18 anos do Troféu Nota 10

CARNAVAL jurados

Neste ano o Troféu Nota 10, oferecido aos melhores sambistas de São Paulo pelo Diário de São Paulo. “O troféu incentiva as escolas. Não há quem não conheça. Todos querem ser reconhecidos”, foi o que eu disse na entrevista ao jornal, publicada ontem. Mais uma vez tenho a honra de estar entre os jurados do Carnaval de São Paulo. Agradeço ao Diário de São Paulo pelo convite, em especial ao Rafael Nascimento, Walkiria Silva e aos demais profissionais empenhados na organização do prêmio. Agora é carnaval. Que todos possam ter momentos de diversão e que nossas escolas tenham todo o sucesso que merecem.

Bom carnaval!

Mário Lago, o “número um” na Mancha Verde

Mário Lago
“Não guardo frios rancores, pois entre os seus mil amores, eu sou o número 1”

Os outros são grandes, mas Mário Lago é o “número um”. Entre todos os artistas homenageados no desfile das escolas de samba de São Paulo no carnaval deste ano, a Mancha Verde vem com uma fera, “Mário Lago, o homem do século XX”. Um nome fundamental na cultura popular brasileira que passou pela música, pelo teatro, o rádio, o cinema, a televisão e deixou, de quebra, algumas criações literárias que são fundamentais para a memória brasileira.

Na televisão Mário Lago foi ator de novelas memoráveis como “O Casarão” e “Dancing Days”, tendo sido premiado nas duas produções da Rede Globo. Também foi ator em um dos marcos da cinematografia nacional: “Terra em Transe”, de Glauber Rocha. Entre grandes sucessos radiofônicos, foi narrador da novela “O Direito de Nascer”, mega sucesso da Rádio Nacional, em 1951. Foi o primeiro autor a colocar o samba nos palcos do nosso teatro; foi no teatro que conheceu Carmen Miranda e esta, gravando “Aurora”, tornou Mário Lago um compositor mundialmente conhecido.

Além da música “Aurora”, Mario Lago está no repertório dos maiores intérpretes brasileiros com canções sempre lembradas e que, tudo indica, permanecerão por muito tempo na boca do povo: “Ai, que saudades da Amélia”, “Número Um”, “Nada além”, “Atire a primeira pedra…” são resultado de uma carreira vitoriosa, ao lado de parceiros notáveis como Custódio Mesquita, Ataulfo Alves e Benedito Lacerda.

Tenho uma enorme simpatia para com Mário Lago. Lembro-me dele em cena, com o ar de sabedoria que o tempo deu ao homem e ao artista. A vida desse homem é permeada por lutas políticas; entre essas, brigou como poucos pela classe artística. Entre as consequências de uma personalidade tão forte estão algumas passagens pela prisão, além de perseguição política. Gosto do humor desse compositor, para quem escrevi um post anterior, com o título de uma de suas músicas divertidas: “Poleiro de pato é no chão”.

Um desfile tendo Mário Lago como tema oferece mil possibilidades. A Mancha Verde está com um samba feito por oito compositores:  Turko, Maradona, Didi, Ferracini, Fabiano Sorriso, Jorginho, Paulinho Miranda e Tucuruvi Mancha. O intérprete é Freddy Viana. No samba de enredo a escola tenta uma síntese da vida desse artista multimídia, tão grande quanto o carnaval, que pode ser ouvido integralmente aqui. Tomara que a escola faça um carnaval vitorioso, tornando-se uma “Mancha Verde” na história de Mário Lago.

.

Até mais!

.

No carnaval de SP há samba para gente bamba

Qual a boa para esse carnaval? Penso não ser ruim da cabeça, nem doente do pé, logo, lembrando a canção, sou bom sujeito, do tipo que curte samba de montão. De todos os sambas possíveis, chegou a hora do samba de enredo. A verdadeira essência e razão de ser de uma escola de samba: a música que faz o povo cantar e dançar.

Samba de enredo é a coisa mais democrática do mundo musical. Há sempre um verso para um compositor. Há momentos em que penso que deve ter marmanjo que só colocou um “laraiala, lala”. Sem diminuir o sujeito; quem conhece samba sabe a importância de um “laraiala, lala”. Quero ficar distante de um tratado sobre sambas de enredo. O negócio é cantar e, para começar o carnaval, a boa deste post é destacar três sambas de enredo, criação de 14 compositores (Olha a democracia aí, gente!) para gente bamba do carnaval de São Paulo neste ano de 2013.

Beth Carvalho é homenageada pela Acadêmicos do Tatuapé
Beth Carvalho é homenageada pela Acadêmicos do Tatuapé

Gente bamba é Beth Carvalho, que será homenageada pela escola “Acadêmicos do Tatuapé”. A sambista carioca já lançou tantos artistas que é carinhosamente chamada de “madrinha do samba”. É comum ver gente como Zeca Pagodinho, por exemplo, pedindo a benção para a cantora.

A “Acadêmicos do Tatuapé” abre o desfile do dia 8, sexta-feira com “Beth Carvalho, a madrinha do samba”, samba que será interpretado por Vaguinho. Os compositores André Ricardo, Luciano Oliveira e Vaguinho conseguiram sintetizar a vida de Beth Carvalho, citando elementos conhecidos pelo grande público; isso facilitará que todos cantem com a escola.

… Em suas andanças por Mangueira (me leva, amor)
Cantou “Folhas secas” para emocionar
“As rosas não falam”, exalam perfume no ar
Um grito de gol, explode a paixão
Botafogo no seu coração…

João Nogueira é tema para o carnaval da Águia de Ouro
João Nogueira é tema para o carnaval da Águia de Ouro

Tão bamba quanto Beth, o compositor e cantor João Nogueira é enredo para a “Águias de Ouro”, 7ª escola do primeiro dia do grupo especial de São Paulo. João Nogueira é criador de sambas incríveis, gravados por ele mesmo e por intérpretes geniais como Elis Regina (Eu, hein, rosa!, Clara Nunes (As Forças da Natureza) ou Alcione (Um ser de luz).

Um dos principais parceiros de Paulo César Pinheiro, João Nogueira deixou um legado imenso, devidamente reverenciado pelo filho, o cantor Diogo Nogueira. Junto com Ciraninho, Rafinha, Leandro e Serginho Castro, Diogo Nogueira também assina o samba de enredo da “Águias de Ouro”: “Minha missão. O canto do Povo. João Nogueira”. O samba é magnificamente interpretado por Serginho do Porto.

…João, teu nome é história
O Canto do Povo te faz imortal
Ninguém faz samba só porque prefere
É Nó na Madeira o meu carnaval…

Inesquecível Mazzaropi, homenageado pela Acadêmicos do Tucuruvi
Inesquecível Mazzaropi, homenageado pela Acadêmicos do Tucuruvi

Bamba, como bem se sabe, não é característica exclusiva de sambista; alguém duvida que Mazzaropi seja um bamba? A “Acadêmicos do Tucuruvi” será a 6ª escola do dia 9 de fevereiro no sambódromo paulistano. “Mazzaropi: o adorável caipira. 100 anos de alegria” é o enredo da escola, com samba criado por Felipe Mendonça, Maurício Pito, Leandro Franja, Márcio Alemão, Henrique Barba e Fábio Jelleya. O intérprete é Ivo Sorriso.

Mazzaropi é figura ímpar na história do cinema brasileiro. Grande comediante, ele soube gerenciar como poucos a própria carreira tornando-se também produtor e diretor de seus filmes, normalmente rodados em estúdio próprio, no interior paulista. Além de participar na criação de roteiros, Mazzaropi também foi compositor, sempre cantando em seus filmes.

…A carrocinha levou o gado da madame
Vendedor de linguiça não vende salame
O Jeca Tatu não é puritano… Há! Há!Há!
Ele é corintiano…

“Acadêmicos do Tatuapé”, “Águia de Ouro” e “Acadêmicos do Tucuruvi” têm uma grande vantagem levando para o desfile artistas amados, respeitados e bastante conhecidos por todo o público. Este é o outro lado da moeda: sendo conhecidos, todos nós temos uma visão própria do que seria um enredo sobre esses três artistas; daí o desafio das escolas que tentarão corresponder às nossas expectativas.

Samba para gente bamba. “- Gente bamba para mais de metro”, diria meu pai! Há um imenso mundo envolvendo Beth Carvalho, João Nogueira e Mazzaropi. Uma vastidão criativa também está no potencial de compositores, ritmistas, passistas, carnavalescos, e demais participantes dessas escolas de samba. Teremos, com certeza, um grande carnaval.

.

Boa semana para todos!

.

O carnaval paulistano é animal

De pinguim a pelicano, tem quase de tudo no sambódromo. Tem animais fofinhos, tipo os ursinhos e também os mitológicos dragões. Vi muitas andorinhas, que os “teóricos” me matarão ao escrever isso, que é imagem sacra que lembra as festas do Divino Pai Eterno. Cobra, pavão, cavalo, boi… Eu não acho, tenho certeza que não vi um gatinho; nem mesmo o cachorro, reconhecido melhor amigo do homem. Há ferozes tigres e pássaros, muitos pássaros, para contrabalancear a festa.

Impressionaram os tigres da escola Império da Casa Verde; tinham movimento, mas não foram além do que já tenha sido mostrado no sambódromo. Gostei mais dos peixes da Pérola Negra. Embora “fora d’água”, mostraram o trabalho primoroso do artesão da escola.

Há imagens completamente inusitadas. Isso é bom, surpreende. Quando os ratinhos de laboratório, engaiolados, passaram por nós, fiquei admirando a ousadia do carnavalesco e o incrível domínio técnico do artesão que esculpe com precisão todo tipo de pássaro, mamíferos e outros animais, tornados mitológicos, como o cavalo de São Jorge matando o dragão; esta foi uma das melhores esculturas que passaram no sambódromo neste ano; a casinha, no topo do carro, identifica o Império da Casa Verde.

Uma escola deu um show à parte: a Águia de Ouro surpreendeu e consegui, não com a qualidade que gostaria, montar uma “fotonovela” com o show que a escola nos proporcionou na avenida:

.

.

O sambódromo é um local onde o público paga o ingresso inteiro e vê o show pela metade, já que as escolas fazem uma coisa em cada setor da avenida. Nós, que estávamos no começo, vimos quando a águia raptou o integrante da passarela. O que a ave fez com o cidadão, saberemos depois, em casa, rezando para que a televisão mostre alguma coisa; se é que irão reprisar as apresentações das escolas de samba paulistanas.

Finalmente, terminando o “mundo animal do carnaval 2012”, o carro alegórico sobre o dorso da tartaruga; ou seria cágado? Brincadeiras à parte, a Mocidade Alegre fez um grande carnaval neste ano. Uma apresentação digna da obra e do homenageado Jorge Amado e, por isso, minhas homenagens aos integrantes da escola.

É ou não é animal o nosso delicioso carnaval paulistano?

Boa terça para todos!

.

%d blogueiros gostam disto: