Tags

, , , , , , , ,

Estou ouvindo e, volta e meia, vendo Elis Regina. Tranquilizem-se que é apenas um DVD, já que ainda não sou “médium”. Elis canta como quem salta de paraquedas. A associação leva a outra lembrança, quando Maria Bethânia canta que “o amor não é mais do que ato de a gente ficar, no ar, antes de mergulhar”. O salto, o mergulho…

Elis mergulhou com tudo nos palcos por onde cantou. Seu canto é visceral. Maria Bethânia ainda brilha entre nós; e é Caetano Veloso quem melhor define essa presença: “No palco Maria Bethânia; desenha-se todas as chamas do pássaro”. Leveza ou força, suavidade ou intensidade, a vida pede entrega. É, sobretudo, pela capacidade de entrega dos seres humanos em suas ações é que quero refletir.

De imediato quero lembrar e homenagear os atletas paraolímpicos brasileiros. Eles nos trouxeram 43 medalhas de Londres, sendo que 21 dessas são medalhas de ouro. Esses atletas são donos de um caráter exemplar e lembram-nos, sempre, que a vida segue em frente, que devemos encarar o que a sorte nos trás e ir além, atingindo nossos objetivos.

Vi alguns boletins das Paraolimpíadas de Londres; revi Fernando Fernandes, apresentando o programa ao lado de Flavio Canto, e refleti várias vezes sobre meus preconceitos contra essa gente que participa do BBB. O rapaz, que sofreu um acidente e, dando a volta por cima, tornou-se tricampeão mundial de paracanoagem. O ex-BBB é um exemplo público de alguém que soube viver, continuar a viver com o que a vida propiciou.

Grandes artistas, grandes esportistas, assim como um incontável número de pessoas estão entre aquelas que dão o salto, encaram o mergulho e ensinam-nos a viver.  É perceptível, em toda essa gente, a entrega sem ressalvas ao que escolheram, ou que lhes foi imposto para viver. Pegam o arado e seguem em frente, lembrando-nos a verdade bíblica:   “Aquele que põe a mão no arado e olha para trás não é digno do Reino de Deus” (Lucas 9,62).

Somos humanos! E assim, é com essa expressão que frequentemente caminhamos apenas até a esquina, subimos apenas o primeiro degrau, molhamos apenas os pés e, salto… Nem de paraquedas! Olhando para nosso cotidiano, em casa, no trabalho ou no grupo de amigos percebemos o receio de nossos amigos em saltar tanto quanto não admitimos nosso medo de mergulhar. Cobramos as posturas alheias e pouco revemos nossas próprias atitudes.

Tenho tentado mergulhar na vida. Venho dando pequenos pulos, como que ensaiando o grande salto. Viver intensamente! Trabalhar honestamente, tenazmente e, buscando evitar lamentos, seguir em frente. Neste momento, por exemplo, que o DVD de Elis Regina já terminou e que escrevo ouvindo canto gregoriano, percebo que foi dada a partida. Mais uma vez estou, com grandes amigos, prestes a dar mais um salto, outro mergulho. Mais um, que não será o último.

Neste atual projeto, temos idéia de onde queremos chegar; temos objetivos, metas. Planos tornados realidade e sonhos, para o futuro. O melhor de tudo é estar em movimento, sentindo o olhar de meus amigos, com tudo o que pode um olhar. Confiança, alegria, incerteza, força, dúvida, fé, amizade, briga… Estamos concluindo uma importante etapa do nosso trabalho e sinto-me de mãos dadas, caminhando rumo ao trampolim para o mergulho (Meu Deus, e eu não sei nadar!), subindo as escadas de um avião que nos levará para o grande salto (Quem tem as manhas de saltar de paraquedas?). O resultado disso, o futuro? Viver, continuar a viver.

.

Boa semana para todos.

.

Dedico este texto aos meus companheiros de trabalho no lançamento de “Um profissional para 2020”.

.

Notas:

1 – “O amor não é mais do que o ato…” é verso de Trampolim, de Caetano Veloso e Maria Bethânia.

2 – O verso de Caetano, definindo Maria Bethânia, é da música Tapete Mágico.

.