A Menina Que Queria Ser Bandeirante

Ronan Vaz, Lilia Pitta, Marcelo Ribas e José Luiz Filho em foto de Thaneressa Lima (Divulgação)
Ronan Vaz, Lilia Pitta, Marcelo Ribas e José Luiz Filho em foto de Thaneressa Lima (Divulgação)

“A Menina Que Queria Ser Bandeirante” é a quinta história do projeto “Arte na Comunidade 2” e foi apresentada nas escolas, individualmente, por cada um dos atores do projeto. Para encerrar o projeto, nas quatro cidades, ocorreu uma mostra teatral com montagens feitas por artistas locais, grupos regionais e da capital, Belo Horizonte. Como anfitriões, os contadores do “Arte na Comunidade 2” subiram ao palco e, juntos, contaram para toda a comunidade as HISTÓRIAS DO PONTAL DE MINAS. Nesta, reviveram as histórias contadas por cada um, mas com a participação dos quatro atores.  As imagens que ilustram este post são deste momento, quando nossos contadores apresentam a quinta história, d’A Menina Que Queria Ser Bandeirante.

Havendo interesse em reproduzir o texto ou interpretá-lo, pedimos a gentileza da citação da origem. Organizado pela Kavantan & Associados, o projeto Arte na Comunidade 2 foi patrocinado pela Alupar e Cemig, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e contou com o apoio das prefeituras de Ituiutaba, Canápolis, Monte Alegre de Minas e Prata.

Vamos à história:

A Menina Que Queria Ser Bandeirante

Original de Valdo Resende

(VOLTA A MÚSICA INICAL AO TERMINAR A PRIMEIRA HISTÓRIA. O CONTADOR MEXE NOS LIVROS, POR ALGUNS SEGUNDOS E, EM SEGUIDA, RETIRA E ORDENA OS QUATRO OBJETOS IDENTIFICADORES DE CADA CIDADE SOBRE A MALA/BIBLIOTECA. NOMINA O OBJETO E REFERE A CIDADE, SEMPRE EM ORDEM ALFABÉTICA).

A mala-biblioteca e os demais adereços utilizados em cena.
A mala-biblioteca e os demais adereços utilizados em cena.

Canápolis! O abacaxi é, para milhares de pessoas, um delicioso símbolo da simpática cidade. Ituiutaba! Cidade tão pródiga, tão rica, que poderia ser lembrada por produzir arroz, cana de açúcar, leite. Escolhemos o leite, porque toda cidade tem um pouco de nossa mãe. Monte Alegre! Há farinha de mandioca em diferentes regiões, outros países… Em Monte Alegre de Minas ela é mais gostosa. Feita com o requinte dos quitutes que colocam Minas em destaque na culinária brasileira. Prata! A mais antiga cidade do pontal de Minas. Mãe de outros dezesseis municípios e, ainda assim, com a maior extensão territorial na região. A gente olha para esses achados arqueológicos e pensa em Minas, lembra o Triangulo Mineiro muito antes de o Brasil nascer.

Claudia, uma menina que nasceu por aqui há muitos anos, gostava de imaginar como eram as coisas, antes que os portugueses viessem para a região, antes que o progresso chegasse modificando e melhorando quase tudo. Com tanta cidade bonita por aqui, fica difícil imaginar o Triangulo como uma grande floresta habitada por índios caiapós, bororós. Mas era assim! Uma imensa floresta dominando o serrado e escondendo ouro, pedras preciosas e muitas outras riquezas.

bandeirante em canápolis

A menina Claudia, loirinha, olhos claros, não tinha nenhum aspecto aventureiro. Era mais para mocinha de contos de fadas. Todavia, desde que ouviu falar sobre os bandeirantes, soube que seria um entre eles. A professora contou que as Entradas e Bandeiras eram como grandes cidades em movimento. Homens, mulheres, crianças, escravos e índios amigos, caminhando juntos com a missão de desbravar a terra e encontrar riquezas. A menina ficou imaginando como seria estar na comitiva de Fernão Dias Paes Leme, buscando esmeraldas. O bandeirante Fernão Dias saiu de São Paulo, rumo a Guaratinguetá e rumou para o centro de Minas Gerais. Achou turmalinas e pensou que fossem esmeraldas. “- Um grande herói!” Claudia disse em alto e bom som que seria uma bandeirante!

Os colegas da menina começaram a rir, a debochar. Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida! Ela ignorou, pensando no ato que fez de Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera. Bartolomeu Bueno da Silva passou por aqui, pelo Triangulo Mineiro, que na época já era conhecido como Sertão da Farinha Podre. Ele foi para Goiás, buscando ouro. Lá encontrou os bravos guerreiros Caiapós, que não entregariam seu território e suas riquezas sem luta. Foi então que ele ateou fogo em um pouco de aguardente, dizendo que era água, e que atearia fogo em todas as águas do território dos Caiapós. Os índios foram ludibriados e, crédulos, chamaram Bueno da Silva de diabo velho, na língua deles, o Anhanguera. A loirinha Claudia delirava com as histórias. Os amigos debochavam.  Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida! Ela dava de ombros, interessada em saber da história de sua terra, do nosso querido pontal de Minas.

bandeirante 7

Os primeiros habitantes de Minas Gerais foram os índios. Depois vieram os portugueses, mas antes desses, muito antes de chegarem com suas entradas e bandeiras, foram os africanos que habitaram várias regiões do estado. É! Escravos africanos que lutando por liberdade fugiram do homem branco e organizaram-se em quilombos. Um dos mais resistentes quilombos que a história guarda é a do Quilombo do Ambrósio, que existiu onde hoje é a cidade de Ibiá, próxima de Araxá.

Aliás, Araxá está entre os primeiros arraiais surgidos no Triangulo Mineiro. Depois veio Uberaba. Depois, o Prata. Antigo, antigo mesmo, é o Desemboque, que hoje é distrito de Sacramento. Desemboque era o nome que se dava ao Triangulo Mineiro, o grande espaço de terra entre o Rio Grande e o Rio Paranaíba. Depois é que chamaram essa região de Sertão da Farinha Podre. Claudia guardava cada detalhe dessa bela história na sua cabecinha de menina.

Desemboque era um centro por onde passavam as bandeiras, rumo ao chapadão mineiro e às terras de Goiás. Outra picada se fez por São Paulo, mas isso foi depois. Nessa primeiras bandeiras que alguns homens, rumando para o interior desconhecido, deixaram pendurados em árvores no mesmo município de Sacramento, alguns sacos de farinha para que, ao retornarem, houvesse alimento para todos. Quando voltaram, a farinha estava estragada.  Começaram a chamar o território de Sertão da Farinha Podre e… Como se diz hoje em dia… Pegou!

A menina começou a esparramar para as amigas, para a família, que seria bandeirante. Que iria desbravar o Triangulo, Minas, o Brasil. O pai da menina não gostava daquilo. Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida! E as lutas, as guerras, ela tinha noção de como havia sido? Que os caiapós, dóceis em um momento, entraram em guerra logo depois, defendendo com garra seu território? Que outro bandeirante, aliando-se aos índios Bororós, arregimentou 500 guerreiros e só assim conseguiram derrotar os Caiapós, em triste carnificina? Ser bandeirante. Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida! Isso não é coisa de menina!

bandeirante 4

Claudia pesquisou muito. Como nessa história não havia mulheres? Foi estudando (PEGA UM LIVRO, COMO SE LESSE) que ela descobriu algumas grandes mulheres. Uma tal Ana de Oliveira, natural de Vila Nova, atualmente Sergipe, participou da formação de duas bandeiras. Duas! E foi perto do Pontal, no interior de Goiás, que uma mulher bandeirante é lembrada como heroína: Maria Diaz Ferraz do Amaral é chamada de Heroína de Capivari, por lutar ao lado dos homens num confronto com os Caiapós. A menina Claudia delirava entusiasmada: “-Veja, papai! Só aqui temos duas grandes mulheres bandeirantes!” Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida!

O pai foi pedir ajuda na escola. Mesmo sabendo que as bandeiras são coisa do passado não gostava nada da ideia de ter uma filha bandeirante. Pediu ajuda e ambos, pai e orientadora educacional, resolveram falar com a menina, para fazê-la mudar de rumo. (COMO SE FOSSE O PAI, O CONTADOR MOSTRA-SE IRRITADO) Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida!

A menina passou uns dias estudando, mergulhada nos livros. Quando parecia que havia esquecido os bandeirantes, a história da região, ela vinha com novidade: “- Papai, você sabia que foi um médico francês, Dr. Raymond Enric des Gennetes, residente em Uberaba, sabendo que a região estava entre dois imensos rios, o Rio Grande e o Rio Paranaíba e que esses sugeriam um triangulo agudo, propôs o triangulo para denominar a região?” O pai, já amuado por ter certeza que ela não mudaria de assunto, resmungou: “-Melhor Triangulo Mineiro que Sertão da Farinha Podre”. E ele voltou a falar com a orientadora. Tinham que fazer alguma coisa. Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida!

Bandeirante 6

Acontece que foi a menina Claudia quem marcou uma reunião com o pai, a orientadora, a professora, e todos os colegas. Ela já estava cansada de ser chamada de doida! Eles então acharam que ela havia pirado de vez. Marcar reunião? Que ideia! Que doida!

No dia marcado, a sala de aula toda lá, querendo saber. O pai querendo entender o que iria acontecer. E a menina Claudia, pedindo a palavra, começou a falar: “- Vocês todos sabem que entradas foram expedições mandadas pelo governo português e que bandeiras foram iniciativas privadas, certo? Entradas e bandeiras tinham objetivos similares.” A criançada começou a murmurar.  Que ideia! Que doida! Agora virou professora. A menina Claudia respondeu; enérgica: “-Professora não, bandeirante!”. O pai colocou a mão na cabeça. Pobre menina! Ela continuou: “-Muitas bandeiras surgiram para aprisionar índios ou escravos africanos que haviam fugido de seus donos, não é mesmo? Outras surgiram movidas pelo desejo de encontrar metais e pedras preciosas. Em todas elas, havia sempre alguém com o desejo de encontrar remédios, plantas medicinais. Eu chamo essa pessoa de herborista! Eu vou ser bandeirante herborista!”

A classe calou-se. Os adultos também emudeceram enquanto a menina explicou que sabia que havia passado o tempo das bandeiras que formaram nossa região. Tinha também certeza que não há, por ali, índios e ou escravos em luta, mas um povo que precisa viver junto e em harmonia. Não só na região; em toda Minas Gerais, em todo o Brasil, há muito por descobrir sobre ervas medicinais. Nossas florestas grandiosas carecem de exploradores, de heróis bandeirantes que busquem alternativas de alimentos, de remédios em meio ao cerrado, ao chapadão, enfim, em todo o território brasileiro.

bandeirante 5

(O CONTADOR MUDA DE TOM, SOLENE, PARA ENCERRAR A HISTÓRIA) O tempo passou; a doutora Claudia tornou-se bandeirante respeitada, herborista de fama! Foi com ela que aprendi que os índios tupi-guarani chamavam pitanga de pyrang. E que essa frutinha colabora na prevenção do câncer. Ela também ensinou que os escravos africanos trouxeram a carqueja, bom para a digestão, para o fígado. Na escola, a doutora Claudia aprendeu a curar com agrião, guaco, alecrim, eucalipto, erva-cidreira, arnica… e continua, por aí, pesquisando nossa mata, na beira dos rios, buscando aprender a ajudar os outros através das nossas plantas. Uma bandeirante moderna! (CONCLUI COM ORGULHO E SATISFAÇÃO:) Que ideia! Uma menina bandeirante! Que doida!

GUARDA OS LIVROS, FECHA A MALA E SAI DE CENA.

São Domingos em dia de céu azul

Uberaba, quarta-feira, com um céu de uma limpidez brutalmente encantadora. Prestem atenção no ponto branco da foto abaixo. É a lua, acreditem! Por volta das três horas de uma tarde deliciosa. São Domingos, Uberaba, Valdo Resende Não sou o fotógrafo que gostaria de ser, nem tenho a máquina com a qualidade necessária para melhorar o fotógrafo. Minha intenção é o registro, a tentativa de fazer com que se olhe um pouco mais para o céu absolutamente azul da minha cidade, valorizado ao extremo pelo belíssimo templo dedicado a São Domingos de Gusmão. São Domingos, Uberaba, Valdo Resende Na sacristia, um pequeno cartaz informa: Primeiro templo dominicano construído no Brasil, a Igreja de São Domingos foi erguida em terreno doado pelo Comendador Jose Bento do Vale e projetada pelos engenheiros Egídio Betti Monsagratti, Dr. Florent e construída pelo José Cotani. É uma grande referência para a ordem dominicana. A pedra fundamental foi lançada em 1899 e, em 1902, estava coberta. (continua) São Domingos, Uberaba, Valdo Resende Em sua construção foi utilizada a pedra tapiocanga, proveniente do rio grande. As telhas vieram da França. Em 1904 foi inaugurada solenemente, faltando apenas as torres em cobre inglês – concluídas em 1914 e as abóbadas centrais em 1939. (continua) São Domingos, Uberaba, Valdo Resende A Igreja tem estilo arquitetônico neogótico, possui formato de cruz, assim como as igrejas bizantinas da Idade Média, além de fortes símbolos da Ordem Dominicana. (continua) São Domingos, Uberaba, valdo resende A Igreja São Domingos foi tombada pelo CONPHAU – Conselho do Patrimônio Histórico e Artístico de Uberaba em 2003. São Domingos, Uberaba, valdo resende Senti falta de maiores detalhes, maiores informações. Infelizmente não encontrei, por enquanto. São Domingos, Uberaba, Uberaba Uma ação de valorização do turismo, na cidade, deveria compreender a publicação de histórico consistente de um monumento como esse. São Domingos, Uberaba, Valdo resende Fiquei muito curioso para saber o nome dos vitrais, valorizados pela belíssimo dia de sol. Quando souber publicarei. Se alguém tem essas informações, por gentileza, coloquem nos comentários que anexarei ao corpo deste post. São Domingos, Uberaba, Valdo resende Após sair da nave, o céu estava lá. E a igreja, majestosa, aponta suas torres para o céu, convidando-nos a olhar para o alto. São Domingos, Uberaba, valdo resende Fica aqui um convite para que, visitando Uberaba, vejam o belo templo que, espero, tal passeio ocorra em um dia com esse incrível sol. São Domingos, Uberaba, valdo resende

.

Até mais!

.

A mão sobre minha fronte

Laura Vinagreiro Resende

Lá onde o céu é azul

Alem do Rio Grande

Uma luz tênue de vela

Roga aos céus, apela

Alguém!

Esse alguém é minha mãe; sempre pronta e disposta a rezar por todos nós. Ladainhas, terços, rosários… Antes, mais jovem, mamãe acendia velas para todos os santos. Sempre por nós; os filhos, os netos e, também, os irmãos dela, os sobrinhos, os primos, as tias…

Sempre confiei nas orações de minha mãe. Acredito que Deus ouve todas as mães, principalmente quando elas não pedem por si, mas pelo bem de todos os seus.

Além do Rio Grande fica Minas Gerais, Uberaba, onde minha mãe pede a intercessão de Nossa Senhora da Abadia, a proteção da Medalha Milagrosa. Santo Antônio ajuda-a a achar coisas; São José traz chuvas. Todos os santos e santos permeiam a vida de minha mãe que, às vezes, cochila um pouquinho entre uma reza e outra. Para quem pede tanto, alguns minutos de descanso são mais que merecidos.

Longe de si minha luta

Acima de mim seu afeto

Une espaço e tempo

Retém cada momento;

Alguém!

Nossa mãe nos deu asas; aquelas invencíveis, denominadas conhecimento. Fomos além até do que ela pode entender e adquirimos um vocabulário, às vezes, inatingível para seus conhecimentos. Não importa; ela conhece as coisas do gostar, do querer bem.

Mamãe fala com os que já foram como se estivessem ouvindo-a. Não, ela não é médium; papai, meus avós, meu irmão e tantos outros permanecem vivos no coração de minha mãe; na fala cotidiana de uma longa vida que desconhece as medidas de tempo. Estas medidas que são meras abstrações, distantes da realidade da alma. Da alma de todas as mães.

Livre, acho eu, liberta:

Acuada, talvez, pelo amor

Uma mulher pequena

Rindo-me, serena

Alguém!

Dona Laura, a nossa mãe, tratou de viver a vida como achou que devia. Foi longe para os parâmetros de meus avôs sem jamais deixar-se distante deles. Gosto de saber das lutas que teve e sou grato pelas batalhas que venceu principalmente por garantir a todos nós, seus filhos, uma vida melhor.

Aqui, sozinho neste momento e em tantos outros, sinto falta da mão de minha mãe sobre minha fronte. Nada neste mundo me acalma tanto, me propicia sono tranqüilo e momentos de intensa paz. Sempre que próximo, em toda e qualquer instância recebo de minha mãe o afago supremo, o remédio eficaz; o calor de sua mão sobre minha testa, fazendo-me fechar os olhos, em paz..

Os versos acima são de uma música, denominada Leréia  que fiz para minha mãe. Quero registrá-los aqui, desejando que mães e filhos possam ter um dia cheio de carinho e, sobretudo, afeto. Esse imenso afeto que, junto com meus irmãos, tenho por Laura, a minha mãe.

.

Até!

.

Quando o museu era a chácara

Bem criança, um local mágico era a estação de trens de Uberaba, minha cidade. Íamos até à estação da Mogiana quando viajávamos para Araguari, ou Ribeirão Preto, ou Campinas. Também íamos esperar os parentes vindos desses lugares, buscar coisas que minhas avós ou tias despachavam em cestas de vime. Os trens que saiam de Uberaba em direção a Campinas tinham Amoroso Costa como primeira parada, depois Ameno, Calafate, Tangará; em Coronel Quito estávamos  na divisa com o Estado de São Paulo bastando, para isso, atravessar o Rio Grande.

Chácara dos Eucaliptos, foto by Valdo Resende
Do lado direito de quem seguia para São Paulo, ficava a "chácara do Dr. Abel"

O páteo da estação de trens, imenso, tinha em uma das extremidades a casa das máquinas, um local fantástico aos meus olhos de  criança. Era o local de manutenção das “Marias-fumaça” e das máquinas a diesel. Terminando o páteo, do lado direito de quem seguia para São Paulo, ficava a “chácara do Dr. Abel”.  Acabo de descobrir que o nome do local é Chácara dos Eucalíptos e que o Dr. Abel era um dos quinze filhos de José Maria dos Reis. Lamento, mas em toda a minha infância e começo da adolescência,  o local foi conhecido como a “Chácara do Dr. Abel”.

Eu sonhei em ser como o Dr. Abel por um único fator. Ele era dono de um “carro”, um vagão especial, destinado aos engenheiros da Mogiana.  Nunca entrei nesse tal vagão que só era acoplado em composições quando o Dr. Abel viajava. Diziam que havia um escritório, uma saleta, e as acomodações normais de um vagão de trens. Quer sonho maior? Primeira classe era pouco diante de isso.

Museu de Arte Decorativa - Mada - Uberaba - MG
O cheiro e o gosto de jambo... de visitas furtivas... A pintura é de Hélio Ademir Siqueira

A Chácara do Dr. Abel era um local visitado pela molecada das redondezas. Fortemente vigiada, tinha um pomar imenso. O único lugar conhecido que tinha jambeiro. Íamos em bando. A cidade, então, ameaçava aproximar-se do local, pelos lados do bairro Estados Unidos. Do outro lado da linha do trem, o nosso lado, ainda era tudo um imenso descampado.

Hoje o local tornou-se o MADA – Museu de Arte Decorativa, Casa José Maria dos Reis. Para a personagem da minha infância a honra de ter dado nome ao loteamento que substituiu a chácara: Residencial Dr. Abel Reis. A sede e algumas árvores do antigo pomar estão lá. No interior do velho casarão a pintura da sala de jantar é parte original da residência. Os demais objetos são do acervo do museu. Na parede oposta encontra-se uma imagem da chácara, em quadro de Hélio Ademir Siqueira.

Detalhe da sala de jantar

Visitando o Museu fui muito bem recebido pelos funcionários, atenciosos, guiando-me pelas dependências e confirmando uma história que circulou pelo bairro sobre os motivos das mudanças. Consta que os impostos sobre o imóvel eram altíssimos. A cidade, no final dos anos de 1990 já ia muito além da chácara e sem condições para manter o imóvel os descendentes da tradicional família Reis transformaram em madeira quase todas as árvores do local. Em seguida fizeram o loteamento e a antiga casa foi doada à prefeitura em acordo que legalizou o Residencial Abel Reis.

Situação similar ocorreu em Araguari, em chácara que pertenceu a meu avô paterno. Lá, infelizmente, nada foi preservado. Por essa e outras que fiquei feliz em visitar a antiga residência uberabense, agora aberta aos meus conterrâneos e aos turistas que visitam nossa cidade. O MADA – Museu de Arte Decorativa fica na Rua Maria de Lourdes Melo Coli, 30,  no Residencial Abel Reis. Uberaba, Minas Gerais. A entrada é franca e o telefone para confirmação de datas e horários de visita é (34) 3338 9409.

Meu avô paterno foi colega de trabalho do Dr. Abel; certamente teria outras histórias para contar. Também é certo que muitos moradores dos bairros Boa Vista e Estados Unidos terão causos sobre a chácara. Quem sabe não aparece mais algum registro por aqui, nos comentários? Vamos aguardar.

Um garçom, um trem, um gavião

A primeira estação que conheci

Das memórias de infância tenho como preciosas as viagens de trem, freqüentes, que fazíamos de Uberaba a Campinas, com eventuais paradas em Ribeirão Preto. Era mais confortável e – lembro-me bem – não foi difícil viajar com o tronco envolto em gesso por um problema de coluna na adolescência. Podia andar entre um vagão e outro, passando pela primeira classe, a segunda, o carro restaurante… As janelas eram disputadas – não, não havia ar condicionado – e além da ventilação havia a paisagem. Conheci cada cidade, cada posto em que os trens paravam.

Mal o trem saia, duas personagens apareciam. O chefe do trem, que vinha verificar as passagens, validando-as e o garçom. Esse era o que eu mais esperava. Vendia refrigerantes, sanduíches, geléias e… refeições. Podia-se ir ao carro restaurante ou comer um “PF” básico, por preços acessíveis.

Das lembranças da estrada e suas respectivas estações, algumas mereceram especial carinho do garoto que fui. Em Jaguariuna, um barzinho com balcão que dava para a plataforma, vendia mexericas em cestinhas de vime. Era quase um fetiche e aguardava a chegada da cidade, da estação, com grande ansiedade.

Atravessar o Rio Grande era ganhar o mundo

As pontes sobre os rios eram atração a parte. A do Rio Grande, que nos trazia para o Estado de São Paulo, a de Mogi-Guaçu, passando pelo rio cheio de pedras, a ponte sobre o Rio Pardo… Há sinais de tiros da Revolução de 32, na ponte do Rio Grande, e já não me recordo o nome da ponte que os revolucionários, com receio de alguma emboscada, fizeram com que meu avô atravessasse com eles, sob ameaça de morte caso algo não desse certo.

Meu avô trabalhou 45 anos na Companhia Mogiana e depois, aposentado, morou em uma casa no bairro Taquaral, em Campinas, em rua paralela à estrada de ferro. Tios, primos, trabalharam em diferentes cargos, em diferentes ramais e estações.

E tem a história do Gavião: Como começou? Não se sabe e não há registro. E todo aquele que trabalhou na Mogiana, como garçom, costuma assumir a autoria do fato. Entre as estações de Ituverava e Canindé, outras vezes, na região de Aguaí, um gavião acompanhava o trem. Um garçom ficava com um pedaço de carne espetado em um garfo, esticando o braço para fora do trem, até que o pássaro conseguisse pegar a refeição.

“Meninos, eu vi!”. E era mágico. O trem noturno saia de Campinas por volta das 22:00 e chegava em Uberaba dez, doze horas depois. Portanto, era de manhã, antes do almoço, quando o trem ia em direção a Minas Gerais que o fato ocorria. Não tenho certeza de quantas vezes presenciei o acontecimento. Chegava no trecho habitado pela ave, o trem diminuía a velocidade e todo mundo corria para as janelas. A linha tinha muitas curvas e corríamos de um lado para o outro do vagão para presenciar o acontecimento. Foram anos com isso ocorrendo e houve momentos em que dois pássaros – pai e filho? – acompanhavam o trem. Há registros desse fato até 1977 e, repito, perderam-se os fatos de como tudo começou.

Antiga foto da estação de Campinas, hoje transformada em Centro Cultural

Essa história toda vem a propósito de uma entrevista dada por MARIO BENEVIDES, quinta-feira, ao PROGRAMA DO JÔ. Um velho garçom da extinta Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. A produção do programa, precária, não soube levantar os dados corretos sobre o percurso Campinas-Brasília, o Trem Bandeirante, como era chamado. Assim, quem viu o programa ficou no dry-martini que o garçom preparou e nas brincadeiras sobre os nomes dos filhos do mesmo. O programa pecou em uma informação fundamental: a linha existe, funciona para trens de carga, o que não existe são trens que transportem passageiros.

Resolvi escrever sobre o assunto porque é fundamental que possamos – sempre – reivindicar de todos os governos a retomada dos trens de passageiros, sem que a gente precise de uma Copa do Mundo para que isso ocorra. São mais confortáveis, ecologicamente corretos… e por ai vai. Perdemos os trens para a indústria automobilística e presenciamos hoje o caos urbano, as estradas cheias e perigosas, só para citar dois problemas.

Aqui escrevo habitualmente sobre música. Como os trens ficam nisso? Simples, ouçam “O Trenzinho do Caipira” (Heitor Villa-lobos), “Ponta de Areia”  (MILTON NASCIMENTO / FERNANDO BRANT) e tantas outras canções sobre o tema. Eu, como bom mineiro, gosto demais disso, Sô!

Isso é "Trem bão!"

(Publicado originalmente no Papolog)