O País dos Doutores!!!

Talvez o Brasil seja no mundo, e proporcionalmente, o país com mais doutores… sem doutorado. O sujeito é bacharel aqui, possui uma licenciatura ali, ou simplesmente usa terno e gravata e já é recebido prontamente com um: “Pois não, doutor!”. Há casos em que o sujeito, filho de um patrão, também recebe o título na forma de tratamento e, carinhosamente, vira “doutorzinho”. Também há situações em que o indivíduo, devidamente paramentado, abre um consultório médico ou dentário e… “Com licença, doutor!”

Conhecimento, ninguém nega, é sinônimo de poder; então, alguns setores habituados a não dividirem o pão dificultam o conhecimento aos que não tem, nem meios para comprar esse alimento, nem para pagar uma escola. História: De 1500 até 1759 os brasileiros foram educados basicamente pelos Jesuítas, que nos tornaram um país católico (E tem imbecil apregoando que a escola não é ideológica). E toca a ignorar as manifestações religiosas indígenas, a abafar as religiões que entraram no país junto com os africanos escravizados. Os mais abastados estudavam em Portugal.

Constituição Brasileira, a gente vê todo o dia, é algo discutível. Uns não cumprem, outros querem acabar com ela, outros a ignoram… A Constituição de 1824 assegurou instrução primária e gratuita a todos os cidadãos (300 depois da invasão portuguesa!). Se considerarmos a pesquisa do IBGE de 1918, que nos informa que temos 11,3 milhões de analfabetos, podemos afirmar que desde 1824 não respeitamos a Constituição Brasileira. Ora, em meados dos 1800 criaram os cursos de Direito. Nessas, o aluno ficava estudando durante longos cinco anos. Quem vai deixar de chamar de doutor a um sujeito tão estudioso? Só que o indivíduo saía das escolas como bacharel. Bacharel é o indivíduo graduado! O iletrado não sabia disso, passou a chamar o sujeito de doutor…

Para se ter uma ideia da importância do Direito, em nosso país, chegamos ao 38º Presidente e, desses, 21 cursaram Direito. Tancredo Neves, o que foi sem ter sido, também cursou Direito, o que elevaria para 22 “doutores” na presidência? Não. Da lista, apenas dois (2) cumpriram exigências acadêmicas para tanto: Afonso Pena e Michel Temer. Entre os Presidentes oriundos de outras áreas temos um único doutor, o Fernando Henrique Cardoso. O médico Juscelino Kubitschek foi especialista em urologia. Não foi doutor. Mas… quantos não chamam de doutor aos bacharéis em medicina?

E aí… apareceu uma cidadã, Damares Alves, que segundo o Jornal Folha de São Paulo, a dita senhora costumava apresentar-se como Mestre em Educação e Direito. Confrontada, ela apelou para os céus, de onde segundo ela vem os títulos de mestres, e não em instituições que oferecem Mestrado.

E agora… apareceu um cidadão, convidado para o Ministério da Educação. Carlos Alberto Decotelli quase chegou lá, ao doutorado, obtendo os créditos para o título. Créditos, nunca é demais informar, é um conjunto de atividades exigidas para o bacharel, ou licenciado, antecedendo a avaliação final, quando o pretendente defende publicamente uma tese. Esse “publicamente” da tese é de fundamental importância. Pois pode haver contestação. Não havendo, o sujeito se torna indiscutivelmente um doutor.

Bom, estamos no Brasil onde, segundo Ari Barroso, coqueiro dá coco. Então, para você, que chegou até aqui, meu muito obrigado, algumas perguntas e possíveis reflexões após as mesmas:

– Em relação à Damares, estão fazendo ou não maior escarcéu que com o Sr. Decotelli?

– O plágio do cidadão de bem Sergio Moro vai ficar por isso mesmo? Sim, o juiz impoluto apresentou artigo com plágio. A culpa está sendo creditada à Beathrys Ricci Emerich, parceira do ex-ministro na redação do artigo.

– Beathrys é ou não é nome decidido em sessões de numerologia?

– Se tivemos dois presidentes sem formação universitária, Café Filho e Lula da Silva, um senhor graduado, Mestre pela Fundação Getúlio Vargas, com créditos aprovados para doutorado, não pode ser Ministro?

Orientação para possíveis respostas, por gentileza, pesquisem: Falsidade ideológica, má-fé, estelionato, falcatrua, fraude, embuste… enfim, mau-caratismo.

Até mais.

Marlene Dietrich, as pernas do século

Algumas mulheres entram na vida da gente sem pedir licença; e ficam. Lá pelas tantas surge alguém, tipo Marlene Dietrich, que toma posse de parte do nosso cérebro, permanecendo para sempre na nossa lembrança.

Marlene Dietrich, inesquecível.
Marlene Dietrich, inesquecível.

Eu já havia assistido “Testemunha de Acusação”, provavelmente no TEU – o Teatro Experimental de Uberaba – quando anunciaram o filme na televisão. Na telinha a mulher misteriosa, cínica, instigante. Também mentirosa, fria, falsa. Mais ainda: fascinante, belíssima, sensual e forte, decidida.

Marlene Dietrich deu vida à personagem de Agatha Christie no filme que ainda tinha outro grande ator, Charles Laughton, além de um dos mitos de Hollywood, Tyrone Power. Depois de “Testemunha de Acusação”, fui descobrindo mais e mais sobre a atriz alemã, sua voz inconfundível, a beleza única de um rosto belíssimo e as pernas lendárias.

Sylvia Bandeira é a estrela de “Marlene Dietrich, as pernas do século”

Mágica teatral: Marlene Dietrich estará em São Paulo; a bela Sylvia Bandeira é a estrela da montagem “Marlene Dietrich, as pernas do século”, que estréia na cidade no próximo 30 de março; o texto é de Aimar Labaki e a direção de William Pereira. Uma síntese da sinopse do espetáculo:

No final da vida, já bem idosa, Marlene conhece um jovem que não faz a menor idéia de quem ela seja. Já às vésperas de completar 90 anos, ela acaba seduzindo o rapaz de uma forma bem diferente de quando brilhava absoluta no cinema e nos palcos. Se não conta mais com o frescor da juventude nem com as lendárias pernas, seu charme e inteligência estão mais vivos do que nunca, e somados a uma grande aliada: a memória. Ao narrar para o desavisado rapaz sua trajetória, a diva o envolve e o fascina por ter sido testemunha e personagem dos acontecimentos mais marcantes do século XX.”

Os acontecimentos são muitos. As duas Grandes Guerras; a ousadia da mulher que vestiu calça comprida; a cantora que vai para o front cantar para os aliados, após ter dito não aos convites de Hitler; a alemã que deixou sua terra e ganhou o mundo, sempre com idéias próprias e marcantes. Certamente também será lembrada a atriz dos diretores Josef Von Sternberg (“Anjo Azul”), Billy Wilder (Testemunha de Acusação) e muitos outros filmes europeus e americanos.

Depois da II Guerra Mundial cresce a carreira de Marlene Dietrich como cantora. Grava grandes nomes e faz-se acompanhar por ninguém menos que o maestro Burt Bacharah. Além do músico, também Eric Maria Remarque, Jean Gabin, Yul Bryner, Ernest Hemingway, Frank Sinatra e Cole Porter estão entre os homens que passaram pela vida da estrela.

Versões da capa do disco que contém "Luar do Sertão"

Um dos grandes discos de Marlene Dietrich foi feito no Brasil. Sim, ela veio por aqui e cantou no Rio de Janeiro, encontrou-se com Cauby Peixoto, Juscelino Kubitschek e mais algumas centenas de brasileiros, apaixonados por ela. No show, registrado em disco, um momento encantador quando ela canta, em bom português, a música “Luar do Sertão” (clique aqui e ouça a canção). Esse é um momento que não deve faltar na montagem sobre a vida de Marlene que estreia em São Paulo.

“Marlene, as pernas do século” estreou no Rio de Janeiro. O musical com Sylvia Bandeira ainda tem, no elenco, José Mauro Brant, Marciah Luna Cabral e Silvio Ferrari. No palco, embora esses tempos atuais, tomara que Sylvia venha com as baforadas sedutoras de um cigarro no canto dos lábios, com o charme e a beleza eternizada pela grande tela de uma das mulheres mais fascinantes de todos os tempos.

 .

Até Mais!

.

ANOTE:

Teatro Nair Bello, Shopping Frei Caneca – Rua Frei Caneca, 569 – 3° andar, sexta, às 21h30.     Sábado, às 21h. Domingo, às 18h. Telefone:  3472-2414.

.