O SUS não mata quem tem câncer

A distinção entre justiça e vingança é uma linha absolutamente tênue; principalmente quando aquele que pede justiça é alguém que sente-se diretamente afetado, quando na verdade, é indiretamente. No caso de uma morte, o principal afetado é o falecido e não aqueles que reclamam “justiça”, na base da Lei do Talião (Olho por olho, dente por dente).

Quem procura justiça costuma transformar anseios em ações concretas e há muitos exemplos por aí, de pais que criam instituições assistenciais, ou campanhas de conscientização, ou mesmo outras formas de, construtivamente, buscar sanar questões que culminaram com a perda dos filhos. Penso que é mais salutar e, prioritariamente, mais produtivo (poderia dizer cristão!) do que prosseguir no eterno jogo do rancor e do ódio.

Sem ser exclusivamente vingança, ações que pedem justiça através de atitudes pacíficas também interessam mais. Um exemplo, o recente protesto pela morte de uma mulher e sua filha; aqueles que exigiam uma punição para o causador dos atropelamentos utilizaram uma frase forte, porque verdadeira: “Não foi acidente”. E esta expressão, “acidente”, costuma ser usada pelos irresponsáveis que com ela buscam justificar atos criminosos, buscando condescendência. Batalhar para que esta expressão não seja aceita em mortes causadas por motoristas embriagados é uma ação inteligente .

As expressões verbais, faciais e gestuais de indivíduos que clamam vingança são apenas semelhantes aos que pedem justiça. A linguagem, até parece a mesma, mas… “A linguagem – escreveu Saint-Exupéry – é uma fonte de mal-entendidos”. E certas frases podem manifestar preconceitos, crenças errôneas, subentendidos absurdos.

Toda essa introdução para refletir sobre a “campanha” em algumas redes sociais, para que Lula, com câncer, não se trate em um hospital particular, mas no SUS. A princípio é uma campanha torpe. O pior é que há um subentendido tenebroso no discurso desses que insistem para que o ex=presidente procure o SUS: “Se Lula procura o SUS morrerá como todo e qualquer pobre que depende dessa instituição”.

Seria bom que essas pessoas que encaminham o ex-presidente para o SUS enfrentassem uma terrível realidade: se dinheiro e tratamento nos melhores centros hospitalares garantisse a cura contra o câncer, Steve Jobs – um dos homens mais ricos do planeta – estaria vivo. Uma outra realidade, e nesta, que a justiça seja feita, os hospitais especializados em câncer, e que atuam com recursos da União, não matam ninguém. Pelo contrário, tratam e alguns muito bem, os doentes afetados por essa terrível doença.

O que qualquer estudo sobre câncer revela é que há tipos com cura, com chances de sobrevida, e outros tipos que são fatais. O que qualquer pesquisa pode confirmar é que o preço dos remédios está associado ao poder dos grandes laboratórios mundiais, que comercializam com frieza todo e qualquer remédio, tratando-os como mero produto capitalista com objetivo de lucro.

A luta contra os grandes laboratórios está no histórico de Jose Serra (E sou grato ao político Serra por “peitar” os grandes laboratórios!) assim como outras lutas, não menos árduas, estão no histórico de Lula. Distante desses dois, no espaço e no tipo de ação, está a Dra. Elizabeth Mioko Morinaka, que atende no Hospital Dr. Hélio Angotti, em Uberaba, minha terra natal. A Doutora Elizabeth, assim como os demais funcionários desse hospital, são de competência ímpar e, muito mais que isso, dispensam tratamento atencioso e carinhoso para com os doentes lá atendidos. Acima de tudo, esses profissionais atendem ricos e pobres sem qualquer distinção e disso dou testemunho e, junto comigo, minha família, amigos e centenas de uberabenses.

Que bom que há alguém que possa buscar estabelecimentos da rede privada; isso diminui um pouco o trabalho de profissionais abnegados, honestos e íntegros de muitos hospitais da rede pública que tratam doentes com câncer. Que há problemas na rede pública, todos nós sabemos. Mas a solução não é enviar indivíduos para os hospitais públicos como se esses fossem cadafalsos; ou como se esses hospitais fossem a “mão vingadora” que vai ceifar a vida daqueles que odiamos.

Tenho a impressão que a Dra. Elizabeth Mioko Morinaka não é solitária no exemplo de bons profissionais da rede pública. Tento imaginar o que ela pensa, o que sente, ante a “vingança” da população, exigindo que Lula procure o SUS. Pelo que sei, se o ex-presidente cair nas mãos de um profissional da estirpe dessa doutora, será tratado com suavidade, respeito, carinho e, sobretudo, competência. Essa profissional luta cotidianamente buscando a vida, ou melhores condições de vida para seus pacientes. E ela atende pelo SUS.

Façam críticas ao Lula, é um direito. Sobretudo, busquem uma ação transformadora da atual situação brasileira; o que não é aceitável é confundir ação política com torpeza, ressentimento irracional. É preciso justiça para com os profissionais que salvam a vida de milhões de brasileiros, mesmo com todos os problemas que temos na administração da saúde pública. Esses profissionais merecem!

Alguém pode, nos comentários, por gentileza, citar outros bons médicos? Do SUS, de preferência. Esses profissionais também precisam de reconhecimento e gratidão. Obrigado.

Dedico este post aos profissionais e colaboradores do Hospital Dr. Hélio Angotti, de Uberaba, MG.

Steve Jobs e a herança que interessa

E por ser humano faleceu; aos 56 anos de idade.

Todo aquele que usa um computador, que gosta dessa maquininha fabulosa, tem uma divida de gratidão para com Steve Jobs. Afinal, esse homem tornou acessível o bichinho para um número incalculável de pessoas. Jobs foi tema de um trabalho na universidade e foi assim que eu conheci quem era o criador, o poderoso, o milionário e, na medida do possível, o ser humano. E por ser humano faleceu; aos 56 anos; a idade que tenho hoje.

Poucas horas e já vi homenagens e piadas sobre a figura mundial. O cara que, segundo a revista Forbes deixou cerca de US$ 8,3 bilhões para, provavelmente, os três filhos. De tudo o que foi dito sobre esse acontecimento penso é no silêncio sobre a doença, sobre o verdadeiro mal que vitimou Steve Jobs.

Em tempos passados, presenciei indivíduos contaminados pelo vírus da AIDS. Fizeram de tudo para esconder esse fato das pessoas. Recentemente perdi um amigo de infância, vítima de câncer, que também escondeu o fato de, praticamente, todo mundo. Penso que todo o segredo sobre a doença de Jobs tem viés financeiro, embora possa estar enganado. Uma pessoa como ele, faz subir e descer ações nas bolsas de valores de todo o mundo. Só da poderosa Disney o empresário tinha 7% das ações, e os jornais noticiam que ele era o maior acionista físico dessa empresa.

A opinião pública pesa mesmo quando estamos diante da morte. E por isso as pessoas não dizem que estão doentes, não revelam a doença. Por outro lado, uma incrível característica humana, a esperança, mantém o interesse e os projetos dos doentes até nos últimos momentos. Ricos ou pobres, mesmo em estado terminal, os indivíduos se recusam a entregar os pontos. Já vi isso.

Como certas doenças não olham a personalidade, o caráter, a religião, o poder e a conta bancária das pessoas… Um poderoso morreu. E essa morte choca também por isso: ninguém compra saúde mesmo com US$ 8,3 bilhões. Morte é a prova concreta da impotência do ser humano perante a vida. Pensamos que somos, que temos, que podemos e ela chega. Pode começar no pâncreas ou no dedo mínimo, mas quando vem, nada pode ser feito.

É pela impotência, pela impossibilidade humana diante da morte que deveríamos aprender alguma coisa. Pela morte de um cara inteligente, rico e poderoso que deveríamos repensar nossas próprias vidas, nossas limitações. A morte de Steve Jobs nos propicia bastante reflexão sobre nossas precariedades. Talvez seja essa a última grande lição do mega empresário, do criador incansável e do dono de fabulosa fortuna: Somos frágeis e morreremos.

Reafirmo minha gratidão por Steve Jobs. Por todas as músicas, imagens e vídeos que guardo na maquininha aqui de casa. Por todas aquelas às quais tenho acesso graças aos caras todos do universo da computação. Sou grato ao Steve Jobs que, com suas atitudes, impulsionou a concorrência e favoreceu todo o planeta. Por isso podemos escrever mais, ler mais. Som, imagem, produção de texto e leitura em abundância para o mundo inteiro. Conhecimento e diversão! Esse sim é um legado admirável, uma herança incalculável.

Uma ideia: Lembre-se de Steve Jobs e de todos os criadores dessa revolucionária máquina no próximo “Ctrl C + Ctrl V”. É mais que uma simples homenagem; na real, é um pouco da verdadeira herança desses caras, seres humanos, entrando em nossas vidas.

%d blogueiros gostam disto: