “culto ao novo”. Veio com a Bossa Nova e, posteriormente, com a Jovem Guarda; um fenômeno  que colocou em plano secundário outros grandes astros do rádio como, por exemplo, MARLENE.

Lata d’água na cabeça

Lá vai Maria

Lá vai Maria

Sobe o morro e não se cansa

Pela mão leva a criança

Lá vai Maria…

MARLENE, entre todas as rainhas do rádio, foi a que teve a carreira mais interessante, após a tal fase de ouro. Como atriz protagonizou novelas e peças teatrais. No disco “A Ópera do Malandro” temos dois registros dessa cantora incrível; uma filha de italianos (nascida aqui no “meu” Bexiga!) que canta sambas com o maior borogodó!

MARLENE foi estrela de um dos primeiros programas de carnaval que assisti pela televisão. O nome do programa era “Big Show Royal” e a cantora aparecia com um biquíni deixando evidente o quanto ela era capaz de um ziriguidum. Lembro que minha mãe não gostava; “- Essa mulher é muito escandalosa!”, reclamava. A cantora tinha um jeito de garota levada, mas levada mesmo era EMILINHA BORBA.

Se a canoa não virar

Olê, olé, olá

Eu chego lá

Rema, rema, rema remador

Quero ver depressa o meu amor…

EMILINHA BORBA reinou por 27 anos na Rádio Nacional. Foi campeã em correspondência por 19 anos e capa de 350 revistas. Isso é coisa de rainha! Vencedora de inúmeros carnavais, seus sucessos continuam por todos os bailes do país. “Chiquita Bacana”, “Tomara que Chova”, “Vai com Jeito” e, entre muitos outros, até uma “Mulata Yê, Yê, Yê”…

Mulata Bossa Nova

Caiu no hully gully

E só dá ela

Ye, ye, ye…

Na Passarela!

As cantoras do rádio brigavam feio pelo título de “Rainha”. O voto era popular e as “cédulas eleitorais” vendidas junto com a Revista do Rádio. Em 1949 a Companhia Antártica Paulista resolveu patrocinar MARLENE, dando a grana para a compra de votos. A cantora paulista conseguiu mais de 500 mil votos e sua vitória deu início a uma “guerra histérica” entre seus fãs e os de EMILINHA BORBA. Virou lenda!

Tivemos muitas “rainhas do rádio”. ÂNGELA MARIA, CARMÉLIA ALVES e DÓRIS MONTEIRO estão entre elas. Nenhuma, entretanto, foi grande como DALVA DE OLIVEIRA. Essa “rainha do rádio” foi também a “rainha da voz” e é, por muitos, considerada a maior cantora do Brasil. Nosso país é ou não é chegadão nessa tal monarquia?

Tanto riso, oh, quanta alegria!

Mais de mil palhaços no salão

Arlequim está chorando pelo amor da Colombina

No meio da multidão…

rainhasdoradio2

DALVA DE OLIVEIRA faz com que eu recorde meu pai. Eu era criança e adorava WANDERLÉA com suas pernas (Isso é borogodó!), a cabeleira loira e a dança, ingenuamente sensual (Mas, cheia de ziriguidum!).  Sei lá o que eu estava fazendo; deixei de lado e atendi ao chamado de papai para, no programa FLÁVIO CAVALCANTE, assistir uma apresentação de DALVA: “- Vem cá; veja o que é uma grande cantora!”

Naquele programa ela cantou “Kalu” e, com ÂNGELA MARIA, “Ave Maria no Morro”. As duas grandes cantoras, cheias de borogodó, mandaram ver na melodia e letra de HERIVELTO MARTINS. Quando chegou o momento do maior agudo, ANGELA afastou-se do microfone, dizendo para DALVA: “- Agora é com você!”. E lá foi aquela mulher, magrinha, frágil, soltando seus “agudos fulminantes”, para lembrar a expressão certeira de HERMÍNIO BELLO DE CARVALHO.

Nossas rainhas, se não estão na memória de muita gente, permanecem nas canções, nas marchinhas. Imaginem o tamanho do balacobaco com todas elas no mesmo palco? Dá até pra imaginar plumas (dizer penas, pra rainhas, não dá!) voando pra todo lado. Por outro lado, penso que DALVA DE OLIVEIRA mandaria seu melhor agudo, pra que tudo terminasse numa boa:

Bandeira branca, amor

Não posso mais

Pela saudade que me invade

Eu peço paz

Saudade mal de amor, de amor

Saudade dor que dói demais

Vem meu amor, bandeira branca,

Eu peço paz.

 .

Até mais!

.

Notas:

Os versos acima são, respectivamente:

O Primeiro Clarim – Rutinaldo e Klécius Caldas, 1970 – LINDA BATISTA.
Upa, Upa!(Meu Trolinho) Ary Barroso, 1940 – DIRCINHA BATISTA.
Lata D’água – Luiz Antonio e Jota Junior –1952 – MARLENE.
Chiquita Bacana (João de Barro e Alberto Ribeiro, 1949), Tomara que Chova (Paquito e Romeu Gentil, 1951) “Vai com Jeito”(João de Barro, 1957) e “Mulata Yê, Yê, Yê” (João Roberto Kelly, 1965) – EMILINHA BORBA.
Máscara Negra – Pereira Matos e Zé Kéti, 1967 – DALVA DE OLIVEIRA.
Bandeira Branca – Laércio Alves e Max Nunes, 1970 – DALVA DE OLIVEIRA.

. Publicado originalmente no Papolog em 14/02/2009.  

Primeira festa para Vinicius de Moraes

A logomarca oficial do enredo da União da Ilha
A logomarca oficial do enredo da União da Ilha

Será no dia 10 de fevereiro, no sambódromo carioca, com o desfile da União da Ilha. Com o enredo “Vinicius no plural – Paixão, poesia e carnaval”, a escola pretende comemorar o centenário do poeta, escritor e compositor Vinicius de Moraes. Nascido em 19 de outubro de 1913, o “Poetinha” foi, aos noves anos, morar com a família na Ilha do Governador. Este foi o mote que deu origem e motivação para o enredo da escola União da Ilha.

Vinicius de Moraes, sozinho, criou alguns dos mais belos poemas da literatura nacional. Junto aos parceiros Carlos Lyra, Tom Jobim, Edu Lobo, Ary Barroso, Francis Hime, Baden Powell e, entre outros, Chico Buarque, Vinicius revolucionou a música brasileira com a Bossa Nova, afros-sambas e outros grupos de composições notáveis, como a série infantil denominada A Arca de Noé, já em parceria com Toquinho.

O enredo da União da Ilha foi feito por um grupo de compositores (Ginho, Júnior, Vinicius do Cavaco, Eduardo Conti, Professor Hugo e Jair Turra).  Uma colcha de retalhos que pretende lembrar alguns fatos relativos ao poeta. O enredo funciona para quem já conhece tais fatos.

Ó PÁTRIA AMADA, RECEBE ESSE MENESTREL!

VOZ DO MORRO NA FOLIA, ORFEU CHEGOU, RAIOU O DIA!

LEVOU A BOSSA NO “TOM” D’ALEGRIA

SE É CANTO DE OSSANHA MENINA, ENTÃO NÃO VÁ!

UM BERIMBAU VAI ECOAR…

VEM, MEU CAMARÁ!

A União da Ilha enfrenta um imenso desafio. Vinicius de Moraes é patrimônio de todo aquele que ama poesia. Criar uma letra para homenagear o poeta é tarefa difícil. Arquibancada de sambódromo não é lugar para ficar buscando o significado de cada verso. O público quer, quando possível, cantar e sambar. O samba de enredo em questão vai dar muito mote pra comentarista de televisão; tomara que a escola consiga levantar o sambódromo.

Embora estranhando a letra (veja e ouça o samba de enredo clicando aqui) estou torcendo para que a União da Ilha faça um belíssimo carnaval. Pela própria União da Ilha, pelo público brasileiro, mas, sobretudo por Vinicius de Moraes. Em um país de escassos leitores, onde educação é prioridade apenas em discurso político, é muito bom ter um poeta como enredo de carnaval.

Vinicius de Moraes deixou pompas e circunstâncias para subir aos palcos, aproximando a poesia das letras de canções. É um dos principais responsáveis pela condição única da música brasileira em transitar entre o popular e o erudito, unindo em suas composições a expressão das três grandes raças que formam nosso povo. Vinícius soube ser criança e brincar nas  canções feito um menino, assim como foi o religioso que ensinou-nos a respeitar os orixás. Também foi o cantor da beleza feminina, dos encontros e desencontros amorosos. Foi grande entre os maiores porque, entre todos, certamente foi o que mais soube aproximar-se de todos nós.

.

Até mais!

.

Sete canções para celebrar Milton Nascimento

26 de outubro. Milton Nascimento completa 70 anos. Minas Gerais comemora, o Brasil reverencia o compositor e cantor. Ganhei de Maria Elza Sigrist, uma amiga encantadora que reside em Campinas, interior de São Paulo, o primeiro disco de Milton Nascimento.

No sertão da minha terra

Fazenda é o camarada que ao chão se deu

Fez a obrigação com força

Parece até que tudo ali é seu…

Milton, carioca de nascimento, é de uma mineirice única, encontrando paralelo só em Ary Barroso, quando este compõe sobre a Bahia. Uma Minas Gerais nostálgica, religiosa, montanhosa, maneira, e outras tantas características da terrinha estão na obra do compositor que, criança, foi viver em Três Pontas, no interior mineiro.

Longe, longe ouço essa voz

Que o tempo não vai levar…

Com uma dose de culpa diante de outras, escolhi sete canções para lembrar neste momento festivo, do aniversário do Bituca (eu até que gostaria de chamá-lo assim!). Sete canções para comemorar os 70 anos de Milton Nascimento; músicas que, se ouvidas 70 x 7, ainda assim não cansam ninguém.

A partir dos anos de 1960 tornou-se comum a presença de compositores-cantores na música brasileira. Foi um meio de que esses artistas tivessem maior reconhecimento e, consequentemente, grana. Esse fato justifica um período de ascensão de grandes cantoras e a escassez de intérpretes masculinos. Os compositores não conseguem dizer não para as meninas, mas guardam para si as composições que poderiam acontecer na voz de um marmanjo.

Lá vinha o bonde no sobe-desce ladeira

E o motorneiro parava a orquestra um minuto

Para me contar casos da campanha da Itália

E de um tiro que ele…

“Saudade dos aviões da Panair”, a música dos versos acima, é uma rara exceção onde a interpretação de alguém é melhor que a de Milton. Esse alguém é Elis Regina; por outro lado, Milton Nascimento, apenas como intérprete e com sua belíssima e inconfundível voz, estabeleceu parcerias  memoráveis com artistas como Mercedes Sosa,  Gilberto Gil,  e criou grandes clássicos ao cantar com, por exemplo, Chico Buarque.

O que será, que será?

Que andam suspirando pelas alcovas

Que andam sussurrando em versos e provas

Que andam combinando no…

No já lendário Clube da Esquina, Milton Nascimento capitaneou toda uma geração de compositores mineiros que lá, das terras de Minas, enviaram canções únicas para Lennon, McCartney, via trens azuis e outros mais. Com Lô Borges, Beto Guedes, Fernando Brant, Ronaldo Bastos, Flávio Venturini, Márcio Borges, Toninho Horta e o genial Wagner Tiso, aprendemos a identificar uma música mineira distinta, com qualidades tão peculiares que  tornaram essas canções universais.

Coração americano

Acordei de um sonho estranho

Um gosto vidro e corte

Um sabor de chocolate…

Gosto, sobretudo, daquelas gravações em que Milton Nascimento consegue trazer Minas Gerais para onde quer que estejamos. A melodia doce, os batuques que remetem às congadas, a suavidade das toadas e quase sempre as vozes em coro, que mineiro, todo mineiro, não gosta de cantar sozinho.

Adeus, adeus, toma adeus

Que eu já vou embora

Eu morava no fundo d´agua

Não sei quando eu voltarei

Eu sou canoeiro.

Milton Nascimento está longe de nos dizer adeus. Desejamos outros 70 anos ao compositor que já garantiu presença em nosso imaginário pelos séculos que virão. Milton é Minas, é Gerais, é Brasil.

Quero terminar lembrando uma canção que foi um marco na minha trajetória pessoal; quando o cantor Milton Nascimento, com interpretação única, ajudou-me a segurar a barra, a nortear minha vida.

…Nada a temer senão o correr da luta

Nada a fazer senão esquecer o medo

Abrir o peito à força, numa procura

Fugir às armadilhas da mata escura

Longe se vai…

Obrigado, Milton! Tantas canções cujos versos não estão aqui! “Travessia”, “Canção da América”, “Nos bailes da vida”, “Encontros e despedidas”… Ficaria aqui, escrevendo até esgotar, mas vamos embora; festejar os 70 anos de Milton Nascimento.

.

Feliz aniversário!

.

Notas musicais:

Na ordem em que aparecem no post, as canções e seus autores:

Morro Velho – Milton Nascimento

Sentinela – Milton Nascimento e Fernando Brant

Saudade dos aviões da Panair (Conversando no bar) – Milton Nascimento e Fernando Brant

O que será, que será (À Flor da Terra) – Chico Buarque

San Vicente – Milton Nascimento e Fernando Brant

Beira-mar – (Folclore do Vale do Jequitinhonha) Adaptação Frei Chico e Lira Marques

Caçador de Mim – Sérgio Magrão e Luiz Carlos Sá

Um Oscar para a música do Brasil

Vou torcer descaradamente para que Carlinhos Brown e Sergio Mendes tragam o primeiro Oscar para nosso país. Será neste domingo e espero sinceramente comemorar esse momento. Os dois compositores, mais a letrista americana Siedah Garret criaram “Real in Rio”, a música principal do filme “Rio”, animação de Carlos Saldanha, e terão como única concorrente, a canção “Man or Muppet”, de “Os Muppets”, música e letra de Bret McKenzie.

Um verdadeiro e grandioso embate entre a tradicional música das Américas. De um lado, a canção norte-americana, com refrão fácil, daqueles que grudam na mente da gente, com notas que permitem interpretações suaves, com momentos acalorados; embora tudo muito melancólico o final é feliz: tipo o amor vence! De quebra, há a força dos bonecos que conhecemos desde há muito; acompanharam a infância de algumas gerações e retornaram, conquistando as atuais. No prêmio deste ano, as imagens terão sua força, alavancando preferências para as canções.

O Brasil é a América que não usa o próprio nome. Somos do sul e quase sempre não nos denominamos americanos. Há gente por aqui descendente de europeu; há os afro-brasileiros; os asiáticos – esses criaram expressões próprias identificando as diferentes gerações – e, há os índios. Todos se dizem brasileiros e penso que, diante da supremacia econômica e bélica norte-americana, no máximo, assumimos algo tipo o primo pobre, quando nos dizemos sul-americanos.

Deste lado de baixo, o sul, temos o sol, as cores, a natureza inigualável e uma alegria ímpar. Essas características são facilmente detectadas no samba-exaltação, a expressão correta para definir a música de Carlinhos Brown, Sérgio Mendes e Siedah Garret. O ritmo é contagiante, a melodia é vibrante, arrebatadora. “Real in Rio” é para, literalmente, fazer todo mundo dançar. Se não consegue que todos “tirem o pé do chão” faz, no mínimo, com que mexam dedos marcando compassadamente a canção.

Outros trunfos para “Rio”: a música, enquanto linguagem universal está mais próxima de se fazer entender por Raimundo e todo mundo. A letra, da americana, amplia o entendimento para os que não dominam nosso idioma, nossos hábitos. Ainda tem a presença de Will.i.am, dando um toque de rap, evidenciando as possibilidades de sempre do nosso samba: somar passado e presente com total eficácia.

Os dois brasileiros – Brown e Mendes – somam talentos e sintetizam a vocação internacional da música brasileira. Sergio Mendes estourou nos EUA em 1964 com a música “Mais que nada” de Jorge Ben Jor e por lá ficou. Gravou dezenas de discos e recebeu o Grammy de 1993 na categoria World Music.

Sergio Mendes e Carlinhos Brown

O carioca Sergio Mendes faz dupla com o baiano Carlinhos Brown. Conhecemos nacionalmente o músico desde “Meia lua inteira”, composição marcante do disco “Estrangeiro”, de Caetano Veloso. Depois nos habituamos com o percussionista extraordinário conduzindo o “Timbalada”, tornando-se referência brasileira para o mundo. Outro tanto, não menos importante, é o trabalho de Brown com Marisa Monte e Arnaldo Antunes; os “Tribalistas” fizeram a cabeça de milhões. O compositor não é novidade lá fora, tem uma carreira consistente no exterior e, especificamente nos EUA, fez o melhor momento musical, ele próprio cantando, em “Velocidade Máxima 2”.

Se o Brasil e o samba começaram na Bahia, nada melhor que um samba e um baiano recebam o Oscar, prêmio ainda inédito para o país. Consagrando a célebre mistura brasileira, baiano e carioca unem-se à americana e – tomara – conquistem o prêmio. Será uma justa lembrança aos grandes sambas de Ary Barroso, Dorival Caymmi que avançaram sobre os norte-americanos em desenhos de Walt Disney e na voz de Carmen Miranda. Será um belo exemplo de união de raças e povos distintos, via música, essa expressão humana que desconhece fronteiras. Esse momento merecia uma campanha maior. Os de lá fazem um enorme estardalhaço, tentando emplacar cada concorrente, nas diferentes categorias. Aqui, humildemente, faço o marketing da nossa canção. Vamos lá, com o trio de compositores, buscar o Oscar para “Rio”.

Bom final de semana!

.