O Artbook54 e o meu ego

 

artbook 54
O lançamento será na Quanta Academia de Artes, dia 20/01, 14h

Sorry! Folhear um trabalho como o Artbook54, de um artista como Octavio Cariello, e deparar-se com a própria imagem é para jogar o ego lá pra estratosfera. Então… lá estou eu entre personagens reais e imaginários; um, entre muitas personalidades desenhadas, esboçadas ou recriadas em divertidas caricaturas desse artista genial. E não são só pessoas; há logomarcas, fontes, quadrinhos… toda uma gama de trabalhos que comprovam a qualidade inegável do autor.

Ego é uma coisa doida. A gente tenta controlar, mas foi pegar o Artbook54 e, ao folhear, disfarçar a ansiedade, engolir a pergunta “- cadê eu?”. Ainda havia outra curiosidade: qual, entre os vários trabalhos feitos em conjunto, foi colocado no livro; das vezes em que tive o privilégio de ser desenhado, qual caricatura foi escolhida?

Serenada a vaidade vejo muito além da minha face; acompanho a carreira de Octavio Cariello em São Paulo desde quando ele chegou por aqui vindo de Recife. Os primeiros trabalhos, os primeiros grandes êxitos. O grande talento reconhecido quase que de imediato, colocando-o em pouquíssimo tempo na galeria dos melhores desenhistas nacionais, com prêmios e, sobretudo, o testemunho dos maiores entre seus pares.

Recordo os primeiros desenhos em que descobri estar diante de alguém com uma capacidade incomum em captar ângulos, descrever nuances, registrar faces e aspectos inusitados da forma. Também, entre amigos, ele brincava com guardanapos enquanto tomávamos cervejas na noite paulistana, desenhando com caneta esferográfica, conquistando a admiração de quem dividia a mesa conosco.

A loucura do sujeito – aquela do surto de quem não se cansa de criar – é perceptível na criação de fontes, onde o velho e bom alfabeto ganha nuances particulares, únicas, em mínimos detalhes que permeiam cada letra e que, em si, constituem-se numa família tipográfica. É a loucura do detalhe; de quem observa de tal forma que consegue recriar entre milhares a forma única. Doido!

cariello e eu
Que orgulho!

Este texto é passional. Fazer o que? A capacidade criativa e o talento de Octavio Cariello são inegáveis e, repito, – Sorry, estou no livro! Divido uma página com David Bowie, Clarice Lispector, Marcelo Campos, Alan Moore… E não é só. Há outra em que estou ao lado do próprio Cariello, registro do livro Alterego organizado por ele onde participei com um conto. Pura satisfação! Boa sorte, Cariello! Obrigado! Vamos curtir este livro, pois com certeza, outros virão!

O Artbook54 está no mundo. O lançamento será no próximo sábado, 20 de janeiro, a partir das 14h, na Quanta Academia de Artes (Rua Doutor José de Queirós Aranha, 246, perto da estação do metrô Ana Rosa). Todos estão convidados!

Até lá!

“Miragem” nos 35 anos de Octavio Cariello

miragem

Imperdível: Octavio Cariello apresenta projeto para viabilização via Catarse. Miragem é uma coleção de trabalhos desenvolvidos em mais de três décadas. Há desenhos, esboços, ilustrações para jornais e revistas, capas de várias publicações, Histórias em Quadrinhos, fontes de letras, logotipos e caricaturas…

Se você ajudar com a publicação deste livro, estará colaborando com a comemoração dos 35 anos da carreira de um dos desenhistas mais talentosos do país. Para quem ainda não conhece, transcrevo abaixo a autoapresentação do artista.

miragem2

“Sou de Recife, mas mudei para São Paulo há 30 anos; trabalho com design, ilustração e Quadrinhos, tenho dois romances, algumas poesias e uns pares de contos publicados. Fui fundador da Fábrica de Quadrinhos (Estúdio e Escola) e da Quanta Academia de Artes, onde trabalhei como coordenador geral dos cursos até 2007, quando saí da sociedade, mas permaneço no corpo docente da entidade. Dou aulas de narrativas gráficas, anatomia humana, perspectiva e Histórias em Quadrinhos na Pandora Escola de Arte, em Campinas, no Canvas Studio e Escola, em Piracicaba, e na Quanta Academia de Artes, em São Paulo.

Ilustrei matérias para jornais como O Rei da Notícia, Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo, D.O. Leitura, o Globo e Debate, e revistas como Veja, Exame, Super Interessante, Marie Claire, Dragon Magazine, Show Bizz, Sandman e Jovem Pan, no Brasil. Tive vários Quadrinhos publicados nos EUA e por aqui também. Fiquei conhecido, em território nacional, por desenhar HQs do Amigo da Onça, dos Mamonas Assassinas, do Homem-Cueca, dos Casseta e Planeta e Sport Gang, e escrever roteiros para HQs do Quebra-Queixo.

miragem3

Alguns dos meus personagens já ganharam páginas de jornais e revistas em território nacional: “Delete” (da série Eon, da qual faz parte a saga de Portais), na revista Metal Pesado, “Derenian” (também da mesma saga), na Porrada! Special, e “Mofo” (desenhada por Gabriel Bá), no álbum Fábrica de Quadrinhos 2001. Com Eduardo Schaal, criei o logo da série de TV “As aventuras de Tiazinha” e participei da equipe de design que cuidou dos efeitos especiais. Com Alain Voss, criei o logo da série Sport Gang. Fui o criador do logo do Mundo Canibal. Para editoras americanas, pintei páginas da série “The Queen of the Damned” (da obra de Anne Rice, para a Innovation), e desenhei Wolverine (Marvel), Bloodchilde (Millenium), Lovecraft (Malibu), Black Lightning (DC), Trancers (Malibu) e Deathstroke (DC). Recentemente, pintei as páginas da adaptação de Rei Lear (Nemo).

Para participar, clique aqui, e veja as possibilidades de adesão e as contrapartidas aos colaboradores.

Até mais!

“Portais” um projeto em quadrinhos

Tenha uma ideia concreta do potencial desses artistas.
Tenha uma ideia concreta do potencial desses artistas na página já finalizada.

Os tempos são outros e há saídas para propostas culturais que vão além dos interesses meramente comerciais. A produção de grandes artistas sempre esteve condicionada aos interesses de mecenas, produtores e mais recentemente aos objetivos de marketing e comunicação de grandes empresas. Novas possibilidades surgem através de ações coletivas, onde grupos de pessoas interessadas em uma forma de arte ou em um artista podem financiar a produção de livros, peças de teatro, discos, HQs, etc. A dominação cultural elitizada pode virar apenas história.

Octavio Cariello é um grande artista. Cariello já é velho conhecido deste blog (clique). Ao lado de Pietro Antognioni, Cariello lançou “Portais”, um projeto de quadrinhos para viabilização através de financiamento coletivo, através do Catarse.

Contar uma história em forma de ficção-científica épica pareceu uma ideia perfeita pra lidar com heróis, transformações, profecias, eventos históricos e relações sociais sem virar uma coisa chata e batida. “Portais” tem muita coisa inspirada em outras HQs, filmes, séries e livros; a gente quer contar uma história legal, com personagens bacanas que se esforçam em entender seu papel na história” escreveu sobre o projeto o próprio Cariello, autor do texto que está sendo ilustrado Pietro Antognioni.

Portais” é a história de dois irmãos gêmeos que lutam pelo trono deixado por seu pai. A guerra vai acontecer e terá várias tribos envolvidas, além de cinco pessoas teleportadas de tempos e dimensões diferentes. Ao final, o leitor saberá o que eles tem em comum.

mais uma página de "Portais"
mais uma página de “Portais”

A dupla anda postando fichas dos personagens do projeto em página do Facebook e a obra, finalizada está prevista para abril de 2014. Há várias possibilidades de participação e os detalhes estão disponíveis abaixo.

Conheça a página do projeto no Facebook, clicando aqui.

Veja os detalhes do projeto e as formas de participação clicando aqui.

Conheça um pouco mais sobre financiamento coletivo clicando aqui.

Eu apoio este projeto. O talento de Cariello é incontestável e certamente “Portais” será mais um êxito na carreira dele e de seu companheiro de jornada.

.

Boa semana para todos.

.

Pausa para Will Eisner

Final de tarde, a sensação de que a vida é correção de trabalhos escolares (sim, os montes do post anterior foram substituídos por outros!). Antes de ir para a universidade para avaliar alguns grupos e buscar mais trabalhos para corrigir, uma pausa para manter o equilíbrio; com a amiga Marta Olivieri passei na exposição “O espírito vivo de Will Eisner”.

No Centro Cultural São Paulo, o norte-americano Will Eisner recebeu uma homenagem do tamanho do afeto que os brasileiros tem por esse artista. É uma exposição grandiosa, que merece mais que uma visita, não só dos apreciadores de HQ, as histórias em quadrinhos.

São 106 desenhos originais, uma estátua de bronze do personagem Spirit e três histórias completas em que constam os últimos desenhos do artista.

Estive lá para uma primeira abordagem, já que outro amigo, Octavio Cariello, já havia me dito que é passeio para um tempo maior, se queremos realmente aproveitar para observar o imenso talento de Will Eisner. Fui com a idéia de relaxar, deixar correr uma horinha ao lado de uma amiga, brincando de ser normal. Tão normal quanto um mineiro apaixonado por bondes.

Há mais de 60 anos que Will Eisner vem sendo publicado em todo o mundo. Influenciou gerações de desenhistas e é admirado por milhões de fãs. A exposição, que permanece até dia 18 de dezembro, priorizou as Graphic Novels, e o principal personagem de Eisner, Spirit.

Fica aqui um convite para um passeio rápido ou demorado, entre as mulheres sensuais e misteriosas, os incríveis desenhos e as aventuras de Spirit. A exposição encerra as comemorações dos 20 anos da Gibiteca Henfil do Centro Cultural São Paulo, que fica bem ao lado da Estação Vergueiro do Metrô.

Veja horários e outras atrações do CCSP em www.centrocultural.sp.gov.br

Aproveitem!

%d blogueiros gostam disto: