Renato Teixeira e um “causo”

almir-sater-renato-teixeira-e-sergio-reis

Renato Teixeira esteve em Uberaba, dividindo o palco com Almir Sater e Sérgio Reis. Não pude deixar de lembrar esse causo, criado nos tempos do Papolog. Foi uma amiga quem contou; não presenciei a história… O causo é que o afeto de Edna pelo Renato Teixeira perdura, embora transformado, até a presente data. A mistura das personagens é interessante: Edna, que é de Minas, tem origem Síria; Renato é caiçara, nascido em Santos, mas virou caipira em Taubaté, interior de São Paulo, onde morou.

Renato Teixeira começou profissionalmente nos Festivais da Record. Autor da música “Dadá Maria”, defendida por Gal Costa, com quem gravou a música, naquele que ficou sendo seu primeiro disco. Naquela época, lá em Uberaba, Edna nem tomou conhecimento.

“Mas que alegria vê-la aqui, Dadá Maria
Faz um ano que a saudade vem chamando por você…”

Elis Regina gravou “Romaria” (1977) e o Brasil aprendeu a gostar de Renato Teixeira. Em Uberaba, Edna tomou-o por príncipe encantado. E passou a sonhar com o dia em que teria um primeiro contato com seu ídolo. Sonhava com a certeza do encontro; era ter paciência e esperar, pois o local ela tinha.

Quando o amor começa, nossa alegria chama,
E um violeiro toca em nossa cama…

Tudo é sertão, tudo é paixão, se o violeiro toca
A viola, o violeiro e o amor se tocam…

Um dia o compositor visitaria a cidade; para fazer show ou para visitar Chico Xavier. Com certeza, almoçaria no restaurante mais celebrado de Uberaba, de nome “AS TRÊS COROAS” e de propriedade dos familiares da jovem. Nunca houve, e não há mais na cidade, local público para se comer comida síria, como no restaurante das queridas senhoras Zaíra, Abadia e Síria.

Seria Renato Teixeira chegar e Edna faria com que a mãe a levasse ao restaurante das tias. Em Minas Gerais ninguém gosta de “entrão”, o sujeito inconveniente que entra em assuntos, invade a vida de pessoas sem ser chamado. Então, a jovem arquitetou um plano, com o apoio da irmã, Marisa, para aproximar-se do ídolo com a famosa hospitalidade mineira. O dia chegou!

A notícia correu rápido! O compositor estava em Uberaba. Edna não cabia em si de alegria. Renato Teixeira, por essa época, já estava totalmente identificado com a música caipira. O artista é um dos maiores divulgadores de um jeito de ser caipira, através de músicas que alcançam grande sucesso. Se ele gosta de caipira, pensou Edna, ela seria a caipirinha mais faceira de Uberaba.

“Sou caipira, Pirapora, Nossa
Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida…”

Hora do almoço. As tias Zaíra, Abadia e Síria não se abalaram com o visitante. Afinal, quem tinha o melhor tabule, a berinjela curtida mais gostosa? E os charutos? As esfihas, as saladas de jiló, quiabo? Cada refeição era uma garantia de festa para o paladar naquele restaurante. O compositor chegou, discreto, com assessores, e foi prontamente servido. Edna,com a mãe e a irmã, almoçavam em uma mesa próxima.

“Como uma estrada que vai dar não sei aonde
Por meu destino o coração é quem responde
Braços abertos pra se ver a luz do peito
Com grande amor que seja puro amor refeito…”

De repente, um grito de dor! Com o dedo na boca, simulando um corte, Edna chamou a tia Síria: “- Tia, tem pó pa tapá táio?” Síria, olhou, sem entender lhufas, e a menina insistiu:“- pó pa tapá taio!” A irmã, cúmplice, adiantou-se: “- Pó pô açúca messsmo!”. Edna quase que engoliu o dedo quando o compositor perguntou: – Machucou?

Tinha dado certo! Conseguira chamar a atenção do artista sem ser “entrona”. Respondeu, toda sorrisos: “- Foi um cortizim; pititim; poca coisa!” E ele, todo atencioso: “- Tem certeza?” Ela, toda sorridente: “- Bissoluta!” As tias e a mãe, D. Benha, ficaram intrigadas com aquilo. A família investiu pesado em educação; as meninas estudavam nos melhores colégios. Que brincadeira era aquela?

“Parei em Minas pra tocar as cordas
E segui direto para o Ceará
E no caminho fui pensando é lindo
Essa grande aventura de poder cantar
Amanhaceu, peguei a viola…”

Quando percebeu que o compositor terminava o almoço, Edna, agora já sentindo-se amiga próxima, puxou assunto: “- Vai pro Ridijanero hoje, né meesssmo? Mas num vai sem tomá um cadiquim de café; eu messssma faço.” O rapaz aceitou. A tia, ainda sem entender direito o que ocorria, interviu: “- A água já está fervendo!” Edna não perdeu a deixa de mostrar mais um pouco de seu caipirês: “- Pó pô Pó?” A mãe já se preparava para um pito na menina quando Marisa, a irmã, salvou a situação: “- Pô pó? Pó pô, craro!”

Renato tomou o café e foi-se. Edna passou dias suspirando, lembrando-se das feições do moço, olhando-a quando reclamou do machucado. Ficava repetindo baixinho: “-Tem pó pa tapá táio?”.

E o tempo passou. Ela é, hoje, uma das pessoas mais simpáticas e queridas da cidade. O restaurante não existe mais. Para privar das famosas refeições da família, só sendo amigo.

“Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe,
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei,
Ou nada sei…

Sobre esse episódio, contado aqui sem autorização, tenho certeza que ela me dirá: “-Engraçadinho!” E dará boas risadas. Afinal, é apenas um “causo”, desses que se conta tomando café, ou bebendo uma boa cerveja e, com certeza, mentindo um pouco…

Minha amiga, Edna Idaló
Minha amiga, Edna Idaló.

“A amizade sincera é um santo remédio
É um abrigo seguro
É natural da amizade
O abraço, o aperto de mão, o sorriso
Por isso se for preciso
Conte comigo, amigo, disponha.”

O afeto por Renato Teixeira continua. Se ela chegar perto dele certamente fará brincadeiras, contará piadas. Em segundos, será grande amiga do cara. É delicioso e fácil gostar e ser amigo de EDNA MARIA IDALÓ. Um beijo!

Até!

Notas musicais:

Dadá Maria – Renato Teixeira
Um Violeiro Toca – Almir Sater/Renato Teixeira
Romaria– Renato Teixeira
Olhos Profundos – Renato Teixeira
Amanheceu, Peguei a Viola – Renato Teixeira
Tocando em Frente – Almir Sater/Renato Teixeira
Amizade Sincera – Renato Teixeira/Dominguinhos

Estamos longe de parar

20160728_162311

Após uma caminhada de mais de seis quilômetros eu gostaria de poder dizer que está tudo bem. Andei devagar (porque já tive pressa, diz a canção!) e falando muito pouco. Embora cada vez mais afeito ao silêncio, gostei do som de palavras de ordem, de apitos, do barulho de gente que acima de tudo celebra a liberdade de poder dizer o que pensa. Mesmo com dezenas de carros da polícia na retaguarda; e outro tanto de motocicletas da corporação nas beiras…

Antes, entrei na Avenida Paulista na mesma hora em que uma longa fila de viaturas policiais avançava lentamente, luzes vermelhas piscando e ocupantes ameaçadores que – no nosso país – continuam olhando a população como inimiga. (Chame o ladrão! Chame o ladrão! Diz outra velha canção!). Alguns transeuntes armados de celulares registravam o cortejo armado e na frente, bem na frente daqueles que não foram chamados alcancei milhares e milhares de pessoas.

Por vários instantes me perguntei sobre as reais intenções de cada caminhante, em nome de que, de quem, de qual partido gritavam pelas avenidas; em quem votariam nas possíveis “diretas já”? Quais, quantos nomes constariam para livre escolha? Naquele momento, me parece, o mais importante foi dizer ao “desafeto mor” que são mais, muito mais que quarenta os insatisfeitos com o rumo das coisas.

Na sexta-feira, dia 2, li que o Senado, após o impeachment, passou a considerar legítimo o que na semana passada era crime. Na quarta-feira anterior uma estudante, “atingida por estilhaços de bomba de efeito moral” perdeu o olho durante protesto contra o governo. Dois exemplos da situação em que estamos. Duas situações entre as tantas que merecem caminhadas, palavras de ordem e a luta por um país descente, civilizado.

“Vai caminhante, antes do dia nascer”, terceira canção (Os Mutantes, estão lembrados?)! E assim,  por ter saído antes da noite avançar não sofri o ataque violento da polícia. Antes de chegar ao Largo da Batata manifestei receio aos que estavam comigo. Trechos inteiros mal iluminados – apagaram as luzes públicas? – e no final da passeata, grande número já debandando, o que ocorreria? Noite de domingo:  A grande mídia ignorou ou deu sua “versão dos fatos”…

Segunda-feira, dia 5. “Tudo ainda é tal e qual e, no entanto, nada é igual”… Quarta canção.  Ontem, milhares de pessoas, em todo o nosso país, deixaram bem nítido que continuarão, que a luta segue, que estamos longe de parar. Por um país melhor caminharemos outros seis, dez quilômetros. Até que fiquemos minimamente bem.

Até mais!

Obs 1. As canções referenciadas neste texto são, respectivamente: Tocando em Frente – Almir Satter e Renato Teixeira ; Acorda amor – Leonel Paiva e Julinho da Adelaide {Chico Buarque}; Caminhante Noturno – Arnaldo Baptista e Rita Lee; Os Mais Doces Bárbaros – Caetano Veloso.

Obs 2.Para a foto acima, a legenda óbvia: E o mundo vai ver uma flor brotar do impossível chão. (Sonho Impossível – Versão de Chico Buarque).

O lugar de Heloísa Junqueira ou um tiro saindo pela culatra

O evento na Galeria Olido
O evento na Galeria Olido

Foi nesta quinta-feira, às 12h30, na Galeria Olido, aqui em São Paulo, que ocorreu a apresentação inaugural do Coral Livre da Cidade de São Paulo, sob a regência de Heloísa Junqueira. No repertório erudito a emoção veio com Giuseppe Verdi; a ária “Va Pensiero”, coro dos escravos Hebreus da ópera Nabuco foi, na minha modesta opinião, um grande momento.

O Coral Livre também apresentou músicas populares evidenciando outras facetas do próprio coro e da regente, que assinou arranjos para Yesterday (Lennon/McCartney), Ponta de Areia e Canção da América (Milton Nascimento e Fernando Brant), além de Romaria (Renato Teixeira). Nesta última, Heloisa Junqueira surpreende no andamento ágil, imprimindo novidade à canção interpretada com segurança pelo grupo.

Tai uma coisa que nossos avós diriam: O tiro saiu pela culatra! E como saiu! Explicando…

Heloisa Junqueira foi, durante muitos anos, cantora do Coral Lírico da Fundação Theatro Municipal de São Paulo. Participou de inúmeros recitais, óperas e demais atividades da casa. De repente, após anos de dedicação e de um trabalho primoroso, foi afastada de suas funções, junto com outros artistas, sem os devidos direitos de qualquer trabalhador.

Cá pra nós, conheço Heloisa Junqueira dos tempos de universidade, no Instituto de Artes da UNESP, quando ela já se destacava por uma disciplina incomum e um amor imensurável pelo seu ofício. Sempre aguardei que a ela fosse dado maior destaque nos espetáculos do Municipal. Voz segura e marcante, presenciei Heloisa muitas vezes em meio ao grupo ou cantando árias nas óperas montadas pela casa e sempre aguardei vê-la em solos tão grandes quanto o potencial vocal que ninguém nega existir.

Os meandros de bastidores em instituições como o Municipal são bastante complexos. O tempo passou; um primeiro papel não veio e a cantora, mais alguns colegas, foi surpreendida com o afastamento do Municipal, do coral.

Guerreira, Heloisa Junqueira partiu na luta pelos seus direitos. Entre vitórias e revezes de toda grande batalha, o Theatro Municipal acenou com uma solução para a contenda colocando o grupo afastado na criação e orientação de um novo coral. Tai o tiro que, tenho certeza, saiu totalmente pela culatra.

O Coral Livre. Heloísa Junqueira de preto, no centro.
O Coral Livre. Heloísa Junqueira de preto, no centro.

Cantores experientes, profissionais competentíssimos, os “egressos do Lírico e do Paulistano” (está assim no programa do evento) mostraram já no primeiro recital que o Coral Livre da Cidade de São Paulo é uma realidade que veio para ficar, crescer e seguir em frente. Com Heloisa Junqueira como regente!

Fiquei feliz em ver a cantora que, sem nunca pensar em parar no tempo e na profissão, preparou-se e continua estudando para maestrina. O lugar de Heloisa Junqueira é no palco. E aqueles que tentaram calar a cantora do Coral Lírico só fizeram abrir espaço para a maestrina do Coral Livre da Cidade de São Paulo. Beleza!

Até mais!