Lusitânia no Bairro Latino

(Terra encantada… Sempre longe, nunca saí de lá. Agora,novamente, navego na poesia alheia nesse exercício para retornar). …Ó minha Terra encantada, cheia de sol, Ó campanário, ó Luas-cheias, Lavadeira que lavas o lençol, Ermidas, sinos das aldeias, Ó ceifeira que segas cantando, Ó moleiro das estradas, Carros de bois, chiando… Flores dos campos, beiços de…

Cantiga

(Comigo me desavim… e fiquei longe, aqui mesmo. Agora,lentamente, utilizo a poesia alheia nesse exercício para retornar) Comigo me desavim, sou posto em todo perigo; não posso viver comigo nem posso fugir de mim. Com dor, da gente fugia, antes que esta assim crescesse; agora já fugiria de mim, se de mim pudesse. Que meio…

“Cântico Negro”

José Régio (1901-1969) é um dos grandes poetas portugueses. Admiro os versos profundos, provocadores, teatrais, escritos com liberdade. Ao longo do mês de março publicarei alguns textos ou parte de textos de poetas, escritores e dramaturgos que admiro e que norteiam minha vida, o modo como encaro o mundo. Quero dividir com os leitores deste blog…