É hoje o dia!

Muitos trabalhos são marcados por etapas muito distintas e, provavelmente, a melhor é aquela em que colhemos um primeiro fruto do esforço realizado. Hoje, por exemplo, minha casa está limpinha e sou profundamente grato a profissional que realizou essa tarefa. A maioria das pessoas é beneficiada por profissionais assim, que colhem imediatamente o resultado do trabalho: o pão matinal que nos alimenta; a condução que nos leva ao trabalho; o orador que nos orienta durante o culto religioso; e há, nesse aspecto, outros incontáveis serviços e ações.

Alguns acontecimentos levam mais tempo entre a preparação e realização: a festa de casamento, a conclusão de um curso, a estréia de uma peça de teatro ou de um filme… Um livro! Envolvendo diferentes pessoas na tarefa, acontecimentos assim têm caráter público tornando-se, por isso mesmo, motivos de festa. É essa a nossa festa! É hoje o dia!

Chegado o momento, os versos do grande samba de Almir da Ilha (É Hoje!) não saem da minha cabeça!

…É hoje o dia

Da alegria

E a tristeza não pode pensar em chegar!

Diga espelho meu!

Diga espelho meu se há na avenida alguém mais feliz que eu…

Mais feliz que eu, não sei. Tanto quanto é bem provável. Para um grupo de companheiros de jornada, essa data entra para a história. Nosso livro está pronto e estamos felizes. Temos vivido intensamente para ver esse objeto; logo mais estaremos dividindo nossa alegria com todos aqueles que têm acompanhado essa tarefa, alguns sendo parte essencial do projeto.

A B4 Editores nos acolheu e viabilizou nosso livro. Hoje, mais tarde, a Livraria Martins Fontes abrigará nosso lançamento.  Milhares de pessoas estão sabendo desse lançamento graças ao trabalho da Presença Propaganda; e nossos vídeos foram realizados pela equipe da Fractals Produções na Livraria HQ MIX. Muita gente comemorando. E há nossos familiares, colaboradores, amigos, centenas de conhecidos, alunos que através das redes sociais multiplicaram esse acontecimento. Muita gente! Tanta, que daria para brincar e sambar na Avenida Paulista.

…É hoje o dia

Da alegria

E a tristeza não pode pensar em chegar!

Diga espelho meu!

Diga espelho meu se há na avenida alguém mais feliz que eu…

Desde já, um super OBRIGADO para todos, incluindo nesses aqueles que, de longe, não estarão fisicamente, mas estão torcendo pelo êxito da empreitada. Se alguém está indeciso, se alguém ainda não sabia, vale lembrar o puxador de samba e conclamar todos para a grande festa:

– Atenção comunidade! A hora é esta…

O local é a Livraria Martins Fontes, na Avenida Paulista, 509, a partir das 18h30.

.

Até mais tarde!

.

A agulha do palheiro

Em 2011 foram publicados 58.192 títulos no Brasil. Desse total, 20.405 foram feitos em primeira edição. Esse mercado tem crescido e, no próximo ano, estarei atento aos novos números, sabendo que nosso livro, “Um profissional para2020”, estará entre os milhares de livros disponibilizados para o brasileiro.

Não é nada fácil estar entre vinte mil, disputando espaço na preferência de milhões de brasileiros. A tiragem inicial de um livro, no Brasil, é sempre pequena; entre um, dois mil exemplares. Então tudo fica menor ainda, ínfimo, tal qual agulha no palheiro, ou como as sementes e as idéias. E nisso, na pequenez e grandeza de uma semente ou de uma idéia que está a razão do trabalho, da ação.

A semente do livro contemporâneo surgiu lá atrás, na Alemanha, quando Gutenberg criou a imprensa moderna. De lá pra cá, muitas novas idéias forjaram livros belíssimos; outros inventores e criadores, alguns ainda entre nós, possibilitaram o “livro luz”, com a técnica que permite que você, leitor, leia este post ou a Bíblia, ou mesmo, entre milhões de possibilidades, versos de Cecília Meireles.

…As verdades e as quimeras.

Outras leis, outras pessoas.

Novo mundo que começa.

Nova raça. Outro destino…

E as idéias.

Os livros digitais estão aí e talvez, em 2020, sejam publicados em maior número que os livros impressos. Transitando entre duas eras distintas estou, ansiosamente, aguardando o exemplar em papel e, deixando para depois o livro eletrônico, o e-book. Importa-me a forma, já que necessito dela; sobretudo, importam-me as idéias. De todos os autores que gentilmente aceitaram uma primeira idéia: delinear possibilidades para o futuro profissional, o estudante de agora.

No momento nosso país esta recebendo promessas de ações que modificarão o planeta, o país, a cidade. O tal horário eleitoral é um celeiro de idéias; algumas são mirabolantes; há candidatos a prefeito que não separam as esferas de poder e prometem coisas que estão em esferas acima, onde transitam governadores e presidentes. Plantam idéias e buscam, no grande palheiro eleitoral, um único voto para somar aos tantos necessários em uma eleição.

Nesta semana chega o resultado de um trabalho iniciado há muito tempo; diferentes idéias que foram ganhando espaço, tornadas esboço de uma forma que, em nosso livro, estão fixadas, mas não fechadas. É muito bom estar em um trabalho que não promete, mas que planta; que não determina, mas que aponta, sugere. Uma semente para germinar entre outras idéias, outras sementes, colaborando nas decisões imediatas ou futuras de nossos leitores.

Comecei com os números altíssimos do mercado editorial brasileiro porque é salutar, neste momento, ter a perspectiva correta do que estamos fazendo, do espaço que ocupamos. Somos a agulha do palheiro. Nada me impede de ficar imaginando nosso “Um profissional para 2020” entre os milhares de outros livros disponíveis. Por isso fico sonhando com terrenos férteis para nossas sementes, com mentes livres onde nossas idéias sejam discutidas, refletidas, e só depois acatadas. E assim, só assim, vamos em frente!

.

Boa semana para todos!

.

Notas:

– Os versos de Cecília Meireles são do Romance XXI ou das Idéias.

Duas irmãs, as primeiras

Imagine que em um dia, já perdido no tempo, recebo um telefonema de Goiânia: “- Oi, você vai ser tio!” Alguns anos transcorridos e estou em um carro rumo à UNICAMP acompanhando a mãe e o bebê, agora mocinha, levando esta para residir na cidade universitária. Este pode ser um fato que dimensiona bem minha amizade com Fátima Borges, a mãe. O tal telefonema chegou porque a amizade vinha de longe, muito longe.

Com Fafa, sempre!

Crescemos em Uberaba, no bairro Boa Vista, e nos aproximamos já na infância. Os tempos eram outros, de uma rigidez absurda determinando meninos de um lado, meninas de outro. Fátima Borges, daqui para a frente só Fafá, começou no teatro primeiro que eu, encenando as peças preparadas por uma moça chamada Isabel, a Belinha. Essa é, efetivamente, a lembrança que ficou não como a primeira, mas viva recordação de como tudo começou.

Comecei em teatro por outras vias, com minha irmã Waldênia levando-me ao TEU – Teatro Experimental de Uberaba. Eram momentos muito legais de festivais de música, de teatro, e minha irmã, começando a universidade, frequentava cineclubes, sessões de teatro. Eu acompanhava e ia tomando gosto pela coisa.

Com Waldenia, todo o tempo!

Um salto no tempo e estou com Fafá no grupo de jovens da Paróquia de Nossa Senhora das Graças. Vivíamos entre os Padres Somascos: Nicolau, Líbero, Américo, Pedro, Enzo… Italianos que nos ensinaram muitas coisas: Um deles, Líbero, gostava de propor desafios. Um desses foi que o grupo de jovens deveria realizar a quermesse, algo restrito aos mais velhos. Lembro-me ao lado de Fafá, visitando os jornais da cidade para divulgar nosso primeiro grande evento. Desse período, marcante e determinante para nossas vidas, Padre Líbero desafiou-nos a tocar violão acompanhando a missa. Vivíamos brincando de fazer barulho com o instrumento. E lá fomos nós, fazer aulas de violão e, poucos meses após, responder positivamente ao desafio do pároco.

Dei meus primeiros passos em teatro no grupo paroquial. Foi minha irmã Waldênia quem me colocou em contato com um livro de Constantin Stanislavski, o grande diretor  teatral  russo, criador do melhor método de estudo para atores. A música foi para plano secundário, um componente entre as montagens teatrais que realizei. Para Fafá, a música tornou-se fundamental e ela, já distante do nosso cotidiano, foi cantar na noite de Goiânia. Enquanto minha amiga cantava em bares e eventos, da capital goiana e região, passei a residir em São Paulo e comecei a trabalhar por aqui.

Será que ela sabe que eu guardo o panfleto?

Na minha bagagem para São Paulo, aprendidos com Waldênia, trouxe os versos de Fernando Pessoa, romances de Fernando Sabino e Autran Dourado e outros livros de Stanislavski. Foi uma boa base para enfrentar a vida. Outro tanto de tempo, convidado pela produtora Sonia Kavantan, montei uma peça infanto-juvenil, “A História de Lampião Jr e Maria Bonitinha”, texto de Januária Cristina Alves. Nessa peça voltava a trabalhar com Fafá, chegando de Goiânia para morar em Santo André, no ABC. O teatro da infância, a música na juventude; Fafá interpretou e cantou, lindamente, sob minha direção.

No presente Waldênia ensina-me outras coisas que ela aprendeu sendo mãe, agora avó. Gostaria de ser tranquilo como ela, de manter frieza em situações complicadas e de saber deixar de lado quem não vale nossas preocupações. Ainda aprenderei. Com Fafá a amizade continua, com uma cumplicidade que não tem tamanho e com um afeto cada vez mais sólido. Cada um no seu canto, sempre juntos. Concretamente juntos também no trabalho: Fátima Borges é a revisora do nosso livro “UM PROFISSIONAL PARA 2020”.

Família que minha irmã formou. Os filhos lindos puxaram “Eulindo”

Deus me deu três irmãs de sangue que amo muito. Únicas em personalidade, em modo de ser e viver. E também fui abençoado com grandes amizades. Tenho mais de uma dezena de melhores amigas. Melhores sim, todas elas; no mais puro sentido do que seja melhor. Não há escala de importância. Há um imensurável amor. No entanto, tudo tem um começo. Waldênia é a primeira lá de casa, a primogênita. Fafá é a primeira grande amiga na minha vida. As duas são aniversariantes neste 15 de setembro. Duas mulheres, irmãs que a vida me deu. Feliz aniversário, meninas!

.

Até mais!

.

Belas peças, Fernandinho!

Fernando Brengel arrasa no material de divulgação do nosso livro, “Um profissional para 2020”. Liderando a Presença Propaganda, vem colocando um precioso material em nossas páginas sociais. Quero registrar aqui e, tenho certeza, que a gratidão que sinto é compartilhada pelos demais autores do livro. E, já que o Brengel é um grande publicitário, nada como lembrar um mega sucesso em forma de agradecimento: – Bonita camisa, fern… ops! Belas peças, Fernandinho!

.

Presença Propaganda

.

Presença Propaganda

.

Presença Propaganda

.

.

A diagramação, capa e todas as peças de divulgação são da Presença Propaganda. Obrigado, Fernando Brengel. Muito obrigado, pessoal da agência.

.

Até mais.

.

Lembrete:

O lançamento do livro será na próxima quarta-feira, 19.09.12, a partir das 18h30, na Livraria Martins Fontes, São Paulo-SP, Av. Paulista, 509.

O salto, o mergulho…

Estou ouvindo e, volta e meia, vendo Elis Regina. Tranquilizem-se que é apenas um DVD, já que ainda não sou “médium”. Elis canta como quem salta de paraquedas. A associação leva a outra lembrança, quando Maria Bethânia canta que “o amor não é mais do que ato de a gente ficar, no ar, antes de mergulhar”. O salto, o mergulho…

Elis mergulhou com tudo nos palcos por onde cantou. Seu canto é visceral. Maria Bethânia ainda brilha entre nós; e é Caetano Veloso quem melhor define essa presença: “No palco Maria Bethânia; desenha-se todas as chamas do pássaro”. Leveza ou força, suavidade ou intensidade, a vida pede entrega. É, sobretudo, pela capacidade de entrega dos seres humanos em suas ações é que quero refletir.

De imediato quero lembrar e homenagear os atletas paraolímpicos brasileiros. Eles nos trouxeram 43 medalhas de Londres, sendo que 21 dessas são medalhas de ouro. Esses atletas são donos de um caráter exemplar e lembram-nos, sempre, que a vida segue em frente, que devemos encarar o que a sorte nos trás e ir além, atingindo nossos objetivos.

Vi alguns boletins das Paraolimpíadas de Londres; revi Fernando Fernandes, apresentando o programa ao lado de Flavio Canto, e refleti várias vezes sobre meus preconceitos contra essa gente que participa do BBB. O rapaz, que sofreu um acidente e, dando a volta por cima, tornou-se tricampeão mundial de paracanoagem. O ex-BBB é um exemplo público de alguém que soube viver, continuar a viver com o que a vida propiciou.

Grandes artistas, grandes esportistas, assim como um incontável número de pessoas estão entre aquelas que dão o salto, encaram o mergulho e ensinam-nos a viver.  É perceptível, em toda essa gente, a entrega sem ressalvas ao que escolheram, ou que lhes foi imposto para viver. Pegam o arado e seguem em frente, lembrando-nos a verdade bíblica:   “Aquele que põe a mão no arado e olha para trás não é digno do Reino de Deus” (Lucas 9,62).

Somos humanos! E assim, é com essa expressão que frequentemente caminhamos apenas até a esquina, subimos apenas o primeiro degrau, molhamos apenas os pés e, salto… Nem de paraquedas! Olhando para nosso cotidiano, em casa, no trabalho ou no grupo de amigos percebemos o receio de nossos amigos em saltar tanto quanto não admitimos nosso medo de mergulhar. Cobramos as posturas alheias e pouco revemos nossas próprias atitudes.

Tenho tentado mergulhar na vida. Venho dando pequenos pulos, como que ensaiando o grande salto. Viver intensamente! Trabalhar honestamente, tenazmente e, buscando evitar lamentos, seguir em frente. Neste momento, por exemplo, que o DVD de Elis Regina já terminou e que escrevo ouvindo canto gregoriano, percebo que foi dada a partida. Mais uma vez estou, com grandes amigos, prestes a dar mais um salto, outro mergulho. Mais um, que não será o último.

Neste atual projeto, temos idéia de onde queremos chegar; temos objetivos, metas. Planos tornados realidade e sonhos, para o futuro. O melhor de tudo é estar em movimento, sentindo o olhar de meus amigos, com tudo o que pode um olhar. Confiança, alegria, incerteza, força, dúvida, fé, amizade, briga… Estamos concluindo uma importante etapa do nosso trabalho e sinto-me de mãos dadas, caminhando rumo ao trampolim para o mergulho (Meu Deus, e eu não sei nadar!), subindo as escadas de um avião que nos levará para o grande salto (Quem tem as manhas de saltar de paraquedas?). O resultado disso, o futuro? Viver, continuar a viver.

.

Boa semana para todos.

.

Dedico este texto aos meus companheiros de trabalho no lançamento de “Um profissional para 2020”.

.

Notas:

1 – “O amor não é mais do que o ato…” é verso de Trampolim, de Caetano Veloso e Maria Bethânia.

2 – O verso de Caetano, definindo Maria Bethânia, é da música Tapete Mágico.

.

Parceiros na estrada

Vamos em frente! A estrada ainda é longa, vamos caminhar!

Quero apresentar meus parceiros neste trabalho, “Um profissional para 2020”. Com a informalidade que nossas relações permite e que, se eu conseguir escrever legal,  facilitará ao leitor conhecer um aspecto humano de cada um dos autores, meus amigos. Tente imaginar um ambiente tranquilo, uma pizzaria, local onde muitas idéias foram trocadas. E para apresentá-los, eu faria assim:

Cae (Carlos Eduardo) é psicólogo; logo, há uma leve tendência para discutir a relação. Rapaz sério, do tipo aplicado que, se adolescente, seria nerd. Todo equilíbrio do cidadão entra em colapso quando, em campo, o Corinthians perde.

Claudia sorri sempre. Profissional de mídia, sabe quase tudo; discreta, revela aos poucos. Ponderada, sabe negociar e, ultimamente vem ensinando-me a manter o tal sorriso nas adversidades. A grande negociadora neste projeto.

Luis Américo sabe tudo de varejo. Feito para essa área é elegante e de fino trato. Quando ele está entre nós a gentileza flui por atacado. Trabalha muito; tanto que um dia pode até entrar para a lista das grandes fortunas entre os professores brasileiros…  (Fenômeno!)

Vania de Toledo trabalha com pesquisa, ou seja, diplomata. Tem aquele jeito para armar perguntas educadas, nos mais rígidos padrões do “por favor”, “obrigada”, “com licença”… Parece frágil, mas é de uma persistência inabalável.

Victor é aquele do marketing que, quando todos ficam descontrolados, fica frio e segura as pontas, analisa e aponta soluções viáveis. Como a humanidade não é puro marketing, pode discorrer sobre Caetano Veloso e doenças pulmonares… (???)

Brengel, o Fernando, é publicitário; ou seja, emocional, festivo, amoroso. Criativo, pode pintar, bordar e criar peças, muitas peças. Entre as suas criações mais recentes: narração comentada online de novelas. Patente registrada.

Regina já foi descrita aqui, em outra oportunidade. Eu não perderia a chance de um pequeno golpe: veja mais uma página deste blog e saiba mais sobre a professora!

No centro da foto (sim, comecei pela esquerda e segui, sentido horário) está Vania Maria, a moça dos resíduos sólidos, gestão ambiental e outras questões deste século XXI. A moça manja de ecorrelações … (hein? não, ela não abraça árvores!)

E assim estamos, mais uma vez, na estrada. Para este percurso outros agregados; Cae trouxe Elen e Regina Luppi; já Regina, a Cavalieri, nos trouxe a Kelly Cristiane; o livro pronto, e Victor apresentou nosso trabalho ao professor Mitsuru Yanaze. E há todo um pessoal na composição do livro, na edição, na revisão, no marketing… parcerias nascentes que serão oficialmente apresentadas para todos no dia 19 de setembro, 18h30, na Livraria Martins Fontes, 509, em São Paulo.

.

Até mais!

.

Nota: os nomes completos e corretos do pessoal citado:  Carlos Eduardo Costa, Claudia Regina Bouman Olszenski, Elen Gongora Moreira, Fernando Brengel, Kelly Cristiane da Silva, Luis Américo Tancsik, Mitsuru Higuchi Yanaze, Regina Cavalieri, Regina Ferreira Luppi, Vania de Toledo Piza, Vania Maria Lourenço Sanches, Victor Olszenski.